Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

À Conversa com os MAGANA

thumbnail_foto promo magana 2.jpg

Os convidados de hoje da rubrica "À Conversa com..." são os irmãos Romano-Batista!

Naturais de alcácer do Sal, o Nuno, na voz e bateria, e o Jaime, na voz e guitarra, formam os MAGANA, e lançaram, a 12 de Maio, o seu primeiro álbum, intitulado "Na Terra do Sr. Zangão".

Para nos falar um pouco mais sobre eles, e este primeiro trabalho, os MAGANA aceitaram o convite para uma entrevista, que vos deixo aqui:

 

 

k15771734.jpg

 

 

Quem são os Magana?

Os Magana são um projecto criado por dois irmãos do rock’n’roll que decidiram fazer umas músicas que agradassem a pessoas dos 7 aos 77, misturando um pouco de todos os estilos musicais, com umas letras cómicas e que retratassem o quotidiano de forma engraçada. Tudo isto aliado a uma atitude rockeira e bem-disposta.

 

 

Em que momento é que decidiram formar a banda?

Nós estamos sempre em estúdio, seja a ensaiar, gravar, ou criar. Foi numa dessas sessões que, de forma espontânea, surgiram umas músicas que nos fizeram rir, e pensámos que teríamos de escrever umas letras a condizer e, posteriormente, gravá-las. Inicialmente, achámos que isto nem teria potencial para ser editado, que seriam só mais umas músicas que ficariam na gaveta, mas rapidamente mudámos de opinião quando começámos a receber o feedback das pessoas que ouviam, e decidimos arranjar um nome para o projecto e formar a banda.

 

 

A música esteve sempre na vossa vida?

Não nos conseguimos lembrar de um único dia das nossas vidas em que a música não estivesse presente.

O nosso pai é músico profissional e nós fomos criados entre baterias, guitarras e pianos. Estivemos sempre em contacto permanente com a música, fosse em ensaios ou espectáculos. Lembramo-nos perfeitamente de adormecer em sofás de bares enquanto o nosso pai tocava. Por isso, era uma questão de tempo até começarmos a fazer música pelas nossas mãos.

 

 

De que forma é que a vossa relação de irmãos interfere, ou facilita, o trabalho enquanto banda?

Como todos os irmãos que se prezem, temos as nossas discussões feias, mas rapidamente ultrapassamos essas desavenças. Temos muita facilidade em trabalhar juntos, primeiramente porque sempre foi assim e não sabemos fazê-lo de outra forma, e depois porque já trabalhámos imenso com todo o género de músicos, e sinceramente, assim é a melhor maneira de trabalharmos, damo-nos muito bem e somos extremamente apegados um ao outro. Chegamos sempre a um consenso que agrade a ambos.

 

 

Em 2016 participaram no programa “The Voice Portugal”. Como foi essa experiência?

Sim, é verdade. Quando decidimos concorrer ao programa, íamos sem expectativas nenhumas. Decidimos participar porque, caso as coisas corressem bem, sabíamos à partida que esse tipo de programas dão uma grande visibilidade a quem passa por lá, e isso seria bom para nós e para os nossos projectos.

Foi uma experiência agradável, fizemos bons amigos lá dentro e estabelecemos contactos importantes no meio da indústria, que de outra forma seria mais difícil. Mas muito sinceramente, e fugindo um pouco ao politicamente correcto, continuamos com a mesma opinião em relação a este tipo de programas que tínhamos antes de lá entrarmos.

Ao nível da arte propriamente dita, este tipo de programas não acrescenta nada, ali dá-se importância a tudo menos ao que, supostamente, interessa mais, a música.

Aqueles que vão para lá a pensar que lá por estarem no “The Voice”, têm a carreira garantida, estão muito enganados. Basta olhar para outros concorrentes de edições passadas, onde estão eles?

Ou já tens as tuas músicas feitas, ou então, não esperes que vá aparecer alguém que queira pegar em ti, porque isso não vai acontecer.

O nosso conselho é que, mesmo passando por lá, façam as vossas músicas e trabalhem muito em busca do lugar ao sol. Toquem, mostrem as vossas músicas às pessoas, porque elas sim é que interessam. O público é o único júri que realmente importa.

 

 

O público ainda vos identifica como participantes desse programa, ou não costuma fazer essa associação?

Ainda há um ou outro que tem melhor memória e que nos identifica, mas é a minoria, estes programas dão-nos fama descartável, e por um lado ainda bem que assim é.

Não é muito bom para quem quer fazer carreira na música ficar associado a este tipo de concursos. Ao inicio, quando passámos pelo programa, toda a gente nos reconhecia na rua, agora já são muito poucos.

Quando calha em conversa, lá temos de explicar que “fomos aqueles dois irmãos que tocavam bateria e guitarra”, e as pessoas aí dizem: “aaaahh, já me lembro de vocês”.

Só assim associam-nos ao programa.

