Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Expliquem-me como se eu fosse muito burra!

Resultado de imagem para burra

 

Ontem, para ir ao cinema, apanhámos o autocarro para Lisboa.

Tendo a minha filha 13 anos, perguntei se já pagava bilhete inteiro. A motorista confirmou que sim, com essa idade, já paga um bilhete inteiro mas, como é férias da Páscoa, a empresa tem a promoção que permite aos estudantes pagar meio bilhete. Por isso, foi meio bilhete que ela pagou. Sem stress, tendo a motorista sido muito simpática e atenciosa.

 

Também no cinema, paga o bilhete estudante em vez do normal. Sem stress.

 

À vinda, ela pediu meio bilhete. O motorista tirou, mas perguntou se ela tinha documento de identificação com ela. Por acaso eu tinha-o comigo, e já ia tirar quando ele me diz que não precisava de mostrar, era só para o caso de aparecer o fiscal.

Perguntei eu "então mas ela mesmo tendo 13 anos, não está abrangida pela campanha da Páscoa?".

Respondeu o motorista "sim, sim, mas tem que ter o documento de identificação com ela, senão paga bilhete inteiro".

 

 

Agora, expliquem-me como se eu fosse muito burra, porque depois de toda esta explicação, continuo sem perceber o que uma coisa tem a ver com outra.

Partindo do princípio que o dito "documento de identificação" é o cartão de cidadão, o que é que o mesmo prova? Que ela tem 13 anos. 

Estariam por acaso a pensar que ela seria uma adulta disfarçada de criança? É que mesmo com 18 anos, ainda poderia ser estudante! E no cartão de cidadão não diz que ela está a estudar. Ainda se pedisse o cartão de estudante, aí compreendia. Assim, não consigo perceber.

É que nem no cinema pediram nada disso.

 

De qualquer forma, fiscais é algo que não vejo há décadas nestes autocarros. Não sei para quê tanta conversa fiada.

 

Fomos ver a Bela e o Monstro

Resultado de imagem para a bela e o monstro filme

 

Há algum tempo que a minha filha me andava a pedir para irmos ao cinema ver o filme A Bela e o Monstro.

Aproveitámos as férias da Páscoa, em que os fins-de-semana não são passados a estudar, e fomos ontem as duas.

Como já estreou há algum tempo, havia apenas 4 pessoas na sala, por isso, conseguimos os lugares que mais gostamos, e silêncio era algo que certamente haveria.

 

O que a minha filha achou do filme?

Adorou! 

 

O que eu achei do filme?

Como se costuma dizer em muitas ocasiões "menos é mais", e neste filme, menos cantoria significaria poupança de tempo, e mais interesse no mesmo. Ao fim da segunda música, eu já bufava, e cada vez que alguém começava a cantar, eu só perguntava quando é que a música acabaria, para poder voltar a concentrar-me no filme. Será que este filme é um musical, e eu não sabia?

Quanto à história propriamente dita, também fiquei desapontada, porque não é a história que eu conheço e sempre ouvi contar.

Na "minha" história, a Bela não era filha única, tinha duas irmãs ambiciosas. Não era a Bela que ia ter com o pai ao castelo do monstro, era o pai que voltava a casa e contava que, para se salvar, umas das filhas tinha que ir morar para o castelo, tendo a Bela se oferecido para ir no lugar do pai.

Na "minha" história, o montro deixava-a visitar a família, por curtos períodos, entregando-lhe um anel que, ao rodar, a transportava para casa, e de volta ao castelo. Nesta, ela viaja através de um livro, mas para o passado, para a casa onde os pais moravam quando era pequena, e onde a mãe morreu.

Na "minha" história, não havia mobiliário, castiçais, loiça ou relógios falantes, havia uma governanta, com quem Bela conversava muito, e a quem ajudava na estufa de rosas.

Na "minha" história, não havia Gastón. Não havia qualquer pretendente para Bela.

Na "minha" história, eram as irmãs que, com inveja, fizeram tudo para que Bela fosse ficando em casa, e adiasse o regresso ao castelo, para que o monstro morresse e Bela não pudesse fazer nada.

 

Esta adaptação, não é a história da minha infância. É uma das muitas adaptações que foram surgindo. Mas não foi tanto isso que desiludiu, foi mesmo as cantorias excessivas e desnecessárias.

 

Tendo em conta outros filmes da Disney, adaptados para personagens de carne e osso, esperava muito mais deste filme. Não me convenceu, embora tenha gostado de algumas partes, nomeadamente, algumas cenas cómicas com o monstro que, devo dizer, em certas alturas estava mesmo fofinho!

 

 

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP