Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Desafio Rainy Day

portate-mal: Vai chuva, leva a tua música

 

A Ana lançou mais este desafio para 100 palavras, desta vez sobre um dia de chuva.

 

Um dia de chuva pode trazer consigo tantos sentimentos diferentes.

Quem anda à chuva, molha-se. E quem nunca apanhou chuva até ficar ensopado?

Não é uma sensação agradável. E esqueçam a versão romantizada da cena!

Há a chuva “molha tolos”, que parece que não molha ninguém, mas não passa de uma ilusão.

E a chuva civil, que dizem que não molha militares, mas digam-lhes isso depois de andarem debaixo dela.

É verdade que chuva não quebra osso, mas também nem sempre traz saúde.

Uns dias proporciona-nos alegria. Gostamos dela. Sabe-nos bem.

Outros, aborrece. Chateia.

E queremo-la bem longe de nós!

 

Chegou Setembro

Setembro – O mês do regresso! – MaisOpinião

 

Chegou, num ápice, um daqueles meses que mais divide as pessoas: as que o adoram, e as que o detestam.

Chegou Setembro.

E, com ele, uma infinidade de dúvidas. De incertezas. De "ses".

 

Com a chegada de Setembro, chega também o outono.

O regresso ao trabalho da maioria de nós.

O regresso às aulas para os estudantes.

 

E tudo isso em cenário de pandemia, que está longe de nos deixar, e ameaça até voltar a trocar-nos as voltas.

Num país que não me parece disposto a recuar, face a um possível aumento de casos, parece-me que a solução será aprender a conviver com esse aumento, tentar fintar o vírus para que não nos bata à porta e esperar que a situação não descambe.

 

Há quem veja este mês como um recomeço.

Não me parece que vá ser um bom recomeço. Nem prevejo que as coisas se tornem mais fáceis daqui em diante.

Se, noutros anos, setembro já não me agradava, este ano, ainda menos me inspira.