 

 

thumbnail_MAGANA capa.jpg

 

“Na Terra do Sr. Zangão” é o primeiro álbum dos Magana. Que música se ouve “Na Terra do Sr. Zangão”, e que o público poderá descobrir no álbum?

Tentámos fazer um disco que reunisse um pouco de todas as nossas influências musicais, por isso, neste álbum o público pode ouvir pop, rock, folk, bossa-nova, fado, que é o caso do primeiro single, Estória do Zé, uma espécie de fado misturado com música tradicional. Esperamos que as pessoas gostem. Até agora está a ter uma boa aceitação.

 

 

O single de apresentação intitula-se “Estória do Zé”. A história do Nuno e do Jaime também poderia dar uma música?

Sim, claro, toda a gente tem uma história para contar, por isso, toda a história individual daria uma música. Este é um disco onde se contam histórias. Todas as letras foram baseadas em pessoas que conhecemos ou personalidades estereotipadas.

Hoje em dia já não é preciso escrever acerca de temas rebuscados como o amor ou a paz no mundo, pode-se escrever acerca do gajo que come na tasca e usa fio de ouro ao peito, ou das idas à praia na infância com as sandálias do peixe-aranha e as sandes de carne assada cheias de banha!

 

 

Pegando em outros temas do álbum, de que forma completariam as frases ou responderiam às questões:

Ser “Popstar” é…ser fútil, desinformado, e desinteressante.

“Está na Hora” de…relativizarmos os problemas e começarmos a dar-nos todos bem como seres humanos que somos.

Como foi a “Infância nos 80’s”? Extremamente feliz e produtiva. Hoje em dia a infância já não é como foi nos 80’s. É óbvio que tem coisas melhores e outras piores, mas estamos gratos de poder ter vivido a nossa infância nos 80’s.

O vosso “Canto de Luxúria” é… Nem queiram saber! Isso fica na nossa intimidade. Seriamos acusados de promíscuos!

 

 

Como é ser músico em Portugal?

Ser músico no nosso país é daquelas profissões que não são consideradas profissões, é mais vista como um hobby do que outra coisa.

Por este motivo, não é das profissões mais fáceis de se levar. Não existe um sindicato para defender os interesses da classe, e os próprios músicos são culpados pela situação que se encontram, os músicos não são unidos e não se valorizam, não que sejam todos assim, mas uma grande maioria são.

Mesmo assim, ainda é possível viver só da música, é claro que não tens uma vida desafogada, a não ser que sejas um artista de topo, mas mesmo assim vai dando para viver.

Temos vários amigos nossos que se despediram dos seus trabalhos ditos normais, para se dedicarem a 100% à música, mas a maioria continua com empregos paralelos e conciliam com a música.

Nós ainda não demos esse passo, mas esperamos dar em breve, afinal de contas, o objectivo é viver a fazer aquilo que realmente se gosta de fazer.

 

 

Quais são os objetivos dos Magana para este ano de 2017, e a longo prazo?

Lançámos o nosso disco o mês passado pela Farol Música, e estamos gratos de terem acreditado em nós. Era um objectivo importante que andávamos a perseguir há algum tempo.

O próximo passo será conseguir agenciamento, ainda não conseguimos e sabemos que sem um bom agente não consegues mostrar-te em muitos sítios.

Precisamos de chegar às massas através da televisão e das rádios, e isso é um caminho difícil. Temos plena consciência que é um caminho longo e lento e que aos poucos lá chegaremos, estamos a trabalhar nesse sentido.

 

 

Já têm algumas atuações ao vivo agendadas?

Ainda não temos actuações marcadas mas sabemos que vão começar a aparecer. As coisas estão a acontecer devagar mas estão a acontecer.

Sabemos que se chegarmos às massas os espectáculos vão aparecer. Tu não podes vender um espectáculo de uma banda que não conheces, e mesmo que o vendesses não irias ter grande afluência de público.

Uma coisa que temos de bom é que já temos muitos anos disto e sabemos muito bem como funciona o meio, só não podemos é perder a esperança e a vontade de trabalhar. Com calma e persistência tudo se faz. A banda tem de ter divulgação para poder tocar, até porque não é fácil fazer espectáculos pequenos com este projecto, como bares. São dez músicos em palco!

 

Muito obrigada pela disponilidade!

 

 

Nota: Esta conversa teve o apoio da editora Farol Música, a qual cedeu também as imagens.

RX - OWAN

 owan promo sweet symphony.jpg

 

Depois do álbum “And Now You”, os OWAN regressam em 2017 com novo trabalho.

“The Colour of Dreams” é o single de apresentação do novo álbum "Sweet Symphony" editado a 5 de Maio em formato digital.

Fiquem a saber mais sobre este trabalho, e sobre os Owan, neste RX a que Danniel Boone, em representação da banda, se submeteu!

