Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Reler "Os Maias", e encontrar semelhanças com a sociedade actual

Os Maias - Livro - WOOK

 

Tenho andado a reler "Os Maias", mas é como se estivesse a ler a primeira vez. Já não me lembrava de nada.

E é curioso ver como, apesar de tantos anos passados, a sociedade actual não é assim tão diferente daquela que é retratada no romance de Eça de Queirós.

Ainda assim, para quem critica as gerações de agora, as do século XIX não eram muito melhores e, nesse aspecto, conseguimos descobrir diferenças, para melhor.

 

Um dos aspectos que me saltou logo à vista (não sei se foi só na edição que li), é o uso constante de estrangeirismos, como "bric-à-brac", "dog-cart", "fumoir", "soirées", "robe de chambre", "shake-hands", "abat-jour", "chic", "grog", "highlife", "chut", "break" e tantos outros.

Confesso que tive que ir procurar o significado de algumas dessas palavras usadas, porque não fazia a mínima ideia do que eram. 

E ainda dizem que, hoje em dia, com a adopção de tantos estrangeirismos, já quase não sabemos falar português!

 

Na segunda metade do século XIX, época em que se passa a história, nem a nobreza, nem a burguesia, tinham muito interesse em fazer algo que fosse pelo país. Falavam, descontentes, do que havia de ser mudado, de revoluções, mas a única revolução que se atreviam a fazer era gastar dinheiro em futilidades, para depois ostentá-las, para reforçar o seu estatuto, quer fosse a remodelar uma divisão da casa, ou a comprar uma vestimenta nova. A maioria, deixava-se levar pela corrupção, pela mesquinhez. Davam pouco valor à cultura.

 

A juventude representava a esperança, a mudança, o futuro.

Mas o meio envolvente foi mais forte que todos os planos, projectos, intenções.

Carlos da Maia formou-se em medicina. Montou um consultório e um laboratório. Queria escrever artigos para revistas, e um livro sobre medicina. Consultou meia dúzia de pessoas, até se deixar levar pela ociosidade.

João da Ega formou-se em direito, mas nem sei se chegou alguma vez a exercer.

O passatempo preferido destas pessoas era andar atrás de mulheres, comer e beber, passear, divertir-se em noitadas, jogos de cartas, enfim... Houvesse dinheiro, e tudo o resto se esquecia. Era uma vida caracterizada pela boémia.

Nesse aspecto, sinto a juventude de hoje mais lutadora, mais empenhada nas suas causas, mais ansiosa de vencer na vida. Ou talvez seja porque a maioria já não tem tudo dado de bandeja, e tem que conquistar o seu dinheiro, o seu prestígio, o seu nome.

 

E as mulheres?

Já nessa altura elas traíam os maridos!

Muitas delas tinham amantes, normalmente, mais jovens, das mesmas classes sociais, e muitas vezes amigos dos maridos.

Provavelmente, naquele tempo, as traições deviam-se ao facto de precisarem de aventura nas suas vidas, dado o papel reduzido que tinham enquanto mulheres e esposas, cuidadoras do lar, dos filhos e dos maridos, e por falta de amor aos maridos, arranjados em casamentos por conveniência ou impostos, com homens com idade para serem seus pais.

Mas, se antes tudo era feito de forma clandestina, para que não viesse a público, e manchassem a sua honra, hoje é feito às claras, sem quaisquer consequências e, por isso, mais falado.

 

Falar d'"Os Maias" é falar do romance entre Carlos da Maia e a sua irmã Maria Eduarda.

Um romance condenado, que afastou para sempre estes dois amantes. 

Curiosamente, foi um romance que não me convenceu. Achei mais bonita a relação de Carlos com a filha de Maria, do que com a própria.

Acredito que Maria Eduarda amasse, realmente, Carlos. Já ele, pareceu-me mais um capricho do momento, uma paixão que, com o tempo, tenderia a acabar, e levá-lo-ia a traí-la, com outras.

E se Maria parece ter refeito a sua vida, resignando-se ao possível, dadas as circunstâncias, fica a dúvida se Carlos voltará um homem diferente, disposto a, finalmente, dar algum sentido e utilidade à sua vida, ou se permanecerá perdido numa vida boémia, juntamente com o seu amigo João da Ega, e os seus pares.

Batalhas pouco justas no The Voice Portugal

123138038_4004479422899684_3957579400913382055_o.j

 

Terminou ontem a fase das provas cegas no The Voice Portugal, mas ainda houve tempo para estrear a fase das batalhas.

E com novidades que, a mim, não me agradaram muito.

 

Agora, em vez de serem os mentores a escolher quem querem colocar frente a frente, com a mesma música, os concorrentes são escolhidos à sorte, e esses escolhidos escolhem, por sua vez, com quem querem travar a batalha.

Embora faça mais sentido do que a, muitas vezes tendenciosa, escolha dos mentores, penso que deveriam ser ambos tirados à sorte.

Pelo que percebi, a música, será escolhida pelos concorrentes, e não pelo mentor.

O que leva à pior novidade das batalhas: cada concorrente canta uma música diferente, e à vez. O que não faz qualquer sentido, porque os mentores deveriam avaliar a prestação de cada um, no mesmo tema e registo.

Nos tira-teimas já iriam ter a oportunidade de fazer o que agora estão a fazer nas batalhas.

 

 

 

123400453_4004363749577918_6111562670985523876_o.j

 

Posto isto, veio a primeira batalha, entre dois concorrentes fortes da Aurea que, por acaso, nas provas cegas, cantaram o mesmo género musical e, por isso, fez sentido quando a Catarina, sorteada, escolheu o António para travar a batalha consigo.

No entanto, se o António se manteve fiel a esse registo, e com uma boa prestação, a Catarina optou por mostrar a sua diversidade, com outro estilo musical.

Cada um no seu registo, ambos estiveram bem e seria difícil escolher, mas pareceu-me óbvia a escolha da mentora.

 

O António mencionou que nunca sentiu discriminação ou preconceito pela sua idade.

Pois aqui, não retirando mérito à Catarina, pareceu-me uma atitude um pouco preconceituosa da mentora. É óbvio que querem dar oportunidade aos mais novos, de se lançarem na música, e a Catarina é jovem, ao contrário do António.

A Catarina mostrou um outro lado dela, que faz o género da Aurea e, por isso, aliando o gosto à diversidade da concorrente, foi meio caminho andado para a decisão. Talvez, se a Catarina tivesse optado pelo lírico, a escolha não fosse tão fácil.

Mas está mais que visto que o lírico nunca vingou neste tipo de programas e, como tal, dificilmente chega muito longe.

 

 

 

Imagens: The Voice Portugal

 

 

Pág. 5/5