Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

"Astúcia", de Sandra Brown

450.jpg 

 

Não considero que este seja o melhor livro da autora.

Mas é muito bom.

Embora o "mistério" tenha sido revelado demasiadamente cedo. Teria preferido que a dúvida se mantivesse por mais tempo.

 

Drex Easton dedica a sua vida a tentar apanhar um assassino que, para todos os outros, parece tratar-se apenas de um fantasma. De uma invenção sua.

Weston Graham sempre teve a sensação de que alguém o perseguia, mas nunca passou disso: uma sensação. Suficiente para o deixar mais alerta, mas ténue demais para o impedir de concretizar os seus planos.

Agora, ambos têm a oportunidade de estar frente a frente, como vizinhos.

Drex sabe que Jasper Ford é o seu homem - Weston Graham.

E Jasper, desconfia bastante deste novo vizinho, ao ponto de vigiar todos os seus passos, até perceber que a sua sensação se confirma, e tem uma forma física, e um rosto.

 

Talia Shafer, recém casada com Jasper, parece uma mulher com um sexto sentido apurado, que consegue ler as pessoas para além da capa com que se apresentam.

À medida que a história se vai desenrolando, ficamos a pensar se ela será a próxima vítima ou, pelo contrário, estão os dois a congeminar, juntos, o próximo golpe.

Afinal, Marion, a última vítima, era sua amiga.

Agora, há uma outra amiga nas suas vidas, Elaine. É certo que não tem tanto dinheiro como a própria Talia, mas...

 

E Drex, que tenta levar a cabo a sua missão, com a ajuda de dois amigos, através de métodos e vias não legais, mas mais eficazes, vê-se agora entre a promessa de vingar a morte da sua mãe, e a súbita paixão por Talia, que pode vir a ter que destruir também, embora ele não queira acreditar nisso.

 

Certo é que, até ao final, Jasper vai estar sempre uns passos mais à frente de Drex, a sua astúcia a levar a melhor, a desacreditar o homem que o quer apanhar, e a deixar marcas nos seus leais amigos.

Conseguirá Drex dar a volta à história, antes que toda a sua vida seja desfeita?

Conseguirá Drex cumprir a promessa que fez ao pai, no seu leito de morte, e seguir em frente com a sua vida?

Ou será Weston, Daniel ou Jasper, para sempre, uma pedra no seu caminho? 

 

No entanto, mais do que saber que a missão foi, ou não, bem sucedida, o que o final do livro nos revela sobre Drex, é o que mais vale a pena!

 

 

Sinopse:

"Weston Graham é um enigma.
O FBI recusa-se a admitir a sua existência.
Weston Graham é um camaleão.
Assume vários nomes e inúmeros disfarces, atrai mulheres ricas e desaparece - juntamente com elas e as suas fortunas - para reaparecer com uma nova identidade e uma nova vítima.
Sem provas ou pistas, qualquer investigação está condenada à partida, mas o agente Drex Easton sabe instintivamente que este homem é real, é perigoso, e não vai parar. Para Drex, o caso é pessoal, e ele não tenciona desistir de o apanhar.
Mas quem é Weston Graham, afinal?
Agora, pela primeira vez no seu longo jogo do gato e do rato, Drex tem um suspeito em vista. O atraente e charmoso Jasper Ford casou-se recentemente com Talia Shafer, uma bem-sucedida mulher de negócios. Drex insinua-se na vida do casal, fazendo-se passar por um vizinho, para os poder manter sob vigilância constante. Mas a situação complica-se quando Drex se aproxima demasiado de Talia.
Esta é a única oportunidade de Drex superar o astuto inimigo antes de este assassinar novamente e escapar à justiça para sempre. Mas primeiro terá de determinar se Talia é uma cúmplice implacável… ou se os seus dias estão contados."

A diferença de idade nas relações...

Sem Título.png

 

... e mais uns quantos preconceitos que é preciso pôr de lado.

 

Eu sei que é difícil.

Que todos nós já temos ideias pré concebidas, e que é muito fácil fazer juízos de valor mas, seja pela idade, seja pela aparência, ou por outro motivo qualquer, a única forma que temos de saber como ela é, é conhecendo-a.

 

"Ah e tal, um homem mais velho tem mais experiência, é mais sabido, só quer sexo."

E os rapazes mais novos, não querem?

Será que um rapaz de 25 anos não pode ter mais experiência que um de 30, dependendo do estilo de vida de um e de outro?

Será que os rapazes mais novos são os que pensam em relações duradouras? Ou, pelo contrário, querem é divertir-se?

Mas, lá está, a idade é um número. Não define a personalidade nem as intenções da pessoa.

 

"Ah e tal, o que é que um homem mais velho quer com raparigas novas?"

Pois, não sei.

Mas da mesma forma, há tantas raparigas novas a quererem homens mais velhos.

