Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Somos como os passageiros do Titanic, num navio prestes a afundar

bandadeltitanic.jpg

 

Ontem, ao pensar na situação que estamos a viver, veio-me à cabeça a imagem da orquestra do Titanic, a tocar até ao último momento, mesmo quando sabia que nada mais havia a fazer.

E, se pensarmos bem, é quase como se todos nós fossemos passageiros desse navio inafundável, que é o Mundo.

Tal como aconteceu com o Titanic, que não estava à espera de chocar com um iceberg, também o Mundo não estava preparado para este vírus que nos atacou de surpresa.

Da mesma forma que o Titanic não tinha botes salva vidas para todos os passageiros que levava a bordo, também não existem, no Mundo, meios suficientes para salvar, a tempo, todos os infectados, vítimas do Covid-19.

Sabemos que, tal como muitos morreram à espera de ajuda, que os tirasse daquele oceano gelado, também agora haverá vítimas mortais, inevitáveis.

Se atingirmos uma fase mais grave, não estaremos preparados, nem munidos de equipamentos suficientes para todos.

Mas, tal como o capitão, que não abandonou o barco, tal como a banda, que continuou a animar as pessoas, tal como todos aqueles que tentaram até ao fim escapar com vida, há que continuar, não desistir, enfrentar o inimigo como pudermos.

Com a ajuda daqueles que, dia após dia, se arriscam mais, para o bem de todos.

A maior parte de nós, sobreviverá e, à semelhança da Rose, um dia, estaremos cá para contar a história da nossa resistência e sobrevivência a esta pandemia, da mesma forma que ela contou, a daquele naufrágio, que não era suposto ter acontecido, mas se tornou real.

E vamos, por certo, lembrar aqueles que partiram, para que nós cá continuássemos.

 

  • Blogs Portugal

  • BP