Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

A Rapariga de Antes, de JP Delaney

doc20170428000300_001.jpg

 

Emma e Jane - duas mulheres, duas inquilinas do n.º 1 de Folgate Street. Emma, a anterior inquilina. Jane, a actual. O que as une, e o que as separa? O que têm em comum, e o que têm de diferente estas duas personagens?

 

Emma, num momento anterior, procurava, juntamente com o namorado Simon, uma nova casa para arrendar, e com a máxima segurança, dado que tinha sido vítima de assalto uns dias antes.

Jane, no presente, procura uma nova casa, para tentar recomeçar a sua vida, após a perda da sua bebé, que nasceu sem vida.

Ambas foram selecionadas, após preencherem um extenso questionário, e irem a uma entrevista com o arquitecto que construiu a casa, e que é o senhorio.

Viver no n.º 1 de Folgate Street não é para todos. Existem demasiadas regras que muitos não estão dispostos a aceitar e cumprir. Eu própria nunca o faria. Seria quase como estar a viver constantemente vigiada, com receio, a planear cada movimento e cada gesto - uma espécie de prisão domicilária.

Muitos inquilinos não aguentaram mais que umas semanas, e sairam.

Ainda assim, é uma casa incrível, que capta a atenção de quem a visita, e dotada da mais alta tecnologia, para que tudo funcione de forma perfeita, e nada falhe.

A determinado momento, alguém diz: "Quer um conselho? Arranje uma casa normal e coloque-lhe uma fechadura dupla."

E não é que até tinha uma certa razão?! É que a tecnologia é fantástica, mas também pode ser falível.

 

 

Mal comecei a ler este livro, a vontade era só parar na última página!

A história vai alternando entre o passado, com Emma, e o presente, com Jane. Confesso que, a determinado ponto, já não sabia bem se o que estava a ler dizia respeito a uma ou a outra, tal a forma como tudo se repetia com as duas.

 

 

Ambas estão abaladas psicologicamente. Ambas são parecidas, e igualmente parecidas com a falecida mulher de Edward, o senhorio. Ambas se envolverão num relacionamento com Edward, e repetirão muitas das conversas, das cenas, dos momentos que passaram com este.

Até ao momento, existe apenas uma diferença entre elas - Emma está morta. Jane ainda vive. Por enquanto...

 

 

Tudo o resto que distingue as duas, irão descobrir à medida que forem avançando na leitura do livro que, apesar de nos querer empurrar à força para uma determinada direcção, nada mais faz do que nos distrair para que não percebamos de onde vem o verdadeiro perigo.

 

Fomos visitar o Parque e o Palácio de Monserrate

Imagem relacionada

 

No passado domingo o meu marido quis ir passear até Sintra.

Não estava muito para aí virada, mas lá fomos. Estacionámos o carro a meio do percurso para os palácios, e fomos andando, à espera de visitar o mais próximo.

Calhou-nos o Parque e Palácio de Monserrate. Logo para começar, considerei as entradas um pouco caras, mas já se sabe que Sintra vive quase do turismo, e turismo em Portugal, infelizmente, não é para todos.

Começámos pelas cascatas, jardins, lagos, até que chegámos ao relvado com o Palácio ao fundo, no alto da colina.

Visto por fora, o Palácio de Monserrate fez-me lembrar um palácio indiano.

Entrámos, e ficámos encantados com a entrada e o corredor. E foi só. Tudo o resto foi uma total desilusão. Estava à espera de, à semelhança do Convento de Mafra, se vissem as diversas salas e aposentos adornados com as mobílias e acessórios da época. Mas, neste palácio, deparámo-nos com salas vazias, apenas com um painel a explicar o que havia antes naquelas divisões.

Na sala de música, apenas um piano, coberto. Numa outra sala, um espelho rachado e um vaso quebrado. Os quartos? Vazios. Algumas paredes e chão em mau estado de conservação.

A visita vale pelo exterior que, de facto, é magnífico. Mas tenho quase a certeza que muitas daquelas pessoas que ali foram visitar o Palácio ficaram com a mesma cara de desapontamento que nós.

 

Na hora de ir embora, ainda demos umas quantas voltas para tentar descobrir a saída, indo sempre parar ao palácio, até que demos com a cafetaria. E mais umas voltas, de novo, para encontrar a saída. Entre seguir uma senhora que por lá andava, e que não sabíamos se iria embora ou estaria a visitar o parque, e um carro que passou por nós, decidimo-nos pelo carro. No fim, percebemos que ambos os caminhos iam dar ao mesmo ponto - a saída!

 

O mais caricato de tudo isto é que, nem uma única vez, nos lembrámos de pegar no mapa que nos tinham dado, e que guardei na mala, para nos ajudar a sair dali!  

