Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Pedir desculpa por algo que se fez bem?

Resultado de imagem para pedir desculpa

 

Porque pedimos desculpa a alguém?

Em que situações faz sentido?

Apenas quando agimos de forma incorrecta, quando fazemos algo que não devemos, quando erramos, quando somos indelicados, rudes ou mal educados?

Apenas quando exageramos, criticamos, dizemos coisas que não devemos?

Quando somos agressivos? Quando prejudicamos alguém? Quando magoamos alguém?

 

 

Ou também pedimos desculpa por algo que está bem, que fizemos bem, que é correcto?

Porque é uma questão de educação?

Porque ajuda a apaziguar situações que, não sendo culpa nossa, foram mal geridas e interpretadas?

Só porque sim?

 

 

Será um pedido de desculpa sem razão para ele, uma forma de admissão de que estamos errados?

De que não tendo culpa, ainda assim a assumimos?

Será admitir, perante quem acusa que, mesmo não tendo, lhe damos razão?

 

 

É que, se na primeira situação, se compreende perfeitamente e se aceita um pedido de desculpa, na segunda, tenho alguma dificuldade em perceber porque é que, sabendo que o que foi feito é o correcto e o outra parte é que está errada, ainda assim se pede desculpa.

Do que é que a outra parte nos deve desculpar mesmo?

1ª Guerra Mundial, Feminismo e Loucos Anos 20

Resultado de imagem para loucos anos 20

 

Esta é uma parte da matéria que a minha filha tinha que estudar para o teste de História, e que eu achei mais interessante e fácil de apreender.

 

Desde o papel das mulheres na Primeira Grande Guerra, e que já tantas vezes li nos livros da Lesley Pearse, às mudanças na mentalidade e forma de viver, não só das mulheres, mas da sociedade em geral, do surgimento dos mass media e a importância da rádio, da televisão e do cinema, aos direitos reivindicados pelas mulheres, e liberdades e independência dos homens, que começaram a adquirir, desde as novas modas e modernices que que não estavam habituados, aos ataques para que as mulheres regressassem ao lar, sentido-se os homens ameaçados por uma eventual inversão dos papéis e masculização das mulheres, os anos 20 foram mesmo loucos!

 

Mas, como nem tudo são rosas, a outra parte da matéria era sobre a Rússia e as lutas do operariado.

À excepção do Domingo Sangrento, achei a matéria aborrecida e complicada de compreender.

Curiosamente, nos testes das Escola Virtual, foi onde a minha filha conseguiu safar-se melhor.

 

Por vezes, estou a olhar para a matéria que vem no manual, e sinto que falta, entre os vários temas, uma espécie de elo de ligação. É que parece que num momento estão a falar de uma coisa e, no segundo seguinte, passa-se para outra que nada tem a ver, sem haver uma conexão, um fio condutor.

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP