Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

És o Meu Destino, de Lesley Pearse

Resultado de imagem para és o meu destino lesley pearse

 

Este livro faz parte de uma espécie de trilogia, que começou com Sonhos Proibidos e continuou em A Promessa, pelo que deveria ser lido logo em seguida.

Não foi o meu caso, que já li os dois primeiros há alguns anos e, embora me recorde do essencial da história de Belle e Étienne, senti que houve muitos pormenores de que já não me recordava.

Neste livro, Belle cede o protagonismo à sua filha Mariette (pequena rebelde), que faz juz ao nome que lhe escolheram, e ao seu significado!

 

Mariette é uma miúda, quando a vemos pela primeira vez. Nesse dia, quase se afoga, por conta da sua teimosia, e vontade de mostrar que sabia velejar sozinha, como o pai lhe tinha ensinado.

Anos mais tarde, em plena adolescência, consegue desenvencilhar-se de uma situação que poderia ter outras consequências mais graves, igualmente por conta da sua mania de achar que sabia tudo da vida, e que tudo correria como ela esperava.

Embora lhe tenha saído um peso de cima, não conseguiu evitar os comentários que começaram a circular sobre ela.Temendo que a sua filha ficasse marcada naquele lugar, e sabendo que ela não teria por ali grandes oportunidades quanto ao seu futuro, os pais decidiram enviá-la da Nova Zelândia para Inglaterra, onde moravam os seus padrinhos, de forma a impedi-la de se meter em mais sarilhos e, ao mesmo tempo, dar-lhe a oportunidade de poder ter uma vida melhor, que ela tanto ambiciona.

 

O que se vai passar daí em diante será uma sucessão de acontecimentos capazes de derrubar a maior parte das pessoas, tanto a nível físico, como psicológico, mas que vão levar Mariette a encarar, de outra forma, a vida e as pessoas que a rodeiam, e a mostrar que a herança de garra e fibra de que os seus pais eram feitos, está-lhe no sangue.

Quando não se tem nada, tudo o que vier é bem vindo. Quando se chega ao fundo, o único caminho é subir. Se é verdade que só damos valor ao que é importante, depois de o perdermos, Mariette é a prova disso. Toda a sua vida ela quis sair daquela terra que nada tinha para lhe oferecer, e deu por si a desejar poder voltar para lá, ou nunca ter de lá saído.

Mas é com os erros que aprendemos, é com as provações que o nosso melhor desperta, e é com a experiência que adquirimos maturidade.

 

Em plena guerra, Mariette teve a sorte de escapar com vida, quando todos à sua volta morreram por conta dos bombardeamentos.

E, felizmente, a autora não colocou esta personagem a fazer de enfermeira para cuidar dos feridos, como tem feito com outras personagens, em outras histórias. 

Gostei da surpresa do destino que ela traçou para Mariette, e da sua missão ao longo dos anos que duraram a guerra.

Só achei desnecessário ter puxado o assunto do passado dos pais, sem que depois tenhamos visto Mariette conhecer toda a verdade, tendo o assunto sido adiado para um dia...

 

No regresso a casa, à sua terra, às suas origens, algo que ela nunca pensou ser mais possível, como receberão os pais esta nova Mariette, e as terríveis marcas que a guerra lhe deixou?

Poderá Mariette ainda ser feliz, mesmo que tudo esteja diferente, que todos tenham mudado, e que ela nunca mais possa fazer as coisas que mais gostava, e que a faziam amar aquela terra?

Absentia x The Good Doctor

Comecei a ver estas duas séries do AXN, e o balanço que faço, até ao momento, é o seguinte:

 

Resultado de imagem para absentia

Absentia - começou bem, embora com pouca acção nos episódios seguintes, que fizeram decair a série de um 4 para um 2, até ao 8º episódio, em que voltou a subir na minha classificação, tendo terminado, no penúltimo episódio, com um merecido 5! Estou ansiosa para ver o último episódio, para ver se vale a nota máxima ou se volta a surpreender pela negativa, depois deste súbito despertar.

