Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Se não querem atear o fogo, não acendam o fósforo!

Resultado de imagem para atear fogo

 

Já não é a primeira vez que me deparo com uma situação destas, e é algo que me irrita profundamente.

Uma associação de protecção de animais partilhou, na sua página do facebook, uma publicação acerca de um gatinho que foi devolvido, pela família que o tinha adoptado há uns meses, apelando a que se tentasse encontrar um novo lar para o bichano.

Até aí, tudo bem. Tinha até começado a escrever um comentário, quando li melhor a publicação, e deparei-me com esta solicitação:

 

"Pedimos que em vez de comentários sobre a devolução nos ajudem de forma construtiva a encontrar a família 5 estrelas que este patudo precisa."

 

E, assim, apaguei o comentário que estava a escrever.

Mas houve quem se quisesse manifestar:

 

"...concordo que devemos tentar arranjar um lar para este menino o quanto antes, mas mesmo assim devem colocar o nome destes adotantes na lista de maus, ou melhor, péssimos adotantes para que este tipo de situações não se repita."

 

E que resposta é que recebeu?

Esta:

 

"Mas agora vamos começar a colocar cruzes vermelhas na testa de quem faz algo errado??? É isso que quer que lhe façam a si quando fizer algum erro na sua vida? Nem sabe o que se passou e nem temos que saber!! Temos sim, se pudermos, ajudar e mais nada!"

 

Ora, se não querem atear o fogo, não acendam o fósforo!

Se não querem que as pessoas se insurjam contra estas situações, que comentem, que critiquem, que condenem este tipo de actos, não os exponham.

Se o mais importante, como dizem, é encontrar um novo lar para o animal em questão, ajudando como pudermos, evitem falar do que gerou essa necessidade.

Porque raio têm que anunciar, com tanta indignação, o que os adoptantes fizeram com o animal, criticando, condenando e mostrando a sua própria revolta se isso, perante a situação do amimal em causa, é assim tão irrelevante? 

 

A publicação da associação:

"Devolvido…
Devolvido como uma peça que se leva para experimentar e depois afinal já não se quer..
Adotado em outubro, então um bebe com 3 meses, o Pokemon foi devolvido ontem com 7 meses.
Porquê? Não interessa, nestas situações a razão nunca tem razão.
O seu nome revelou-se uma verdadeira maldição - o jogo passou de moda e o interesse arrefeceu. Mas este tigrado não é virtual, é um ser vivo com emoções, com sentimentos, não é algo que desaparece por se desligar o botão…
Com mais de metade da sua pequena existência vivida numa casa imaginam a revolta deste menino? Não tivemos coragem de o colocar numa situação em que também ele pode entrar em depressão, por isso encontra-se muito provisoriamente em casa de uma voluntária.
É um gato meigo e brincalhão que precisa de encontrar a sua verdadeira família, que precisa com urgência de um lar.
Procuramos adotantes responsáveis, alguém que ame o Pokemon para o resto da vida e não apenas uns meses, alguém que entenda que estes animais têm sentimentos, que sofrem a sério com o abandono…
O Pokemon não está castrado nem testado mas assumiremos esses custos.
Só queremos que este menino encontre a felicidade que lhe foi prometida e depois roubada."

 

Compreendo que estarmos a deixar a nossa opinião não resolve o problema principal, que é o de se encontrar uma nova família para este gatinho. Mas, se a própria associação o faz, não teremos também nós, o direito de o fazer? E os outros o dever de a respeitar?

A Tua Cara Não Me É Estranha - penúltima gala

ATC2.jpg

Esta deve ter sido, talvez, a gala em que os concorrentes deram mais luta uns aos outros, e em que tiveram, na sua maioria, as melhores prestações ao longo de todo o programa.

 

 

ATC.jpg 

À excepção do David Antunes que, mesmo rapando o cabelo, não conseguiu uma boa imitação do Pedro Abrunhosa, e do Darko que, com o seu timbre grave, ainda assim não se assemelhou à Toni Braxton, todos os outros surpreenderam pela positiva.

 

 

ATC3.jpg

ATC4.jpg

O meu destaque vai, sem dúvida, para a Maria Sampaio e para o Jorge Mourato, que fizeram as melhores imitações da noite.

 

 

ATC5.jpg

Quanto ao momento tão aguardado da noite - a vingança do Manuel para com a Cristina, ficou muito aquém das expectactivas, não porque a Cristina tenha imitado mal, mas porque a música não foi uma boa escolha, e dificilmente se consegue apagar a imagem do Goucha como Rosinha, essa sim, uma imitação hilariante.