 

 

 

Resultado de imagem para rx

 

Pegando no novo álbum dos OWAN, e no título e temas que o compõem, de que forma completariam as seguintes expressões:

 

 

Resultado de imagem para owan sweet symphony album


“Sweet Symphony” - Para os OWAN, uma doce sinfonia é...
(Danniel Boone): Para os OWAN "Sweet Symphony" é mesmo este álbum... embora haja várias doces sinfonias nas nossas vidas...
Decidimos chamar o álbum de "Sweet Symphony", não só pelo facto de a banda regressar à formação origina,l mas também pelo facto de os temas serem mais alegres e com mais musicalidade, e por último mas não menos importante, o facto de continuar a ter temas escritos para os meus filhos... e há lá mais doce sinfonia que os nosso filhos.

 


“You Say (Hello)” – O contato com o público deve ir além de um simples “Olá”? Há alguma história engraçada que tenham acontecido numa interpelação por parte do público aos OWAN, e que queiram partilhar?
(Danniel Boone): Deve ir muito mais além, e é isso que tentamos fazer em cada concerto, porque temos a consciência que a maior parte das pessoas, que nos estão a ver ao vivo neste momento, fazem-no pela primeira vez. Infelizmente ainda não temos histórias engraçadas... O que tem sido engraçado é a nossa reação ao ver o público a cantar e a aplaudir os nosso temas.

 

 


“The Colour Of Dreams” - De que cor são os sonhos dos OWAN?
(Danniel Boone): Os sonhos dos OWAN são de muitas cores, muitos palcos, muitas canções. Mas também trabalhamos para isso... independentemente de ainda não estarmos no circuito "mainstream" ...
Vamos ver que cor nos está reservada para os nossos futuros sonhos com uma certeza: de fazermos aquilo que gostamos.

 

 

“Did You Call for Me” – Quem gostariam de “chamar” a partilhar o palco convosco?

(Danniel Boone): O "Did You Call For Me" foi escrito a pensar noutras vivências com pessoas que me são chegadas... não estava necessariamente a pensar em vivências em cima de um palco.
Os meus ídolos musicais infelizmente agora já não estão neste mundo e já que era a "sonhar" (esta seria mais uma cor de um sonho... (risos) gostaria de partilhar o palco com o Chris Cornell.

 


“To You My Son (Lullaby)” - A melhor mensagem a transmitir a um filho?
(Danniel Boone): Se é a melhor mensagem não sei... mas é certamente de coração...
Escrevi este tema quando o meu filho nasceu e sei que, mesmo depois de eu partir, ele poderá encontrar as palavras do pai nesta e noutras musicas... Será uma maneira de eu sempre poder comunicar e de me expressar com os meus filhos.

 


“On Your Own” – Em determinados momentos da vida, nomeadamente, no percurso musical, é importante e positivo ficar apenas por vossa conta, ou mais produtivo e enriquecedor trabalhar em equipa?
(Danniel Boone): Ora aqui está uma pergunta impertinente. Mas eu respondo (risos).
É assim mesmo que estamos ... por nossa conta. Mas somos uma boa equipa...
OWAN (Danniel Boone, Miguel Peixoto e Joel Maia), produtor Quico Serrano, lyrics advisor & voice coach Inês Vicente e o Alberto Almeida na imagem.
A questão é que assim ainda é metade de uma equipa... A outra metade é um agente, um manager e, claro, conseguires passar a tua música nas rádio nacionais... que tão impossível parece ser... Falta essa "metade" da equipa... e essa metade faz sempre muita diferença...mas nós chegamos lá! 

 

 

Este álbum caracteriza-se por uma maior maturidade, mais musicalidade, e mais “happy”. São essas as principais diferenças relativamente ao seu antecessor?
(Danniel Boone): É natural haver diferenças, mau seria se não houvessem... não vamos ter os álbuns todos iguais... gosto de diferenças... Muita coisa mudou desde o lançamento do "And Now You"...
Já lá vão 3 anos desde o primeiro álbum .... são mais 3 anos de vivências musicais, os quais pude ir trabalhando com o Quico, com o Miguel e o Joel. É natural chegarmos a outros resultados e explorarmos outros ambientes.

 


“Scream Your Name” – Para que o público possa “gritar” muito por vocês, e acompanhar-vos ao vivo, onde estarão os OWAN nos próximos meses?
(Danniel Boone): Já fizemos alguns concertos e claro já estamos a tocar o Sweet Symphony... Entre os quais estivemos na Semana Europeia da Juventude em Ermesinde, no Festival Fica na Cidade no Funchal e no Festival MaioÀbrir em Abgragão.
Agora a 17 de Junho estamos em Portimão pela Rádio Alvor FM e a 20 de Agosto estamos na Agrival em Penafiel e estamos a tratar de confirmar algumas datas que ainda estão pendentes.

 

Muito obrigada, Danniel!

 

 

 

 

Nota: Este RX teve o apoio da editora Farol Música, a qual cedeu também as imagens e vídeos.

