Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

"Uma Família Quase Normal", de Mattias Edvardsson

Uma Família Quase Normal, Mattias Edvardsson - Livro - Bertrand

 

Quando uma tragédia, seja ela qual for, se abate sobre uma família, só existem dois caminhos possíveis: ou essa família se une e se fortalece, ou se desintegra de vez. 

 

Stella, a filha de Adam, um pastor de uma Igreja da Suécia, e de Ulrika, uma advogada, uma jovem que acabou de fazer 18 anos, é detida por suspeita de assassinato de um homem com mais de 30 anos.

Aparentemente, porque alguém diz que a viu, naquela noite.

No entanto, se, à partida, não haveria praticamente nada contra ela, e seria libertada na boa, afinal, parece que havia mais do que se pensava, e terá que continuar em prisão preventiva, impedida de contactar com quem quer que seja, excepto o seu advogado.

E o que pode um advogado de defesa fazer nestes casos?

 

Quando não existem provas suficientes para condenar alguém inequivocamente, mas também não existem provas suficientes que possam inocentar o suspeito de forma clara, a missão do advogado é criar a "dúvida razoável".

A dúvida que, entre uma condenação e uma absolvição, penda para a segunda hipótese. Porque, do lado oposto, sob pressão e ausência de outros suspeitos, o objectivo é que a dúvida seja suficiente para condenar.

 

Enquanto isso, temos um casal que tem muito por resolver, que foi ignorando ao longo do tempo. Um casal que se foi deixando levar, deixando estar, acomodando-se, e que agora se vê perante a suspeita de que a filha é uma assassina.

Acreditarão, realmente, na inocência dela?

Acusar-se-ão, um ao outro, de não terem sido, respectivamente, bom pai, ou boa mãe?

Conseguirão ultrapassar a situação juntos, ou estarão condenados a desfazer-se, enquanto família?

 

Até que ponto está uma mãe disposta a ir para proteger a sua filha?

O que estará um pai disposto a fazer, para inocentar a sua filha e livrá-la da prisão?

Mentir? Esconder provas? Acusar outra pessoa?

E como é que lidarão, nesse caso, com a luta contra os seus próprios valores e convicções? Com a fé, e a ética?

Vale tudo, pela família?

 

Stella nunca foi uma criança fácil. E tão pouco uma adolescente fácil.

Ao contrário da sua amiga Amina, a bem comportada, Stella sempre foi de se meter em problemas, de desafiar, de se testar, e testar os outros. Amina conforma-se, ainda que depois reclame. Stella reclama na hora, sem guardar nada para si. 

Mas bastará isso para se pensar que poderia ter cometido um crime? 

Por vezes, é uma mera ilusão.

Nem sempre a fama leva ao proveito, e as acções surgem das pessoas mais inesperadas. E Amina já provou que não é tão santa como aparenta.

O que quer que tenha acontecido, Stella não parece estar a colaborar para a sua absolvição. Pelo contrário, parece resignada, derrotista, conformista com a condenação que todos parecem já ter levado a cabo, ainda antes do julgamento.

 

Ao longo do livro vamos conhecer a história do ponto de vista do pai, do ponto de vista de Stella, e do ponto de vista da mãe.

Quem matou, afinal, Christopher Olsen?

Pode uma pessoa inocente ser condenada injustamente?

Pode o verdadeiro culpado sair impune?