Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O grande dilema de todos os anos

 

 

 

Imagem relacionada

 

Todos os anos espero ansiosamente pelas férias, para poder descansar da rotina e stress do trabalho, acordar mais tarde, ir à praia, à piscina, passear, estar com a minha filha e com as bichanas, e com o meu marido, quando estamos de férias na mesma altura.

 

Todos os anos chegamos a esta altura, a perceber que precisamos de lavar paredes, pintar, limpar a casa, o que implica ter tempo livre e, de preferência, estarmos os dois em casa, para ser mais fácil e não incomodar um ao outro. Esse tempo livre, e essa disponibilidade, só acontecem em tempo de férias.

 

Mas as férias são intercaladas, uma semana num mês, duas semanas no outro. Se não aproveitarmos ao máximo o verão nessa altura, no resto do tempo é complicado.

Por outro lado, é a altura ideal para limprezas e, de outra forma, não nos conseguimos conciliar ou ter tempo para as limpezas e pinturas.

 

Posto isto, eis que surge o grande dilema:

 

Aproveitar as merecidas e desejadas férias, deixando a casa conforme está, até ver, ou deixar a casa apresentável, sem ter realmente gozado férias, e voltar ao trabalho mais cansada ainda, e com a sensação de não ter estado de férias?

Opinar ou ficar calado

Resultado de imagem para opinar

 

Uma opinião é apenas uma opinião, um ponto de vista. Não é, de todo, uma certeza ou verdade absoluta.

Uma opinião vale o que vale. Para alguns, muito. Para outros, pouco. E para muitos, nada.

E para quê exprimir a opinião sobre determinado assunto, quando nem sequer foi pedida?

E, ainda que tenha sido pedida, para quê perdermos tempo a opinar, se sabemos que nada do que dissermos vai servir para alguma coisa, ou sequer ser tido em conta?

Para quê opinar, se isso pode trazer mais dissabores do que resultados práticos? 

 

Assim, na maior parte das vezes, é preferível mantermo-nos calados, e guardar a nossa opinião para nós mesmos. Cada um sabe de si. E nós temos é que nos preocupar connosco e com a nossa vida. Os outros que se preocupem com a deles.

 

No entanto, por muito que tente manter esta postura, quando dou por mim, lá está mais uma opinião a sair sem ter sido convidada a tal.

É que, perante determinadas situações, é difícil controlar aquilo que pensamos, e evitar que saia cá para fora aquilo que achamos que não está correcto. Mas, depois, lá me apercebo de que é tempo perdido, e energia gasta desnecessariamente, e calo-me.

Para tempos depois voltar a distrair-me, e soltar mais uma opinião! É mais forte que eu!

 

E por aí, também são mais de opinar, ou de calar?

 

 

Levar crianças para os serviços públicos

Resultado de imagem para crianças birras

 

Se nós, adultos, não temos muitas vezes paciência para esperar horas a fio a nossa vez de sermos atendidos, o que dizer das crianças?

Se a nós nos incomoda a confusão, o barulho de dezenas de pessoas a conversarem, o ter muitas vezes que esperar em pé, pior ainda será para as crianças. E, consequentemente, pior para nós, porque temos que entretê-las, mantê-las sossegadas e em silêncio, e ouvi-las reclamar com fome, com sede, com sono, com vontade de ir à casa de banho, e por aí fora. Isto, quando não lhes dá para fazer birra, chorar ou gritar, acabando por incomodar as outras pessoas, e afectar o próprio serviço.

 

Eu própria, quando a minha filha tinha cerca de um ano e meio, tive que trazê-la para o meu trabalho, e levá-la comigo aos vários serviços onde tinha que ir. Não correu muito mal, mas também não foi fácil, até porque ela ao fim de 5 ou 10 minutos já queria ir embora, e começava a ficar irrequieta. Mas eu não tive outra hipótese. Foi numa semana em que a minha mãe, que tomava conta dela, foi operada, e eu não tinha com quem a deixar.

 

No entanto, há pais que levam os filhos mesmo que não seja necessário, como se estivessem a ir todos para um passeio. Até pode correr bem, o assunto despechar-se depressa, e irem à sua vida num instante. Mas também pode não ser assim tão simples e rápido.

 

Por isso, sempre que for possível, evitem levar crianças para serviços públicos. Será o melhor para todos.

 

 

A Idade de Adaline

Imagem relacionada

 

Haverá muita gente neste mundo que não se importaria de viver eternamente, e/ou manter a sua aparência de jovem enquanto vivesse. Aliás, muito se tem procurado o elixir da eterna juventude, segredos para a longevidade e outras fórmulas milagrosas.

 

Em "A Idade de Adaline", Adaline Bowman ganhará, de forma inesperada, aquele que para a maioria das pessoas seria um dom muito desejado, mas que para ela será mais uma maldição - ficar parada no tempo, sem envelhecer, por mais anos que viva.