À Conversa com Diana Martinez & The Crib

Foto de Diana Martinez & The Crib.

 

Diana Martinez tem mostrado como se faz com os hits That’s Just How We Do It, Reverie e Put Your Love In Me (feat. The Black Mamba).

Agora, anuncia o álbum de estreia e as primeiras datas de apresentação ao vivo.

"How We Do It",  uma edição da Primeira Linha com o apoio da Sony Music Entertainment, chegou às lojas a 10 de março, dia em que foi apresentado ao vivo, em Braga.

A este concerto seguem-se outros: no dia 30, no Cineteatro Alba em Albergaria-a-Velha, e logo depois na Casa da Música, no Porto, a 6 de abril, e no C.C. Olga Cadaval, em Sintra, no dia 16 de junho.

Para nos falar um pouco mais sobre este projecto e o primeiro álbum, tenho hoje à conversa a Diana Martinez, a quem desde já agradeço pela disponibilidade!

Aqui fica a entrevista:

 

 

 

 

 

Quem é Diana Martinez & The Crib?

A Diana Martínez é uma vocalista e compositora que nasceu com a música nos genes.

Apaixonada pelo R&B e as grandes canções pop, faz-se acompanhar neste primeiro projeto de originais de uma Crew experiente e talentosa. The Crib é essa equipa, mas também o mote, a filosofia que move o projeto: o nascimento da Diana como artista.

 

 

Como tem sido o teu percurso musical, desde o berço, que culminou com a formação Diana Martinez & The Crib, e deu origem a este primeiro trabalho?

Digamos que nasci com destino marcado para a música, mas o caminho foi-se fazendo pela estrada nacional e não pela autoestrada.

Quero dizer com isto que experimentei muito antes de saber que queria fazer o que estou a fazer agora; passei pelo Conservatório, pelas bandas de garagem, depois pelo Jazz, trabalhei como vocalista de apoio e até considerei deixar a música para segundo plano.

Finalmente com o João André algo encaixou, encontrámos a fórmula para juntar as qualidades dos dois em torno a um objetivo comum. A partir daí (2013, 2014) o meu percurso tem sido consistente e mais célere.

 

 

Quais são as tuas principais referências a nível musical?

Faço questão de mencionar em primeiro lugar os meus pais: eles, também músicos e talentosíssimos, mostraram-me este mundo incrível.

Nunca me censuraram discos, artistas, estilos... cresci a ouvir tudo e aprendi a trazer coisas diferentes para casa também.

Especificamente absorvi muito da cultura pop anglo-saxónica: as divas Mariah e Whitney, os grandes George Michael e Prince; mas ouvi muito hardrock e heavy metal dos anos 89/90, bem como MPB e jazz fusão, e música clássica.

Na adolescência descobri que era o R&B e o HipHop que me movia; então sem dúvida Alicia Keys, Justin Timberlake, Pharrell Williams, Beyoncé. E depois Jill Scott, Erykah Badu, D'Angelo...

 

 

 

Diana Martinez & The Crib

O álbum “How We Do It” chegou no dia 10 às lojas. Como foi todo o trabalho de produção?

Foi praticamente um "Admirável Mundo Novo" para mim.

Eu já tinha trabalhado em estúdio para outros artistas e projetos, mas nunca para o meu próprio. A diferença é que sou eu agora quem segura as rédeas, quem toma as decisões, e isso foi uma adaptação que exigiu muito de mim.

Os momentos mais fixes são ver as canções a tornarem-se maiores do que eu. Os mais desafiantes foram reconhecer as minhas fraquezas, ter que dar o braço a torcer e tentar ver coisas que eu simplesmente não via.

Mas tive o privilégio de estar sempre, sempre com o meu produtor, João André, um veterano e um artista or seu próprio mérito há muitos anos.

 

 

Como definirias o estilo musical presente neste primeiro álbum?

Este é um álbum assumidamente R&B. Tem influências de muitas fases do R&B, desde as harmonias mais 90s, até ao spokenword e a sonoridade super eletrónica que o caracteriza atualmente.

 

 

Todos os temas do álbum são em inglês?

Sim. É a minha primeira língua musical! Sei que pode parecer estranho para muitas pessoas, mas de certeza que para outras faz todo o sentido. A minha geração cresceu a saber inglês quase por instinto, tal foi a injeção cultural que levámos. Por isso é o que faz mais sentido para este disco de estreia.

 

 

Que mensagem pretendes transmitir através das músicas que compõem este álbum?

Nunca idealizei nenhuma mensagem grandiosa enquanto compunha as canções que estão no disco...

Mas há pequenas e variadas mensagens um pouco por todo o disco; mensagens de ousadia e liberdade de expressão, mensagens que remetem para a esfera familiar, que traduzem algumas dores que passei ao crescer, mensagens que relembram de curtir a vida, de nos apaixonarmos loucamente por pessoas e por causas. Porque são estas as mensagens que eu própria recebo do mundo.