 

 

ATC1.jpg

Os finalistas, já quase sabíamos quem seriam - Dvid Antunes, Maria Sampaio e Darko estavam praticamente garantidos, ficando só na dúvida o quarto, que se lhes iria juntar. Foi entregue, merecidamente, ao Jorge Mourato, embora fosse, de igual forma, atribuído ao Sérgio, à Carolina ou à Marta. Mas gostei que fosse o Jorge.

 

 

Imagens A Tua Cara não me é Estranha - TVI

Reencontro com o Amor, de Luisa da Silva Diniz

Resultado de imagem para reencontro com o amor luisa da silva diniz

 

 

Há pessoas, e amores, que nunca se esquecem e que, por mais anos que passem, conseguem fazer-nos sentir exatamente da mesma forma que da primeira vez.

Rita Saraiva e João Santos conheceram-se há mais de 12 anos, quando ainda estudavam. Foi com João que Rita viveu a experiência do primeiro beijo.

Mas Rita teve que partir de Portugal e, desde então, tudo o que João tem vindo a saber sobre Rita é através das suas fiéis amigas - Cristina, Beatriz e Sara.

Quando Rita regressa, João não perde a oportunidade de a tentar conquistar definitivamente, e retomar algo que tinha ficado pendente ao longo de todo o tempo em que ela esteve fora.

No entanto, talvez nenhum deles seja a mesma pessoa que outrora conheceram.

Rita traz com ela alguns traumas do passado, que ainda não estão totalmente ultrapassados, e a impedem de se entregar de corpo e alma a uma relação. É como se estivesse fechada numa concha, em que só as amigas têm permissão para entrar, uma vez que conhecem o seu segredo.

Já João, um homem aparentemente carinhoso, compreensivo, romântico, persistente e quase impossível de existir, nos dias que correm, revela-se, ao mesmo tempo, muito controlador, possessivo, quase um "homem das cavernas", de uma forma que chega a ser sufocante, e dá vontade de fugir. 

Mas não serão apenas estas posturas de ambos que irão pôr em causa a sua relação. A ex namorada de João, considerada uma doida por todos, semeia a dúvida no coração e na mente de Rita, levando o leitor a pensar que, talvez, as coisas não tenham sido exatamente como lhe foram contadas.

Surge também, a determinado momento, um homem misterioso, de nome Daniel, que parece estar sempre perto de Rita quando ela mais precisa. Quem será ele, e o que pretende?

Por outro lado, Rita começa a receber várias mensagens, entre as quais uma sobre o seu segredo, que alguém ameaça revelar, e que ela teima em esconder de João.

Quando nada o fazia prever, Rita acaba mesmo por desaparecer por uns dias, quase levando João à loucura, por não saber onde ela está, por ter perdido o controlo sobre a sua relação e sobre a sua namorada.

Que final estará reservado para estas duas personagens?

Será João mesmo quem parece ser?

Conseguirá Rita, finalmente, colocar o passado para trás das costas, e voltar a ser feliz?

 

 

Eu confesso que, ao ler este livro, comecei por simpatizar com o João. No entanto, se estivesse no lugar da Rita, acho que seria bem menos tolerante com a sua mania de querer controlar tudo e todos, ainda que isso possa ser apenas uma forma de amar e proteger quem ama, embora muitas vezes seja uma mera desculpa.

Identifico-me, em alguns aspectos, com a Rita. Com outros, definitivamente, agiria de outra forma.

Destaco ainda a forma como a autora mostrou aqui no seu livro algo que começa a cair cada vez mais em desuso - a verdadeira amizade, em que não há lugar a invejas, mexiricos, críticas pelas costas, mas sim a lealdade, partilha e companheirismo, haja o que houver, e aconteça o que acontecer!

 

Para quem gosta de romances, eu aconselho, sem dúvida, a leitura de Reencontro com o Amor!

 

 

Sinopse

"Rita Saraiva, depois de doze anos fora, regressa a Portugal. Na bagagem, trás as marcas e os traumas do passado que continuam a atormentá-la. Agora, de volta, só quer encontrar paz e tranquilidade. O que ela não contava era reencontrar João Santos, um amigo de juventude.

João Santos, entra de rompante na vida de Rita e, apesar de todos os anos que passaram, nunca esqueceu a amiga encantadora, divertida e linda.

Ele quer conquistá-la e arrebatá-la, mas conseguirá vencer as marcas e traumas de Rita?

E ela, conseguirá aceitá-lo e vencer os fantasmas que a impedem de ser feliz?

Uma história imperdível, na qual, o poder do Amor vence qualquer desafio."

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP