Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Dica de segurança

Imagem relacionada

 

Por quem anda a ver demasiados filmes sobre raptos de crianças e adolescentes, sem qualquer base científica mas que, ainda assim, não custa nada ter em conta!

 

"Quando estiverem a caminhar na rua, e virem carrinhas paradas junto à berma, suspeitas ou não, desviem-se para o lado contrário, evitando passar junto delas."

 

E vem isto a propósito de quê? 

No outro dia estava a ir para casa, depois do trabalho, a pé, já de noite. Ia pelo passeio, e mais à frente estava uma carrinha enorme estacionada.

E então, lembrei-me que, nos filmes, quando passamos entre a carrinha e a parede, pode a qualquer momento saltar de lá de dentro um criminoso, e colocar-nos com grande facilidade dentro da dita carrinha, sem que ninguém veja.

Não fosse o diabo tecê-las, atravessei a estrada para o outro lado!

 

 

Isto não é trabalho, é escravatura disfarçada!

Resultado de imagem para escaldão na pele

 

Estão a ver aquela pessoa mesmo branquinha, que não pode apanhar um bocadinho de sol que fica logo vermelha, que usa sempre protector solar factor 50, e leva sempre chapéu de sol para a praia, para se proteger?

Estão a imaginar essa mesma pessoa, enviada para uma espécie de deserto sem qualquer protecção e sem saber para o que ia, estar cerca de 10 horas exposta ao sol, sem poder sair de onde está, a não ser quando lhe derem autorização, caso precise ir à casa de banho, ou na sua escassa meia hora de almoço, únicos momentos em que lhe é permitido sentar-se?

Como é que acham que essa pessoa chegará ao final do dia?

Com sorte, com um valente escaldão e sem se poder mexer. Com azar, sujeito a ir direitinho ao hospital, com desidratação, queimaduras de pele, cefaleias, tonturas, febre e, em casos mais graves, perda de consciência.

 

Como já perceberam, embora ambos os casos fossem graves, isto não aconteceu, como seria de esperar em pleno Agosto, em diversão, numa praia ou numa piscina. Foi mesmo em trabalho.

Que empresa é esta que coloca os seus funcionários a trabalhar nestas condições, neste caso, total falta de condições, sem qualquer protecção? Qual é a empresa que permite que um funcionário seu seja obrigado a estar 10 horas de pé, sem qualquer abrigo, sem o avisar para levar um chapéu ou protector solar, e garrafas de água?

 

 

Resultado de imagem para escravatura moderna

E ainda vêm cá dizer que compensa? Compensa para eles, que não passam por metade daquilo que os funcionários passam.

O meu marido saiu do trabalho anterior porque era, psicologicamente, desgastante. Porque tinha que trabalhar vários dias a 12 horas, para poder ter uma folga, e o ordenado não compensava.

Contrataram-no para um posto provisório, que seria de 8 horas, com folgas aos domingos e dois sábados por mês, além dos feriados, até Junho, sendo que depois lhe arranjariam um posto fixo, de preferência mais perto de casa. Promessas...

A realidade foi ter que começar a trabalhar aos sábados e, inclusive, um feriado, ficando com a única folga ao domingo.

A realidade, foi fazerem-no andar a saltitar de posto em posto, a gastar dinheiro em gasolina e portagens, para trabalhar  de 10 a 12 horas por dia, para postos que não ficam nada perto de casa.

A realidade, foi ter que, muitas vezes, gastar dinheiro a comer fora, ou comprar comida por ali, por não saber que condições iria encontrar.

A realidade, foi dizerem-lh o horário que iria fazer nos próximos dias, num dia, e no seguinte alterarem-lhe a vida toda.

Mas a gota de água foi mesmo o último posto em que foi colocado.

Que tenha que trabalhar mais horas que o suposto, custa, mas ainda se faz. Que não tenha computador ou televisão para se entreter, mas tenha ao menos uma cadeira, e um sítio onde comer, também se aguenta. E até se aguentava, com esforço, estar várias horas de pé, desde que no interior.