E rapazes a querer mulheres mais maduras.

Mas, afinal, vamos andar a escolher as pessoas de quem gostamos, por quem nos apixonamos, ou que amamos, pela idade?

Podemos gostar de alguém mas, dependendo da idade, desistimos só por isso?

Não faz sentido!

 

"Ah e tal, um homem assim só quer usar, e depois elas saem magoadas."

Será que as raparigas hoje em dia são assim tão ingénuas?

Será que são só os homens que magoam? Que usam?

Não poderá acontecer o contrário?

Serem elas a usar, a brincar, a magoar?

 

"Ah e tal, usa brinquinho. Um homem a sério não usa brinco."

A sério?

Não poderá um homem que usa brincos ser mais homem que um que não usa?

Mais uma vez, é um brinco que define o carácter de alguém?

Se é boa ou má pessoa?

Se é bandido? Delinquente? Drogado?

 

Até se pode estar certo em tudo o que se pensa, mas a única forma de confirmar, é conhecer.

Ainda assim, só quem está nas situações é que sabe o que sente.

E se são elas as únicas visadas, são elas que têm que lidar com o que de uma relação entre elas venha a resultar.

Faz parte da vida.

 

 

 

 

 

 

Meter o bedelho onde não se é chamado

coscuvilheira.jpg

 

Acontece muito.

E na minha zona não é excepção.

 

Há uns tempos, alguém tinha deixado um carro mal estacionado, a estorvar o caminho de um vizinho que precisava de passar.

O dito vizinho buzinou. Uma, duas, várias vezes, e ninguém apareceu.

Saiu do carro, foi bater a uma ou outra porta para ver se era de alguém dali, ou que estivesse ali de visita. Sem sorte.

Uma vizinha, que mora em frente a mim, logo saiu de casa e ficou ali, solidária, como se a presença dela ajudasse a resolver a questão e o dono do carro, miraculosamente, aparecesse.

Quando já o vizinho pensava em chamar a GNR, ao fim de uns 10/15 minutos, lá apareceu a condutora. 

Ainda houve ali uma troca de palavras, com a vizinha prestável a assistir a tudo e a dar um ar da sua graça.

 

Esta semana, o meu marido veio a casa e, não havendo lugar para estacionar, parou à nossa porta.

Era óbvio que estava a impedir a passagem mas, pensou ele, era uma coisa temporária e se, nesse meio tempo, alguém precisasse passar, era só apitar que ele tirava.

Bem dito, bem feito.

Estava ele na casa de banho, buzinam.

Avisei-o, para que se despachasse.

Fui à rua, entretanto, e avisei a condutora que era só um bocadinho, que no meu marido já tirava o carro.

Não sei se ela percebeu, fez apenas uma expressão com a cara, e continuou no mesmo sítio mas não voltou a buzinar.

O meu marido nunca mais se desenrolava e, às tantas, batem à porta.

Pensei: deve ser a senhora que já está farta de esperar e veio aqui ver se o meu marido se despachava, que ela tem mais que fazer do que passar ali o resto da noite à espera.

E tinha toda a legitimidade para o fazer. Era a única que a tinha.

 

Mas não.

Pelo que percebi, foi a minha vizinha da frente, que mora ali há anos e nos conhece há outros tantos, que ali foi bater à porta.

E com que intenção?

Não, não foi avisar que havia alguém que queria passar.

Foi para "meter o bedelho onde não era chamada".

Para recriminar, porque a senhora tinha duas crianças pequenas dentro do carro, e que o meu marido não tinha consideração.

Para acusar o meu marido de ter parado ali o carro de propósito, por maldade.

Porque já não era a primeira vez.

E ainda falou em chamar a GNR.

 

A maior prejudicada, que era a senhora que queria passar, ao que parece, esperou, o meu marido pediu desculpa, tirou o carro, e ela foi à sua vida.

Mas esta nossa vizinha, não sei se recebe à comissão, por solidariedade, intrometeu-se e ainda fez acusações infundadas.

Quando, numa outra ocasião, em que era ela que queria passar, e apesar de o meu marido estar bem estacionado, foi ele que a desenrascou.

 

Enfim...

Não tenho nada contra a vizinha. Fala-me bem.

Mas sempre disse ao meu marido que me soava a pessoa falsa.

E, pelos vistos, metediça.

"Um Sonho Só Nosso", de Nicholas Sparks

450.jpg

 

"Um Sonho Só Nosso" não é, de todo, um dos melhores livros do Nicholas Sparks.

Atrevo-me a dizer que é daqueles que, se não lesse, também não faria falta, porque é mais do mesmo, e pouco marcante, quando comparado com outras obras do autor.

Ao mesmo tempo, é um livro estranho e, por isso, foi uma leitura estranha também.

O livro está dividido em duas histórias que, sabemos, são aparentemente distintas mas, a determinado ponto, irão convergir numa só.

