Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Somos como os passageiros do Titanic, num navio prestes a afundar

bandadeltitanic.jpg

 

Ontem, ao pensar na situação que estamos a viver, veio-me à cabeça a imagem da orquestra do Titanic, a tocar até ao último momento, mesmo quando sabia que nada mais havia a fazer.

E, se pensarmos bem, é quase como se todos nós fossemos passageiros desse navio inafundável, que é o Mundo.

Tal como aconteceu com o Titanic, que não estava à espera de chocar com um iceberg, também o Mundo não estava preparado para este vírus que nos atacou de surpresa.

Da mesma forma que o Titanic não tinha botes salva vidas para todos os passageiros que levava a bordo, também não existem, no Mundo, meios suficientes para salvar, a tempo, todos os infectados, vítimas do Covid-19.

Sabemos que, tal como muitos morreram à espera de ajuda, que os tirasse daquele oceano gelado, também agora haverá vítimas mortais, inevitáveis.

Se atingirmos uma fase mais grave, não estaremos preparados, nem munidos de equipamentos suficientes para todos.

Mas, tal como o capitão, que não abandonou o barco, tal como a banda, que continuou a animar as pessoas, tal como todos aqueles que tentaram até ao fim escapar com vida, há que continuar, não desistir, enfrentar o inimigo como pudermos.

Com a ajuda daqueles que, dia após dia, se arriscam mais, para o bem de todos.

A maior parte de nós, sobreviverá e, à semelhança da Rose, um dia, estaremos cá para contar a história da nossa resistência e sobrevivência a esta pandemia, da mesma forma que ela contou, a daquele naufrágio, que não era suposto ter acontecido, mas se tornou real.

E vamos, por certo, lembrar aqueles que partiram, para que nós cá continuássemos.

 

Séries que nos chegam "aos bocados"

Resultado de imagem para the good doctor

 

Existem as séries "normais", aquelas a que sempre nos habituámos, em que temos um episódio novo a cada semana, para ir acompanhando e que, muitas vezes, nos mantêm na expectativa, até ao episódio seguinte.

Depois, com as plataformas de streaming, chegaram até nós as séries completas, que nos permitem ver todos os episódios quando quisermos, sem estar à espera que venha o seguinte.

Existem, ainda, as que se dividem em duas partes, passando metade dos episódios, fazendo uma pausa (que pode chegar a um mês ou mais) e voltando para a segunda parte.

E, agora, temos também as séries que nos chegam "aos bocados". Em que tanto passam um episódio por semana, como param durante semanas, como voltam de 15 em 15 dias, sem qualquer critério, sem qualquer explicação, que não seja, para mim, a de que vão passando, consoante vão gravando os episódios. E uns demoram mais a gravar que outros. Ou então, ainda estão a pensar que rumo dar à história, e se a terminam já, ou a prolongam.

Mas, para quem vê estas séries, às tantas, fica perdido, sem saber se acabou assim, ou se, e quando, vai continuar.

 

O lado positivo do pós isolamento social e quarentena

smiley-1981935_960_720.png

 

- os ginásios terão imensos clientes que, à falta de algo mais para fazer, vão enfardar os quilos de comida que armazenaram nestas semanas

 

- os psicólogos, psiquiatras e conselheiros matrimoniais terão a agenda cheia, efeito de tantos dias de clausura nas pessoas

 

- há um sério risco de os divórcios aumentarem, o que gera sempre lucro

 

- ou de se redescobrir o valor e importância da família que, no dia a dia nem nos apercebemos, e vivermos o "felizes para sempre"

 

- também pode acontecer o tão esperado baby boom, para rejuvenescer a população em Portugal

 

- vai haver uma maior poupança porque os portugueses terão as despensas cheias e não precisarão de ir às compras nos próximos meses

Uma Aventura... No Hipermercado!

Nunca mais olharei para uma ida às compras da mesma forma

CARRINHO-SUPERMERCADO.jpg

 

Tendo em conta a hipótese de este poder ser o nosso último dia de "liberdade", achei melhor precaver-me e ir ao hipermercado comprar algumas coisas que já tinha na lista.