Mas ter que ficar 10 horas debaixo de sol, em pé, com mau ambiente entre colegas de trabalho, valendo-lhe unicamente os homens da obra, que lhe foram dando garrafas de água para não desidratar, e chegar a casa de tal forma que até metia medo, só de olhar, sujeito a ter problemas graves de saude, não se admite. É desumano. Se todas as empresas têm que ter condições mínimas para os funcionários, onde estavam elas neste caso? 

E se acontecesse algo de grave, quem é que assumia a responsabilidade?

 

É revoltante...

 

Ah e tal, a empresa só tem postos bons. Tinha, há anos atrás. Agora, não me parece.

Ah e tal, a empresa só tem postos de 8 horas. Mentira! Pelos vistos, agora fazem mais.

Ah e tal, a empresa paga bem. Já lá vai o tempo! Agora, paga o mesmo que as outras, por mais tempo de trabalho. 

 

E quem diz esta, diz outras. 

Trabalhos em part time, de 8 horas, a receber 600 euros, trabalhos de 12 horas, de segunda a sábado, a ganhar 800 euros, e por aí fora, é o que mais se encontra hoje, quando se anda à procura de trabalho.

 

Dizem que a escravatura já acabou há muito tempo. Pois não parece que seja verdade. O que me parece, é que ela continua a existir, mas de outra forma, mais disfarçada!

Focar num único rumo ou dispersar por vários?

fotos-3.jpg

 

Na vida, há pessoas que:

 

Se contentam com pouco, estando satisfeitas com aquilo que têm. Embora sabendo que um pouco mais seria bem vindo, não consideram que isso justifique mudanças, e permanecem sempre da mesma forma, a não ser que algum facto involuntário as obrigue à mudança.

 

Querem sempre mais, nunca estando satisfeitas com aquilo que têm.

 

Ter ambição, desde que com conta, peso e medida, não é mau. Nem tão pouco desejar um futuro melhor, um bom ordenado, melhores horários, e outras regalias que não existem na situação actual.

Mas, dentro deste grupo, encontramos dois tipos de pessoas:

 

- as que sabem exactamente aquilo que querem, que definem a sua meta, e seguem esse caminho com um objectivo concreto, ainda que possa ser realizado ou não, e não se dispersam;

 

- as que querem várias coisas ao mesmo tempo, ou que não fazem a mínima ideia do que querem, e acabam por se dispersar por vários caminhos, que por vezes nunca chegam a atravessar até ao fim, mudando para outros que também não completam, numa tentativa de chegar a uma meta, seja ela qual for.

 

Mudar, se essa mudança é fundamental para o nosso bem estar, arriscar e perder, e voltar a tentar, enveredar por novos caminhos quando já vimos tudo o que tínhamos a ver nos antigos, quando chegamos à meta e precisamos de novas para alcançar, não tem que ser necessariamente algo de mau.

 

Mas eu gosto daquilo que é aparentemente seguro. Gosto de ter um plano, uma linha definida, uma meta concreta. E tenho alguma dificuldade em compreender aqueles que não têm esta forma de estar. Que hoje querem uma coisa, e é para norte que vão, mas amanhã já não é aquilo que querem, e afinal o caminho é para sul, e passados uns dias afinal querem ir para oeste, para chegar à conclusão que o caminho ideal é a este, e é isso que definitivamente querem. E, uns tempos mais tarde, já mudaram de ideias outra vez.

 

Para mim, é mais fácil uma pessoa conseguir algo focando-se nisso a 100%, do que querer várias coisas ao mesmo tempo, dispersando-se por todas elas, correndo o risco de não conseguir nenhuma. Como se costuma dizer "quem tudo quer, tudo perde" e "mais vale um pássaro na mão, que dois a voar".

