Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Todos precisamos uns dos outros!

Resultado de imagem para precisamos uns dos outros

 

No outro dia, conversava com o meu marido sobre o sentimento de superioridade de boa parte dos licenciados, que se acham mais que os outros só porque andaram numa universidade a estudar não sei quantos anos, e têm agora o título de Dr.

Mas, o que lhes dá esse direito de acharem que, por esse motivo, são mais que os outros? O que são eles a mais que eu, ou que o "zé da esquina"?

Todos precisamos uns dos outros, todos temos a nossa missão, e todos contribuímos com aquilo que melhor sabemos.

E até os "doutores" precisam do homem do lixo, da empregada do supermercado, do eletricista, do canalizador, e por aí fora. Porque sem estas pessoas, e muitas outras, de nada lhes serviria ser "doutor".

O pior, é que esta mania da superioridade está a alastra-se até mesmo àqueles que ainda nem o curso terminaram, ou nem sequer começaram! E a muitos funcionários que, não sendo licenciados, mas tendo cargos administrativos, acham que são mais importantes que o porteiro, a cozinheira, a mulher da limpeza ou o segurança da empresa.

Se querem tirar uma licenciatura, mestrado ou doutoramento, façam-no porque é algo que realmente gostam, e porque sentem que será útil para essas pessoas e para a sociedade. Não pelo simples facto de isso equivaler a um título, e por acharem que isso significa ter direito a tratamento especial.

A sociedade precisa menos de "doutores" e afins que se gabem daquilo que estudaram, daquilo que ganham, dos títulos que adquiriram, e mais de profissionalismo, atitude, ou seja, menos conversa e mais acção.

Porque o melhor profissional, seja em que área for, não é aquele que apenas fala e se gaba, esperando o reconhecimento de todos à sua volta, é aquele que age de imediato, sem esperar nada em troca!

Contradições médicas #2

Resultado de imagem para pílula cerazette

 

A pílula provoca quistos nos ovários:

 

Efeitos colaterais do Cerazette

Cefaléia
Aumento de peso
Dor nas mamas
Náusea
Sangramento irregular
Amenorréia
Acne
Alterações de humor
Diminuição da libido
Vaginite
Dismenorréia
Cistos ovarianos
Vômitos
Alopecia
Fadiga
Dificuldades em utilizar lentes de contato
Exantema (rash)
Urticária
Eritema nodoso

 

Para eliminar os quistos nos ovários, os médicos recomendam a toma da pílula!

 

"Quando estiverem em causa quistos pequenos e persistentes (ovários multifoliculares), está indicada a utilização de contraceptivos orais (pílulas) para controlar a actividade dos ovários e, consequentemente, levar à diminuição dos quistos."

 

Em que é que ficamos?

Ao Hospital Veterinário do Atlântico...

 

...só posso estar grata por tudo o que fizeram pela nossa Becas!

Sim, podemos ter escolhido, sem saber, o sítio mais caro para a levar. E sim, poderia ter tido um acompanhamento e tratamento semelhante noutro hospital ou clínica. 

Mas foi ao Hospital Veterinário do Atlântico que fomos, e não nos arrependemos!

É certo que é um hospital privado e, como tal, se pagamos bem, temos o direito de ser bem servidos. Mas todo o pessoal que trabalha neste hospital, faz bem mais que isso!

Tanto os médicos veterinários, como as enfermeiras, são impecáveis, pessoas preocupadas e atentas, sempre disponíveis e prestativas, e com uma enorme simpatia para com os clientes e os seus animais.

Enquanto a Becas esteve internada, todos os dias me ligava um dos médicos para me informar como ela tinha passado a noite. Chegaram, inclusive, a ligar-me numa noite, após a visita, só para nos informar o resultado do exame que ela tinha feito depois de sairmos.

Enquanto a Becas esteve no hospital, e apesar de haver um horário próprio para visitas, sempre nos facilitaram as mesmas fora desses horários, já que aquela hora, estávamos a trabalhar. Obviamente que não podíamos ficar o tempo que seria de esperar, mas deixavam-nos estar com ela um bocadinho.

Sempre que ligamos para lá, para esclarecer alguma dúvida ou aconselharmo-nos sobre o melhor procedimento relativamente a um determinado assunto, atendem-nos com simpatia e de forma prestável.

Ontem, por exemplo, foi uma enfermeira que ligou de propósito, para saber como estava a Becas, depois de termos ligado na véspera a propósito de ela andar com diarreia.

