Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O Caso Michael Cross

 

Sinopse

"Quando dois agentes do MI6 são assassinados em poucas horas, Edward White tem poucas dúvidas sobre quem foi o autor moral dos assassinatos. Após uma reunião entre membros da CIA e do MI6, uma caça ao homem tem início. Esse homem é Michael Cross. Edward White parte para uma perseguição alucinante que o vai levar da Itália até à Suíça, onde é obrigado a enfrentar vários perigos e é forçado a tomar decisões a que não estava habituado. Para esta caça ao homem, Edward vai contar com a ajuda dos seus mais diretos colaboradores, de uma assassina profissional e da sua namorada. Uma missão cheia de ação e com um final de alta voltagem."

 

Opinião

Como tiveram oportunidade de ler, por ocasião da entrevista ao autor Pedro Macedo, que aqui publiquei na rubrica "À Conversa com...", este autor estreou-se na escrita com o seu primeiro policial "Crime na Universidade", seguindo-se "O Espião Americano".

Em Dezembro de 2015, lançou o terceiro policial, de que vos vou falar hoje "O Caso Michael Cross". Estes três livros, embora com histórias diferentes para contar, interligam-se entre si, já que os protagonistas são os mesmos, tal como muitas das personagens secundárias.

Em primeiro lugar, e ao contrário do que eu fiz, aconselho-vos a lê-los pela sua ordem, para que possam acompanhar passo a passo as aventuras de Edward White e da sua namorada Cameron, assim como dos colegas de Edward, desde o dia em que resolveram aquele primeiro crime na universidade, até à actual caça ao homem, que já tanto mal causou a tanta gente, inclusive ao próprio agente White e a Cameron.

Como eu passei do primeiro para o terceiro, agora vou ter de comprar o segundo porque quero mesmo saber o que se passou na Operação Lisboa!

Mas, voltando ao caso Michael Cross, posso-vos dizer que, à semelhança de "Crime na Universidade", apesar de este ter quase o dobro das páginas, é um livro que, para quem gosta do género, se lê em poucas horas, e prende do início ao fim.

Noto uma grande evolução na escrita, e na forma mais completa como esta terceira história é contada, e que em nada fica a dever a muitos romances escritos por autores estrangeiros, que costumo ler.

Mas, afinal, sobre o que fala "O Caso Michael Cross"?

Michael Cross é um homem perigoso, com ligações a terroristas, com quem Edward e Cameron já tiveram a infelicidade de se cruzar num passado ainda muito recente (em "O Espião Americano"), e que parece ter voltado a atacar, com uma missão bem delineada: eliminar todos os agentes envolvidos na Operação Lisboa, e que o impediram de levar a bom porto os seus planos.

Pelo caminho, vai aumentando a sua já extraordinária fortuna, com negócios rentáveis com terroristas, ao lhes fornecer o material necessário para os ataques e, em seguida, àqueles que querem acabar com o terrorismo e responder a esses mesmos ataques.

Tudo começa quando um desses agentes que participou na referida Operação Lisboa é eliminado no Cairo. Logo em seguida, outro agente é assassinado em Nicósia. Segue-se um atentado terrorista em Londres, que provoca várias mortes e feridos. E até Cameron recebe um aviso, para que o seu namorado não se intrometa no seu caminho, ao ver o seu carro explodir à sua frente.

Edward White não tem dúvidas de quem está por detrás de todos estes acontecimentos - Michael Cross. E, para o ajudar a caçar este homem e fazer aquilo que não conseguiu no passado, vai precisar de toda a ajuda que conseguir.

A primeira pessoa que tentam encontrar é a assassina profissional Ruta, muitas vezes contratada por Cross para lhe prestar serviços desse género, e às mãos de quem Cameron quase ia ficando desfigurada. É ela que vai colaborar numa armadilha montada pelos agentes, mas à qual Cross consegue escapar ileso.

Por duas vezes, a tentativa de o apanhar falha, e o agente White quase perde a vida. 

É que Michael Cross é um homem extremamente inteligente, com bastante treino, e tem ainda uma grande vantagem sobre White e os seus companheiros: graças ao trabalho de um conceituado cirurgião plástico, ninguém lhe conhece agora o rosto, ao contrário de Cross, que já conhece quase todos os agentes envolvidos nesta missão.

Por outro lado, Michael Cross conta ainda com a preciosa ajuda e lealdade de Hamilton, que em boa hora decide ir no lugar de Cross à emboscada que lhe estaria destinada, permitindo a Cross escapar mais uma vez.

No entanto, e quando já parecia que lhe tinham perdido o rastro, surgem rumores de que ele terá atracado em Albufeira seguindo, mais tarde, para Lisboa.

É a última oportunidade para Edward White de apanhar o seu inimigo, e não lhe será permitida qualquer falha.

E a verdade é que, inesperadamente, os dois acabam sentados numa mesa de um café, a uns escassos 60 cm de distância, cara a cara, cada um com a sua arma preparada para disparar.

Conseguirá o agente White dar conta desta missão, sair ileso, vingar a morte dos seus colegas, e gozar as merecidas férias, que têm vindo a ser adiadas, ao lado de Cameron?

Ou será que, mais uma vez, Cross vai levar a melhor? 

Têm mesmo que ler este policial, para saber como tudo termina!

 

 

 

Amizades estranhas

 

As amizades podem, por vezes, ser muito estranhas.

E desvanecer-se, da mesma forma que um dia surgiram.

Desde o verão de há uns anos atrás que a minha filha se tornou amiga de uma outra menina que conheceu na praia.

Nessas férias, todos os dias brincavam na praia. Depois disso, iam falando esporadicamente por telemóvel, a Inês chegou a ir algumas vezes a casa dela para brincarem, incluindo duas festas de aniversário, a última em 2015.

A miúda também chegou a ir connosco ao cinema e ao circo.

Nas épocas festivas, trocavam sempre presentes. E também eu e o meu marido falávamos bastante com a mãe e chegámos a conhecer os avós da menina.

Este ano, e como era a primeira festa de aniversário que a minha filha ia fazer para os amigos, claro que a convidou. Ou, pelo menos, tentou.

Ligámos para o telemóvel da filha - ia sempre para o gravador. Ligámos para o da mãe - dá mensagem de que, no momento, não está disponível. Enviámos o convite pelo correio - não veio devolvido mas também ninguém disse nada.

O meu primeiro pensamento, e dado que no Natal tinha enviado uma mensagem com relatório de falha, foi que talvez ainda estejam na Escócia (onde costumam ir passar o Natal), mas faz-me confusão porque a miúda estudava cá e as aulas já começaram há duas semanas.

Ou então, talvez se tenham mudado. Mas, nesse caso, podiam ter dito alguma coisa. Tinham os nossos contactos. E se mudaram de telemóveis a mesma coisa.

Não querendo acreditar que algo de mal lhes tenha acontecido (espero que não seja esse o motivo), e que as impeça de contactar connosco, resta-me estranhar esta ausência de contacto ou notícias, e uma amizade assente em escassos momentos juntas, e pouca vontade de comunicar...

  • Blogs Portugal

  • BP