Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Abstenção ou voto em branco

 

No outro dia, ao almoço, estava o meu pai a conversar com o meu marido sobre política, partidos, eleições e a importância do voto.

Na opinião do meu marido, e provavelmente outras tantas pessoas, existe uma grande diferença entre a abstenção e o voto em branco. Para ele, a abstenção é sinónimo de desinteresse, alheamento e indiferença para com o futuro do nosso país. Pelo contrário, o voto em branco, é uma participação activa, o cumprimento do nosso dever de cidadãos e, simultaneamente, a manifestação dos nossos desejos.

Até pode ser...em teoria! Na prática, os efeitos são exactamente os mesmos.

Em Portugal este voto não é relevante para a contagem dos votos expressos na eleição presidencial, não tendo influência no apuramento do resultado das eleições. Na verdade, abstenção, votos nulos ou votos em branco acabam por ser formas diferentes de transmitir a mesma mensagem - a rejeição dos candidatos, mas sem qualquer efeito prático.

Eu não voto, pertenço à categoria das abstenções. Deixei de exercer um dever e um direito que me assiste, de escolher um governante para o meu país. Porquê? Porque nenhum deles merece o meu voto. Estou, portanto, a deixar em mãos alheias uma decisão para a qual eu deveria contribuir. Como tal, não me posso depois queixar dos resultados.

Mas, quem vota em branco, estará a contribuir para alguma coisa? Se entre 4 ou 5 candidatos, não escolhermos nenhum, estaremos a decidir alguma coisa? Não. Estaríamos sim, se votássemos num qualquer deles, em detrimento de outro. Não é o caso do voto em branco. Este, por enquanto, ainda não serve para eleger lugares vazios, nem tão pouco tira poder ou força a quem for eleito.

 

 

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 25.09.2017 20:09

    Peço imensa desculpa pela intromissão. Estava a pesquisar uma coisa e apreceu-me este blog de momento, que até tive curiosidade de ler. E respondo pelo seguinte:
    Apesar de respeitar as ideias de cada pessoa e aceitar a opinião, o que é certo é que as coisas têm nome, e por algum motivo. Não é à toa. E existem 4 tipos de votos distintos e cada um com a sua função, há que saber o conceito de cada um para poder explicar.

    1 - Voto normal: O eleitor escolhe o partido/candidato em quem quer votar.

    2 - Voto Nulo: Criado inicialmente para votos não explícitos ou confudos, onde o eleitor pode ter enganado no espaço por algum motivo aparente (existem pessoas que vêem mal ou têm problemas cognitivos), nessas situações se uma cruz estiver fora do quadrado, é anulado automaticamente. Contudo, muita gente começou a fazer desenhos e a escrever outras coisas demonstrando o seu desagrado, o que anula da mesma forma o respectivo voto.

    3 - Voto em branco: Quando o eleitor não sabe em quem votar, e em caso de indecisão deixa em branco esperando que o resultado defina o eleito.

    4 - Abstenção: O eleitor mostra o seu desagrado sobre qualquer candidato, onde a sua ausência de voto deve definir novas eleições com novas listas, isto no caso da percentagem de abstenção atingir acima dos 50% da população eleitoral, ou seja, a maioria da população.

    Com isto, não é de admirar que sempre que existem eleições, os candidatos apareçam nas televisões a apelarem ao voto de uma forma descarada com frazes como "votem! nem que seja em branco, mas votem." Isto porquê? Porque têm medo da abstenção, e os votos (na minha teoria, que ainda ninguém me conseguiu confirmar o contrário), podem ser muito bem manipulados, pois basta que o voto é secreto, e quase ninguém consegue saber em quem a maioria votou, por mais que pergunte.

    O erro disto está na manipulação feita através dos media, que levam as pessoas a acreditarem apenas no que querem e transmitirem aos outros aquilo que elas acham que é, e que ninguém as emenda. E claro, muitos (se não a maioria) dos que vão para a abstenção, não sabem como exercer esse tipo de voto, pois pensam que é apenas ficar em casa a olhar para a tv ou a jogar computador e nada mais. Quando é muito mais que isso, pois é um tipo de luta em que quem se abstém, tem de fumentar os seus motivos e expressá-los. Juntando em grupo, de modo a escolher um membro para que exponha todas as ideias e contrapontos de todos os elementos da abstenção, ou pelo menos a maioria.

    Sei que muita gente pensa que é difícil, ma é bastante simples, e ainda por cima hoje em dia com as tecnologias é bastante fácil. Até porque repetições são mais que muitas, e praticamente é tudo o que se vê na televisão e nas redes sociais.

    Não me irei alongar mais. Apenas deixo um outro ponto de vista para quem tiver interesse, não que seja para acreditar, mas pelo menos para reflectir e pesquisar sobre o assunto que toca à verdadeira democracia e não a ditaduras disfarçadas com sistemas manipuladores por trás.

    Cumprimentos a todos.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 13.01.2021 03:29

    Nem mais! E há outra coisa... nas legislativas os partidos RECEBEM $$$ por cada VOTO!!! Apelar ao voto é sinónimo de $$$ nos cofres... e um voto em branco é muito diferente de ABSTER-SE de votar, exactamente pelo que disse. É uma pena que este assunto não seja mais divulgado!
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.