Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

A falta que me faz o polegar!

 

É o que dá ir lavar loiça antes da 7 da manhã, ainda meio a dormir!

Estava eu a lavar a loiça, pego na faca e, logo por azar, pelo lado da lâmina que corta. Quando dei por isso, já o corte estava feito, e o dedo a sangrar. Depois, foi desinfectar, pôr um penso, e fazer o resto do serviço a evitar tocar no dedo e molhá-lo.

Pode parecer incrível, porque é apenas um dedo, mas nem imaginam a falta que faz a utilização deste dedo nas tarefas mais básicas.

 

Encontro às cegas com um livro?

 

Acho que só aceitaria este encontro se o livro escolhido fosse oferecido, ou então se funcionasse apenas como empréstimo, como um livro que se requisita numa biblioteca, e depois de o ler se devolve.

Comprar um livro sem saber o que estaria a levar, sem saber se iria gostar ou não, e correr o risco de ter gasto dinheiro precioso que poderia ter utilizado na compra de um livro que realmente quisesse, não é algo que me tente!

Mas é isso mesmo que a Elizabeth's Bookshop,uma livraria em Sidney, decidiu fazer, para incentivar os leitores a experimentar novos estilos literários, testar os mais aventureiros e, de alguma forma, facilitar a escolha a leitores mais indecisos.

A única coisa a que os leitores terão acesso são algumas palavras, escritas num papel de cor parda que envolve todo o livro,. Uma espécie de descrição que poderá ou não levá-los a descobrir de que livro ou autor se trata, ou simplesmente despertar curiosidade. E com um bilhetinho pendurado: "blind date with a book".

 

Image

A compra de livros nesta modalidade pode ser feita na própria loja, ou online, através do site

http://www.elizabethsbookshop.com.au/

 

Por aí, alguém aceitaria este "encontro às cegas com um livro"?  Quem se arriscaria neste "blind date"?

 

 

 

 

À Conversa com Deolinda Kinzimba - Especial The Voice Portugal

 

A primeira vez que ouvi a Deolinda cantar, nas provas cegas do The Voice Portugal, disse logo “esta é uma forte candidata à vitória”!

Com apenas 20 anos, tem uma voz poderosa e chegou a fazer uma interpretação da música “I Will Always Love You”, da Whitney Houston que, atrevo-me a dizer, esteve tão ou ainda melhor que o original!

Ela bem diz que, quando chega ao palco, se transforma, e a garra e emoção com que canta comprovam isso mesmo.

A Deolinda é natural de Angola mas foi em Portugal que decidiu investir na sua formação, tendo vindo para cá completamente sozinha. O que mais lhe custa são, sem dúvida, as saudades da família.

 

 

 

Tem em Mariah Carey e Whitney Houston, algumas das suas maiores referências, e no R&B, Soul, e Kizomba os géneros musicais que mais aprecia.

Considera que o grande obstáculo à realização do seu sonho de ter uma grande carreira musical é o facto de não haver ninguém a apostar no seu talento. No entanto, com a vitória do concurso que lhe deu o título de “Voz de Portugal”, isso poderá estar prestes a mudar!

 

 

 

E, como minha candidata favorita à vitória, por quem torci até ao momento em que foi anunciado o seu nome, não poderia deixar de a ter aqui nesta rubrica especialmente dedicada aos concorrentes do The Voice Portugal!

 

 

Deolinda, como é que nasceu o teu gosto pela música?

Posso dizer que o gosto pela nasceu pelas diversas influências musicais que sempre tive em casa por parte dos meus irmãos. Ouvia diversos estilos musicais e creio que isso contribuiu bastante para engrandecer este gosto pela música.

 

Antes da tua participação no programa The Voice Portugal, que lugar é que ocupava a música na tua vida? Costumavas cantar em público?

Sempre gostei de cantar e a música sempre fez parte da minha vida, sempre esteve no topo. Costumava cantar em público sim.

 

Vieste sozinha para Portugal para investir na tua formação e nos teus estudos. É difícil estar num país desconhecido, rodeada de estranhos?

É difícil, mas não impossível, e só quem já passou ou passa por isso sabe o quão difícil é, pois temos que lidar com muita coisa, uma delas é a saudade da família.