 

 

Que feedback tens recebido por parte do público?

Creio estar a ser muito bem recebida, tendo em conta que canto em inglês e que sou mesmo uma artista "nova na praça", como se costuma dizer. Sinto um carinho tremendo, uma curiosidade genuína do público e uma vontade de absorver a música que lhes damos. Parece-me que as pessoas respeitam imenso o facto de eu cantar ao vivo tal como está na gravação, sem playback. Isso vale logo o seu voto de confiança.

 

 

 

Foto de Diana Martinez & The Crib.

 

Dia 10 começou também a apresentação do álbum ao vivo, havendo já vários outros concertos agendados. Quais são as tuas expectativas relativamente a estes concertos?

Naturalmente espero ter muito público! Gosto muito da ideia de fazer alguns concertos mais intimistas, pois permite-me mais tempo com o público e mais proximidade. Como eu canto em inglês, gosto de vez em quando de contextualizar os ouvintes em relação ao que vão ouvir.

 

 

O disco conta com colaborações de André Tentúgal e Pedro Tatanka, entre outros. Como foi trabalhar com estes artistas?

O André tem-me acompanhado desde o início, realizou o meu primeiro vídeo, para a That's Just How We Do It, e é dele a maior parte das fotos oficiais de Diana Martinez & The Crib e que figuram no disco.

Quando o conheci, senti-me intimidada porque ele é uma tripla ameaça, um criativo gigante, com um gosto impecável.

Hoje tenho-lhe um carinho enorme, a We Are The Ones aproximou-nos muito, não só como artistas, mas como indivíduos que até podem vir de mundos diferentes, mas tem muitos pontos essenciais em comum.Curiosamente, vivemos na mesma rua!

Do Tatanka eu era fã há muitos anos, bem antes de conhecer o pessoal da minha agência, a Primeira Linha, que acabou por adotar também The Black Mamba e o Pedro.

Para mim ele é o melhor vocalista português que eu já ouvi; ouvi-lo, vê-lo atuar é tomar uma dose fortíssima da melhor droga do mundo.

Cantar com ele foi uma grande lição e um grande privilégio para mim, e sinto-me a mais sortuda por poder construir esta carreira com a ajuda dele.

 

 

Se pudesses escolher um artista/ banda português(esa) para dividir o palco contigo, quem seria?

Bom... A escolha mais lógica para mim seria Orelha Negra, porque quando eles apareceram eu fiquei aliviada por haver músicos aqui com a mesma paixão pela música urbana que eu. Seria um sonho dar voz aos sons deles. Também gosto muito do trabalho dos Karetus.

 

 

E se te fosse dada oportunidade de partilhar o palco com um artista internacional, sobre quem recairia a tua escolha?

Mmm, difícil! Por um lado acho que iria querer que fosse uma partiha irreverente, o que implica talvez excluir as minhas maiores influências sob o risco de não trazer nada de novo... Por outro, dava tudo para partilhar o palco com um Robert Glasper, um Mark Ronson ou um Bruno Mars.

 

 

Que objetivos gostarias de ver realizados ao longo de 2017?

Quero muito que este disco e os próximos singles ressoem nas pessoas. Eu tenho imenso orgulho nos The Crib e na nossa música, mas só faz sentido perseguir este sonho se houver um propósito exterior a mim e a nós. Estou ansiosa por percorrer o nosso país, conhecer novas cidades, adotar mais público, conhecer mais músicos e artistas. Num um futuro menos imediato gostava de compor um hino.

 

Muito obrigada, Diana!

 

 

Deixo-vos aqui um dos temas da Diana, para que possam conhecer um pouco mais a sua música:

 

 

Nota: Esta conversa teve o apoio da Agência PRIMEIRA LINHA (João Fernandes), que estabeleceu a ponte entre a artista e este cantinho, e a quem desde já agradeço.

 

À Conversa com Ivan Pedreira

ivan2.jpg

 

 

O convidado que vos trago hoje nasceu no seio de uma família ligada à música, nomeadamente o pai e os irmãos.

É baixista, compositor, produtor, cantor, e fundador da marca Arte dos Sons, direcionada para composição, produção e ensino. Já trabalhou profisionalmente, como baixista, para muitos e variados nomes e projetos do mercado nacional, tanto ao vivo como em estúdio.

Agora, no entanto, apresenta-nos o seu primeiro álbum de originais, cujo single de estreia "Ser Alguém" traz uma mensagem muito inspiradora, e que acaba por representar todo o espírito das múscicas que o compôem.

Aqui fica a entrevista com Ivan Pedreira:

 

 

 

Quem é o Ivan Pedreira?

Sou um ser criativo, de energia positiva, e acredito na comunicação como forma de troca de sentimentos, experiências e conhecimento. Tento viver em equilíbrio e harmonia todos os dias, e para mim alcançar este estado passa por tocar, meditar, escrever, compor, tudo o que me inspire. Sou um bom observador, gosto de ler as energias que me rodeiam e tento sempre ajudar a que os outros também encontrem o seu caminho de autoconhecimento.

