Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Ready or Not - O Ritual

Resultado de imagem para ready or not

 

O filme tinha uma boa premissa:

Uma família louca, com uma estranha tradição de integrar os novos membros da família através de uma sessão de jogos de tabuleiro, e com uma crença vincada de que, se não cumprirem o ritual, morrerão.

 

Grace é a noiva, que de um modo subtil é aconselhada a não levar avante o casamento. No entanto, achando que é uma daquelas coisas que todos dizem aos noivos no dia do casamento, ignora, e casa-se com o herdeiro milionário da família.

Como manda a tradição, Grace é obrigada a participar, saindo-lhe a pior de todas as cartas. Agora, ela terá que jogar às escondidas, contra toda a família.

 

Os Le Domas têm até ao nascer do dia seguinte, para a matar, evitando a maldição que poderá cair sobre eles.

Grace, por sua vez, terá até ao nascer do dia para escapar com vida a todos os membros da família, ou morrerá.

 

 

A expectativa:

Ao longo do filme, assistimos a dois irmãos com atitudes distintas.

Alex, o noivo, que agora tenta ajudar a amada a escapar à tradição da família, afastou-se dessa mesma família porque não queria fazer parte destes jogos doentios e mortais, embora compreenda porque o fazem.

Já Daniel, cumpre a sua missão, embora não concordando e, sempre que possível, deixando para os outros os actos que ele não tem por que cometer, enquanto houver quem o faça por ele. 

São várias as vezes em que achamos que Daniel vai ceder, e ajudar a cunhada Grace. Será que ele vai mesmo fazê-lo, ou os laços de sangue, e a vontade de salvar a sua própria pele falará mais alto?

E Alex, conseguirá ele resistir à sua verdadeira natureza, ao legado que a família lhe está a transmitir?

 

 

A surpresa:

Grace dá luta do início ao fim, mas é apenas uma, contra todos.

Ainda assim, o filme reserva-nos duas surpresas, uma positiva e outra negativa. 

É a prova de que nem tudo o que parece, é.

 

 

A desilusão:

Quando se chega ao fim, o final é tão absurdo que acaba por ridicularizar e descredibilizar todo o filme.

E ficamos a pensar: "uau, que treta de filme"! 

Se era para acontecer o que aconteceu, mais valia fazê-lo com garra, com realidade, com luta, não com uma fantasia ultrapassada.

Tall Girl - o filme

Resultado de imagem para tall girl

 

A maioria de nós temos tem algo de que não gosta em si mesmo.

Por vezes, são características insignificantes, que os outros quase não dão por elas.

Outras, são mais difíceis de ignorar, porque estão à vista, e não há como escondê-las ou disfarçá-las, como o ser alto, baixo, gordo, magro…

E são essas as que mais dores de cabeça dão, a quem as tem, não só pelos seus próprios complexos em relação à sua condição, como também pelos comentários depreciativos e bullying que vão sofrendo por parte de terceiros.

 

 

Tall Girl conta a história de uma rapariga alta. Não uma adolescente alta, mas demasiado alta para os padrões a que a sociedade está habituada. Ou para os mais baixos que com ela convivem!

 

Apenas dois dos seus amigos a tratam como igual, e a vêem pelo que ela realmente é. Tal como a sua irmã mais velha.

Os próprios pais (mais o pai, do que a mãe), mostram tanta preocupação pela condição da filha que, com a vontade e desejo de querer o melhor para ela e fazê-la sentir-se melhor, e fazê-los sentir-se melhor também, acabam por piorar ainda mais a situação, salientando a diferença, em vez de minimizá-la.

 

E se, a uma adolescente que já tem a autoestima em baixo, juntarmos pais super protectores, colegas de escola que fazem questão de mandar bocas, fazer piadas, e rebaixá-la, e um jovem sueco, por quem ela está apaixonada, mas que se quer tornar o ídolo da escola e namorar com a sua rival, temos o quadro perfeito para Jodi se esconder ainda mais dentro da sua concha, fazer coisas que não deve, e pôr em risco a amizade com aqueles que lhe querem bem.