O que eu sinto, ao ver Absentia, talvez por serem episódios semanais e, além disso, muito "parados", é que parece não estar nada relacionado com nada, e muita informação vai ficando esquecida pelo caminho pelo que, quando se chegar ao último episódio, e a haver, de facto, uma ligação entre todas as personagens e acontecimentos, talvez tenha que rever os episódios anteriores para apanhar o fio à meada.

 

 

Resultado de imagem para the good doctor

The Good Doctor - estou a meio desta série, de 8 episódios, também semanal. O primeiro episódio valeu um 5, seguido do segundo e terceiro episódio com um 4. Nestes três episódios, consegui fazer várias reflexões e os temas abordados surpreenderam positivamente, tornando-a diferente de outras séries do género.

Já o quarto episódio, serviu apenas para mostrar que, por muito gratificante, bondoso e bonito de se ver, que possa ser cuidar de alguém com determinadas limitações, problemas de saúde e doenças, pode ser também muito desgastante e, por vezes, até as pessoas mais pacientes e compreensivas podem atingir, em determinadas situações, o seu limite, e passar-se, como os restantes que, muitas vezes, condenam por essa atitude. Desceu na minha classificação para um 3, e fiquei satisfeita por saber que não alongaram muito a série porque, se não derem a volta, irá continuar em queda até ao final. 

A Luz Entre Oceanos

Resultado de imagem para a luz entre oceanos

 

Tinha a ideia de já ter visto o trailer deste filme há uns meses atrás e, quando soube que ia dar da televisão, pedi ao meu marido para gravar.

No sábado começámos a ver. O meu marido achou o início muito aborrecido, e queria escolher outro. Eu insisti que era o tal que já queríamos ver, embora no começo não conseguisse perceber a ligação.

Durante todo o filme, ele foi ficando mais entusiasmado e, à medida que a história se desenrolava, ia vivendo emoções diferentes.

Por norma, quando são temas fortes, que dão uma boa discussão, eu costumo sempre comentar e dar a minha opinião. Por isso, volta e meia o meu marido perguntava-me "achas bem?", ou "o que é que tens a comentar sobre isto?", ao que eu lhe respondia que, no final, falaria sobre o assunto.

 

Por vezes, é difícil emitir uma opinião, quando compreendemos perfeitamente os lados opostos da questão, e não nos cabe a nós fazer julgamentos, sobre o que foi certo ou errado.

"A Luz Entre Oceanos", ao contrário de outros filmes ou séries, não me levou a falar o que quer que fosse no momento.

 

Porque é tão fácil compreender o desespero a que uma mulher pode chegar, quando vê morrer filho atrás de filho, sem conseguir realizar o seu sonho de ser mãe e, de repente, como uma dádiva, um bebé surge naquela ilha isolada, como se estivesse destinada a ser criada por ela. Como se fosse uma compensação, por todo o sofrimento.

Se é errado? Sim, é. O mais correcto era comunicar a morte do pai do bebé, e informar que tinha sido encontrada com ele uma bebé que estava bem. Até porque poderia haver uma mãe, algures, desesperada, à procura da sua filha, sem saber se ela estava viva ou morta.

Mas, e se não houvesse outra mãe? E se colocassem a bebé num orfanato? Não estaria ela melhor ali com Isabel?

 

Teria sido uma boa decisão, e tudo correria bem, não fosse o facto de Tom, marido de Isabel, ter descoberto a mãe de Lucy, nome que colocaram à bebé, saber que a mesma a julgava morta, tal como ao seu marido, e ver o sofrimento que isso lhe estava a causar.

Tom sempre foi contra a ideia de ficarem com a bebé. Só o fez pelo amor a Isabel. Agora, o peso volta a atacar-lhe a consciência, e ele vai deixar pistas que levam à descoberta da verdade.

 

Se ele fez o mais correcto, embora um pouco tarde? Sim.

Coloco-me no lugar da mãe que perdeu a filha, sem saber que até já esteve frente a frente com ela, que já falou com ela, e que ela é, na prática, filha de outra pessoa.

Eu gostaria de saber a verdade, sim.