 

Como é que a música entrou na sua vida?

Decididamente foi através do meu pai que a música entrou na nossa vida desde sempre. Ele chegava a casa, às vezes após algum tempo fora por ser comissário de bordo, pegava na viola, tocava, cantava, inventava letras, às vezes sobre assuntos sérios, outras de brincadeira, e era sempre o factor de união familiar. A música teve sempre este papel de juntar pessoas em minha casa, de convívio e partilha.

 

O Ivan é baixista, produtor, compositor e cantor. Qual destas vertentes lhe dá mais prazer?

Todas me dão muito prazer, e cada uma delas tem o seu tempo, o seu momento. No entanto é só na sua junção que realizo a ideia, a mensagem final.

Sou viciado em criar, e para conseguir concretizar uma ideia, que vai desde a inspiração, passando pelo seu planeamento para chegar à sua realização, apercebi-me que é uma verdadeira viagem de descoberta interior, e que não a conseguiria realizar apenas numa das vertentes! A evolução e o desenvolvimento de todas elas é que me permitem “materializar” e comunicar a ideia inicial.

 

Enquanto baixista, o Ivan já trabalhou com alguns nomes conhecidos da música portuguesa. Destaca alguma colaboração ou participação que o tenha marcado de uma forma especial?

Sim, aprendi muito com a forma de trabalhar de cada um deles, por exemplo, com o Paulo Gonzo marcou-me imenso o cuidado e a forma como prepara os concertos, e a sua atitude de encarar o público; marcou-me também muito o tocar diariamente durante um ano no espectáculo “Visions” no Casino Estoril, para além de ter evoluído imenso em técnica e performance, foi uma experiência que nunca tinha tido e que é raríssima para os músicos em Portugal, ter uma sala/ espectáculo onde tocar numa base diária, como um emprego na nossa área profissional.

Mas em verdade, o que mais me tocou foi colaborar no projecto “Piece of Cake” do meu irmão Lito Pedreira, não por ser meu irmão, mas porque representa a força de vontade e a luta de quem quer editar em Portugal sem uma estrutura organizadora, distribuidora e financiadora por trás.

E ele conseguiu editar o seu trabalho num mercado tão fechado e sem o mínimo de apoios oficiais, apenas com o apoio de quem acreditou nele e no seu talento através do crowdfunding. Senti um enorme orgulho nele, principalmente porque, apesar de ser um compositor baterista, conseguiu criar todo o instrumental e orientar todos os músicos na direcção da sua mensagem. Ele foi a minha inspiração para acreditar que também eu iria conseguir!

 

O que é, para si, a música?

Para mim a música é simplesmente uma forma livre de comunicação, um canal de partilha de sentimentos e sensações.

 

 

Capa CD Ivan.jpg

 

“FuzaMiura” é o nome do primeiro álbum, lançado este mês em formato digital. Este título tem um significado específico?

Sim tem, o nome ”FuzaMiura” surgiu da dualidade masculino/ feminino que esteve na origem deste álbum. É na base dos relacionamentos, mas também no interior de todos nós que esta dualidade é uma realidade: Fuza, que é uma nota rápida, delicada, representa a sensibilidade, delicadeza e fragilidade do lado feminino; Miura, que demonstra a força da linhagem do touro espanhol, representa a determinação e robustez do lado masculino.

 

Para financiar este primeiro álbum, o Ivan realizou uma campanha de crowdfunding. Foi uma missão bem-sucedida?

Foi de facto uma missão muitíssimo bem sucedida. Foi uma campanha de sucesso acima dos 100%, com uma enorme dinâmica e entusiasmo por parte de todos os que dela quiseram participar. Notou-se uma enorme vontade de todos de quererem fazer parte desta viagem. Não foi só um apoio, foi um enorme voto de confiança na minha pessoa.

 

Neste primeiro álbum, o Ivan contou com a colaboração de Carla Entrudo, Lito Pedreira e Bruno Nogueira. Já tinha trabalhado com algum deles anteriormente? Como foi essa experiência?

A Carla Entrudo foi a principal razão deste projecto existir, foi ela que me inspirou e motivou a iniciar esta viagem. Foi a primeira a acreditar que eu iria conseguir, nunca duvidou desde o primeiro momento. E é mesmo uma viagem: eu criei a estrada, a Carla traçou o caminho.

O Nozes de guitarra ao ombro e o Lito com as baquetas a espreitar pelo bolso, cruzaram-se connosco, alinharam e seguimos caminho.

O Nozes tem sido o meu braço direito, foi quem manteve o projecto vivo, sempre persistente e motivado, mesmo nas alturas mais difíceis desta viagem. Se chegámos até aqui foi porque ele não desistiu e insistiu!