 

É-me ainda mais difícil compreender quando se trata de adultos, com responsabilidades assumidas, que ambicionam estabilidade na sua vida. Porque esta dispersão parece-me tudo menos estável. Que miúdos acabados de sair do liceu, ou até da universidade, se sintam assim, ainda se compreende. Mas adultos, numa idade em que deveriam ter já a sua vida organizada, é mais difícil...

 

E, depois, pergunto-me: serão assim em tudo na vida? É que se, em determinados assuntos, essa dispersão e mudança constante de planos e ideias, não causam muitos estragos, haverá outras decisões que, depois de tomadas, não há volta a dar para voltar atráscom elas. E que está ao lado de pessoas assim sente tudo menos segurança e estabilidade.

 

E por aí, são mais de se focar, ou dispersar?

O que acham que trás mais vantagens ou desvantagens?

 

Um outro olhar sobre o Jardim Zoológico

 

Que eu me lembre, nos meus 37 anos, devo ter ido umas 3 ou 4 vezes ao Jardim Zoológico de Lisboa (nunca fui a nenhum outro, nem outro espaço do género).

A primeira vez foi na minha infância, e pouco me lembro.

A segunda, quando a minha filha tinha uns 3/4 anos, e foi uma tarde para esquecer, porque a menina estava com a birra, não queria ver nada, não queria andar e fazia "trombinhas" para a máquina fotográfica sempre que lhe queríamos tirar uma fotografia (o que nos rimos agora as duas quando eu lhe conto isto)!

 

 

IMG_2496.JPG

 

Nessa altura, o objectivo era ir até lá passear e ver os animais. Como muitas pessoas, também ficávamos aborrecidos quando não os conseguíamos ver, ou sempre que um determinado espaço estava encerrado para manutenção.

Era uma forma de passar um dia em família, a visitar animais que, de outra forma, nunca conseguiríamos ver em Portugal. 

 

 

IMG_2494.JPG

 

Recentemente, voltei lá, com o meu marido e a minha filha, e com um outro olhar sobre aquele mesmo espaço. Lembro-me, automaticamente, do filme "Madagáscar".

Haverá animais que, eventualmente, se poderão sentir bem ali, mas será que outros não preferiam estar no seu habitat natural?

A verdade é que, comparativamente a anos anteriores, o espaço está muito mais adaptado às necessidades dos animais, em termos de recriação dos habitats naturais, mas será isso o suficiente?

 

 

IMG_2492.JPG

 

A primeira questão que me coloco é: como é que todos aqueles animais ali chegaram ao Zoo? E com que objectivo?

Por certo, não será apenas pela vertente financeira. A verdade é que gerir um espaço como este, alimentar todos aqueles animais, cuidar da sua saúde e higiene e proporcionar as condições mínimas de habitabilidade no Zoo, deverão justificar os preços de bilheiteira actualmente praticados. 

 

Será somente pela vertente lúdica? Não me parece que seja, até porque os animais, embora muitas vezes encerrados em espaços próprios, não estão propriamente a fazer acrobacias o tempo todo para os visitantes, por obrigação. Ou brincam porque lhes apetece, e nós até achamos piada, ou fazem exibições programadas que, ainda assim, nem sempre acontecem se eles não estiverem "para aí virados".

 

 

IMG_2506.JPG

 

Será, então, uma junção destas duas vertentes, aliada a uma questão de preservação de determinadas espécies que, no seu habitat natural, arriscavam-se à extinção?

Terão muitos daqueles animais chegado ali por uma questão de segurança ou sobrevivência?

Estarão estes animais mais bem tratados e seguros neste tipo de espaços, que no seu habitat?

 

 

A segunda questão é o desapontamento de muitos adultos perante o pagamento de um bilhete tão caro, face à possibilidade de não ver alguns animais

Lamento, mas é mesmo assim. Já basta eles estarem ali, quanto mais ainda estarem à disposição de quem os visita! Os animais não têm culpa que cobrem para os visitar. E nem sempre estão com disposição para exibições, para aturar milhares de visitantes a querer que façam isto ou aquilo para ficar bem na fotografia, ou porque pagaram para isso, dia após dia, semana após semana. Nem nós, humanos, temos por vezes paciência, quanto mais os animais.