Podem continuar a dizer-me que é assim porque pagamos para isso, mas há muitos sítios em que pagamos e ficamos mal servidos. E, neste caso, para além do dinheiro, é o amor genuíno pelos animais que move estas pessoas que fazem parte do hospital!

Um agradecimento muito especial à Dr.ª Diana, ao Dr. Rui Ferreira, à Dr.ª Ana Raposo, e às enfermeiras Joana, Sara, Vanessa, Letícia, bem como a todo o restante pessoal técnico que esteve, de alguma forma, envolvido no tratamento da nossa Becas!  

 

Visitem o facebook e site oficial do Hospital, e fiquem a saber mais sobre este hospital, aberto 24 horas por dia!

 

 

https://www.facebook.com/hvatlantico/

http://www.hvatlantico.pt/

À Conversa com Mário Silva - APCOI

 

Já aqui falei algumas vezes sobre a obesidade infantil e os perigos para a saúde que daí advêm, mas nunca é demais relembrar que, no mundo, cerca de 155 milhões de crianças têm excesso de peso ou são obesas, dos quais 43 milhões em idade pré-escolar. São números alarmantes, para os quais contribui também o nosso país, que está entre os países europeus com maior número de crianças com excesso de peso ou obesas.

Para combater a obesidade infantil, nem sempre a intervenção dos pais, em casa, é suficiente. Os pais têm um papel fundamental, no sentido de educar para uma alimentação mais saudável e incutir aos filhos, desde cedo, a prática de bons hábitos alimentares dando, eles próprios, o exemplo.

 

Mas esta intervenção deve ser complementada pelas diversas entidades que lidam com as crianças, e que fazem parte do meio em que a mesma se desenvolve como, por exemplo, a escola que frequentam.

Para ajudar nesta missão nasceu, em Dezembro de 2010, a APCOI – Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil, uma organização sem fins lucrativos cujo objectivo passa por promover a saúde das crianças e combater o sedentarismo, a má nutrição, a obesidade infantil, e as doenças associadas, através da organização de diversas campanhas e eventos, alertando para a problemática da obesidade infantil em Portugal.

 

Tomei conhecimento desta associação através da nossa participação na última Corrida da Criança, no Estoril, que todos os anos reúne a família (miúdos e graúdos), para uma corrida solidária que, para além de ajudar as crianças abrangidas pela associação, visa também o combate ao sedentarismo e promoção da prática de exercício físico, num ambiente de festa e convívio.

Para nos falar um pouco mais sobre a APCOI, tenho hoje como convidado o seu Presidente e Fundador, Mário Silva, que gentilmente aceitou o convite para esta entrevista, e a quem desde já agradeço a disponibilidade.

 

 

 

Começo por perguntar, como nasceu a APCOI?

Um dia, depois do trabalho, algures durante o ano de 2009, estava na fila do supermercado. À minha frente estava um menino, que devia ter menos de 10 anos. Era claramente obeso e tentava convencer a mãe a comprar-lhe uma embalagem de um snack que prometia oferecer um cromo no seu interior, recorrendo a todos os argumentos possíveis. A mãe dizia-lhe que não ia fazer-lhe bem, que não podia comer aquelas guloseimas. Mas não resistiu à pressão do filho e comprou-lhe o snack. O produto tinha elevado teor de açúcar, gordura e sal, pelo que iria sem dúvida contribuir para agravar o estado de saúde já debilitado daquela criança. E quem seria um dos principais culpados? Eu. Na altura, trabalhava na agência de marketing infantil que tinha desenvolvido aquela promoção, tal como tantas outras que tinham como única finalidade aumentar as vendas destes produtos nocivos. Foi uma chamada de atenção que despertou para a dura realidade da obesidade infantil que é considerada atualmente a maior epidemia não contagiosa do mundo e em Portugal não é diferente, uma em cada três crianças tem excesso de peso! Depois de me deparar com esta realidade, foi impossível continuar a trabalhar para vender produtos que danificam a saúde das crianças... daí até fundar a APCOI foi apenas um pequeno passo.

 

Que projectos tem a APCOI, neste momento, a decorrer?

Este ano de 2016 vai ser muito marcante, porque é um ano de muitas surpresas. Continuamos a crescer com o projeto «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável» que já conseguiu melhorar os hábitos alimentares de mais de 200 mil alunos em todas as regiões do país e é atualmente considerada a maior iniciativa escolar gratuita de educação para a saúde a nível nacional. Para celebrar este sucesso, queremos levar a marca «Heróis da Fruta» para outros públicos, através de eventos especiais e até de edições limitadas de produtos em parceria com diversas entidades selecionadas. Vamos ter muitas novidades em breve, uma delas acabou de ser lançada e chama-se «Missão 1 Quilo de Ajuda». É a vertente mais solidária do nosso projeto escolar e consiste na oferta semanal de cabazes de fruta nas escolas para apoiar o reforço alimentar e a inclusão social dos alunos mais carenciados do país.