 

A participação no programa The Voice Portugal ajudou, de alguma forma, a colmatar as saudades da família e a fazer novas amizades?

As saudades não têm fim, mas ajudou imenso, pois tive a oportunidade de ser acarinhada pelos meus pais como antes. Posso dizer também que conheci muita gente boa e humilde no programa que pretendo levar p’ra vida toda.

 

Que lugar é que o Direito irá ocupar na tua vida?   

Considero o Direito como um plano B, posso dizer que ocupa um segundo lugar na minha vida. Não vou deixar a minha formação de lado.

 

Um dos géneros musicais de que gostas é o Soul. Nunca pensaste levar uma música da “rainha do soul” Aretha Franklin a uma das etapas do programa The Voice Portugal?

Pensei sim, mas é sempre complicado escolher a musica certa dela, visto que gosto de quase todas. (hahah)

 

A vitória no The Voice Portugal valeu-te um contrato com a editora Universal Music. O que é que podemos esperar da Deolinda daqui em diante?

Podem esperar uma Deolinda com muitas surpresas e boa música.

 

As tuas referências musicais são algumas das grandes divas já bem conhecidas de todos nós, como Whitney Houston ou Mariah Carey, e isso foi bem visível ao longo do programa. No entanto, quando cantaste com o David Carreira, num outro registo e em português, conseguiste surpreender pela positiva. Num primeiro trabalho que venhas a lançar, pretendes seguir um registo dentro daquilo que nos mostraste no The Voice, tendo como inspiração aquela que consideras o teu ídolo – Mariah Carey, ou vais arriscar e apostar em algo de diferente?

Apenas serei eu mesma. Tenho como referências estas grandes divas, mas quero mostrar quem realmente eu sou e deixar a minha marca sem imitações, e sim usar as influências para fazer algo bonito.

 

Para além de cantar, gostas de compor músicas. Sobre o que nos falam essas músicas?

Essas músicas falam de amor, saudade, desilusão, diversão. Resumindo essas músicas falam de coisas que acontecem a qualquer pessoa.

 

Tens algumas músicas escritas que gostasses de incluir no teu primeiro álbum?

Com certeza!

 

Iremos ouvir a Deolinda cantar em português?

SIM!

 

Desde o início que eras uma das grandes favoritas à vitória do The Voice Portugal. Também sentias essa preferência do público?

Senti sim, e foi o grande impulso que recebi para que em cada etapa fizesse melhor.

 

Como é que te sentiste quando a Catarina anunciou o teu nome como vencedora?

Não conseguia acreditar, explodia de alegria e só apetecia-me dar gargalhadas. (hahahaha)

 

Agora que foste consagrada vencedora e tens um contrato com a editora Universal Music, quais são os teus planos para o futuro?

São muitos os planos, como ter uma grande carreira na música, mas uma batalha de cada vez e deixar Deus no comando.

 

Deolinda, muito obrigada pela tua disponibilidade para aceitares este convite.

Desejo-te muito sucesso na tua vida!

 

Para saberem por onde anda a Deolinda e mais novidades sobre a sua carreira é só acederem ao respectivo link:

https://www.facebook.com/Dkinzimba/

 

Imagens media.rtp.pt

Porquê Eu?, de Hugo Pena

 

Sinopse:

"Maria Nóbrega, é uma arquiteta de sucesso. Sempre tivera um desejo enorme de ter filhos e o seu casamento parecia inabalável. Até que, após alguns exames médicos realizados, fica a saber que o seu marido é estéril e o mesmo reage mal e não aceita essa situação. Posteriormente, começa a desconfiar de uma relação extra conjugal entre ele e Carla, a sua melhor amiga, jornalista de profissão. A partir daí, a sua vida muda completamente!
E sem perceber como nem porquê, recebe um dom que lhe permite ajudar a descobrir uma série de homicídios, de padrão bem definido, que iam ocorrendo na cidade de Lisboa.
Porquê eu? Interrogava-se constantemente.
Tudo se complica, quando as provas obtidas, indiciavam haver uma grande relação entre os suspeitos e os crimes, e parecia não haver dúvidas quanto à culpa de Jaime Nóbrega, seu marido, e Pedro Neves, jovem agente estagiário da Polícia Judiciária, incumbido dessas mesmas investigações, que se vêm inesperadamente a braços com sucessivas tentativas para provarem a sua inocência.
Mas será que o dom que Maria havia recebido, traduzido em várias visões que conseguia ter, e numa voz que se fazia ouvir nos momentos mais delicados da sua vida, iriam ajudá-la a perceber se… tudo é o que parece?"

