Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Ai, a minha memória

Resultado de imagem para pensar

 

Estou eu sentada, a aguardar a minha vez de ser atendida, na Conservatória do Registo Civil, quando entra um homem com uma senhora mais velha a acompanhá-lo.

O dito homem fixa o olhar em mim, com um ar muito sério, que me incomoda. Depois lá se distrai com outra coisa mas, uns segundos depois, volta a olhar e começa a dirigir-se a mim. Penso para com os meus botões "estarei bem aqui"?

Olho, e o homem começa a dizer que me conhece. Fico admirada. Não me lembro de alguma vez o ter visto.

Diz que foi há uns 15 ou 16 anos atrás. A mãe diz que foi há mais. Diz que me conhece da escola, por isso a mãe tem razão. Ainda assim, não me lembro. Pergunto-lhe o nome. Mas o nome não me diz nada. Pergunto-lhe se éramos da mesma turma. Diz que não. Que me conhece só de vista.

Uau, que grande memória, digo eu. Quem me dera ser tão boa a recordar pessoas e caras. A minha fraca memória já me valeu alguns embaraços.

Este homem, fiquei a saber pela mãe, teve um acidente aos 22 anos (tem agora 36), e esteve em coma um ano. Do acidente para a frente, nada fica na memória dele. Mas lembra-se de tudo o que aconteceu antes. E, ao que parece, também de mim.

Já eu, fiquei na mesma.

Confiar, sim! Mas em quem?

Doc. 1.jpg

 

 

Todos sabemos que a confiança é a base de tudo. Um dos pilares que sustenta a nossa vida, as nossas relações, que torna possível e mais fácil a nossa convivência em sociedade.

Se nos tiram esse pilar, perdemos o equilíbrio, não temos onde nos apoiar e ficamos sem rumo, desnorteados, sem saber como construir um novo pilar e recuperar a base que nos sustenta.

Por isso, é importante confiar, sim! Mas em quem?

Como vamos confiar na nossa justiça, se a nossa justiça defende e solta criminosos, e acusa e prende inocentes?

Como vamos confiar no nosso governo e nos nossos políticos, se aqueles que criam as leis, os impostos e as obrigações, são os primeiros a não cumpri-las, a fugir, a fazer-se de desentendidos ou desconhecedores, a não serem punidos por isso?

Como vamos confiar na nossa polícia quando, muitas vezes, são os próprios polícias os criminosos? Como vamos confiar nos inspectores para desvendarem crimes quando são eles próprios cabecilhas de esquemas de rapto, extorsão e sabe-se lá mais o quê?

Como vamos confiar nas entidades patronais se "quando o barco afunda" são os primeiros a saltar fora e a nos deixar entregues aos tubarões?

Como confiar nos bancos e naqueles que os gerem, se até os bancos mais seguros caem, e as pessoas correm o risco de ficar sem o seu dinheiro?

Como acreditar na seriedade das pessoas, se cada vez mais percebemos que muitas delas são corruptas?

Como vamos confiar nos amigos se, à primeira oportunidade, nos atraiçoam?

E poderia dar muitos mais exemplos.

Há quem diga que não podemos julgar o todo pela parte. É verdade. Mas não me venham dizer essas transgressões, em que apenas uma minoria envolvida em polémica, não afectam a credibilidade da restante parte.

É certo que não podemos viver eternamente com desconfiança. Mas parece-me que é assim que a maioria de nós, portugueses (e provavelmente por esse mundo fora também), nos sentimos actualmente. Sem confiança naqueles que deveriam tê-la, e fazer por merecê-la. Porque já um dia confiámos, e pagámos bem caro por isso.

Será um trabalho árduo para todos recuperar essa confiança perdida, acabar com a "desesperança" que parece ter vindo para ficar. Neste momento, as pessoas quase só confiam em si próprias, e mesmo assim... 

 

  • Blogs Portugal

  • BP