Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

1 Foto, 1 Texto #4

20230814_192456.jpg

 

Ajudar a voar, ou cortar as asas?

Incentivar o voo, ou amedrontar?

Amparar a queda e cuidar das feridas, ou abandonar à sua sorte?

 

No outro dia, vi este passarinho.

Primeiro, pousado na janela de uma casa.

Depois, veio a voar pela rua.

Ora pousava no chão, e bicava o alimento que por ali encontrava, ora voava até aos arbustos, e ficava ali a decidir o próximo movimento.

 

 

Muitas vezes, vemos os nossos filhos como pequenos passarinhos.

Pensamos que não crescem (ou preferimos ignorá-lo).

Tememos que saiam do ninho cedo demais (ou assim achamos, porque para nós é sempre cedo).

Que não consigam voar.

Que caiam, e se magoem na queda. 

Que não consigam sobreviver.

 

Mas tudo isso faz parte da vida.

Se o passarinho não voar com o nosso apoio, ele voará na mesma, ainda que sem ele.

Por isso, em vez de pôr entraves, não será preferível incentivar o voo?

Aconselhar a melhor forma de bater as asas, de planar, de voar mais alto e aterrar com relativa segurança?

Não terá o passarinho, mais confiança, e mais tranquilidade, sentindo que lhe está a ser dada liberdade?

Que está a ser depositada, nele, a nossa confiança?

 

E se o passarinho cair e se magoar, não é preferível estar lá para ele?

Para tratar-lhe das feridas? Para ajudá-lo a ultrapassar esse incidente?

 

Não é isso que os pais devem fazer, relativamente aos seus filhos?

É preferível estar lá, presente, em todos os momentos, ou afastá-los, quando as coisas não são como queríamos que fossem?

Porque eles farão a sua vida na mesma, independentemente da nossa atitude para com eles.

A nós, pais, cabe decidir se estamos ao lado deles, ou contra eles.

Da minha parte, sem dúvida que estarei sempre ao lado da minha filha.

 

 

Texto escrito para o Desafio 1 Foto, 1Texto

 

 

10 comentários

Comentar post