Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O seu filho? Esqueci-me dele...

Resultado de imagem para esquecimento

transferir (1).jpg

 

Primeiro foi um menino de cinco anos, que ficou esquecido na escola, e que foi retirado do primeiro andar pelos bombeiros, chamados pela mãe que, ao chegar à escola, se deparou com ela fechada, tendo o filho surgido numa janela ao ouvir a mãe chamar.

Depois, um menino de seis anos, que ficou sozinho na escola, enquanto os colegas e os professores faziam o desfile de carnaval nas ruas da localidade.

Certamente, ninguém actuou com intenção de deixar os meninos na escola propositadamente, mas não posso evitar questionar-me se estarão realmente seguras as nossas crianças, nestes espaços que as mesmas frequentam diariamente?

Nos casos acima referidos, o primeiro ficou fechado na escola. Dali, pelo menos, não podia sair. Já o segundo, saiu em pânico para a rua e, se não tivesse encontrado uma amiga da mãe, que o levou para junto dos colegas, sabe-se lá o que podia ter acontecido.

E quando os nossos filhos vão em visitas de estudo? E se os responsáveis pelos alunos se esquecem de algum deles, num desses locais que visitam?

Até agora, nunca tive problemas, nem qualquer razão de queixa, mas é de uma pessoa ficar de pé atrás, depois de ouvir notícias destas.

 




Comprei um saco de plástico! E agora?!

blog 004.jpg

blog 005.jpg

blog 006.jpg

Por acaso até foi mais que um!

E daí? Isso faz de mim uma inimiga do ambiente? Ou uma cúmplice do governo?

Não me parece. 

Fui às compras, e não levei sacos de casa. Por isso, pedi 2 num hipermercado, e 1 noutro. Paguei 18 cêntimos pelos 3. Não fiquei mais pobre por isso e deram imenso jeito. Além disso, são muito mais resistentes que os antigos e, estes sim, até dá pena utlizar para outra finalidade que não seja para compras. 

Por isso, admito que possa vir a, num futuro próximo, levá-los comigo para esse fim. Como já algumas pessoas faziam, antes de as taxas entrarem em vigor, e como ainda mais pessoas fazem, desde que os sacos começaram a ser pagos.

De facto, admiro essas pessoas. É tudo uma questão de hábito e de mentalidade. Eu confesso que ainda não estou muito habituada! Mas reconheço que é uma atitude sensata.

No entanto, com a entrada em vigor das taxas sobre os sacos de plástico, vejo também certas atitudes ridículas.  E não há necessidade de as pessoas cairem no exagero. Se antes, aproveitavam o facto de serem gratuitos para levar sacos a mais, que não precisavam, agora vêem-se pessoas a levar as compras na mão, só para não comprarem um saco!

E não estou a falar de duas ou três coisas. Vi uma cliente sair de um hipermercado com uma torre de compras desde a cintura até à cabeça, a praticar equilibrismo. Em nome de quê? Do ambiente?! De certeza que não!

Cada um sabe de si e faz o que bem entende, e ninguém tem nada a ver com isso. Mas não compreendo como é que as pessoas conseguem ir de um extremo ao outro, por causa de meia dúzia de cêntimos!

 

 

 

 

E se não houvessem mais chumbos escolares?!

Portugal é um dos países com níveis mais elevados de reprovação escolar. Mas, será a reprovação escolar o caminho para uma melhor aprendizagem?

Quando a minha filha foi para o 4º ano, ganhou uma colega nova que, no ano anterior, tinha reprovado. Se isso fez com que essa dita colega melhorasse o seu desempenho escolar no ano seguinte? Talvez. Mas pouco. Ainda ficou mais um ano a frequentar (pela terceira vez), o quarto ano.

Não posso dizer que “desta água não beberei” (espero bem que não aconteça), porque nunca sabemos o dia de amanhã, mas o meu pensamento sempre foi o de que uma criança repetente tem obrigação de ter melhores notas e obter melhores resultados que no ano anterior, já que é a segunda vez que lhe está a ser explicada a matéria. Reprovar um ano, pode acontecer a qualquer um. Reprovar duas vezes no mesmo ano, já não é tão aceitável.

Seja como for, tendo em conta este exemplo, verificamos que as reprovações, como defende o Conselho Nacional da Educação, nem sempre promovem aprendizagem.

E nem sempre podemos imputar a culpa, exclusivamente, aos alunos. Existem vários factores de que dependem o sucesso ou o fracasso escolar. Como afirma o Dr. José Carvalho, licenciado em filosofia da educação, em todas as relações de ensino existem três elementos: aquele que ensina, aquele a quem se destina o ensino, e o que é ensinado.

Assim, não havendo evidências de melhoria na aprendizagem, mas sim vários estudos que indicam que os alunos retidos têm mais probabilidades de voltar a chumbar, e que estas reprovações podem levar ao abandono escolar, o Conselho Nacional da Educação recomenda substituir chumbos por apoios aos alunos.

Isto evitaria, por um lado, os custos elevados das reprovações e, por outro lado, a eliminação de situações de desigualdade social escolar.

Porque uma reprovação não implica só o reaprender ou consolidar os conhecimentos adquiridos no ano anterior. Implica uma mudança de turma, de professor, de colegas. Implica um estigma que lhe irá ficar, para sempre associado. Implica, de alguma forma, discriminação.

No entanto, não será a substituição das reprovações por apoios, uma forma de facilitismo? David Justino diz que não. Que a legislação já define que as repetições sejam um recurso de última instância e que a política de exigência não pode ser pretexto para reter alunos por qualquer coisa, como acontece hoje em dia em que até, a pedido dos pais, se retêm alunos no mesmo ano.

Ainda assim, será justo para todos os outros alunos que se esforçaram para ter um bom desempenho, ver que o seu esforço pouco vale? Que tanto faz ser um aluno de 5 como de 2, porque a aprovação está garantida?

Que critérios irão definir, ao certo, o que é considerado última instância? Merecerá um aluno que nada fez ao longo de um ano, ter passagem garantida? Merecerá um aluno que se esforçou mas, ainda assim, teve nota negativa a várias disciplinas, seguir em frente sujeito a apoios? E como se sentirão os alunos que trabalharam, que se esforçaram e que obtiveram excelentes resultados, com essa aparente igualdade?

 

 

Circolandia em Mafra

 

Vai estar aqui por Mafra, de 27 de Fevereiro a 8 de Março, o circo Circolândia, que conta com as habituais exibições do palhaço Josef, da Sonia com a espada e o punhal, da Viviana no arco aéreo, e muitos outros números, inspirados nos desenhos animados do Ratatui e do filme Piratas das Caraíbas.

Para quem estiver interessado, o circo situa-se junto ao Continente, e os horários são os seguintes: 

Sextas - 21.30h

Sábados - 16.00h e 21.30h

Domingos - 16.00h

 

Preços a partir de 10€ (crianças) e 15€ (adulto). Mas atenção! Foram distribuídos vários convites destes e, quem tiver um deles, tem direito a uma promoção:

doc20150224194424_001 I.jpgdoc20150224194316_001 I.jpg

 

O bilhete das criança é gratuito desde que acompanhadas por um adulto com bilhete pago (válido apenas para 1 criança por adulto). 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP

  • Pág. 1/9