 

A primeira parte inicia com a história de Colby e Morgan, que se conhecem na Florida, e se apaixonam.

Em comum, têm o gosto pela música.

Mas cada um deles tem vidas completamente opostas, e aquela aventura poderá não passar disso mesmo, já que dali a uns dias cada um seguirá a sua vida, os seus projectos, e uma relação à distância não parece boa ideia.

 

Intercalando com esta história romântica, surge uma outra, que de romântica tem muito pouco.

Uma história de sobrevivência.

Uma mãe e um filho em fuga, de um marido e pai violento.

 

Eu, habituada que estou a quebrar as "regras de leitura", de várias formas, uma delas, ler o final antes de lá chegar, dei por mim, agora, a quebrar mais uma: saltar capítulos/ partes do livro, porque me interessou muito mais a história de Beverly, do que a de Colby e, por isso mesmo, queria ler aquela até ao fim, deixando a primeira para trás.

Até que cheguei a um ponto em que a história de Beverly fica em suspenso, e percebo que tenho que voltar à do Colby, até encontrar o ponto em que ambas se unem, e se tornam uma só, até ao final.

E, embora possa ter deduzido ou desconfiado de uma ou duas coisas, estava longe de imaginar o que resultaria daquela junção.

 

"Um Sonho Só Nosso" tem um enredo onde se destaca a relação, amor e dedicação incondicional entre irmãos, independentemente de tudo. Irmãos que se têm um ao outro, e se apoiam mutuamente, ainda que em diferentes fases da vida. Que estão sempre lá.

Aborda também a bipolaridade, os episódios maníacos e depressivos que alguém, que sofra desta doença, pode experimentar, e os riscos que podem correr.

 

E, claro, como não poderia deixar de ser, fala de sonhos.

Sonhos que, por circunstâncias da vida, não se podem levar adiante. Que ficam perdidos. Aprisionados.

Sonhos que boicotamos, quando deveríamos tentar concretizá-los. Que só esperam por um impulso. Um empurrão.

Sonhos que se guardam, num cantinho especial. Que visitamos quando queremos fugir à realidade. Quando esta se torna demasiado dura. Pesada. 

Sonhos aos quais não temos coragem de arriscar dar-lhes asas, por temer que não consigam voar e encontrar o seu caminho, e se desfaçam pelo meio.

E que, assim, mantemos apenas como uma memória. Uma recordação que dura eternamente, sem nunca ser real, e sem nunca a vivermos, de verdade.

 

 

 

SINOPSE:

"Houve um tempo em que Colby Mills acreditou no seu futuro como músico - até ao dia em que uma tragédia deitou por terra todas as suas aspirações. Ocupado agora a gerir uma pequena quinta na Carolina do Norte, é num impulso que aceita tocar num bar na Florida, buscando apenas uma breve pausa na dureza da vida rural. Não contava era que a encantadora Morgan Lee entrasse na sua vida e o fizesse questionar tudo…
Filha de médicos proeminentes de Chicago, e com formação musical, também ela sonha com o estrelato, e a sua paixão pela vida é contagiante. Morgan e Colby parecem completar-se na perfeição. Os dois jovens não são os únicos a iniciar uma viagem de autodescoberta. Beverly também tenta encontrar o seu caminho, ainda que de maneira bem diferente. Tendo fugido com o filho de 6 anos ao marido violento, procura começar de novo num local tranquilo e discreto.
Mas com o dinheiro a escassear e o perigo a espreitar a cada esquina, o desespero obriga-a a tomar uma decisão que vai mudar tudo. Enquanto o jovem casal vive os altos e baixos do primeiro amor, a centenas de quilómetros de distância, Beverly vai pôr à prova a sua devoção pelo filho. E o destino depressa se encarrega de fazer o resto, colocando estas três pessoas em rota de colisão - e obrigando-as a questionar o poder dos sonhos perante a ameaça das amarras do passado."

Praia do Magoito, em Sintra

20230122_162606cópia.jpg

20230122_160220cópia.jpg 

20230122_160250cópia.jpg 

20230122_155841cópia.jpg 

20230122_160146cópia.jpg

20230122_155754cópia.jpg

 

Ontem, para aproveitar o bom tempo, fomos até à praia do Magoito.

Muita gente no bar da praia. Alguns surfistas na água.

Várias pessoas a passear-se a si próprias, ou aos seus cães, ali na zona.

Decidimos seguir pelo passadiço, a ver onde ia dar.

 

 

 

20230122_161959cópia.jpg 

20230122_162028cópia.jpg 

20230122_161242cópia.jpg 

20230122_162223cópia.jpg 

20230122_161307cópia.jpg

 

E, além da praia, e dos tons de azul e amarelo, o caminho levou-nos para o meio das árvores, do verde e do castanho.