Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Constatações

Imagem relacionada

 

"Os portugueses dão preferência aos autores estrangeiros da moda. Os estrangeiros, dão preferência aos autores portugueses clássicos.

Haver alguém que se interesse pelo que é nacional, desconhecido, local e todos os livros que não se encaixam nas duas categorias acima referidas, é um golpe de sorte!"

 

 

Qual é a vossa opinião sobre o assunto?

Que livros costumam procurar, ou sabem que costumam ser procurados, nas livrarias portuguesas?

A literatura portuguesa está boa e recomenda-se, ou nem por isso?

 

É impressão minha ou...

Wook.pt - A Rapariga no Gelo

 

...anda por aí a moda literária de começar todos os títulos de livros por "A Rapariga..."?

 

Este é o mais recente - A Rapariga no Gelo!

 

Anteriores:

 

A Rapariga de Antes - 2017

A Rapariga Mais Sortuda do Mundo - 2017

A Rapariga de Times Square - 2017

A Rapariga Que Inventou Um Sonho - 2017

A Rapariga do Calendário - 2016

A Rapariga Que Sabia Demais - 2016

A Rapariga Apanhada na Teia de Aranha - 2015

A Rapariga no Comboio - 2015

A Rapariga Inglesa - 2014

A Rapariga de Olhos Azuis - 2013

A Rapariga dos Lábios Azuis - 2011

A Rapariga Que Roubava Livros - 2008

 

 

Alguém quer acrescentar mais uns títulos?

 

 

Em Abril, a Inominável vale por mil!

 

 

(clicar na imagem)

 

É apenas uma, a número 7, curiosamente lançada a 7 de Abril, mas quase nos atrevemos a dizer que vale por mil!

Pelos conteúdos, pelo trabalho de todos os colaboradores e, claro, das Inomináveis Mor que tornam tudo isto possível!

Então e o que é que se pode descobrir nesta INOMINÁVEL de Abril?

 

Tudo isto:

Corações Inomináveis - rubrica dedicada aos animais e associações que os protegem

Agenda Inominável - com sugestões para os meses de Abril e Maio

Musicalizando - com entrevista a Paulo Sousa

Tendências de A a Z - a rubrica de moda a cargo da Sofia Silva

Receitas irresistíveis com chocolate

Viagens em tons de verde

 

E muito mais!

Vão lá espreitar!

 

De repente, todos se lembraram de vir para aqui

Resultado de imagem para igreja de santo andré mafra

 

Moro na zona velha da vila de Mafra, onde o sossego ainda é uma realidade. 

Pelo caminho, temos um parque infantil, onde cheguei a ir muitas vezes com a minha filha, ficando mais tarde abandonado às moscas. Só iam para lá meia dúzia de gatos pingados, a maioria sem idade sequer para lá andar. Muitos pais deixaram de lavar os filhos porque o parque servia também de casa-de-banho para alguns cães.

 

Já na Igreja de Santo André, quando por lá víamos alguém, pensávamos logo "boa coisa não é". Suspeitávamos de drogados, delinquentes e afins. Uma vez por outra lá vinham alguns jovens até ao palco onde costumam fazer as festas, mas quase sempre figuras de aspecto duvidoso.

 

Ainda assim, sendo raro, era um sossego passar ali naquelas ruas, numa zona quase esquecida e abandonada, que nada tem de interessante para ver.

 

No entanto, nestes últimos tempos, não sei se devido ao facto de a Universidade de Valores se situar nesta zona, e ter dado uma nova vida ao Palácio dos Marqueses, parece que esta parte da vila virou moda!

Todos os dias vejo malta do ciclo no parque, a andar de baloiço! Até as colegas da minha filha já ganharam esse gosto.

E na igreja, vejo frequentemente vários grupos, rapazes e raparigas, ora a apreciar a vista, ora a namorar ou até a jogar à bola.

A isso se deve também o facto de ficar relativamente perto da escola, e de aproveitarem os furos e horas sem aulas para dar uma voltinha.

 

Mas que é estranho, é!

E eu preferia os tempos em que tudo era mais calminho :) 

Isto é o que dá não estar habituada!

Véspera de ano novo, a cerca de uma hora de sair de casa:

 

- Ainda não fazia ideia que roupa vestir, uma vez que vamos para uma quinta, e quase toda a gente vai trajada a rigor. Experimentei umas calças e uma camisola, mas depois pensei que já são tão poucas as oportunidades para usar os vestidos que tenho lá guardados desde os meus 18/20 anos, que tenho que aproveitar estas ocasiões. Mas não sou doida de todo, e tive que levar um casaquinho para me proteger do frio, enquanto não aquecia a dançar.

 

- Não tinha maquilhagem nenhuma que prestasse, já que é coisa que não utilizo nem gosto. Por isso, fiquei totalmente clean.

 

- Que penteado levar? Andei o dia todo com o cabelo apanhado, enquanto andei a fazer compras e arrumar a casa. Quando o soltei, estava todo às ondinhas, e com um efeito giro, por isso, foi mesmo solto.

 

- E joias? Não fazia a mínima ideia do que fiz aos meus brincos, que tantas vezes usei para vir trabalhar ou sair ao fim-de-semana. Há anos que ando com estes pequeninos de furar as orelhas, sem nunca tirar. Não tinha tempo de andar à procura. Lembrei-me das minhas super argolas de ouro que me ofereceram aos 18 anos, que era o que estava mais à mão. Ainda ponderei levar a pulseira que a minha falecida tia/ madrinha me ofereceu, quando fui batizada, mas não estou habituada e podia perdê-la, por isso só pus mesmo as argolas.

 

- O que calçar? Com vestido, só sapatos ou sandálias, mas para essas estava demasiado frio, e não quis arriscar. Optei pelos sapatos. Uns que comprei há cerca de 18 anos e calcei meia dúzia de vezes. Provavelmente já saíram de moda, mas o vestido tapou! Claro que, como não estou habituada a andar de saltos, parecia que estava novamente a aprender a andar.

 

E foi assim que fiquei, dadas as circunstâncias e a falta de hábito:

Foto de Marta E André Ferreira.Foto de Marta E André Ferreira.

 

Foto de Marta E André Ferreira.Foto de Marta E André Ferreira.

 

 

 

Claro que, à chegada e à saída, tive mesmo que me valer do casacão comprido, também ele com mais anos que a minha filha!

 

Foto de Marta E André Ferreira.

 

 

 

Longe vão os tempos em que uma pessoa tinha tempo para se arranjar, produzir e enfeitar antes de sair para o trabalho, ou para passear aos fins-de-semana. Em que o habitual era andar de saltos altos.

Desde que fui mãe, e o trabalho e a correria aumentaram, e as saídas e o tempo disponível reduziram, que opto pelo mais prático, cómodo e confortável possível, sem perder tempo com o resto. 

Como os tempos e as pessoas mudam...

 

 

Mas o meu marido disse mais tarde que valeu a pena gastar o dinheiro que gastou na reserva para a passagem de ano, só para me ver assim enfeitada novamente!

 

 

Imagens nossas e dos fotógrafos de serviço Fotorenovação Lda

 

  • Blogs Portugal

  • BP