É normal que eles se escondam, que evitem a confusão, que não queiram dar um ar da sua graça, que queiram estar sossegados no seu canto.

 

 

 

 

Por último, e no caso específico da Baía dos Golfinhos, e do espectáculo das aves, a interação, cumplicidade, confiança e amizade entre os animais e os tratadores humanos

Imagino que, para se conseguir o resultado final que nos é mostrado em cada espectáculo, se perderam muitas horas de treino, de convivência, de pequenos progressos. 

É preciso uma grande cumplicidade e confiança que levam tempo a conquistar, e que permite que o público assista a todas aquelas acrobacias com que nos brindam a cada novo show.

A que custo isso é conseguido? 

Quero acreditar que tudo assenta numa base de confiança e amizade entre o tratador e o animal em causa, e respeitando os animais, e não treinados com recurso a métodos pouco recomendáveis.

Em último caso, à base de muitas recompensas!

Sim, porque se repararem bem, por cada manobra ou acrobacia que fazem, ganham um peixinho ou outro mimo. E, sem eles, não trabalham!

É preciso arcas ou sacolas com muito alimento em cada exibição, para os cativar e ter vontade de mostrar o que andaram a treinar.

 

 

 

 

 

A conclusão a que chego é que, ao mesmo tempo que continuo a considerar uma visita aconselhável e agradável para se fazer em família, acabo, talvez, por não desfrutar da mesma forma que antes, por haver uma dualidade de sensações contraditórias e, mesmo sem querer, a questionar tudo o que está por detrás daquilo que vemos!  

 

Porque nunca hei de participar num trail

 

Ultimamente tem vindo a ganhar bastantes adeptos, e parece que se tornou mesmo uma moda, paralelamente à corrida de estrada.

O meu marido, que costuma participar em algumas corridas, há muito desejava experimentar correr um trail.

E sobre isso, tenho uma opinião muito própria, que pode ser completamente absurda tendo em conta que se trata de uma competição, mas que para mim faz todo o sentido:

- o trail deveria ser algo para se participar em grupo (duplas ou equipas maiores), em que uns se ajudam aos outros e mantêm-se unidos, a ultrapassar os obstáculos e a derrubar barreiras, até à meta;

- o principal objectivo deveria ser a experiência, um momento diferente passado com amigos, um desafio a superar mas sem a preocupação ou pressão da vitória, ou de uma boa classificação;

- apesar de se escolher, propositadamente, terrenos acidentados, de difícil acesso e que exigem uma excelente forma física, e as condições serem totalmente diferentes de uma estrada de betão, ainda assim deveria haver mais segurança e mais meios à disposição dos participantes;

- quem quiser experimentar um trail, deve treinar antes para isso, e não se aventurar sem qualquer preparação;

- pode ser péssimo para quem, como eu, não tem o mínimo sentido de orientação, ainda mais se os meios disponíveis para orientação forem escassos ou nulos; 

- deveria haver alguém ligado à organização em pontos estratégicos do percurso;

- deveria ser fornecido aos participantes um contacto de emergência para o caso de alguma eventualidade;

 

É por tudo isto, que nunca hei de participar num trail! Além, claro, da minha pouca vontade de correr. 

Porque para mim não faz qualquer sentido ir cada um por si, preocupado com uma medalha ou prémio, e arriscar-se a ficar pelo caminho, sem qualquer recurso à disposição. 

Até pode ser um perfeito disparate o que estou para aqui a dizer, mas a mim não me apanham a subir montanhas, nem a atravessar rios, nem qualquer outra actividade radical ligada ao trail!

 

  • Blogs Portugal

  • BP