Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Sobre a "telenovela" Bárbara/ Carrilho...

 

Não sei quem fala a verdade e quem mente...

Não sei quem é o bom e quem é o mau...

Mas há uma coisa que eu sei: até agora, Bárbara pouco ou nada falou, comentou ou declarou, remetendo-se antes ao silêncio para, segundo ela, proteger os filhos. A grande maioria das notícias que gira à volta da separação do casal, são insultos, revelações duvidosas e acusações de Carrilho à mãe dos seus filhos e, até então, sua mulher.

E isto pode não significar nada, ou pode ser apenas uma questão de educação (ou falta dela). Mas, para mim, estas opções podem ser muito reveladoras do carácter de cada um deles.

Alguém que está de consciência tranquila e sabe qual é a verdade, não precisa de apregoá-la aos quatro ventos, não precisa de dizer ou provar nada a ninguém que não seja quem de direito. Já quem tenta justificar o injustificável, denegrir a imagem de outro para salvar a sua própria, e "lavar a roupa suja em praça pública" parece querer tapar o sol com a peneira.

Como diz o velho ditado "quanto menos se fala, menos se erra, e se a palavra é de prata, o silêncio vale ouro"! 

Fábricas de bebés

 

Quando se pretende lucrar e progredir num determinado negócio, não se pode apenas esperar que a natureza cumpra a sua parte, não se pode deixar ao acaso, e aproveitar as escassas oportunidades que surgem, quando surgem. 

Há que assumir o controlo, criar as oportunidades, produzir em grandes quantidades e colher o fruto do sucesso.

É assim que começa a funcionar o tráfico de bebés. Porquê esperar que alguém dê à luz um bebé não desejado, ou que não consegue criar, para o traficar. Porquê raptar este ou aquele, quando se podem "produzir" quantos bebés forem necessários para o negócio prosperar, sem grandes riscos? 

Mas a verdade é que algumas "fábricas de bebés" começam a ser descobertas, como aconteceu na Nigéria, onde o tráfico de seres humanos é o terceiro crime mais comum, depois da fraude e do tráfico de droga.

De forma voluntária ou forçadas, as raparigas encontravam-se lá para terem os filhos, que depois seriam vendidos por milhares de euros, sendo os rapazes mais caros que as raparigas. Já as "mães", essas pouco mais recebiam que 150 euros.

Claro que, por esta altura, já nem notícias como esta me espantam. Embora os livros tenham muita ficção, a verdade é que muitos deles descrevem cenários que são bem possíveis de se concretizar na vida real. Esta é a prova!

O Colégio das Quatro Torres

 

Depois da colecção de livros "Duarte e Marta", aqui fica mais uma, descoberta ao acaso!

No fim de semana, enquanto andava nas compras, a minha filha pediu-me um livro para ir lendo e se entreter. Peguei neste e dei-lhe.

Claro que ela, depois de começar a ler, ficou entusiasmada e perguntou-me se o podia comprar. Como estamos na altura do "pão por deus", safou-se! Até achámos piada porque ela está no quarto ano, e o livro era referente ao quarto ano no Colégio das Torres.

Mas, se há o quarto ano, era de supor que haveria outros e, por isso, fui pesquisar. A colecção é de seis livros - do primeiro ao sexto ano - e conta as aventuras de várias alunas de um colégio interno só de raparigas. 

 

 

 

 

Alguém me arranja um balão?

 

Há dias em que dava imenso jeito ter uma espécie de balão à mão, para que pudesse soprar lá para dentro tudo aquilo que enerva, irrita e me deixa a ponto de "esganar" alguém!

Assim, todos os possíveis disparates que pudessem sair pela minha boca, e as palavras ditas no momento das quais mais tarde me arrependeria, ficariam juntas dentro do balão que, depois de bem atado, poderia lançar ao ar, para bem longe.

Toda a tensão estaria descarregada, voltaria a sentir-me bem, evitava desperdiçar tanto tempo da minha vida a discutir sobre coisas que não fazem sentido, e aproveitaria o pouco tempo que tenho ocupada com o que realmente interessa e me deixa feliz!

Pág. 4/4