 

Como tudo acontece  

Maria Nóbrega é uma arquitecta bem sucedida que tem em mãos um ambicioso projecto - a construção do futuro Hotel da Serra da Estrela.

Com um casamento feliz ao lado do seu marido, Jaime Nóbrega, a única coisa que lhe falta para se sentir plenamente realizada é ser mãe.

Mas esse sonho depressa se torna um pesadelo, no dia em que ambos são informados pelo médico que Jaime tem um problema, e pode nunca conseguir engravidar Maria, pelo menos de forma natural.

A partir desse momento, Jaime irá cair numa espiral de desgraças, refugiando-se no álcool e provocando desacatos em locais públicos. É também por culpa do álcool que Jaime falha os seus compromissos de trabalho, colocando a empresa do seu patrão em maus lençóis, o que leva ao seu despedimento imediato. E, como se não bastasse, é multado por ir a falar ao telemóvel enquanto conduz. E não, não era com a mulher que ele falava. nem tão pouco com um amigo, colega ou mesmo com o patrão. Era com a sua amante Carla que, só por acaso (ou talvez não), é a melhor amiga da sua mulher!

Carla é uma jornalista conhecida por não olhar a meios para atingir os seus fins, obtendo muitas vezes informações de forma duvidosa ou mesmo ilegal, ou através de acordos vantajosos para ambas as partes, como será o caso do agente da Polícia Judiciária Pedro Neves. Uma mulher que desde cedo se mostrou demasiado competitiva, querendo sempre ser a melhor em tudo o que faz, nem que para isso tenha que "atropelar" quem se atravesse no seu caminho, até mesmo as suas amigas. E com a sua amiga de infância, Maria, ao que parece, não é diferente.

Devido a todos estes acontecimentos, o casamento de Maria e Jaime já viu melhores dias, com ele a revelar-se uma pessoa problemática e agressiva, com atitudes muito estranhas, e com Maria a tentar que ele se volte a erguer, sem grande sucesso e, ao mesmo tempo, com a quase certeza de que é traída pelas duas pessoas em quem mais confia.

Mas não é esse o único problema de Maria. Desde o dia em que lhe ligaram do clínica, a marcar a fatídica consulta, que lhe andam a acontecer coisas estranhas. Primeiro, foram as dores de cabeça, as náuseas e os suores, sem qualquer explicação plausível. Depois, os flashes e luzes intermitentes, e os sonhos com episódios do seu passado. Foi então que vieram as visões repentinas relacionadas com crimes, a sensação de presença de uma força estranha perto de si, e a voz! Uma voz que lhe diz para ser forte, para fazer o que tem de ser feito, para não confiar em ninguém. Uma voz que lhe diz que ela será uma peça fundamental naquele jogo de xadrez. 

Tudo começa a fazer mais sentido quando Maria constata que as visões que tem são de crimes que já ocorreram ou vão ocorrer, e que só ela pode evitar. Assim, o que começou por lhe provocar algum receio e desorientação, começa então a ser encarado como um dom. No entanto, uma dúvida persiste na mente de Maria: "Porquê Eu?".

Será porque, curiosamente, é o seu marido o principal suspeito de ter cometido esses crimes que ela previu? A verdade é que todas as provas apontam nesse sentido. Ele não esteve em casa nas noites dos crimes, é encontrado sangue seu perto do local de um dos crimes, e há ainda um facto curioso - as mulheres assassinadas estavam grávidas!

Ou será Maria, pelo contrário, a peça fundamental para, apesar de todas as evidências, provar a inocência do marido? 

E qual será o envolvimento do agente Pedro Neves nos crimes que continuam a ocorrer, e cuja arma do crime é precisamente a sua?

Quando todas as provas parecem apontar para estes dois homens e, inclusive, para a conivência da própria Maria, conseguirá ela, com as suas visões, perceber quem é o verdadeiro culpado? Ou não passarão, essas visões, de uma mera distracção, para esconder algum segredo que não deve ser revelado?

Posso dizer-vos que será muito fácil aos leitores descobrir quem está por trás de todos estes assassinatos. Basta estarem atentos alguns pormenores a que o autor vai fazendo referência, e que são a chave para deslindar tudo.

Quanto à questão que dá nome ao livro, e que Maria colocou vezes sem conta, relativamente ao seu suposto dom, pergunto também - Porquê Maria?

A resposta é bem simples: Porque tinha que ser ela! Só poderia ser ela!

 

Opinião 

Gostei muito da forma como a trama se foi desenrolando, e do surpreendente final! Apesar de ter percebido antes quem era o verdadeiro culpado, é no final que se fazem as grandes descobertas, os motivos, as explicações. E é no final que ficamos a saber a quem pertence a voz que Maria afirma ouvir.

 

Este livro marcou a estreia de Hugo Pena, o seu autor, na escrita de romances policiais, em 2013, com a chancela da Chiado Editora. Em 2014, lançou "Justiça Cega", que lhe valeu o prémio "Escritor do Ano de 2015", atribuído pela ARTE, associação sem fins lucrativos do Algarve que premeia a nível nacional quem se distingue na música, rádio, televisão, teatro ou escrita.

Brevemente, poderão saber mais sobre este segundo romance policial e sobre o autor, com quem irei estar à conversa na rubrica semanal deste cantinho.

Só vos posso dizer que gostei tanto destes dois livros, e da forma como a história nos é apresentada pelo autor, que já anseio pelo próximo!

 

 

Tenho muito orgulho do meu sobrinho!

 

Tenho uma grande admiração e um enorme orgulho do meu sobrinho!

Desde pequeno que sempre foi muito protegido pelos pais, principalmente, pela mãe. E, talvez por isso, nunca tenha tido aquela necessidade de se desenrascar sozinho, de "sair da sua casca" e da "protecção das asas da mãe".

Era daquelas pessoas que, se o deixassem, passava os dias em casa, agarrado a um computador ou a uma consola.

Quando passou para o 10º ano, veio aqui para Mafra estudar, e começou a fazer novas amizades e a viver a vida de qualquer adolescente, com mais alguma liberdade do que até então.

Findo o 12º ano, e sem possibilidades financeiras de ir para a faculdade e médias que dessem para tal, começou a ponderar as suas hipóteses - o que é que poderia fazer da sua vida?

Tentar subir as médias de algumas disciplinas, para voltar a tentar uma candidatura com bolsa, encontrar um emprego (e tentar tirar a carta de condução para ter mais oportunidades) ou enveredar pelo serviço militar.

Depois de muito ponderar, e dado que era a solução mais viável, optou por voluntariar-se ao serviço militar. Esteve alguns meses a treinar para as provas fisicas, e o meu marido chegou a ir ter com ele para lhe dar apoio e treinar com ele, puxando assim pelo melhor que ele podia dar.

A verdade é que o meu sobrinho acabou mesmo por passar nos testes, e foi colocado em Abrantes par a recruta. Ora, dado a vida que até então tinha levado, sabíamos que ia ser duro para ele, não só a nível psicológico (saudades de casa, da família, lidar com a pressão e bullying a que por vezes submetem os recrutas), mas também a nível físico.

Tínhamos algum receio que ele não aguentasse e desistisse pouco depois de lá estar mas, contra todas as expectativas, felizmente ele gostou e manteve-se firme, sem desistir!

Apesar das mazelas físicas, das árduas provas, das condições a que foi submetido, e da terrível semana de campo, à chuva e com o temporal que se fez sentir, e que lhe valeu um pé torcido, uma inflamação no olho, uma otite e umas quantas manchas negras do corpo, seguiu caminho até à sua nova morada.

E, mais uma vez, o desânimo inicial foi superado.

Para quem já passou por tudo o que passou até aqui, o caminho só pode ser para a frente, com a mesma coragem e, determinação que demonstrou até aqui, e a confiança de que tomou a decisão certa e terá um futuro sorridente à sua frente!

Está mesmo de parabéns, o meu sobrinho!

  • Blogs Portugal

  • BP