Claro que com o Lito já tocava desde miúdo com a banda dos meus irmãos. Era como um mentor para mim. Existe uma enorme empatia musical entre nós, falamos a “mesma língua”, compreendemos muito facilmente a mensagem um do outro, é sempre fluido e inspirador.

 

O primeiro single a ser extraído é “Ser Alguém”. Que mensagem pretende passar através desta música em particular, e de todo o álbum, de uma forma geral?

A mensagem do “Ser Alguém” é a de que todos têm valor, mesmo se ainda não o descobriram em e para si próprios.

Esta música foi escolhida para ser o 1º single por ser a música que representa o álbum.

A mensagem que quero passar é a de que todos somos importantes e que cada dia é um novo dia, com uma nova energia, com uma nova vontade e com uma nova oportunidade de nos respeitarmos e de sermos felizes.

 

Para além do lançamento nas lojas digitais, o Ivan deu também um concerto de lançamento no Auditório Carlos Paredes. Que feedback tem recebido por parte do público, relativamente a este seu recente trabalho?

Foi uma “casa” cheia e uma noite fantástica para TODOS!

O que me têm transmitido do ambiente que se gerou no concerto de lançamento foi um sentimento de energia positiva e de sermos todos uma “família”, uma “comunidade”.

Todos adoraram e têm ouvido repetidamente o álbum, em loop! Já sabem de cor as letras e dizem que as músicas não saem da cabeça. E principalmente que este tenha sido o 1º concerto de muitos!

 

Estamos quase no final de 2016. Que objetivos pretende ainda concretizar este ano? E, a longo prazo?

Este ano quero ainda apresentar-me ao vivo e estou já a trabalhar nesse sentido. Haverá também a promoção e divulgação do disco nos vários meios de comunicação e ao vivo.

Chegar ao máximo número de pessoas possível, tanto ao vivo como através da venda do álbum nas plataformas digitais e em CD, é o meu maior objectivo tanto a curto, como a médio e longo prazo, porque sinto que tenho uma mensagem a transmitir para cada uma delas, porque quero partilhar com todos a minha arte.

A banda está pronta, temos trabalhado arduamente para fazermos uma excelente apresentação. Com este álbum lancei-me no mercado de música portuguesa e o objectivo é que seja, não a luz ao fundo do túnel mas a saída do túnel! 

 

Muito obrigada, Ivan! 

 

 

 

 

Nota: Esta conversa teve o apoio da editora Farol Música, a qual cedeu também as imagens. 

 

 

À Conversa com os Caelum

Resultado de imagem para caelum's edge enigma

 

Nascida no Barreiro, em 2012, e actualmente formada por Pedro Correia, Diogo Costa, Zé Ganchinho e Diogo Lopes, a banda convidada de hoje já pisou palcos como o Nos Alive, HardClub ou Rock no Rio Sado.

Depois de um primeiro EP – “New World EP”, lançado em 2012, chegou agora o álbum “Enigma”, gravado e editado pela Sony Music Portugal, como prémio por ter sido a banda vencedora da edição de 2014 do EDP Live Bands.

 

Resultado de imagem para caelum's edge enigma

A apresentação deste trabalho ocorreu em Fevereiro, no espaço Popular de Alvalade, e tem como single de apresentação o tema “O Jogo”.

São os Caelum - os meus convidados de hoje, a quem desde já agradeço a disponibilidade para participar nesta rúbrica.

 

 

 

 

Para quem não vos conhece, quem são os Caelum?

CE – Os Caelum são uma banda de Space Rock, Pop/Rock do Barreiro, vencedora da primeira edição do concurso EDP Live Bands. Como dito anteriormente, ENIGMA é o mais recente trabalho da banda, sendo que “O Jogo”, o primeiro single deste álbum, já roda nas rádios nacionais.

Os Caelum são o culminar do trabalho, esforço e ideias de quatro músicos que, neste primeiro álbum ENIGMA, pretendem levar o ouvinte numa viagem, com canções em português e inglês. Fruto de um intenso e apaixonante trabalho, o novo disco, mais maduro e com vista a um público mais vasto, entoa melodias épicas e encorpadas, mostrando uma faceta emocional com assuntos que versam acerca de viagens interiores, relações humanas e a saudade, um tema tão português.

 

Quais são as vossas principais referências a nível musical?

CE - Cada um de nós é marcado individualmente pelos seus artistas favoritos e é inevitável que isso transpareça no resultado final. No entanto, é fácil distinguir à priori algumas bandas de influência comum, como Angels and Airwaves, U2, Linkin Park, 30 Seconds to Mars ou os icónicos Pink Floyd. Todas estas e muitas outras foram relevantes para o nosso amadurecimento como grupo compositor.

 

Em 2014, os Caelum venceram a edição desse mesmo ano do EDP Live Bands. Consideram que essa vitória foi, de certa forma, o impulso que precisavam para seguir em frente e apresentarem-nos, agora, o novo álbum?