 

Em 2012 a associação inaugurou o 1º Centro de Prevenção da Obesidade Infantil em Portugal. A quem é que se destina este centro, e que actividades costuma desenvolver?

É o nosso centro de operações, onde trabalham os nossos especialistas em saúde infantil, cientistas e investigadores e a restante equipa que apoia cada um dos projetos da APCOI. Quando foi inaugurado em 2012, nasceu também com ele um projeto-piloto de acompanhamento de famílias com crianças com excesso de peso que ultrapassou todas as expectativas, tendo uma lista de espera de muitos meses, e por isso mesmo, já este ano, o modelo vai ser estendido a todo o país, através de uma parceria que nos permitirá dar esta resposta às famílias em 18 locais em todo o território nacional.

 

Considera que ainda há um longo caminho a percorrer na prevenção e combate à obesidade infantil?

Sim, é um trabalho contínuo. Utilizando a linguagem dos «Heróis da Fruta», a nossa missão nunca acaba, temos de continuar a espalhar a magia da saúde, todos os dias para que esta chegue ao maior número de crianças! Na verdade, a única forma de garantir que este problema de saúde pública está controlado é manter um elevado nível de prevenção, através da realização sistemática e consistente de programas de educação para a saúde, como no caso do projeto «Heróis da Fruta».

 

Esse caminho passa, essencialmente, por uma mudança de mentalidades?

Sem dúvida! Para lhe responder a esta pergunta, vou contar-lhe uma pequena história: Os primeiros «Heróis da Fruta» do mundo, a Sushi e o Yago, são dois irmãos que decidiram iniciar uma empolgante missão: devolver ao mundo o conhecimento sobre a alimentação saudável que a Madame Ganância fez desaparecer. Nos últimos anos, têm percorrido o país à procura de outras crianças que queiram aprender como se podem transformar em verdadeiros super heróis a defender a sua saúde e a saúde de todos à sua volta. Ao longo da sua aventura, os "Heróis da Fruta" vão saborear todos os dias alimentos saudáveis nas suas refeições, vencer desafios e jogos incríveis, receber prémios fantásticos e aprender a usar a magia da música para fazer chegar mais longe a sua missão: ensinar tudo isto aos adultos, mesmo àqueles que dizem já não ter idade para mudar os seus velhos hábitos.

 

Devido ao estilo de vida que a sociedade actual leva, existe hoje um maior número de crianças com excesso de peso ou obesas, em relação há uns anos ou até décadas atrás? Ou esse número já existia, mas só agora, devido a uma maior preocupação e um estudo mais aprofundado, é possível chegarmos a ele?

É um facto houve um aumento de excesso de peso na população, não só infantil, devido ao estilo de vida atual que se instalou na nossa sociedade nos últimos 30 anos. Aliás, sabemos hoje que nos últimos 33 anos, a taxa de obesidade infantil aumentou 47% em todo o mundo. Esta é a conclusão muito recente de uma das maiores revisões de todos os estudos sobre este problema em todo o mundo. No entanto, acho que também se tem vindo a falar mais de excesso de peso nos últimos anos, porque há uma maior preocupação da população em geral em relação a este assunto. Na minha opinião, o facto de a ainda primeira-dama dos EUA ter abraçado e defendido esta causa com todas as suas forças, colocou o mundo a olhar para este problema com maior frequência. Em Portugal, desde a criação da APCOI em 2010, todas as semanas se fala de obesidade e excesso de peso nos meios de comunicação social. Só para lhe dar um exemplo, desde o ínicio de janeiro já foram publicadas mais de 200 notícias em Portugal sobre a APCOI ou sobre os nossos projetos. Penso que é muito positivo falar-se do problema para acabar com mitos e preconceitos que contribuiem para o sofrimento de tantas crianças. É importante informar. Só com informação e conhecimento proveniente de fontes fidedignas é que conseguimos melhorar a vida e a saúde das crianças.

 

É um facto que, hoje em dia, existe uma maior preocupação por parte da sociedade em geral, das diversas entidades às quais estamos directa ou indirectamente ligados, e dos pais em particular, no que respeita à promoção de uma alimentação mais saudável e prática de exercício físico. No entanto, continuamos a ter números alarmantes de crianças com obesidade infantil. Como é que se explica essa contradição?

