Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Blogmas - Dia 2 - O Bolo Rei

 

Costuma-se dizer que aniversário sem bolo não é aniversário. Pois para mim, Natal sem Bolo Rei também não é Natal!

Pode não haver sonhos, filhós e rabanadas, arroz doce ou tronco de natal, que a mim não me faz diferença. Mas todos os anos compro um Bolo Rei por esta altura, para celebrar, porque gosto mesmo deste bolo!

No entanto, O Bolo Rei tem um significado especificamente relacionado com a quadra do Natal, representando os presentes que os reis magos ofereceram ao menino Jesus, sendo a côdea a representação do ouro, as frutas secas e cristalizadas a representação da mirra, e o incenso, presente no aroma do bolo.

Diz-se que o Bolo Rei teve origem francesa. Em Portugal, a primeira casa a comercializá-lo terá sido a Confeitaria Nacional.

Quando era criança, lembro-me de os meus pais comprarem Bolo Rei, e andarmos eu e o meu irmão a comer bolo, ou a tentar procurar nele o tão desejado brinde, e a ver se evitávamos calhar com a fava! Também chegaram a fazê-lo?!

Naquela altura, o brinde era quase como um prémio e sinal de sorte. Já a fava, toda a gente evitava, porque "dava azar", e "obrigava" a pessoa a quem calhasse a comprar o próximo bolo.

Hoje em dia, já não se usa nem uma coisa nem outra, mas o Bolo Rei permanece com o mesmo sucesso de sempre! 

 

 

Não nos devemos esquecer quem somos

 

Como falei num anterior post, é fundamental termos sonhos e objectivos definidos para a nossa vida. São eles que nos fazem ir à luta, seguir em frente e querer atingir as metas a que nos propusemos.

Mas, atenção: nesse processo, não devemos deixar que os nossos desejos se tornem desmedidos, que passem por cima de tudo e todos, que nos façam esquecer quem somos, de onde viemos, os valores em que nos foram transmitidos. Ter ambição é bom, mas na medida certa. 

Não devemos ignorar as pessoas que sempre estiveram ao nosso lado, ou deixar de ter tempo para o que realmente importa e é mais valioso.

Não nos devemos esquecer que hoje podemos ter tudo mas, amanhã, podemos não ter nada! Na vida, tudo é efémero.

Sonhar, sim! Podemos até deixar que a nossa cabeça viaje pelo desconhecido, por tudo aquilo que gostaríamos que um dia acontecesse. Mas com os pés assentes na terra.

Ter ambição, sim. Mas acompanhada de humildade.

Evoluir e ser bem sucedida, sim. Mas não esquecer as nossas raizes! 

  • Blogs Portugal

  • BP