CE - Para os Caelum, a vitória do EDP Live Bands foi um prémio pelo esforço e dedicação desde sempre manifestado pela banda. Mais do que isso, foram várias portas que se abriram, desde a possibilidade de poder atuar num dos grandes palcos do NOS Alive à gravação e edição do nosso primeiro disco pela Sony Music Portugal. Não foram boleias, porque muito tivemos de percorrer por nós próprios mesmo depois deste triunfo, mas foram oportunidades que decidimos agarrar com muita força e fazê-las valer a pena. Tem estado a valer.

 

Como foi a experiência de actuar em palcos como o Nos Alive?

CE – Na nossa opinião é tudo o que um músico pode querer. Especialmente se o músico for como nós, sedentos de palcos! É lá que nos sentimos melhor, em contato com os que nos apoiam e admiram o nosso trabalho e onde tudo pode acontecer. Cada concerto é diferente do anterior e achamos que é isso que ainda o torna mais empolgante, a surpresa do que está para vir. Atuar em palcos e festivais de renome mundial como o NOS Alive são sonhos de criança tornados realidade.

 

Do que nos falam as vossas músicas?

CE - Na nossa humilde opinião, achamos que o “ENIGMA” é um álbum muito completo e diversificado, agradando a quem gosta de música alegre, menos alegre, comercial, menos comercial, baladas, a quem sempre gostou da nossa veia rockeira ou até mesmo instrumental e é, acima de tudo, uma estreia: contém músicas em português e inglês. Neste álbum podem encontrar temas como saudade (de quando, felizmente para nós, estivemos em tour neste verão passado e ficámos dias ou semanas sem ver os entes queridos), dor de quem perde alguém, amizade e desilusão, paixão ou sonhos e realizações pessoais. Outras são apenas histórias fictícias a que quisemos dar vida e torná-las em canções.

 

“Enigma” é composto por temas em português e em inglês. O que vos levou a optar por essa dualidade?

CE – O Pedro (vocalista) confessa que sempre lhe foi mais fácil escrever em inglês. Aliás, este álbum é para ele uma estreia e realização pessoal, sendo que, como letrista principal, foi a primeira vez que se aventurou na sua língua nativa. Não veio como uma necessidade, mas sim como um desafio. Desde o nosso primeiro EP que nos perguntavam porque é que só escrevíamos em inglês, já que somos portugueses e temos uma língua extraordinariamente rica. Respondíamos sempre que não havia nenhuma razão em específico e que não o negaríamos fazer num futuro próximo: acabou por ser no “ENIGMA”, o nosso primeiro álbum. Inclusive o nome do álbum foi cuidadosamente escolhido para que fosse lido e compreendido de maneira igual nas duas línguas.

 

 

 

 

Como caracterizam o vosso estilo musical?

CE – Nenhuma banda se pode rotular por apenas um género musical. As obras de um artista são sempre fruto de diversos fatores e amplamente influenciadas por fases específicas da vida deste. No entanto, gostamos de nos auto aclamar uma banda de “Space Rock”, por comparação e associação às bandas que nos influenciam e já referidas anteriormente. Este género apareceu associado instrumentalmente ao uso de sintetizadores e à exploração de efeitos na guitarra, como delays e reverbs. A música de grandes bandas e referências para o nosso trabalho, como Pink Foyd, Angels and Airwaves ou 30 Seconds to Mars, pode também ser designada como tal. Assim, desde o início que nos pareceu óbvio vestir este termo devido ao nosso fascínio pelo épico, ao nosso interesse em explorar lírica e musicalmente temáticas como “Espaço” e “Universo” e ao intuito de conduzir o ouvinte a uma sonoridade de ambientes cheios e grandiosos.

 

Que feedback têm recebido por parte do público, relativamente a este novo álbum e, nomeadamente, ao tema “O Jogo”, cujo videoclip já passa há muito na TV?

CE – Tem sido muito bom. Tem sido rotina quase diária recebermos mensagens de amigos ou até de desconhecidos a felicitarem-nos por nos terem visto na TV ou ouvido nas rádios e isso deixa-nos sempre de coração cheio. Na nossa opinião, a música já não se consegue dissociar da imagem, sendo esta um dos ingredientes mais importantes num artista. Portanto, ter a possibilidade de mostrar o nosso trabalho através destes meios audiovisuais é uma grande mais-valia para nós.

 

Quais são os vossos planos para o futuro?

CE – Fazer a nossa música chegar ao maior número de pessoas possível e de uma forma positiva, agradando-as, é um deles! Não há nada melhor do que ver que o nosso trabalho tem um propósito e é válido para alguém. Felizmente existe em nós, como grupo, um espírito de união, força e amizade muito grande. Isso, aliado a muito trabalho e dedicação, já é por si uma pequena grande vitória. Tudo o resto virá por acréscimo.

 

Muito obrigada!

 

Podem saber mais em https://www.facebook.com/CaelumPT/

  • Blogs Portugal

  • BP