Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Modernices - telemóveldependência

Resultado de imagem para telemóvel a carregar

 

No outro dia fui às Finanças.

Estava a abarrotar. Avistei um lugar disponível na fila de frente para a parede e apressei-me a ir para lá.

Num dos assentos, estava um homem com o seu telemóvel a carregar na tomada dessa parede, pelo que tive que pedir licença ao homem para passar. Ele lá desligou o cabo do telemóvel para eu passar, e voltou a ligar logo em seguida.

E pensei eu: "se me chamam primeiro que ele, lá vou ter novamente que pedir licença novamente, e esperar que ele desligue o carregador, para conseguir passar.

 

Hoje fui à Conservatória. Ali pelo átrio,ao que parece, também há umas tomadas à disposição e, como tal, ocupadas por pessoas que por ali estavam à espera da sua vez, a carregar os telemóveis.

 

Cada vez mais, seja onde for, se vê isto. Seja em serviços públicos, seja em festas ou celebrações especiais, como há dois anos, numa passagem de ano. É quase tão banal como chegar a um sítio qualquer e procurar ou perguntar a password de acesso a Wi-Fi grátis. 

 

Assim à primeira vista, consigo apontar duas causas para este novo fenómeno:

1 - Os serviços públicos são tão demorados, que as pessoas têm que se entreter com alguma coisa enquanto esperam, por vezes tão demorados que dá tempo de ficar sem bateria e, por isso, têm que pôr os telemóveis a carregar, ou simplesmente para poupar bateria

 

2 - Estamos tão dependentes dos telemóveis que não conseguimos passar o tempo de outra forma que não seja agarrados a eles, seja onde for, a que horas for, e com quem estivermos

Postura louca ou acertada, é a minha!

Resultado de imagem para adolescentes e pais desenhos

 

Uma das formas de promover uma boa relação entre pais e filhos, sobretudo filhos adolescentes, é uma espécie de “metamorfose mútua”, em que os pais devem tentar colocar-se no lugar dos filhos, e tentar compreender o que está a acontecer com eles, da mesma forma que os filhos se devem tentar colocar no lugar dos pais, e compreender o que os leva a agir de uma determinada forma, os limites que muitas vezes colocam, e os receios que sentem.

 

Os filhos crescem, não serão para sempre aqueles meninos(as) pequeninos(as) de há uns anos atrás. De nada adiante querer tapar o sol com a peneira, esconder a cabeça na areia e fazer de conta que nada muda.

 

O que os filhos mais precisam, é que os pais estejam presentes e os apoiem, aconselhem, orientem. Se os filhos sentirem abertura e confiança nos pais, mais facilmente partilharão com estes os seus sentimentos e mudanças que estão a ocorrer na sua vida, em vez de esconder. Caso contrário, irão fechar-se, guardar para si ou procurar noutras pessoas, aquilo que deveriam ter e não têm naqueles que deveriam ser os primeiros a lá estar.

 

E com este apoio, abertura e confiança, não quero dizer permitir, fazer as vontades, e estar de acordo com tudo, só porque eles falaram connosco. Mas, se não devemos cair no facilitismo e total permissão, também não devemos pecar pela recusa ou rejeição imediata.

 

Já todos tivemos a idade dos nossos filhos, sabemos bem como éramos e o que fazíamos, ou queríamos fazer, e as consequências que, eventualmente, resultaram da proibição, falta de diálogo, desconhecimento ou alienação dos pais.

 

É certo que as coisas, hoje em dia, tendem a ocorrer em idades cada vez mais precoces, e cabe a nós, pais, adaptar-mo-nos a essa nova realidade, encarando cada situação com a seriedade e respeito que ela merece, mas com alguma leveza também, sem entrar em parafuso ou fazer um bicho de sete cabeças de cada uma delas.

 

Acima de tudo, é importante dialogar com os nossos filhos, tentar perceber o que sentem e se o que pretendem faz sentido ou não, expôr o nosso ponto de vista sobre as situações que nos apresentam.

 

E, se for o caso, com a permissão para alguns direitos que os filhos pretendam ter, incluir também alguns deveres, que deverão cumprir, para que tudo resulte nos dois sentidos, sem prejuízo para o seu futuro. 

 

Afinal, é disso que se trata, do seu futuro e da sua vida, do seu sucesso a todos os níveis - escolar, pessoal, familiar e emocional - através da interacção com todos aqueles que os rodeiam.

  • Blogs Portugal

  • BP