Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Sobre o Frozen - O Reino do Gelo

 

Ontem foi o dia escolhido para o ver. Mas, ao que parece, não fomos os únicos!

A sessão das 15.30h no Dolce Vita Miraflores estava esgotada. A das 18.30h, quase. Decidimos ir a Odivelas. Não tivemos melhor sorte. A das 15.50h, esgotada. Achámos mais seguro comprar, então, os bilhetes para a sessão das 18.20h que, como viemos mais tarde a confirmar, estava completamente lotada. Logo aí, pensámos - o filme promete!

 

Embora tenhamos esperado mais de duas horas e os miúdos (e até nós), já estivessem saturados e não vissem a hora de ir para a sala, valeu a pena a espera.

Ao mesmo nível do Entrelaçados ou do Brave - Indomável, Frozen só tem, na minha opinião (e na de muitos que o estavam a ver), uma coisa que o desfavorece em relação aos outros - demasiada música logo no início do filme. Acaba por se tornar um pouco irritante e vemo-nos a desejar que a personagem acabe com a cantoria de uma vez.

No entanto, daí em diante, começa a entusiasmar, a cativar, a divertir, a emocionar...

Um dos meus momentos favoritos é, curiosamente, musical. Mas aí tem um efeito muito diferente! É forte e excelentemente bem inserido. O mérito deve-se, em grande parte, à música da Demi Lovato - Let it go (nesta parte cantada em português).

As personagens Sven (a rena) e Olaf (o boneco de neve) proporcionam cenas divertidas e ternurentas.

O príncipe Hans e o bronco Kristoff representam o contraste entre o príncipe de sonho de qualquer princesa e o sapo. Mas os príncipes dos sonhos nem sempre são o que parecem...E os sapos podem transformar-se...

 

A moral da história:

Há muitas formas de interpretar uma expressão e lhe atribuir um significado que, nem sempre, é o correcto. A história fala do amor entre duas irmãs que, inseparáveis e unidas, se viram, de repente, obrigadas a crescer isoladas uma da outra até se tornarem adultas. Elsa, vive isolada para não magoar a irmã. E Anna, tem saudades dos tempos em que tudo era diferente.

Anna conhece o príncipe, e apaixona-se, considerando-o o seu grande amor. Kristoff, apaixona-se por Anna, mas sabe que não tem hipóteses porque ela está noiva de Hans.

Quando a irmã, Elsa, acidentalmente, congela o coração de Anna, é dito a esta que só um gesto de amor verdadeiro o poderá derreter e devolver-lhe a vida. Todos assumem que é necessário levar Anna de volta para o príncipe Hans, o único capaz de a salvar com o seu beijo. Mas Hans não o pode fazer. E quando Kristoff enfrenta tudo para a salvar, Anna, ao ver a sua irmã em perigo, coloca-se à sua frente ao mesmo tempo que se transforma em estátua de gelo. Kristoff chegou tarde demais, e Anna abdicou da sua vida para salvar a irmã. Terá sido esse, precisamente, o gesto de amor verdadeiro? Para saberem, terão que ver o filme! 

 

E quando achámos que já tínhamos rido e chorado tudo, vem a cereja no topo do bolo: a versão original da música, agora sim cantada pela Demi Lovato, que se torna ainda mais poderosa e derruba as poucas defesas que ainda tínhamos! 

Para mim, é o grande filme deste Natal!

 

  • Blogs Portugal

  • BP

  • 1 comentário

    Comentar post