Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Desabafos de uma mãe à beira de um ataque de nervos!

 

A sério que, por vezes, gostava de ser uma daquelas mães que não se chateia nem se aborrece com a questão do estudo dos filhos para os testes, nem com nada que se relacione com a vida escolar. Acompanhar sim, mas com a devida distância, porque isso é responsabilidade dos filhos, e não nossa.

Mas, feliz ou infelizmente, não consigo ser assim. Foi por isso que, em pleno sábado, em vez de aproveitar com o meu marido para sair, namorar e desanuviar de uma semana de trabalho, já que a minha filha estava com o pai, fiquei em casa a ler a matéria que iria sair no teste de hoje, e a passar exercícios para ela fazer no domingo. E foi por isso que ontem, em pleno domingo com o marido em casa (o que é raro por causa da rotatividade das folgas), e com a minha filha, em vez de aproveitarmos o sol e calor, e irmos até à praia, ficámos em casa, para ela estudar e fazer os exercícios, tirar dúvidas e preparar-se.

Até aqui, tudo bem. Não me importo de fazê-lo se souber que valeu a pena. E até penso que não sou muito exigente, porque a deixei fazer várias pausas: leu a matéria de manhã, foi almoçar com os avós, leu novamente a matéria, foi ao PC, fez os exercícios, parou para vermos um filme. Sempre que lhe perguntava se já tinha estudado e se sabia a matéria, dizia que sim.

Mas, quando lhe vou fazer as perguntas, mostra o contrário. Pior; mostra que se está pouco ralando para o estudo, para a nota que vai ter. Cada resposta, para sair completa, tem que ser puxada a saca rolhas. E no meio de tudo isto enervo-me, porque me parece que não faz o mínimo esforço e não se aplica naquilo que é a única coisa que tem que fazer enquanto estudante. O que me enerva é, de facto, a atitude! E os disparates que lhe saem pela boca fora.

Porque ela até podia não saber, mas mostrar uma outra atitude, de quem ainda não sabe mas vai continuar até saber.  Nesse aspecto não sai a mim, que só descansava quando tivesse quase tudo na ponta da língua! Mas ela não. Não sabe, e está pouco interessada em vir a saber. 

E não me venham dizer que nem todas as crianças têm a mesma facilidade em memorizar porque se for alguma coisa da conveniência dela (músicas da Violetta, por exemplo), decora tudo num instante!

Confesso que, por vezes, me dá vontade de deixá-la por sua conta, sem stress, e ver o resultado que daí vai sair. Mas depois, enervava-me mais eu pela nota miserável que ela viesse a ter, do que ela própria, e ainda me iria sentir responsável por não a ter ajudado.

Ontem, levou mesmo um valente raspanete, para ver se começa a dar valor à vida que tem, à ajuda que tem e ao esforço que os outros fazem por ela para que ela tenha boas notas e venha para casa tão feliz como na sexta-feira passada, com o Muito Bom que teve a Inglês.

Foi para a cama sentida e eu, triste, por ter terminado a noite e o fim de semana a chatear-me com ela. Mas o que é certo é que hoje de manhã, assim que se despachou, e sem ninguém lhe dizer nada, pegou no caderno para estudar.  

Não sei se lhe adiantou de muito. Diz que lhe correu "mais ou menos", o que não é muito bom sinal. Nunca mais acabam as aulas!

 

 

A puberdade ainda é um tabu?

 

A puberdade é um período, que faz parte da adolescência, em que ocorrem mudanças biológicas e fisiológicas. É neste período que o corpo se desenvolve, tanto fisica como mentalmente, tornando-se maduro, e os adolescentes ficam capacitados para gerar filhos.

Nas últimos tempos, temos assistido a uma “aceleração secular do crescimento”, ou seja, de século para século, o crescimento torna-se mais rápido e, no caso das meninas, a menarca chega mais cedo. Após alguns estudos, os parâmetros foram alterados, passando o período, considerado normal, da puberdade feminina, a situar-se entre os 8 e os 13 anos, e da masculina, entre os 9 e os 14 anos.

Somente se acontecer em idades inferiores estaremos perante um quadro de puberdade precoce. Nesses casos, é aconselhável procurar ajuda especializada, que trate tanto os factores biológicos como psicológicos da criança.

De qualquer forma, precoce ou não, a puberdade implica sempre mudanças físicas, psicológicas e sociológicas, que podem afectar a criança e condicionar o seu comportamento diante da sociedade. É nesta fase que começam a surgir inúmeras dúvidas sobre o seu corpo. Por outro lado, a criança poderá ficar ansiosa, sentir-se rejeitada por ser diferente, sentir vergonha, isolar-se, tornar-se agressiva ou ficar deprimida.

Para lidar com esta nova etapa da criança, é preciso que os pais, antes dela, estejam preparados para a ajudar, esclarecer as suas dúvidas, dissipar os seus medos e preocupações.

A puberdade é uma fase do crescimento absolutamente normal, e deve ser encarada como tal, tanto pelas crianças, como pelos pais, e até mesmo pelos professores, nas escolas, não fazendo disso um “bicho de sete cabeças”.

Embora, hoje em dia, as crianças aprendam cedo como funcionam os diversos aparelhos do nosso organismo, incluindo o reprodutor, ficamos com a sensação de que, no que respeita a alguns sintomas da puberdade, ainda existem alguns tabus, nomeadamente em relação à menarca. Nem sempre os professores, por exemplo, sabem como gerir essa situação, até mesmo em relação à restante turma, e se for um caso isolado.

Sendo um dos sinais mais tardios da puberdade, não tem idade certa para aparecer e pode surgir sem sintomas prévios, considerando-se normal o seu aparecimento entre os 9 e os 18 anos. A idade média para a primeira menstruação tem diminuído ao longo dos tempos, podendo ser influenciada por fatores como clima, nível socioeconómico, fatores genéticos e étnicos, atividade física e estado nutricional.

Ora, se uma criança se encontra na fase da puberdade e está a ter um crescimento mais rápido que as restantes colegas, tanto os pais como os professores têm que fazer com que essa criança não se sinta diferente, nem excluída. Isto não significa anunciar a toda a gente o que se está a passar, mas também não implica esconder como se fosse algo negativo. 

É preferível conversarem com as crianças, explicarem-lhes que é uma situação normal e que todas elas, mais cedo ou mais tarde, vão passar pelo mesmo.

Se os conteúdos e programas curriculares já lhes ensinam como é constituído o seu corpo, como funciona a reprodução e quais os órgãos sexuais, e se as crianças têm acesso a tanta informação, das mais variadas formas, porquê continuar a alimentar este tabu, em vez de o eliminar?

  • Blogs Portugal

  • BP