Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

A Busca - História de Um Crime, na Netflix

Sem Título.jpg

 

Numa manhã, como qualquer outra, a ama entra no quarto para acordar Paulette.

Mas ela não está na cama. Nem no quarto. Nem em casa. Nem fora dela.

Paulette desapareceu sem deixar rasto.

 

Os pais são pessoas influentes, e vivem num condomínio de luxo. O segurança desse condomínio diz que Paulette não saiu do mesmo. Que era impossível.

 

A mãe, desde o início, não se mostra como uma mãe triste e desesperada, mas antes indiferente ou, até, normal.

O pai, espera que as autoridades descubram a sua filha, mas mantendo-se afastado do mediatismo.

Já Amanda, a melhor amiga da mãe de Paulette, parece a mais transtornada, e disposta a fazer tudo para encontrar a menina, incluindo chamar a imprensa e divulgar o desaparecimento nas redes sociais.

 

O corpo de Paulette foi encontrado, 8 dias depois do desaparecimento, no seu quarto, num espaço entre o colchão e o estrado da cama, e o caso foi, convenientemente, tratado como acidente.

 

Este caso ocorreu em 2010, no México e, na altura, foi comparado ao desaparecimento de Maddie.

Até hoje, ninguém sabe o que realmente aconteceu a Paulette.

 

Quem acompanhou de perto, acha pouco provável que o corpo tenha estado ali durante 8 dias, com pessoas a dormirem naquela cama, e entrevistas a serem feitas no quarto, sem que notassem nada, nem qualquer cheiro. Sem que os cães tão pouco tenham detectado o corpo. E sem que este ficasse exposto, logo no primeiro dia, quando tiraram um lençol da cama para dar a cheirar aos cães, ou quando as amas fizeram a cama nos dias seguintes.

O que é certo, é que houve incongruências nos vários relatos das pessoas daquela casa e, perante a proximidade da verdade, foi necessário encontrar uma história que convencesse, e em que ficassem todos bem na fotografia.

 

O que ficou explícito, pelo menos na série, é que o dinheiro, o poder e os interesses podem transformar todo um cenário, e corromper as pessoas. Desde o subprocurador, a Amanda, todos procuraram dar prioridade aos seus interesses pessoais, ainda que isso prejudicasse a investigação, e a opinião pública sobre os pais, neste caso, sobre a mãe da menina.

E que quem de direito, ainda que não seja um exemplo de profisionalismo, é facilmente derrotado num jogo em que, á partida, não tinha qualquer hipótese de vencer.

A corrupção no seu melhor!

 

 

 

Reflexão do dia

sininho.jpg

 

Na vida, há quem deseje tudo, e quem não deseje nada.

Há quem tenha ambição desmedida, e quem não tenha ambição nenhuma.

Há quem percorra mil caminhos diferentes, e quem não consiga decidir um único a seguir.

Há quem siga opções erradas. E quem siga boas opções.

Há quem escolha muito, sem sucesso. E quem escolha pouco, com mais sorte.

Há quem decida mal. E há quem decida bem. 

Há os que simplesmente, decidem. E os que permanecem eternamente na indecisão.

Há quem fique à espera que o mundo gire. E quem se antecipe, e o faça girar.

 

13 Reasons Why - quarta e última temporada

13-Reasons-Why-Netflix.jpg

 

A quarta temporada de 13 Reasons Why estreou no dia 5 de junho.
Posso dizer que, em 10 episódios, só o último, e mais longo de todos, vale a pena ver!
No final da temporada anterior comentava eu "Fala-se de uma quarta temporada. Não sei se valerá a pena, ou se não irão acabar por destruir a série."
Foi o que aconteceu...

 

De um suicídio controverso, à descoberta de abusos sexuais no meio escolar, chegámos ao mistério da morte de um dos "maus da fita" e, agora, na quarta e última temporada, em que mais alguém morre, fico na dúvida se era suposto ser uma série de terror (não conseguida), ou qualquer outro género que não percebi ainda bem qual será.

 

Dizem que esta temporada foca-se nos problemas de saude mental, nomeadamente, através da personagem Clay.

Guardar segredos é um peso que, a determinada altura, pode revelar-se difícil de carregar. Bem como a culpa e o remorso. E isso é visível um pouco em todos eles. Desde alucinações, pesadelos, ou atitudes impensáveis, esse peso parece estar a tomar conta deles, uns mais do que outros, e a roubar-lhes a sanidade mental.