A Bailarina - o filme

Resultado de imagem para bailarina filme

 

Assim que vi a apresentação do filme soube que o queria ver.

E, na segunda-feira, lá fomos nós ao cinema ver A Bailarina!

A sala estava quase esgotada, e a maioria dos espectadores eram, claro, as crianças.

 

 

Resultado de imagem para bailarina filme

A história em si não traz nada de novo. Fez-me lembrar um filme da Barbie, em que a personagem principal vai ser ajudada e treinada para ser uma grande bailarina.

Mas, ainda assim, adorei o filme! E gostei logo no início, com uma música espectacular a prenunciar o que aí vinha. E podem criticar a banda sonora deste filme, como já li, mas para mim é perfeita. Tem várias músicas que gosto muito, e que fazem todo o sentido.

 

Se querem ver o filme e manter a surpresa, não leiam o resto do post.

 

 

Resultado de imagem para bailarina filme

Tudo começa com dois amigos, órfãos - Felícia e Victor - a fazerem planos para fugir do orfanato onde vivem, para concretizar os seus sonhos - o dela, de ser bailarina, e o dele, de se tornar um grande inventor.

E é assim que ambos vão parar a Paris, onde tentarão mostrar aquilo que valem. 

 

Sobre Felícia, há uma frase que a define "tens a energia de uma bala, e a leveza de um elefante".

 

 

 

Resultado de imagem para bailarina filme

Ela vai ter que treinar muito e melhorar a sua técnica, que é a única coisa que lhe falta.

Se é verdade que qualquer um, com maior ou menor dificuldade, consegue adquirir alguma técnica trabalhando para isso, também é verdade que a paixão pelo que se faz, neste caso a dança, nem todos a têm e sentem.

 

Pelo caminho, Felícia vai cometer erros e ter atitudes menos correctas com as pessoas que mais a ajudaram, como Victor e Odete. Isso irá sair-lhe caro, e prejudicar quem a ajudou. E ela vai voltar para o orfanato, desta vez sem a alegria e vivacidade de antes.

 

Como em todas as histórias, existem os maus da fita, a menina rica e mimada que quer o protagonismo só para si, os aparentemente duros, mas que escondem um coração bondoso, e os amigos tontos.

 

 

Resultado de imagem para bailarina filme

Felícia perdeu para Camila a oportunidade de dançar ao lado de uma das maiores bailarinas daquele tempo, interpretando o papel de Clara, em Quebra Nozes. Em vez disso, está a arrumar a cozinha no orfanato, e os seus dias vão passando, sempre iguais. Mas, poderá ela ainda vir a ser uma bailarina?

 

 

Imagem relacionada

E o que terá acontecido a Victor, que ficou em Paris?

 

Poderão mesmo os sonhos tornar-se reais, se nunca desistirmos deles?

 

Para mim este é já um dos grandes filmes de animação do ano!

Se puderem, vejam.

Espero nunca chegar a este ponto

Resultado de imagem para conversa telefónica

 

 

Num dia, em conversa com um familiar:

- O meu telemóvel é básico, não recebe mensagens de imagem. - digo eu

- Que pena. Tinha aqui umas imagens tão giras para te enviar.

 

Uns dias depois:

- Olha, recebeste as imagens que te enviei?

 

 

E isto tem vindo constantemente a repetir-se: eu a dizer a essa pessoa, vezes sem conta, que o meu telemóvel não recebe mensagens de imagens, e a pessoa a continuar a enviá-las, e a ficar muito admirada, como se fosse a primeira vez que eu digo que não dá, de cada vez que pergunta e eu lhe respondo o mesmo.

A velhice é tramada. E é só por isso que tem desculpa.

Espero nunca chegar a este ponto.

No hipermercado

Resultado de imagem para batom desenho

 

Ontem fui a um hipermercado a que nunca tinha ido.

A minha filha queria comprar um batom e, como estávamos por ali, aproveitámos.

Procurámos no corredor e encontrámos a secção de maquilhagem. Mas o que estava nas prateleiras eram fraldas, pensos higiénicos e afins.

Pergunto a uma funcionária que estava nesse corredor, onde podia encontrar batons.

"Tem ali à frente", diz, apontando para uma secção.

"Nos acessórios?" - pergunto eu, olhando para lá, e não vendo nada parecido com batons.

 

A funcionária, vendo que eu não estava muito convencida, pergunta-me então:

 

"Mas quer batom para quê?"

 

E eu estive quase, quase para lhe responder que, normalmente, o batom é para usar na boca!

 

  • Blogs Portugal

  • BP

  • Pág. 8/8