Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

A entrevista ao Nelson Freitas

_n.png

 

Nelson Freitas é um cantor, escritor, produtor musical e também proprietário da NelsonFreitas Music (NFM) sendo, neste momento, um dos melhores produtores e cantores da indústria da música africana ou zouk.

O seu percurso na música começou como vocalista do grupo Quatro, com o qual lançou três álbuns.

Mais tarde, estreou-se a solo com o álbum “Magic”, que vendeu mais de 70.000 cópias em todo o mundo, lançando definitivamente a sua carreira.

Neste primeiro trabalho, estão bem vincadas as suas raízes cabo-verdianas, aliadas à sua paixão pelo Hip-Hop, R&B e House, que serviram de inspiração a Nelson Freitas para uma mudança no som contemporâneo da música cabo-verdiana.

Em 2010 foi lançado o seu segundo álbum, "My life", do qual se destacaram títulos como Rebound ChickSaia BrankaNha Primere Amor, e que vendeu mais de 90.000 cópias.

"Elevate", o terceiro álbum no qual contou com a colaboração de artistas e produtores de Angola, Cabo Verde, Congo, Holanda e Marrocos, chegou em 2013.

Deste álbum, e numa parceria com o cantor angolano C4 Pedro, saiu o grande sucesso “Bô Tem Mel”, que esteve durante vários meses em destaque nos principais tops de música nacionais.

Agora, chegou a vez de “Miúda Linda”, que já roda em várias rádios e venceu, inclusive, o prémio de Melhor Música no Kizomba Music Awards.

Para nos falar um pouco mais sobre o seu percurso e carreira, Nelson Freitas aceitou o convite e concedeu uma entrevista para esta edição da Blogazine, que aqui partilho convosco!

 

 

 

 

 

Marta: Nelson, ainda na sua adolescência, teve algumas experiências na dança, como dançarino de breakdance. A dança ainda faz, de alguma forma, parte da sua vida? Continua a gostar deste estilo de dança ou, atualmente, prefere outro género?

N. Freitas: A dança é uma parte muito importante da música que faço, por isso é importante para os meus ouvintes. Hoje em dia não danço assim tanto. Apenas canto, e nos meus espetáculos tenho bailarinos. Mas gosto de ir a discotecas e dançar.

 

Marta: Foi numa pausa como dançarino que integrou, como vocalista, o grupo Quatro, que chegou a lançar três álbuns de originais. Quando é que sentiu a necessidade de enveredar por uma carreira a solo?

N. Freitas: Fazer parte de uma banda foi bom para mim, porque aprendi muito sobre a indústria da música, como escrever e produzir, e quando eu senti que não tinha mais nada a aprender no grupo, decidi enveredar por uma carreira a solo. Já estava com algumas ideias em mente que não poderia aplicar na banda, por isso cantar a solo foi o passo seguinte. Tivemos bons momentos enquanto grupo.

 

Marta: Em 2013 atuou no Coliseu dos Recreios, num concerto que, posteriormente, deu origem ao álbum “Live At Coliseu dos Recreios”, e no qual contou com a presença de vários convidados, entre os quais a sua filha! Foi um momento especial?

N. Freitas: Sim, foi um momento muito especial no espetáculo, na minha carreira e na minha vida. A forma como ela subiu ao palco, vestida de branco, parecendo-se com um anjo, e cantou comigo “I Love You”, foi de tirar a respiração. Ela não estava nada assustada com o facto de cantar perante 5 mil pessoas. Nesse dia nasceu uma estrela!

 

Marta: As suas músicas combinam um pouco de R&B, Hip-Hop, Zouk, Kizomba e música tradicional de Cabo Verde. Considera que os portugueses estão, atualmente, mais abertos a estes ritmos e estilos musicais?

N. Freitas: Sim, temos trabalhado muito ao longo todos estes anos na elaboração da nossa música e do nosso som, e sinto que se está a tornar cada vez mais corrente.

 

Marta: Em algumas das suas letras, costuma misturar crioulo com inglês. É uma combinação que tem resultado de forma positiva?

N. Freitas: Sim, são línguas nas quais me sinto à vontade porque os meus pais são de Cabo Verde e o meu pai vive em Nova Iorque desde os meus 10 anos, por isso tenho ouvido estas línguas desde criança. Misturá-las faz parte do meu estilo. Adoro ser diferente e tem funcionado comigo.

 

Marta: Com a colaboração de artistas e produtores de diferentes etnias, na produção e edição de “Elevate” nota, tanto a nível de experiência como de criatividade, alguma diferença ou evolução entre o primeiro álbum “Magic” e “Elevate”?

N. Freitas: O último álbum chama-se “Elevate”, então acho que isso responde, de certa forma, à pergunta.

 

Marta: A nova música “Miúda Linda”, venceu o prémio de Melhor Música no Kizomba Music Awards. Depois do estrondoso sucesso do tema “Bô Tem Mel”, considera que “Miúda Linda” é um sucessor à altura?

N. Freitas: Penso que irá ultrapassar “Bo Tem Mel” porque “Miúda Linda” já tem mais de 12 milhões de visualizações no Youtube, em apenas 3 meses, graças aos fãs.

 

Marta: Que projetos tem para este ano a nível musical?

N. Freitas: Estou a trabalhar no meu novo álbum, cujo primeiro single foi lançado a 26 de Fevereiro.

 

Marta: Nelson, muito obrigada pela sua disponibilidade e colaboração!

N. Freitas: Obrigado por esta entrevista.

 

 

Aqui ficam os links para ficares a par de todas as novidades sobre o Nelson Freitas:

http://www.nelsonfreitasonline.com/

https://www.facebook.com/nelsonfreitasonline

 

Apoio Universal Music Portugal / Kayo Sound

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP