Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Inimigos invisíveis

Resultado de imagem para mistério

 

De há uns dias para cá tenho aparecido com uma espécie de picadas, nas mãos e braços. 

Não vejo melgas em casa, nem me parece que a picada seja de melga. De qualquer forma, se for, elas sabem atacar, porque nem sequer dou por elas!

Sendo picadas de pulga, também não percebo como, porque as bichanas estão desparasitadas, e nem sinal de pulgas vejo pela casa, nem na cama, que é onde se nota logo que por lá andaram.

 

O que é certo é que estas picadas dão muita comichão, sobretudo à noite, e tendo em conta que eu não sou meiguinha a coçar, já estão a ver o filme.

 

Como se isso não bastasse, ontem ao final da tarde preparei umas tostas e um sumo de laranja para o jantar. sento-me à mesa, e calho a olhar para a palma da mão. Tinha três manchinhas arroxeadas, como se tivesse batido em algum lado e ficasse com nódoas negras. Não foi o caso. Também não era sujo, porque depois de lavar a mão, continuaram. Ao fim de alguns minutos, desapareceram. Como se nunca tivessem existido!

 

É caso para dizer: mistéeeeeeeeerio!

 

O que viram as flores, de Julia Heaberlin

Resultado de imagem para O que viram as flores

 

Tessa foi encontrada num campo, junto a um cadáver e algumas ossadas, sem saber como nem porque foi ali parar. Era uma adolescente na altura. Ficou com lapsos de memória, e cegueira temporária. Teve que receber apoio psicológico, até mesmo porque era necessária a preparação para o julgamento do homem que todos consideravam culpado pela morte das restantes jovens, sendo Tessa a única sobrevivente.

 

Vinte anos se passaram e, na actualidade, Tessa tem uma filha pouco mais nova do que ela era na altura em que tudo aconteceu. O homem condenado como homicida está no corredor da morte, em contagem decrescente para a execução.

E Tessa começa a acreditar que talvez o verdadeiro culpado não seja aquele homem,mas alguém que ainda anda por aí, e que poderá vir atrás da sua filha. Para isso contribuem todas as "mensagens" deixadas por alguém que só pode ser o criminoso.

 

O livro apresenta-se dividido entre o passado e o presente. Entre a forma como Tessa viveu e superou tudo na altura, e os acontecimentos que se desenrolam no presente, e que a fazem embarcar numa espécie de "regresso ao passado".

A história está muito boa, e a forma como nos encaminha para quem cometeu aqueles crimes faz-nos não querer parar de ler. No entanto, a autora focou-se tanto no mistério à volta das susanas-de-olhos-negros, e do autor dos crimes, que me passou um pouco ao lado o porquê de tudo aquilo.

Fazia falta uma explicação para tudo o que se passou.

Mas, no fundo, existe, alguma vez, uma explicação plausível ou válida para um serial killer cometer os seus crimes?

 

 

Sinopse
"Sou estrela de cabeçalhos de jornal e de histórias assustadoras à roda da fogueira. Sou uma das quatro raparigas das susanas-de-olhos negros. A que teve sorte. Aos 16 anos, Tessa foi encontrada num campo do Texas, quase morta e só com alguns fragmentos de memória em relação à sua chegada ali. A imprensa chama-lhe a única «rapariga das susanas-de-olhos negros» que sobreviveu a um serial killer. O testemunho de Tessa mandou um homem para o corredor da morte.

Passados 20 anos, Tessa é artista e mãe solteira. Num dia de fevereiro, abre a janela do seu quarto e depara com um magnífico canteiro de susanas-de-olhos-negros diante de si, embora se trate de flores de verão. Será que o homem que espera a morte é inocente? E andará o serial killer atrás dela? Ou, pior ainda, da sua filha?"

 

Quando o Ódio Matar

Resultado de imagem para quando o ódio matar

 

Três mulheres, três histórias, três segredos...

E uma personagem misteriosa, com uma história paralela, que nos vai sendo narrada e que, só no final, o leitor saberá a qual destas três mulheres pertence.
É, sem dúvida, um livro que prende logo na primeira página, e nos faz querer chegar depressa ao final, para ver se o ódio irá mesmo matar a personagem mais desprezível que encontramos na trama.
E tudo isto, enquanto é investigado o assassinato de uma quarta mulher cujo crime, quem sabe, não ajudará alguém a planear, com maior precisão, o crime perfeito.

