Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Há pessoas com uma grande lata!

Imagem relacionada

 

Hoje de manhã, a chegar ao meu trabalho, o meu marido viu um lugar livre, e estacionou.

O condutor que vinha atrás também queria ali estacionar, e parou atrás de nós, enquanto o meu marido fazia a manobra.

O espaço, com jeito, dava para 4 veículos, mas o da frente deixou algum espaço à sua frente, logo, depois de estacionarmos, o espaço ficou escasso.

Mas o dito senhor não desistiu, e pediu ao meu marido se podia chegar o carro um pouco à frente. O meu marido chegou um pouco. Não dava.

O senhor insistiu que chegássemos o carro mais à frente. O meu marido respondeu que não podia chegar muito mais, senão corria o risco de o da frente lhe bater, ao sair, e de ele próprio não conseguir sair, ficando entalado entre os dois.

O senhor não mudou de ideias. Pelo contrário, disse que não havia problema porque não iria demorar muito, era só ir ao café.

Enquanto o meu marido chegava à frente uns milímetros eu, cá fora, disse ao homem que tinha mais à frente um espaço para estacionar que é para os utentes da farmácia. Se era assim tão rápido, podia lá parar.

Respondeu-me que não podia andar muito!

 

Para não dizer alguma coisa de que me arrependesse, perante este comentário e a insistência em colocar o carro entre o nosso e o de trás, sem espaço para isso, mesmo que lixasse toda a gente, fui embora, e o meu marido seguiu para o café.

 

Uns minutos depois, o meu marido viu outro carro lá estacionado, e o homem a vir de outro lado!

Afinal sempre pode andar mais uns metros!

À Conversa com Filipe Gonçalves

filipe goncalves foto.jpg

 

Com um percurso consistente, criativo e abrangente Filipe Gonçalves é cantor, músico, compositor, Host e MC. O artista MTV Talento, que nasceu para o público na Operação Triunfo, já emprestou a sua voz e presença carismática às principais marcas e eventos nacionais.

 

Se como Host e MC Filipe Gonçalves tem o seu lugar cativo nas festas “R&B Sweet Sessions” e nas noites “Brown Sugar” no Radio-Hotel, como cantor garantiu residência nas principais estações de rádio com os seus temas “Dança Joana”, “Ela Só Quer” e, mantendo a essência destes hits, o single “Química”, lançado em Janeiro deste ano.

 

Em Maio, Filipe Gonçalves apresentou o seu novo single - "De Mãos Dadas" - um tema dedicado à sua filha Maria, que retrata um amor especial e incondicional, uma ligação única entre pai e filha.

 

Fiquem a conhecer melhor o Filipe Gonçalves, nesta entrevista:

 

 

 

k15771734.jpg

 

Quem é o Filipe Gonçalves?

O Filipe Gonçalves sou eu :-)

 

 

O público passou a conhecer-te devido à tua participação no programa “Operação Triunfo”. De que forma é que essa experiência influenciou, ou não, o teu percurso musical?

Influenciou-me bastante porque se não tivesse entrado na Escola da Operação Triunfo, provavelmente continuaria a viver este sonho às escondidas de tudo e todos.

Muitos serões passei, a tocar para um público imaginário e a dar tudo de mim e, no final de horas a fio a cantar, ia deitar-me de alma lavada.

 

 

Quais são as tuas grandes referências a nível musical?

Acima de tudo, músicos com grande identidade e alguma irreverência, que quebraram barreiras e abriram portas para uma nova geração como a minha pudesse ter maior liberdade criativa.

As minhas bases vêm de muitos géneros musicais porque fui beber da vasta cultura musical dos meus pais, do que as minhas irmãs mais velhas ouviam e por fim os meus gostos.

Para dar alguns exemplos podemos ir de um fadista antigo de seu nome Carlos Ramos até a um artista contemporâneo como D’Angelo.

 

 

Consideras que a tua música tem um estilo muito próprio, ou acaba por ser uma miscelânea de vários ritmos?

A minha música acaba por ser o reflexo do que sou, o que acaba por ser sim uma fusão de vários géneros musicais e ritmos.

 

 

Ao longo da tua carreira, foram vários os artistas com quem já colaboraste. Há algum que te tenha marcado de uma forma especial?

Há vários, e em diferentes fases da carreira. Ao início marcou-me muito receber conselhos de um artista de renome dos anos 80 Terence Trent d’Arby, com quem tivemos o privilégio de conhecer e cantar durante o programa da Operação Triunfo, de partilhar palco com o Rui Veloso que é uma referência desde pequenino (minha e de milhares de novos cantores) e agora mais recentemente, tem sido uma honra trabalhar com artistas da minha geração com quem muito aprendi e de quem sou muito amigo, como é o caso do New Max (Expensive Soul), aos HMB de quem sou amigo e trabalhei com cada um deles, em especial com o Daniel Lima de quem sou grande amigo e toquei muitos anos, e com o Héber Marques que tem sido um super parceiro para conseguir potenciar as minhas ideias.

 

 

 

capa filipe gonçaves.jpg

 

 

Depois dos singles “Dança Joana”, em 2015, “Ela Só Quer”, em 2016, e “Química”, lançado este ano, chega agora o mais recente tema “De Mãos Dadas”, dedicado à tua filha. Que mensagem pretendes transmitir com esta música?

A mensagem é simples - é uma promessa de amor incondicional para a vida, é algo que ela terá como dela, que marca a importância dela no mundo.

Ao mesmo tempo, quero que seja um hino ao amor em geral, que poderá ser entre mãe e filha, neto e avô, namorados, familiares…

 

  

Na tua opinião, o amor, quando verdadeiro, é sempre incondicional?

Pergunta difícil esta…

 

 

Estes temas farão parte do teu novo álbum de originais. Já tens alguma data para o lançamento do mesmo?

Um dia específico não tenho ainda mas sei quando quero lançar.

Se tudo correr bem, será no final deste ano!

 

 

 

 

 

O álbum contará com participações de vários artistas. Como surgiram essas colaborações?

São colaborações que fui fazendo ao longo da vida de estrada.

Vamo-nos cruzando em festas, concertos e festivais com vários artistas e depois, aí, surgem sempre uns com quem nos identificamos mais e com quem conseguimos trabalhar melhor.

Ainda tenho alguns artistas com quem quero trabalhar, mas ainda estão na caixinha dos desejos para o futuro!

 

 

Que objetivos gostarias de ver concretizados ao longo de 2018?

Acho que neste momento o plano principal é chegar o mais próximo do público e conseguir mostrar tudo aquilo que sou enquanto músico/artista.

Para isso conto ainda lançar alguns singles antes do álbum.

 

  

Onde é que o público poderá ver e ouvir o Filipe Gonçalves?

Para breve poderão encontrar-me dia 23 de Junho na Madeira, dia 29 de Junho no Rock In Rio no palco Digital.

As restantes datas poderão pesquisar nas minhas redes sociais.

 

 

Muito obrigada!

 

 

Nota: Esta conversa teve o apoio da editora Farol Música, a qual cedeu também as imagens e o vídeo.

 

  • Blogs Portugal

  • BP