Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Sugestões para o fim-de-semana

 

(cliquem na imagem)

 

As sugestões do Fantastic para os próximos dias já estão lançadas.

Cabe a vocês escolherem a que mais vos agrada.
Aqui por Mafra temos um Arraial Saloio, que começa hoje, revista à portuguesa na Casa do Povo de Mafra, e a estreia de "Ensaio Para Um Eu", do Colectivo A TRIBO.

Mais perto da praia, o Mercado D'Aqui. Na região norte, uma romaria.

Já na Caparica, vai ter lugar um festival intercultural. Em Alfragide, os Plan Ahead vão dar música.

Não percam ainda o Oriental Dance Weekend e o Animal Fest'17 by click, onde irá ser apresentado o novo livro do Clube de Gatos do Sapo!

Mercado liberalizado de electricidade - questões a ter em conta

Como já referi num post anterior, o prazo para aderir ao mercado liberalizado de electricidade foi prolongado, dando aos utilizadores do actual serviço mais tempo para fazer uma escolha mais vantajosa.

No meu caso, porque estava satisfeita com a EDP Serviço Universal, e porque já tinha ouvido falar de pessoas que aderiram a outros serviços com a promessa de vantagens e descontos que não se vieram a verificar, não tive dúvidas em optar pelo serviço EDP Comercial.

A mudança foi muito cómoda – apenas tive que me dirigir a uma loja, que por acaso fica aqui a uns metros do meu trabalho, representante da EDP, e levar a minha identificação, a última factura e a contagem actual. A funcionária preencheu o formulário e recebi, uns dias depois, o contrato para assinar.

No entanto, para aqueles que só agora ou mais tarde vão pensar no assunto convém, em caso de dúvida, terem em conta alguns aspectos, antes de tomarem uma decisão.

As companhias eléctricas mais conhecidas, actualmente à disposição no mercado liberalizado, são a EDP Comercial, a Galp Energia, a Endesa, a Iberdrola e a Enat Electricidade.

O primeiro passo é comparar as diversas companhias comercializadoras de electricidade, nomeadamente quanto:

  • à qualidade e transparência do serviço prestado
  • às tarifas praticadas, e eventuais descontos
  • à oferta relativamente à sua situação económica (há empresas que poderão não ter a chamada tarifa social para famílias carenciadas)
  • potência que pretende contratar

Deixo-vos aqui alguns links que poderão ser úteis, com informação detalhada sobre as várias ofertas disponíveis, descontos praticados e conselhos sobre comparação e escolha de companhias eléctricas.

http://lojaluz.com/

http://lojaluz.com/faq/como-mudar-de-companhia-eletrica-luz

A saúde não tem preço, mas pagamos caro por ela!

É verdade que a saúde não tem preço? É!

E que não se compra? Sim!

Ainda assim, pagamos tão caro por ela!

Mas o que seria daqueles que investem em pessoal especializado e em laboratórios para que sejam levadas a cabo pesquisas e buscas por curas ou tratamentos de doenças, até agora desconhecidos?

O que seria das farmacêuticas se não obtivessem algum lucro com os medicamentos "milagrosos"?

O que seria das farmácias se os medicamentos nos fossem oferecidos?

A saúde não tem preço, mas tem custos para quem dela carece!

A saúde não se compra nem se vende, mas faz parte de um grande mercado onde é negociada como quem negoceia raridades valiosas! A necessidade dela faz funcionar uma indústria de milhões.

Quanto custam determinadas cirurgias? Quanto custam determinados tratamentos? Quanto custam determinados medicamentos? E quem consegue, em termos financeiros, ter acesso aos mesmos?

Vejamos, por exemplo, o actual caso da hepatite C. São, à partida, 150 os escolhidos pelo Ministério da Saúde para beneficiarem do novo tratamento com um medicamento inovador contra a doença - o Sofosbuvir - que garante taxas de cura superiores a 90%. O custo deste medicamento anda entre os 45 mil e 150 mil euros.

Disse o ministro da Saúde (e concordam os profissionais) que "se a todos os pacientes de hepatite C fosse ministrada esta cura, gastar-se-ia mais de 80 por cento do orçamento do Serviço Nacional de Saúde".  Já Emília Rodrigues, do SOS Hepatites, contrapõe que “É triste alguém ter que estar em pré-morte para que lhe seja dada esta medicação”.

Exceptuando aqueles que, com ajuda, milagre ou condição financeira conseguem ter acesso a determinado tipo de medicamento ou tratamento, e usufruir de meios de diagnóstico modernos e tecnologia avançada, a grande maioria nem sequer tem dinheiro para pagar uma taxa moderadora que, misericordiosamente, decidiram baixar este ano em 5 cêntimos!

A maioria, não tem dinheiro para se submeter àquela cirurgia que tanto necessita. Nem para pagar os exames que tem que fazer. Ou o internamento a que, involuntariamente, terá que ser sujeito.

E quando tem, nem sempre é tratada de forma digna e humana nos serviços de saúde públicos, ainda que tenha que pagar da mesma forma. 

No fundo, não estamos a falar exatamente de saúde, mas de cuidados de saúde, dizem os entendidos no assunto. Mas bem lá no fundo, todos sabemos que, ainda que os "caminhos" sejam diferentes, ambos levam à mesma e única questão - o limbo entre a saúde e a doença, entre a vida e a morte!



 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP