Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Fenómenos difíceis de explicar!

 

 

Estava eu ontem preocupada com a chuvada que veio a seguir ao almoço e que, supostamente, me iria encharcar a roupa.

Da minha casa ao meu trabalho são cerca de 10 minutos, a pé, portanto, a distância é relativamente curta. Estava quase a chegar ao escritório quando começa a chover, ainda me molhei um bocadinho, mas safei-me da carga de água que caiu depois, durante 5 a 10 minutos sem parar, e com grande intensidade.

Dali a pouco, o sol voltou a aparecer e o céu limpou totalmente! Cheguei a casa, ao final da tarde e tinha a roupa bem sequinha.

 

Antes, passo pelos meus pais e pergunta o meu pai:

- então, lá em cima também choveu?

- choveu e bem, respondo.

Diz a minha mãe: mas choveu?

 

Ao que parece, choveu apensas em algumas zonas da vila, e noutras não, ou em menor quantidade!

Pela quantidade de água que caiu onde eu estava, e onde o meu pai estava, dava para encher vários baldes de água. A minha mãe diz que, se choveu, foi tão pouco que nem deu para formar pingas.

 

E já não é a primeira vez que isto acontece por aqui!

Uma vez, tinha deixado roupa estendida e ido às compras com o meu marido, também a curta distância (menos de 1 km), e começa a chover torrencialmente. Passada uma hora, chego a casa e tenho a roupa seca, e nem sombra de chuva. Se tivesse chovido não dava tempo de a roupa secar!

 

E com vocês, já alguma vez aconteceu algo parecido?

 

Workshop de Escrita para adultos

 

"Qualquer pessoa pode ESCREVER um livro, mas poucas têm noção do quanto pode ser simples EDITAR um livro! Para quem tem esta curiosidade e vontade de colocar pra FORA o que muitas vezes fica desperdiçado lá DENTRO... dia 29 de Julho na Sala Multiuso da Meleca, vou mostrar passo a passo como é possível realizar um projeto sem ser refém de instituições pouco sérias!", por Rosana Antonio

 

Se gostam de escrever mas não sabem, muitas vezes, por onde começar, se gostavam de editar o vosso próprio livro, mas não fazem ideia dos passos que devem dar para que isso se torne real, ou se, simplesmente, gostariam de saber mais sobre o tema, estiverem de férias aqui por perto, e puderem aparecer, aproveitem esta oportunidade.

À Conversa com os Plan Ahead

 

Os Plan Ahead nasceram em 2013, com o objetivo de tirar partido daquilo que mais os unia – a música, na esperança de construir algo especial, chegar a todo o tipo de pessoas e poder continuar a partilhar experiências e vivências com quem quer que os queira ouvir. Começaram pelos covers, mas depressa enveredaram pela composição de originais, surgindo, assim, os primeiros temas que viriam a fazer parte do primeiro álbum da banda “Headfirst”, entre os quais o single de apresentação lançado em janeiro deste ano – “Confused”.

 

 

 

Esta banda de Mafra tem como referências musicais bandas contemporâneas como Paramore, Foo Fighters, Tara Perdida, Incubus, Alien Ant Farm, My Chemical Romance, entre outros.

São eles os convidados de hoje, a quem desde já agradeço pela disponibilidade!

 

 

 

 

Quem são os Plan Ahead?

Os Plan Ahead são uma banda jovem e acessível. Acreditamos que a música tem o poder de unir as pessoas e é esse o nosso objectivo.

 

Como é que surgiu a vossa banda?

Todos nós andámos na mesma escola de música (Escola de Música da Malveira) e foi lá que nos conhecemos. Três dos elementos (Vasco, Gui e Martim) integravam uma outra banda, na altura, chamada Hot Rain, que acabou por se separar. Entretanto, surgiu uma oportunidade de tocarem para um agente, que andava à procura de uma banda de covers. Precisaram, então, de encontrar uma nova vocalista e um novo baterista e surgem a Inês e Gonçalo para completar a banda.

 

Começaram por ser uma banda de covers. Em que momento é que decidiram começar a compor temas originais?

Sempre encarámos as covers como algo transitório, uma maneira divertida de chegar mais facilmente às pessoas. Mas no meio de ensaios e conversas, é impossível não começar a criar e a partilhar essas mesmas criações uns com os outros. Uma malha de baixo aqui, uma sequência de acordes interessante ali, uma rima engraçada acolá… Sentimos a necessidade de nos expressarmos. As nossas duas primeiras experiências podem ser ouvidas no nosso álbum: “Estrada” e “Throwing Punches”.

 

 

 

 

 

Como é que definem o vosso estilo musical?

O nosso som é uma mistura dos gostos e influências de todos. Estamos constantemente a partilhar a música que descobrimos uns com os outros, à procura de sons interessantes. Por agora, classificamos o nosso som como Pop Rock, com muitas influências Punk e Indie.

 

Em janeiro deste ano, deram a conhecer o single de apresentação “Confused”. Neste momento, têm o vosso primeiro álbum disponível, tanto nas plataformas digitais, como em lojas físicas. Como foi todo o processo de gravação em estúdio?

Não foi a nossa primeira experiência em estúdio, mas foi a primeira vez (e esperamos não a última) que gravámos um álbum. Foi um processo interessante, divertido e de constante aprendizagem. Demorou um pouco pois queríamos fazer o melhor trabalho possível. E é bastante gratificante ver o resultado final, ver a nossa música chegar finalmente às pessoas. É esse o objectivo.

 

“Headfirst”, o vosso álbum de estreia, é composto por 12 temas, um dos quais em português – “Estrada”. Existe algum motivo concreto que vos tenha levado a optar, maioritariamente, pelo inglês para exprimir a vossa mensagem?

Não há nenhum motivo concreto. Foi a maneira como as coisas evoluíram. O facto é que muitas das nossas influências musicais vêm dos Estados Unidos e Inglaterra e que talvez por isso nos tenhamos inclinado mais para a língua inglesa.

 

 

 

 

Que feedback têm recebido relativamente a este primeiro trabalho dos Plan Ahead?

No geral, temos tido bom feedback, mas, como ainda é um projecto muito recente, preferimos esperar mais um pouco até formarmos uma opinião sólida. Mas, definitivamente, uma coisa que nos tem espantado é o entusiasmo da geração dos nossos pais em relação à nossa música. Tem sido uma boa surpresa!

 

A vossa banda tem feito algumas apresentações em televisão, e também ao vivo. O verão de 2016 será recheado de atuações dos Plan Ahead? O público poderá contar com um concerto aqui no concelho?

Esperamos que sim! Neste momento, estamos a trabalhar para marcar o maior número possível de datas. Queremos chegar a todo o lado. Assim que pudermos, anunciaremos tudo nas nossas redes sociais, por isso, estejam atentos!

 

Desejo-vos muito sucesso. Muito obrigada!

 

Podem ficar a saber mais sobre esta banda em:

https://www.facebook.com/planaheadmusic/

https://www.youtube.com/channel/ucgndg7ap9o6lkmcyfvdxfmg(YouTube)

www.instagram.com/planaheadmusic(Instagram)

www.twitter.com/planaheadmusic(Twitter)

 

 

Informo que a rubrica "À Conversa Com" vai, temporariamente, de férias, após 7 meses a dar-vos a conhecer aquilo que por cá se faz. Foram muitas as entrevistas que ficaram por fazer, que ficaram sem resposta, que ficaram penduradas. Mas muitas mais as que vos trouxe aqui todas as semanas, e que me deram imenso prazer fazer!

Espero que volte em breve com novos convidados!

  • Blogs Portugal

  • BP