Anna Eiler é a agente de polícia encarregada do caso da mulher assassinada encontrada no lago.

Julia Almliden e Ing-Marie são jornalistas, colegas de trabalho que pouco falam entre si, mas vão trabalhar em conjunto para resolverem este crime.

Na maioria da vezes, conseguem as melhores pistas muito antes da própria polícia. Com sorte, serão elas a entregar o criminoso de bandeja às autoridades, que parecem andar a brincar, sem avançar no caso, e com um chefe que, a meio da trama, se torna ele próprio um suspeito.

Anna, Julia ou Ing-Marie - qual destas mulheres está a planear matar o seu próprio pai, e que motivos a terão levado a fazê-lo?

Ao longo do livro vão sendo expostos esses motivos, e o episódio em concreto, que a levou a tomar essa decisão. 

A partir daí, ela irá anotar tudo o que deve fazer, e o que deve evitar, num alegre e colorido bloco de notas com uma capa de madalenas. Vai ver filmes sobre crimes perfeitos, assistir a exposições sobre métodos de tortura, pesquisar sobre drogas para anestesiar, e tudo o mais que seja necessáriopara concretizar a sua missão.

Mas será que, chegando ao momento, ela terá mesmo coragem de o fazer? Será que tudo vai correr mesmo, como ela tinha planeado?

Terão que ler, para descobrir! Eu recomendo!

Reencontro com o Amor, de Luisa da Silva Diniz

Resultado de imagem para reencontro com o amor luisa da silva diniz

 

 

Há pessoas, e amores, que nunca se esquecem e que, por mais anos que passem, conseguem fazer-nos sentir exatamente da mesma forma que da primeira vez.

Rita Saraiva e João Santos conheceram-se há mais de 12 anos, quando ainda estudavam. Foi com João que Rita viveu a experiência do primeiro beijo.

Mas Rita teve que partir de Portugal e, desde então, tudo o que João tem vindo a saber sobre Rita é através das suas fiéis amigas - Cristina, Beatriz e Sara.

Quando Rita regressa, João não perde a oportunidade de a tentar conquistar definitivamente, e retomar algo que tinha ficado pendente ao longo de todo o tempo em que ela esteve fora.

No entanto, talvez nenhum deles seja a mesma pessoa que outrora conheceram.

Rita traz com ela alguns traumas do passado, que ainda não estão totalmente ultrapassados, e a impedem de se entregar de corpo e alma a uma relação. É como se estivesse fechada numa concha, em que só as amigas têm permissão para entrar, uma vez que conhecem o seu segredo.

Já João, um homem aparentemente carinhoso, compreensivo, romântico, persistente e quase impossível de existir, nos dias que correm, revela-se, ao mesmo tempo, muito controlador, possessivo, quase um "homem das cavernas", de uma forma que chega a ser sufocante, e dá vontade de fugir. 

Mas não serão apenas estas posturas de ambos que irão pôr em causa a sua relação. A ex namorada de João, considerada uma doida por todos, semeia a dúvida no coração e na mente de Rita, levando o leitor a pensar que, talvez, as coisas não tenham sido exatamente como lhe foram contadas.

Surge também, a determinado momento, um homem misterioso, de nome Daniel, que parece estar sempre perto de Rita quando ela mais precisa. Quem será ele, e o que pretende?

Por outro lado, Rita começa a receber várias mensagens, entre as quais uma sobre o seu segredo, que alguém ameaça revelar, e que ela teima em esconder de João.

Quando nada o fazia prever, Rita acaba mesmo por desaparecer por uns dias, quase levando João à loucura, por não saber onde ela está, por ter perdido o controlo sobre a sua relação e sobre a sua namorada.

Que final estará reservado para estas duas personagens?

Será João mesmo quem parece ser?

Conseguirá Rita, finalmente, colocar o passado para trás das costas, e voltar a ser feliz?

 

 

Eu confesso que, ao ler este livro, comecei por simpatizar com o João. No entanto, se estivesse no lugar da Rita, acho que seria bem menos tolerante com a sua mania de querer controlar tudo e todos, ainda que isso possa ser apenas uma forma de amar e proteger quem ama, embora muitas vezes seja uma mera desculpa.