 

Mas, no lugar da Isabel, perdoaria o meu marido por me tirar a "filha" que eu criei durante 5 anos? Por me tirar aquilo que eu mais queria, e não podia ter?

Seria capaz de pôr tudo isso de parte, e assumir a minha responsabilidade, não deixando que ele pagasse por um crime que eu própria o tinha levado a cometer, e que ele fazia questão de assumir sozinho?

 

Voltando ao lugar de Hanna, mãe verdadeira de Lucy, a mesma, por intermédio das autoridades, que retiraram a menina dos braços da mãe de criação, tentou recuperar o tempo perdido, impedindo-a de estar ou sequer ver a mãe que ela reconhecia como tal. 

Como se recupera o amor de uma filha, de alguém que não nos reconhece, de alguém que só sabe que foi criada por uma mulher que ela vê como sua mãe, e que dela foi arrancada sem dó nem piedade?

Talvez a Hanna devesse ter ido com mais calma, e feito essa aproximação aos poucos. Mas é legítimo criticá-la? É legítimo condená-la por não querer que a mulher, que a impediu de estar com a filha durante anos, agora a veja sequer?

 

No meio de tudo isto, quem mais sofre, como sempre, são as crianças. Neste caso, foi a Lucy. Lucy Grace. Por conta da separação, quase perdeu a vida. Mais tarde, acabou por aceitar a sua família verdadeira, ficando anos e anos sem ver os "pais" que a criaram, que foram obrigados a cortar qualquer laço com ela.

 

Depois de pagarem pelos seus crimes, Isabel e Tom, continuaram juntos. Mas Isabel acabou por morrer. E Tom, voltou a ser o homem solitário que conhecemos no início.

No entanto, os laços não se quebram irremediavelmente, como algumas pessoas gostariam. E, no final, Lucy Grace vai visitar os pais que cuidaram dela nos primeiros anos de vida, agradecendo-lhes por tudo o que fizeram por ela e lhe ensinaram, sem ressentimentos, sem mágoas, sem culpas.

 

Porque perdoar é tão mais fácil do que viver uma vida a guardar rancor...

 

 

 

 

 

De Amor e Sangue, de Lesley Pearse

Resultado de imagem para de amor e sangue

 

Lesley Pearse escreve sobre mulheres, isso já não é segredo!

E esta história não poderia deixar de ter a sua protagonista feminina - Hope.

 

Confesso que começo a ficar um bocadinho farta das mesmas temáticas nas histórias desta autora. Gostava que ela apresentasse uma história diferente, e que surpreendesse.

Estava a ler este livro e a pensar: ainda há pouco tempo li um livro em que a mulher tinha trabalhado como enfermeira, ajudado a lutar contra doenças e a melhorar as condições dos doentes. E, depois, lembrei-me - foi noutro livro da Lesley Pearse!

Da mesma forma, as guerras, os feridos, e a assistência a estes, estão quase sempre presentes. Admito que se torna maçador, em cada livro que lemos, estarmos a levar com o mesmo assunto.

Em quase todas as obras da autora se poderia aplicar o ditado "Deus escreve certo por linhas tortas" porque, se não fosse todo um passado de tormento, não haveria agora um presente e futuro tão feliz.

 

O que torna, então, esta história interessante, e uma boa leitura?

Hope é filha de Lady Harvey e do seu amante, o capitão Pettigrew. Como tal, não é desejada pela mãe, porque provocaria um escândalo saber-se que tinha traído o seu marido, e tido uma filha fora do matrimónio. O destino era matá-la, mal nascesse.

Mas Nell levou a menina para ser criada pela sua família, como se fosse sua irmã. Apenas Bridie e Nell sabiam a verdade.

Enquanto Hope cresceu junto de uma família pobre, mas que lhe deu todo o amor que podia, Rufus, o herdeiro dos Harvey, foi criado com tudo a que tinha direito, mas sem amigos, e com pais ausentes, sempre em discussões. Da infância até ao presente, ficou a amizade entre Hope e Rufus, mesmo sem sequer desconfiarem que eram irmãos.