Clay tem um problema (ou vários), mas este parece-me o maior. Ele meteu na cabeça que veio a este mundo para ajudar toda a gente, e é isso que tenta fazer o tempo todo. Mas ainda não percebeu que, neste momento, é ele que precisa de ajuda. E que não conseguirá ajudar mais ninguém, por muito que tente, se não se ajudar a si próprio primeiro.

Por outro lado, os seus amigos estão tão habituados a vê-lo como o "salvador", que exigem o tempo todo que se controle, que não se passe, que não faça ou diga nada de que se venha a arrepender. Mas não percebem que, agora, é Clay que precisa deles. 

Nesta temporada, Clay torna-se irritante, parvo, detestável, egoísta, invejoso, idiota. No fundo, pode até ser involuntário, ou resultado do seu problema mental, mas não vamos gostar dele. Dá vontade de dar-lhe uns pares de estalos, para ver se acorda para a vida, e deixa de agir como um imbecil.

 

Para mim, uma das melhores personagens de toda a série é o Justin.

Acabado de sair da clínica de reabilitação, Justin está diferente. Para melhor.

Mais calmo, controlado. Com vontade de recuperar a sua vida, e dar o seu melhor.

Mas as pessoas parecem preferir os "coitadinhos", os "casos perdidos", aos "corajosos", "valentes" e "bem sucedidos". 

O novo Justin, responsável e ponderado, não agrada a Clay, nem a Jessica. Porque este é um Justin que, no momento, está melhor que eles, sem o peso que eles carregam e, por isso, sem tanto a temer como eles. E isso fá-los parecer, a eles próprios, desorientados, paranóicos e inconsequentes, algo que não deveriam ser. Fá-los parecer piores do que aqueles a que sempre se habituaram a ver pior que eles.

Justin terá sido, de todas as personagens, a que mais passou e sofreu, e a que mais evoluiu até agora. E é por isso que nos vai custar vê-lo ser criticado pelo que faz bem, vê-lo sentir-se indesejado, vê-lo ser constantemente associado ao antigo Justin, o drogado, viciado, que não tem salvação, aquele de que apenas sentem pena. 

Vai ser difícil para ele ouvir tudo isto e permanecer limpo. Ver a mulher que ama com outro. E mais ainda quando souber que a mãe faleceu de overdose. Porque, ao contrário dele, não teve ninguém que lhe desse uma oportunidade, como ele teve.

 

De resto, vai ser uma temporada em que todos estão a ficar fartos de guardar segredos, de ter medo, de não viverem uma vida normal mas, ainda assim, sabem que têm que permanecer calados, e acabam por desconfiar uns dos outros, quando a verdade parece estar prestes a ser revelada.

Quem acabará por falar? Quem acabará por trair os amigos?

 

Enquanto isso, o liceu está a terminar e começam as candidaturas para a universidade que, de certa forma, podem significar um recomeço para todos eles.

Ou, pelo menos, àqueles que sobreviverem para lá chegar.

 

 

 

 

 

 

 

Antes uma verdade sincera, que mil desculpas esfarrapadas

Vendas - As desculpas mais esfarrapadas que existem! | Blog ...

 

Por vezes, tenho a sensação que as pessoas têm medo de ser sinceras, mesmo quando está à vista de toda a gente, que estão, descaradamente, a enganar os outros.

Quando os seus gestos desmentem as suas palavras.

Até mesmo quando lhes abrimos, de certa forma, o caminho para a verdade, insistem em vir com desculpas que não convencem ninguém.

Mas acham que nós acreditamos nessas desculpas. E nós, fingimos que acreditamos, até ao dia em que não conseguirmos mais fingir.

Pessoalmente, prefiro uma verdade sincera, que mil desculpas esfarrapadas, que apenas atiram areia para os olhos, mas não nos impedem de ver a realidade.

 

E a realidade é que, quando partimos todos do mesmo nível, ou parecido, parece fazer sentido unir esforços para uma finalidade conjunta, um objectivo comum.

Mas, quando uma das partes começa a crescer, a mudar, a expandir, a tornar-se demasiado importante e famosa, talvez comece a pensar que, aquilo que outrora era um complemento, é agora algo que não se enquadra, que se torna pouco relevante ou, até, desnecessário.

Está no seu direito. Não existe nenhum contrato, nem nenhuma "obrigação".

Mas não custava nada dizê-lo à outra parte.

 

É totalmente estúpido continuar a levar as coisas adiante, a pedir colaboração, muitas vezes em cima da hora e com pouco tempo para, depois, arquivar sem dar uso, ou deitar ao lixo.

Não faz sentido. É perda de tempo, e esforço, para ambas as partes.

Que poderiam ser encaminhados noutras direcções, com maior proveito e utilidade.

Pedro Lima...

...e o que está para lá do que se vê

627803.jpg

 

Sábado à tarde, vou a casa da minha mãe e ela diz-me "Olha, morreu mais um actor. O Pedro Lima."

Fiquei atónita. Parece que, de repente, os actores se lembraram de partir novos. Ainda há pouco tempo tinha sido o Filipe Duarte.

Fui para casa a pensar nisso e, mal cheguei, fui pesquisar mais, momento em que percebi que não tinha sido por doença, ou acidente. Pedro Lima tinha-se suicidado.

Ao que parece, a mulher já estaria a desconfiar que algo de grave se poderia passar o que, a juntar às mensagens que terá enviado nessa madrugada a alguns amigos, terá levado à rápida (mas não a ponto de impedir o pior) descoberta do corpo do actor, confirmando-se a morte.

 

É-nos difícil compreender como uma pessoa como o Pedro Lima que, aparentemente, tinha "tudo" - trabalho, dinheiro, uma família bonita, amigos verdadeiros, sucesso e por aí fora - se tenha suicidado.

Que motivos teria?

Não havia nada, à nossa vista, que nos pudesse levar a pensar que ele não estivesse bem. Não havia escândalos, falta de trabalho, problemas financeiros ou familiares, nada.

O que o levaria a tal acto de desespero, quando há tanta gente em pior situação, que não o faz.

Mas os problemas, fossem eles quais fossem, estavam lá. Ainda que não se vissem a olho nu.

 

 

ator_pedro_lima_foto_dr51270f93_base.jpg

 

Diz-se que Pedro Lima sofria de depressão. Como assim?

Se estava sempre animado, bem disposto, de bom humor, de sorriso aberto?

Estas pessoas são, por norma, as que representam mais risco. Porque escondem aquilo que sentem. Porque guardam para si. Porque não querem incomodar os outros, levá-los para os problemas que têm. Porque sofrem em silêncio, e em solidão.

Já não seria a primeira vez que lidava com a depressão quando, para todos nós, era parecia sempre um homem feliz e realizado.

E, agora, lá estava ela outra vez. Ainda que Pedro Lima desse a mão a todos, pareceu recusar-se a pedir a quem quer que fosse, que lhe desse a mão. Provavelmente, não queria incomodar. Provavelmente, achava que era algo que só a ele dizia respeito, e só ele poderia resolver.

Mas a depressão estava lá, enraizada, profunda, a dominá-lo, a puxá-lo como um polvo embora, para quem o visse, parecesse um homem liberto.

 

Diz-se que Pedro Lima tinha problemas de autoestima. 

E nós pensamos: "Problemas de autoestima? O Pedro Lima?"

Parece impossível.

Mas esta morte que tanto nos chocou, só vem provar que, por vezes, o "tudo" que achamos que as pessoas têm, não é nada do que elas precisam.

Que, por mais que os outros nos elogiem ou nos atribuam qualidades, se nós mesmos não as virmos, é como se não existissem.

Choca-nos, mas só ele saberia o que sentia, e como queria livrar-se desse sentimento. Daquilo que o ensombrava. Que o aprisionava.

 

Talvez pudesse ser ajudado. Talvez não...

Por Pedro Lima, resta desejar que tenha encontrado a paz que lhe faltava, e que esteja melhor do que neste mundo, de onde partiu.

Mas, por tantas outras pessoas, é bom que percebamos que nem tudo é o que parece. Que um sorriso pode esconder uma tristeza profunda. Que a boa disposição pode ser a camuflagem para a dor insuportável.

É uma chamada de atenção, para aquilo que, muitas veses, está para além do que se vê, ou do que nos é dado a ver.