Por vezes, é nos pequenos detalhes, nos quais não estamos focados, que conseguimos perceber quem realmente gosta de nós, ou quem nem sequer nos conhece de verdade.

 

 

Só Jodi poderá decidir se quer continuar a fugir, ou a aceitar e enfrentar a realidade, com segurança, confiança e liberdade para ser quem é, sem se preocupar com os preconceitos dos outros.

Até porque nunca sabemos se, do outro lado, apesar de tudo indicar o contrário, não estarão igualmente pessoas insatisfeitas consigo próprias.

Será que vai conseguir?

 

 

Por outro lado, os outros só irão olhar para nós com outros olhos quando, também nós, olharmos para nós mesmos com outro olhar.

Das ideias geniais e dos pequenos feitos possíveis

Resultado de imagem para ideias

 

Todos nós, por vezes, sonhamos com determinadas coisas que gostaríamos de concretizar. 

São grandes ideias que nos surgem, que nos fazem imaginar como tudo seria se as colocássemos em prática, que nos deixam temporariamente eufóricos e felizes por termos pensado nelas e podermos, eventualmente, realizá-las.

 

 

Mas, não basta ter uma ideia genial. Mas do que tê-la, é preciso perceber se a podemos levar adiante e é aí que nos devemos colocar algumas questões como:

 

- Há vontade?

- Há disponibilidade?

- Existem meios?

- Há verbas?

- É possível?

 

 

Muitas vezes, quem ouve estas grandes ideias fica igualmente entusiasmado. No entanto, o tempo vem depois demonstrar que nada daquilo que se imaginou, foi levado avante, colocado em prática, realizado...

Foram apenas ideias de génio que ficaram por aí mesmo.

 

 

Por outro lado, há aqueles que não não têm ideias destas, deslumbrantes, magníficas.

Mas levam a cabo aquilo que é possível, e que, ainda que não com tão bons resultados como os que as outras ideias prometiam, se mostram eficazes, seguras, duradouras.

À Conversa com Pedro Inocêncio

Pedro Inocêncio.jpg

 

Pedro Inocêncio é um autor português que adora escrever, e que tem  vindo a conquistar cada vez mais apreciadores da sua escrita vibrante e espontânea. 

Para além dos romances "Tudo Acontece Por Uma Razão" ,  "A Herança Nazi " e a sua mais recente obra "A Princesa do Índico", Pedro Inocêncio conta ainda com uma significativa coletânea de poemas, letras para canções e textos editados. 

 

Para ficarem a conhecer melhor o autor, aqui fica a entrevista a Pedro Inocêncio, a quem desde já agradeço pela disponibilidade em particpar nesta rubrica:

 

 

 

k15771734.jpg

 

Quem é o Pedro Inocêncio?

Um sonhador! Alguém que adora escrever, estar com quem ama, viajar, correr, jogar ténis… Viver o momento por que cada momento é único e irrepetível.

 

 

Como surgiu a sua paixão pela escrita?

Foi um acidente… Sou um leitor compulsivo há vários anos.

A certa altura li uma notícia de uma senhora que perdera tudo e isso tinha sido a maior bênção da sua vida. Comecei a escrever o Tudo Acontece Por Uma Razão.

 

 

Em que momento sentiu que tinha que partilhar com o público a sua escrita?

A partir do momento que as pessoas que estavam à minha volta me disseram que aquilo que escrevia estava realmente bom.

Sem esse incentivo não sei se teria a coragem de editar, uma vez que os meus livros transparecem muito daquilo que é o meu sentir.

 

 

 

 

 

"Tudo Acontece Por Uma Razão" é o seu romance de estreia, lançado no final de 2015. Poder-se-á dizer que este é, de certa forma, um dos seus lemas de vida?

Gosto muito dessa frase, desse lema… E quero muito acreditar que nada acontece por acaso.

Embora as notícias deste mundo cinzento em que habitamos me retirem muito da minha fé, continuo a acreditar na face romântica da humanidade.

 

 

 

 

 

Depois de "A Herança Nazi", um romance histórico, o Pedro lança agora o seu terceiro romance "A Princesa do Índico". Já pensou em experimentar outro estilo literário, ou é no romance que irá continuar a apostar?