Identifico-me, em alguns aspectos, com a Rita. Com outros, definitivamente, agiria de outra forma.

Destaco ainda a forma como a autora mostrou aqui no seu livro algo que começa a cair cada vez mais em desuso - a verdadeira amizade, em que não há lugar a invejas, mexiricos, críticas pelas costas, mas sim a lealdade, partilha e companheirismo, haja o que houver, e aconteça o que acontecer!

 

Para quem gosta de romances, eu aconselho, sem dúvida, a leitura de Reencontro com o Amor!

 

 

Sinopse

"Rita Saraiva, depois de doze anos fora, regressa a Portugal. Na bagagem, trás as marcas e os traumas do passado que continuam a atormentá-la. Agora, de volta, só quer encontrar paz e tranquilidade. O que ela não contava era reencontrar João Santos, um amigo de juventude.

João Santos, entra de rompante na vida de Rita e, apesar de todos os anos que passaram, nunca esqueceu a amiga encantadora, divertida e linda.

Ele quer conquistá-la e arrebatá-la, mas conseguirá vencer as marcas e traumas de Rita?

E ela, conseguirá aceitá-lo e vencer os fantasmas que a impedem de ser feliz?

Uma história imperdível, na qual, o poder do Amor vence qualquer desafio."

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A magia por detrás de um presente...

...que se perdeu no tempo.

 

 

Hoje senti...

Senti aquele cheirinho, do qual quase não me lembrava. Aquele cheiro a papel de embrulho, que há mais de 20 anos utilizavam para embrulhar os presentes.

Não um papel qualquer, que se pode cortar e levar para casa, retirado do hipermercado, nem tão pouco aqueles rolos que hoje encontramos em qualquer superfície comercial. Não aquele papel fraquinho, que se rasga ao mínimo descuido, mas um grosso e resistente, que se tentava poupar ao máximo.

Veio-me à memória as vezes em que eu ia, com a minha mãe, à mercearia da vila, e a dona da loja embrulhava uma prenda que tivessemos comprado, com um papel cheio de bonecos, se fosse para criança, ou com outro mais sóbrio, se fosse para adulto. Tinha o mesmo cheiro que senti hoje!

Até mesmo os laços eram mais bonitos, elaborados com mais dedicação, e não feitos à pressão e sem qualquer pingo de originalidade.

Resultado de imagem para presente

 

Antigamente, havia toda uma magia por detrás de um presente.

Desde o momento em que o recebíamos, até descobrirmos o que ele escondia. Tentávamos desembrulhar com o máximo cuidado, para não rasgar o papel, que depois guardávamos como se de um tesouro se tratasse.

Cada presente era um mistério que ansiávamos desvendar. Lembro-me bem, por exemplo, de ver os presentes de Natal debaixo da árvore, e tentar adivinhar o que estaria lá dentro. Seria algo que tinha pedido? Que eu iria gostar? Ou seria uma decepção? E, quantas vezes, não íamos tentar espreitar, às escondidas dos pais, o que lá estava, tentando abrir com cuidado numa das pontas, e voltar a colocar a fita-cola no sítio, para ninguém perceber o que tínhamos feito.

Passado o Natal, só voltávamos a ver presentes por ocasião do aniversário, o que constituía outro momento mágico e solene!

 

 

Hoje em dia, oferecemos e recebemos presentes em qualquer altura do ano. Muitas vezes, os mesmos são comprados por obrigação, só porque é suposto. São comprados à pressa, sem nos preocuparmos sequer se é algo que irão gostar, ou que dará jeito. São uma forma de exibição do dinheiro e poder que se tem.

Hoje em dia, na maior parte das vezes, já sabemos o que nos vão oferecer, e aqueles a quem oferecemos já sabem o que vão receber. Os nossos filhos são os primeiros a pedir isto e aquilo. Muitas vezes, recebem antes do tempo.

Hoje em dia, por ser mais prático, compramos saquinhos para colocar as prendas dentro, aproveitamos um qualquer papel que temos lá por casa, ou utilizamos os ditos rolos, comprados para ter em casa, para quando der jeito. 

Os presenteados já não dão importância ao simples acto de dar ou receber um presente, e tudo o que ele envolve. Toda essa magia se perdeu...  

  • Blogs Portugal

  • BP