Sei que, mesmo em estado de emergência, podemos ir às compras mas, na prática, não faço ideia se haverá algumas limitações de tempo ou outras, por isso...

 

E digo-vos: foi uma aventura!

Nunca mais olharei para uma simples ida às compras da mesma forma.

 

No Lidl, consegui entrar logo, peguei no puré de batata, que era apenas o que ia buscar e fui para a caixa, onde tinha duas pessoas à frente.

Um senhor, armado em esperto, estava a tentar chegar-se à frente na fila, para o deixarem passar, porque só tinha uma garrafa, e não queria ir para a fila que já chegava quase ao fundo do corredor.

Não teve sorte. Acabou por ir embora sem a garrafa.

 

Com confiança, dirijo-me ao Intermarché, que é logo abaixo, onde queria comprar o resto que precisava.

Tirei a senha. Tinha cerca de 50 pessoas à minha frente.

A entrada parece um acampamento!

Algumas cadeiras espalhadas pelo parque, para as pessoas se sentarem enquanto esperam, pacientemente, a sua vez.

E, apesar de tudo, ainda não se perdeu o sentido de convivência. As pessoas vão conversando umas com as outras, para passar o tempo.

Outras, aproveitam a temperatura amena e o sol para trabalhar para o bronze!

Algumas vão de máscara e luvas. Outras, com lenços a tapar a cara até ao nariz - só lhes faltava o chapéu para parecerem cowboys. Outras, sem nada.

 

Esperei, para ver como andava a fila, e se daria tempo ou não. Até estavam a chamar relativamente rápido. Fiquei.

Vi a maior parte das pessoas a levarem carrinho mas, como não ia comprar muita coisa, achei que um dos cestos lá dentro chegava.

Quando chegou a minha vez, chamada pelo número, por um segurança, através de um microfone, entrei. A senha é colocada no caixote do lixo mais à frente.

Consegui colocar as coisas no cacifo, enquanto estava lá dentro. Não havia cestos!

 

Fui comprar, pelo sim, pelo não, papel higiénico. Ainda havia algumas embalagens. Trouxe uma. E outra de guardanapos, que tinham em maior quantidade.

O amaciador da roupa que costumo usar, estava esgotado. Peguei noutro para desenrascar.   

Reparei, quando fui buscar atum, que a polpa de tomate estava a acabar. 

Peguei numas cebolas.

Vi que havia bastantes ovos, mas ficará para o fim de semana. Agarrei num gel de banho e fui para a caixa, porque havia mais gente lá fora para entrar.

 

A zona da padaria (balcão) e pesagem da fruta já tem fitas para manter o distanciamento. Parece que andamos num labirinto. Na primeira caixa, o operador tinha uma protecção em acrílico. Nas restantes, não.

Não sei bem como funcionará em caso de fila, porque não apanhei. Só tinha duas pessoas à frente, mas temos que esperar que o operador chame, para nos dirigirmos à caixa.

Enquanto colocamos as compras no tapete, a operadora afasta-se. Comigo, foi um funcionário que pôs, e tive que dar a volta pelo lado de fora e ir lá ter, mantendo-me afastada, de acordo com as marcas no chão.

Colocamos o dinheiro ou cartão no balcão, enquanto a funcionária se afasta. Afastamo-nos, e ela trata do pagamento. E isto repete-se, até podermos pegar nos sacos, e ir embora. 

 

Isto foi num dia de semana, em hora de almoço. Agora imaginem no fim de semana!

 

A propósito dos excessos de compras: Isto de as pessoas andarem a açabarcar à parva, só levou a que os produtos escasseassem. Dizem os entendidos que não faltarão bens, porque serão diariamente repostos. Não é isso que se vê, na prática. Na verdade, à medida que os dias vão passando, mais produtos vão faltando. E quanto mais nos apercebemos que estão a escassear, sem voltar a ser repostos, mais temos tendência a comprar, antes que esgote de vez.