Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O recibo electrónico para rendas

 

transferir.jpg

 

Mais uma "brilhante" medida deste governo!

Nem sei que diga, tais são os disparates associados a esta nova medida!

Todos os senhorios "que recebam, no conjunto do ano, rendas superiores a 838,44 euros - o equivalente a perto de 70 euros por mês - terão de passar recibos eletrónicos mensais aos seus inquilinos, emitidos através do Portal das Finanças".

Qundo ouvi falar sobre isto a primeira vez, perguntei-me: então e aqueles senhorios que não têm acesso à internet? Mas será que o governo pensa que ter um computador em casa e, ainda mais, ligação à internet, é algo banal? 

Não! E por isso criaram esta "importantíssima" excepção: "os senhorios com 65 ou mais anos, que poderão não ter facilidade de acesso à internet, não são obrigados a passar recibos electrónicos, mas apenas umam declaração anual".

Que bom, isso quer dizer que consideram todos os outros senhorios, abaixo dessa idade, com boas condições de acesso à internet! Somos um país muito à frente!

Depois, temos este valor mínimo a partir do qual se torna obrigatório emitir recibo electrónico. Qual é a finalidade deste tecto?

E qual é, no fundo, a finalidade da medida? Se é evitar a fuga ao fisco, porque razão isentam uns, e obrigam outros?

Se é para que tudo seja feito legalmente, de forma mais prática, e com vantagens para inquilinos e senhorios, porque é que nuns casos continuam a ser admitidos os recibos em papel, e noutros já é necessário o recibo electrónico? Não deveria ser uma medida igual para todos? Ou então, não ser obrigatória?

Quem vai lucrar, e muito, com isto são esses senhores das agências de documentação, e empresas de contabilidade, a quem muitos irão recorrer para preencher estes novos recibos!

Novo prazo para a liberalização de gás e electricidade

Resultado de imagem para gás e luz

Se ainda não mudaram para o mercado liberalizado de gás e electricidade, têm agora até 31 de Dezembro de 2017 para o fazer.

Antes da formalização deste adiamento, quem tinha potências de electricidade contratadas iguais ou superiores a 10,35 kVa e/ou consumos de gás iguais ou superiores a 10000 m3 anuais, teve de procurar um fornecedor alternativo até ao final de 2014.

Já para aqueles que tivessem uma potência de electricidade e consumos de gás inferiores aos atrás referidos, o prazo era até 31 de Dezembro deste ano para fazer a transição.

Artur Trindade, que assina esta portaria, afirma que a transição "está a correr bem porque as pessoas estão a sair do mercado regulado".

Eu fui uma das que já procedeu a essa alteração, há pouco mais de um mês. No meu caso, só no respeitante à electricidade, e não houve dúvidas quanto à empresa fornecedora. Era só uma questão de tempo.

Mas todos aqueles que ainda têm dúvidas, que não sabem qual a melhor opção para o seu caso, que ainda nem pensaram no assunto ou que gostam de deixar para o fim a mudança, têm agora mais dois anos para fazer a alteração!

 

 

Mesquinhices

 

Resultado de imagem para criticar

 

Se há coisa que detesto é mesquinhices. 

Pessoas que pegam em qualquer coisinha para implicar, ou que não têm mais nada para dizer além de críticas.

E isso acontece muito aqui nos blogs!

Há muito boa gente que, ao ler um texto, se limita a deixar como comentário uma correcção ortográfica. Como se, de tudo o que tivesse lido, a única coisa que interessasse do texto fosse a quantidade de erros que a pessoa dá enquanto escreve.

Uma coisa é, como já me aconteceu, comentarem o que escrevo e, em aditamento, chamarem a atenção para um erro que lá exista. Até agradeço porque, muitas vezes, estamos tão entusiasmados a escrever que nem damos por isso, ou o próprio teclado nos trama.

Mas apontar unicamente os erros, é ser picuinhas. Todos os dias leio vários posts, alguns deles estão cheios de erros. Se me preocupo com isso? Convém que quem escreva o saiba fazer minimamente. Mas se o texto me agradar, comento e pronto. O que importa é ter passado a mensagem, ter-se feito entender. Eu não sou paga para ser correctora ortográfica. 

E também há muito boa gente que se limita a dizer que tal pessoa copia outra, que tal blog não presta e que devia ser apagado. Até ameaças, se vêem por aqui!

Se o texto não vos agradou, se não vos interessou pelo que é dito, passem à frente. Se não gostam de determinado blog, não voltem. Se há repetição ou plágio, deixem que quem de direito reclame. Se a única opinião que têm a dar, é uma crítica nada construtiva, guardem-na para vocês. Há tantos outros blogs por esta blogosfera fora. É só escolherem os que mais vos agradam, e deixarem os outros em paz! 

 

Livro de reclamações electrónico

Resultado de imagem para livro de reclamações electrónico

 

Será que os portugueses reclamam muito? Dizem que sim! 

Mas talvez reclamem mais "da boca para fora", de cabeça quente, com os ânimos exaltados, muitas vezes por coisinhas sem importância, por mesquinhices, do que daquilo que realmente deveriam.

E quantos não reclamam, tantas vezes, verbalmente mas recuam perante a perspectiva de apresentar uma reclamação escrita no Livro de Reclamações.

Agora, o governo quer criar, até ao verão, o livro de reclamações electrónico juntando, numa única plataforma, todas as queixas dos consumidores, permitindo aos mesmos apresentar, de forma mais rápida, a sua reclamação.

Ao que parece, o projecto-piloto da plataforma electrónica vai estar disponível, em simultâneo, com a versão em papel do livro de reclamações.

Irá esta nova forma de reclamar aliciar os consumidores a exercerem mais o seu direito? Iremos assistir a uma subida considerável do número de reclamações? Irá o famoso "livro amarelo" cair em desuso?

E qual será a eficácia e rapidez desta mesma plataforma, na resposta e resolução das queixas apresentadas?

 

  • Blogs Portugal

  • BP

  • Pág. 1/13