 

Para Adaline, ao contrário do que se poderia imaginar, este poder não lhe trouxe nada de bom, ou qualquer felicidade, bem pelo contrário:

- foi obrigada a ver a sua filha crescer longe de si, porque não faria sentido uma mãe parecer filha da própria filha

- foi obrigada a abdicar do amor

- foi obrigada a viver como nómada, sempre a fugir e mudar de identidade a cada década

- viu todos aqueles que lhe eram mais queridos morrer, enquanto ela continuava viva e cada vez mais sozinha

 

A cena que mais me comoveu foi aquela em que ela teve que se despedir do seu companheiro de quatro patas, que já estava velhinho, quando ela pensava que ele a iria acompanhar para sempre. 

 

Adaline não conseguiu encontrar explicação para a sua nova condição, e tão pouco procurou ajuda, porque não queria tornar-se objecto de estudo. Aceitou, e tentou levar a sua vida adiante, o melhor que pode.

Agora, Ellis surge na sua vida de forma inesperada, e fá-la questionar de deverá fugir de novo, e abdicar novamente de uma vida a dois, ou se está disposta a dar uma hipótese ao amor, com todos os riscos que isso acarreta.

Até quando conseguirá ela aguentar esta vida estranha que leva? Quantos mais anos passarão? Haverá alguma forma de se tornar novamente numa pessoa normal, como todas as outras?

 

Um filme que recomendo!

 

Um ano sem a nossa Tica

Tica

 

 

Primeiro dia sem a Tica

Segundo dia sem a Tica

Terceiro dia sem a Tica

Um mês sem a Tica

Cinco meses sem a Tica

 

E faz hoje um ano que a Tica partiu...

Como disse, há uns dias atrás, à Mula, este dia nunca fará parte do passado. É um dia que nunca esquecemos. Uma dor e saudade que nunca passa. E há dias em que volta a doer tanto como naquele em que tudo aconteceu.

 

O susto de não a ver em casa...

Os nervos de ir procurá-la antes que fosse tarde...

A aflição de vê-la caída no chão, inerte...

O pânico de não saber o que fazer, e o veterinário nunca mais atender...

O choque ao perceber que não havia nada a fazer, e que ela não estava mais no mundo dos vivos...

 

Depois, veio a minha própria inércia e falta de reacção. Como me arrependo de ter deixado o veterinário levá-la naquela noite...

 

"Já não há nada que possam fazer por ela. Está morta. É apenas um cadáver. Vai começar a cheirar mal. Se não têm onde enterrá-la, será melhor levá-la já, para cremar."

 

E nós, parvos, deixámos que a levassem...E nunca nos despedimos dela como queríamos. Mas estávamos ainda tão incrédulos, que nem conseguimos raciocinar.

Hoje, temos duas meninas  - a Becas e a Amora - por quem já estamos rendidos. E muitas vezes, têm gestos e acções tão parecidas com a Tica que me vejo a dizer "estás armada em Tica!?". No outro dia, ao olhar para uma fotografia da Amora, sem me aperceber no início de quem era, dei por mim a pensar que era a Tica, e só então percebi que, por vezes, até fisicamente há semelhanças.

 

 

Tica 227.jpg

 

Há dias em que o tempo passa a correr que nem me dá tempo para pensar.

Outros, em que tenho que me focar naquilo que é necessário naquele momento.

E outros em que me lembro das coisas boas que vivi contigo.

Mas há dias em voltam à memória todas as imagens daquele dia fatídico, volta toda a saudade dos momentos passados contigo, toda a frustração de teres partido sem aviso, quando ainda tinhas tanto para viver...

Volta toda a culpa por aquilo que devia ter feito por ti, e não fiz, crente de que eras a gata mais feliz e saudável do mundo, que nada te afectaria, e só morrerias velhinha. 

Volta toda a revolta, por te terem arrancado de mim, por não te terem permitido viver uma vida ainda mais feliz ao nosso lado, por muitos anos.

Tínhamos uma relação especial, tu e eu...E, embora ame as tuas afilhadas, não é a mesma coisa.

 

Tica 18

Tu eras a minha castanhinha linda! E sabes que no outro dia encontrei o teu ratinho velhinho? Lembrei-me logo de ti. Um sinal, quando se aproximava esta data que não deveria ter existido há um ano.

 

 

Resultado de imagem para o blog da Tica

Esta imagem é a que tenho sempre no computador, como fundo. Nunca mudei.

 

 

Tica 321.jpg 

As tuas fotografias continuam espalhadas pela casa, para te termos mais perto de nós.

 

 

Resultado de imagem para o blog da Tica

E tu, continuas a ter o teu lugar, único e especial, dentro do meu coração...

Espero que, onde quer que estejas, também não te esqueças de mim, de nós... 

 

 

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP