Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Mestres da Ilusão 2

Resultado de imagem para mestres da ilusão 2 capa

 

Todas as críticas que li sobre este filme foram, de uma forma geral, negativas.

Ainda assim, e porque prefiro ser eu a tirar as minhas próprias conclusões, vi-o no passado fim de semana.

No primeiro filme, havia um objectivo concreto, e a surpresa no final foi enorme, quando percebemos quem esteve por detrás de tudo aquilo.

Neste segundo filme, os cavaleiros voltam ao ataque, com uma missão em que acabam por ver o tiro sair pela culatra, sendo que os próprios ilusionistas irão ser enganados, e eles próprios vítimas de um truque, que os leva a ter que sobreviver sozinhos, em Macau.

Como se isso não bastasse, o seu líder é denunciado, e vê-se obrigado a juntar-se ao homem que anteriormente enviou para a cadeia, para salvar os seus companheiros.

 

 

Este filme serve, sobretudo, para mostrar duas coisas:

Por vezes, não gostamos que haja alguém que nos lidere, e desejamos ser nós mesmos esse líder, achando que faremos melhor. Ora, basta que algo corra menos bem, e nos vejamos numa situação propícia, para pôr em prática aquilo que há muito queríamos. A questão é que querer nãoé o mesmo que estar preparado, e conseguir. Quando nos falta humildade e o poder nos sobe à cabeça, deixamos de ver, e as coisas podem correr mal.

É nessa altura que chega o verdadeiro líder que, apesar da traição, continua ao nosso lado e nos ajuda nos momentos que dávamos por perdidos. 

 

Quando estamos cegos pela vingança e sede de justiça, acreditamos apenas numa única verdade - a nossa. Mas nem sempre as coisas são o que parecem, nem sempre os maus são assim tão maus, nem os bons assim tão bons. E, num momento de lucidez, tudo aquiloem que sempre acreditámos pode ser deitado por terra, e mostrar que, muito do que fizemos, foi em vão.

 

 

O que menos gostei neste filme foi o regresso de algumas personagens do primeiro filme, quando poderiam ter trazido novas, que trouxessem um novo mistério.

O facto de continuar sem saber ao certo qual o papel de uma determinada personagem na organização denominada "O Olho". O meu marido diz que ele é "O olho", mas eu acho, ou desejo, que não. Que haja mais para além disso.

No primeiro filme, sabemos que um grande ilusionista perdeu a vida ao tentar um truque arriscado. Mas ele próprio dizia que tinha sempre um truque na manga.

Por isso, e havendo um terceiro filme (parece que já existem negociações para tal), gostaria que fosse esse ilusionista "O Olho". Que ele tivesse sobrevivido ao acidente, com o tal truque na manga, e que estivesse por detrás de tudo.

 

 

A não ser assim, ou este terceiro filme traz algo de muito surpreendente e novo, ou acabará por ser mais do mesmo, sem qualquer lógica.

 

  • Blogs Portugal

  • BP

  • 1 comentário

    Comentar post