Gosto muito do meu estilo de escrita uma vez que se enquadra no género literário que consumo enquanto leitor. Livros com acção, dinâmica, suspense, romantismo, situações dramáticas… Uma mistura da ficção com a realidade.

 

 

Em que é que se inspira, quando escreve?

Na vida, em todos os vectores que conheço dela.

 

 

Nas suas obras, para além do romance, aborda questões sociais e humanitárias. Considera que os livros são, também eles, uma forma de alertar e consciencializar as pessoas para o que se passa no mundo?

Poderia ser se os meus leitores me derem esse crédito! Sou um humanista e alguém que lhe custa aceitar as injustiças atrozes e os crimes que são perpetuados, dia após dia, neste planeta que alguém apelidou de Planeta Terra…

 

 

Outro dos elementos presentes nas suas obras é o suspense?

Sim, sem dúvida! Gosto de manter os meus leitores sempre na expectativa, sempre em sobressalto, sem saber o que vem a seguir.

 

 

Logo no início da obra, deparamo-nos com este pensamento: "Somos o resultado das nossas circunstâncias. O acaso decide mais sobre o nosso destino, do que o mérito ou esforço pessoal.". Este pensamento traduz a sua opinião pessoal?

Tenho a convicção que podemos fazer muito por nós próprios. Mas também entendo que somos condicionados por uma série de factores aos quais somos totalmente alheios…

 

 

A determinado momento, a personagem António Tomás da Costa afirma que "Portugal está farto de afetos!", numa crítica ao actual Presidente da República. Na sua opinião, os portugueses estão, passados mais de três anos do início do seu mandato, fartos de afectos, ou continuam a preferir um presidente que prima pela diferença, como Marcelo Rebelo de Sousa?

Essa passagem insere-se no perfil e na conduta implacável do magnata António Tomás da Costa. Que é uma das personagens chave do romance. Na vida real a política passa-me ao lado… Não acredito na generalidade dos políticos.

 

 

São várias as obras em que os autores fazem referência a atentados terroristas no nosso país apesar de, na realidade, ter escapado até agora. Considera que Portugal poderá vir a ser um próximo alvo de atentados por parte do Estado Islâmico?

Espero que não! Podemos ter muitos defeitos, mas somos um povo relativamente pacífico.

 

 

 

 

 

Em "A Princesa do Índico", o Pedro aborda a mão-de-obra escrava existente na fábrica da Su-Cola, nas Maldivas, e os maus tratos a que os trabalhadores são sujeitos, bem como as condições precárias em que trabalham e vivem, algo que sabemos que é uma realidade nos dias que correm. Na sua opinião, de que forma, enquanto seres humanos, podemos ajudar a combater estas escravidões laborais?

Se olharmos para a história da humanidade a escravidão esteve sempre presente…

Somos uma espécie terrível. O poder transforma o ser humano.

Talvez a forma mais eficaz de combater as atrocidades que existem por este mundo seja a formação humanitária e cívica que se dá aos jovens e crianças.

Para criar um novo Homem é necessário uma nova educação. Porque como dizia Einstein só um louco julga que consegue mudar algo fazendo tudo da mesma forma.

 

 

Que feedback tem recebido por parte dos leitores, relativamente a esta última obra editada?

Tenho tido sempre críticas fantásticas. Às vezes até fico na dúvida se estão mesmo a falar dos meus livros… Com A Princesa do Índico tem sido igual, apesar do livro ainda ter pouco tempo no mercado.

 

 

Já tem em mente projectos futuros ou está, neste momento, apenas focado na divulgação de “A Princesa do Índico”?

Ando sempre a escrever outras coisas.

 

 

De que forma é que os leitores poderão acompanhar o Pedro Inocêncio?

No Facebook na minha página de autor, aescritadopedroinocencio. No Instagram na minha página pinocencio. Podem enviar um e-mail: pedronapoleaoinocencio@gmail.com

 

 

Muito obrigada, Pedro!

 

 

Muito obrigado Marta! Um beijinho grande,

Pedro Inocêncio

 

 

Nota: Esta conversa teve o apoio da Chiado Books, que estabeleceu a ponte entre este cantinho e o autor.