A taxa de obesidade infantil aumentou 47% em todo o mundo nos últimos 33 anos, mas apenas nos últimos 5 ou 6 anos se tem vindo a assistir a essa maior preocupação da população em geral em relação aos seus hábitos diários. No entanto, a realidade mostra-nos que será necessário algum tempo e uma boa dose de persistência para passarmos da consciência à prática para conseguirmos controlar este problema. Em 2009, por exemplo, antes de fundar a APCOI, procurei por uma instituição na qual pudesse fazer voluntariado com crianças na área da promoção de alimentação saudável e exercício físico e não existia nada assim em Portugal. As organizações ligadas à obesidade estavam sobretudo vocacionadas para o estudo científico do problema ou para o tratamento cirurgico e direccionados principalmente para a obesidade na fase adulta. A APCOI foi de facto a primeira associação sem fins lucrativos a dedicar-se totalmente à prevenção da obesidade infantil em portugal. Hoje chegam-nos muitos pais que nos dizem que já fazem uma alimentação saudável lá em casa e que os filhos praticam desporto e que realmente não percebem porque é que as crianças continuam a aumentar de peso. Quando em conjunto com os nossos especialistas analisam a alimentação diária da família, na maioria das vezes percebem quais os erros que estão a cometer e que estão a contribuir para o aumento de peso.

 

Considera que a correria em que as famílias vivem e a falta de tempo são argumentos válidos, ou são apenas uma desculpa para justificar os erros alimentares que se cometem regularmente, bem como o sedentarismo?

Num dia de semana habitual, trabalho cerca de 10 horas, tenho que cozinhar pelo menos duas refeições em casa e ainda ter tempo para as deslocações. Há três meses obrigo-me a praticar uma atividade física duas horas por semana. Agora chego a casa todos os dias exausto e não tenho crianças pequenas. Por isso, compreendo perfeitamente que não são apenas desculpas, é de facto o ritmo atual das famílias que lhes deixa muito pouco tempo livre e que as leva a procurar com frequência soluções rápidas e práticas para as tarefas diárias, nomeadamente para a alimentação. Realmente, não é possível ter tempo para tudo, mas por isso mesmo temos de dar prioridade ao mais importante. Em vez de ficarmos no sofá durante uma ou duas horas antes de ir para a cama, podemos perfeitamente ir dar uma caminhada a pé em família ou preparar as refeições do dia seguinte para que possamos ganhar tempo que nos permita praticar uma atividade física depois do trabalho ou para levar as crianças ao parque infantil depois da escola. A nossa força de vontade é capaz de superar todas as dificuldades, sobretudo se for a saúde das crianças que está em risco. Mas é claro que até os melhores pais do mundo por vezes precisam de ajuda para tornar a sua família mais saudável e a APCOI está cá para apoiá-los no que for preciso.

 

Em Outubro de 2015 arrancou a 5ª edição do projecto “Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável” desenhado especialmente para jardins-de-infância e escolas básicas do 1º ciclo. Como é que as escolas encaram este programa? Têm tido uma boa aderência por parte das mesmas?

Depois do sucesso das edições anteriores que envolveram no total 183.395 alunos, no ano letivo 2015/2016 participam no projeto «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável», 52.832 alunos de 2.607 turmas, de 875 jardins de infância e escolas básicas do 1º ciclo de todos os distritos do país, incluindo as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável» é atualmente o maior programa gratuito de educação para a saúde de âmbito nacional, com uma das maiores taxas de sucesso de sempre em reeducação alimentar infantil em Portugal: está estatísticamente comprovado que a aplicação do modelo pedagógico dos «Heróis da Fruta» aumenta em pelo menos 42% o consumo de fruta diário das crianças que nele participam. Além do incentivo ao consumo de fruta nas quantidades recomendadas pela OMS (Organização Mundial de Saúde), o projeto «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável» leva também às crianças lições importantes sobre alimentação saudável, higiene oral, atividade física, economia e poupança, respeito pelo ambiente e bem-estar emocional, que as ajudam a crescer saudáveis, ativas e felizes. As escolas adoram este projeto e pedem-nos todos os anos para visitarmos cada vez mais escolas, algo que só podemos concretizar graças aos nossos parceiros. Aliás, o apoio de empresas preocupadas com a saúde das crianças em Portugal como o Clube Pelicas da Associação Mutualista Montepio, Fábrica de Óculos do Cacém, Aquafresh, Fruut, Vitacress, Holmes Place, Jumbo, Maçãs de Alcobaça, Águas do Vimeiro, Konica Minolta e a Portugal Telecom, é fundamental para conseguirmos oferecer gratuitamente esta experiência mágica e tão necessária a cada vez mais crianças.

 

Podemos contar com uma nova edição da Corrida da Criança em 2016?

A Corrida da Criança é um projeto muito querido por todos os públicos: as crianças, as famílias, a nossa equipa, todos os voluntários e as empresas que com ele colaboram. Mas é uma ação de sensibilização que acontece apenas uma vez por ano. Sentimos que precisamos de dar prioridade às ações que cheguem ao maior número de pessoas e que tenham âmbito nacional. Por essas razões não teremos uma nova edição da Corrida da Criança em 2016, mas este projeto vai ter continuidade noutros formatos, já este ano vamos ter novidadades em várias cidades do país. Fiquem atentos!

 

Que tipo de ajuda mais precisa a APCOI neste momento, e de que forma pode, quem nos está a ler, contribuir?

O nosso maior desafio diariamente é a escassez de recursos financeiros. Por sermos uma organização não governamental, independente e totalmente financiada por empresas e particulares necessitamos de toda a ajuda possível. Quem nos está a ler poderá ajudar-nos de várias maneiras: tornando-se voluntário, contribuindo assim com o seu tempo livre para esta causa; tornando-se associado, apoiando o trabalho da APCOI com uma quota anual; ou ainda oferecendo um donativo pontual de qualquer valor que será canalizado diretamente para um dos nossos projetos. Neste momento, queremos expandir a entrega semanal dos cabazes de fruta da «Missão 1 Quilo de Ajuda» a mais crianças carenciadas, temos mais de 100 candidaturas e só conseguimos dar resposta a 10 escolas neste momento, pelo que precisamos de muitos apoios. Uma forma simples de contribuir para este projeto é fazer uma chamada para o número de telefone 760 450 060 (custo 0,60€ + IVA) que reverte na totalidade para a entrega de cabazes nas escolas, o nosso lema é: 1 telefonema solidário = 1 lanche saudável.

 

Mário, mais uma vez, muito obrigada por nos ter proporcionado esta “conversa”. Que a APCOI continue a lutar pela saúde das nossas crianças e a desenvolver o extraordinário trabalho como têm vindo a fazer até aqui!

 

Podem saber mais sobre a APCOI e os seus projectos em:

www.apcoi.pt

www.heroisdafruta.com

www.corridadacrianca.com

 

Depressão é uma doença, e tem cura!

 

É verdade que, actualmente, houve uma vulgarização ou generalização, no sentido de muitas vezes não se diferenciar entre um estado de tristeza considerado normal perante determinadas situações, e um estado continuado de tristeza e apatia, anormal, associado a outros indicadores que, aí sim, podem evidenciar um quadro de depressão.

Mas é, igualmente, verdade que a doença existe e pode provocar danos, por vezes irreparáveis, se não for levada a sério e devidamente tratada. 

Não escolhe idade, sexo ou condição social, e é um erro ignorá-la ou considerá-la uma “invenção” dos tempos modernos!

Uma pessoa com depressão perde completamente o interesse por tudo o que antes gostava de fazer, perde vontade de ser feliz, de lutar e, por vezes, de viver.

Sente-se sem forças, sem energia, extremamente cansada ao mais pequeno esforço que faça.

A sua auto-estima baixa drasticamente, enquanto a insegurança e a sensação de inutilidade disparam.

Sensações de medo, associados a um pessimismo exagerado e perda de qualquer esperança podem estar presentes.

Para além de todos os sintomas a nível psicológico, verificam-se também sintomas a nível físico, como dores musculares, abdominais, dores de cabeça, problemas digestivos e outros.

E, embora cause grande sofrimento à própria doente, é um sofrimento que se estende à família, que não sabe o que fazer ou como ajudar a ultrapassar esse estado depressivo. Por outro lado, pode prejudicar a pessoa em termos laborais, e comprometer as relações desta, com aquelas que a rodeiam.

O primeiro passo para o tratamento é assumir que sofre de depressão, e que precisa de ajuda. O segundo passo, é procurar essa ajuda!

O tratamento, que pode combinar intervenção psicoterapêutica e recurso a medicação apropriada é, por vezes, é um processo longo, caracterizado por substanciais melhorias, mas também por algumas recaídas, e deve envolver não só os profissionais competentes, mas também familiares, amigos e pessoas que lhe são mais próximas, às quais é requerido apoio, paciência e dedicação.

A depressão é uma doença, e tem cura! Com a colaboração de todos e, sobretudo, com enorme força de vontade da vítima, é possível ultrapassá-la!

 

  • Blogs Portugal

  • BP