 

Esta história aborda a forma como a homossexualidade era encarada naquela altura; a obediência e dever de permanecer casada com o marido, independentemente de ser um homem autoritário e violento, mesmo que isso implique o afastamento da restante família; o egoísmo e egocentrismo da alta sociedade,que só pensa em futilidades e no seu próprio sofrimento, sem se preocupar com quem esteve sempre ao seu lado.

E mostra como, apesar de tudo, por vezes, os valores e a preocupação com uma sociedade mais justa se sobrepõem, em algumas das pessoas nascidas em berço de ouro, à forma como foram educados para desprezar a criadagem e classes mais pobres.

Podemos também ver aqui uma abordagem à depressão pós parto, à depressão, e de certa forma, à loucura.

E como, para salvar aqueles que mais amamos, vamos buscar forças e coragem que nem sabíamos que as tínhamos.

 

Hope diz, mais para o fim, em resposta ao comentário do seu pai, que afirmou que tudo poderia ter sido diferente, se tivesse sabido que ela existia "se tivesses sabido, eu teria sido criada por uma ama, porque tu estarias sempre fora, nas guerras, e não teria tido todo o amor de uma família, como tive, e não seria a mulher que hoje sou".

 

De Amor e Sangue acompanha Hope, desde o seu nascimento, até à idade adulta, e todo o percurso que teve que fazer, até se voltar a juntar à família que a criou, e à que apenas mais tarde descobriu que tinha.

 

The Good Doctor - a nova série do AXN

Resultado de imagem para the good doctor

 

Quando prestei atenção ao anúncio desta série, pensei "parece ser boa".

Mas, de tanto ver anunciá-la, pensei que já tivesse começado há mais tempo e, como já estou na seguir outra, paciência, já estava mentalizada que não iria ver.

No entanto, descobri aqui que, afinal, só estreou esta semana. E, ao ler uma crítica positiva, e outra negativa, tive curiosidade em assistir ao primeiro episódio.

 

 

Talvez deva começar com o que menos gostei:

- O facto de, agora, achar que vou ver, nos próximos episódios, mais do mesmo - um cirurgião fenomenal a salvar vidas de forma que nenhum outro consegue, o que não traz nada de novo à série e, para isso, bastaria um só episódio, ou um filme em substituição. Espero que assim não seja, e que haja muito mais conteúdo ao longo da série.

 

- O facto de, de certa forma, o seu passado ter ficado explicado neste primeiro episódio, não havendo necessidade de recurso a mais flashbacks, ainda que eles venham a acontecer e revelem um pouco mais do que o agora visto.

 

- As "legendas" dos mapas do corpo humano, que Shaun visualiza e nos são dados a conhecer através da imagem - exceptuando algumas pessoas que estejam a estudar medicina, ou se interessem pela área, é algo que era desnecessário, sendo preferível ouvir a explicação dada por ele.

 

 

O que mais gostei, e mexeu com as emoções (mas receio que era mesmo esse o objectivo):

- a abordagem do bullying - embora não seja necessário um motivo específico para alguém o exercer sobre outra pessoa, aqui será pelo facto de Shaun ser diferente

- a abordagem do espectro do autismo, e como os outros lidam com alguém com essa característica, nomeadamente, a aceitação na escola, no local de trabalho, e até entre a própria família

- a amizade com o irmão, que foi pouco "explorada" - teria gostado de ver mais da sua união, cumplicidade, vida a dois

- a importância dos animais na vida das pessoas - primeiro o coelho, depois o gato (lindo, por sinal)

- da sinceridade, autenticidade, pureza e forma directa como encara as pessoas, e lhes diz exactamente aquilo que pensa, sem rodeios, nem medos

 

O que espero da série, e do protagonista:

- que não seja perfeito, que cometa também os seus erros, que nem sempre tenha razão, apesar da sua inteligência fora do normal

- que mostrem, não só o lado profissional de Shaun, mas também a sua luta diária no campo pessoal

- que transmita uma mensagem positiva e inspiradora, sem cair no habitual "cliché"

 

E, sim, vou acompanhar a série, que já programei para gravar!

  • Blogs Portugal

  • BP