Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O vírus também tira férias no Natal!

Antonio_Costa_Covid_Natal.jpg

 

É só o que me apraz dizer sobre as medidas adoptadas para esta quadra festiva.

Vejo tanta gente, e o próprio governo, com uma extrema preocupação com o Natal dos portugueses e das famílias, como se muitas dessas pessoas valorizassem, realmente, o verdadeiro sentido do Natal.

Parece que tem que haver Natal, dê por onde der, ou o mundo acaba. E, então, é ver apertar as medidas antes, para afrouxar nessa época, e voltar depois a apertar.

É quase como quem faz dieta o ano todo, para se estragar no Natal. E, a seguir, corre atrás do prejuízo, com um regime ainda mais intenso para perder os quilos extra, e acabar com o sentimento de culpa.

 

Aliás, o governo dá a ideia de que o vírus tem dias, horas, ou épocas específicas para atacar.

Ora vejamos. Dois feriados em Dezembro, em que o governo fecha as escolas à segunda-feira, e dá tolerância de ponto à função pública, para que possam aproveitar dois fins de semana prolongados. Que, pessoalmente, até deram jeito. Mas não deixaram de interferir com apresentações de trabalhos escolares e testes já marcados.

No entanto, antecipar as férias de Natal dos estudantes, numa semana em que, supostamente, já nem sequer há testes, isso não. Claro que não! 

 

Entretanto, se até aqui as reuniões familiares eram o principal foco de contágio, e deviam ser evitadas, agora no Natal já não há problema. Tudo pelo Natal!

Ainda que com algumas recomendações. Que, obviamente, não serão cumpridas.

Porque, se é para haver Natal, se tudo se fez para salvar o Natal, então há mais é que aproveitá-lo.

E Natal, para aqueles que gostam de o celebrar, é sinónimo de beijos, abraços e afectos. É sinónimo de horas à mesa, a degustar as iguarias e à conversa. É sinónimo de crianças a brincar, e ansiosas pelos presentes.

É sinónimo de aconchego, à lareira.

Nem sei porque é que permitem que os restaurantes abram à noite, sendo o Natal, por norma, uma celebração caseira.

Ah, mas na passagem de ano, esqueçam. Vai ter todas as restrições. Que, afinal, não parecem assim tantas quanto apregoavam.

 

Depois, em Janeiro, logo se vê.

Logo se vê se os portugueses se portaram bem. Se foram responsáveis. Se souberam aproveitar a "liberdade condicional" que lhes foi concedida, ou se voltam para a "prisão", de castigo, por mau comportamento.

Com sorte, pode ser que o vírus também tenha tirado férias de Natal, e dê uma folga ao pessoal, voltando em 2021 ao ataque!

 

Imagem: alvorada

 

Este frio...

Aviso amarelo por causa do frio

 

... este frio gelado,

que nos entorpece os pensamentos,

que nos empederna os movimentos,

que nos atrofia cada pedacinho do corpo,

que nos paralisa...

E, ainda assim, nos desperta à força, e nos faz acelerar, para lhe fugir...

 

...este frio gélido,

que nos torna tão pequeninos,

encolhidos num cantinho de onde não queremos sair,

mas sempre em alerta, sem poder baixar a guarda...

 

...este frio glacial,

que nos arrepia,

que nos suga o ar,

que nos bofeteia,

que nos contrai,

que nos congela por fora e por dentro...

 

...Um frio que pede calor.

Um calor que nos aconchegue,

que nos conforte.

 

Um calor que nos acolha nos seus braços,

que nos permita sair do casulo sem medo,

e voltar à forma original...

 

Da poeira que o vento levanta no ar...

kisspng-tornado-alley-tornado-5a6d43045fcf63.82882

 

Por vezes surge, de repente, uma rajada de vento que levanta a poeira no ar, e a faz andar ali, num remoinho, sem saber onde vai parar, nem quando vai voltar a assentar.

Esta semana, sinto-me a poeira nesse remoinho.

Estava tão bem no chão e, de repente, veio a rajada de vento não sei de onde, nem como, e arrastou-me com ela.

E, agora, estou aqui no meio do tumulto, ansiosa para que ela passe depressa, que os nervos se vão embora, e que a incerteza se esclareça.

À espera que a rajada se desfaça, e me volte a pousar no chão, em terreno seguro.

Para que tudo volte ao normal. 

 

Um Beijo à Meia Noite, na Netflix

AAAABUEiY-f61dBhdiA_v3qpfnshrSi3gBS1F06AdFih4WRdr0

 

Existem pessoas que estão, desde sempre, presentes na nossa vida e, por isso, achamos que essa presença se manterá para sempre inalterada.

São pessoas que damos como certas, independentemente das circunstâncias, com as quais podemos contar e, por isso, inconscientemente, acabamos por "abusar" delas, pensando apenas em como nos fazem sentir melhor, sem ter consciência de como, com algumas atitudes, as fazemos sentir a elas.

 

Isto ganha ainda maiores proporções quando está em causa mais do que uma amizade, quando se escondem sentimentos de parte a parte, quando cada um teima em ignorar o que todos os outros à volta já perceberam há muito tempo.

Dizem que é o "medo" o grande culpado. E o medo é tramado.

Mas é também um bom indicador daquilo que uma pessoa realmente sente.

Se alguém conseguir enfrentar os seus piores receios, pela pessoa que está ao seu lado, então é amor. Como diz o pai da Maggie "conseguir passar as teias de aranha"!

 

Maggie e Jack são amigos desde que se lembram. Cresceram juntos, e as famílias de ambos formam uma espécie de família única.

Estão sempre lá um para o outro. Até mesmo o trabalho na rádio é partilhado por ambos, com um programa em dupla, que começa a ganhar protagonismo.

E logo agora que a ideia é apresentar os respectivos companheiros às famílias, ambos vêem as suas relações terminadas.

Com um plano em mente, para supreender os fãs do programa, e não defraudar as expectativas daqueles que estão a apostar na dupla, ambos fingem ter iniciado uma relação que, no fundo, sempre esteve destinada a existir mas que ambos, até determinado momento, levam como uma farsa inofensiva e necessária.

 

O problemas começam quando os sentimentos adormecidos despertam, a família começa a fazer pressão, e a amizade parece prestes a desmoronar.

Conseguirão eles enfrentar os seus piores receios, e abdicar da sua carreira em ascenção, para restabelecer a verdade perante todos e, acima de tudo, perante eles próprios?

 

Um romance leve e descontraído para ver nesta época natalícia.

 

Isto é gozar, literalmente, com quem trabalha

ilustracao-dos-desenhos-animados-do-homem-irritado

 

Quando uma pessoa, a quem foi dada tolerância de ponto, decide aparecer no local de trabalho onde, para a substituir, tiveram que abdicar do seu tempo de descanso outras duas pessoas, que provavelmente nem sequer vão receber essas horas extras que estão a fazer, só pode mesmo estar a gozar.

É de uma tremenda falta de respeito.

Se estava com tanta vontade de ir para o local de trabalho, que lá ficasse a trabalhar. Assim não prejudicava os outros.

 

Que a pessoa tem a mania de aparecer por lá quando são os outros que estão de serviço, já sabemos. Mas que o faça num dia em que outros tiveram que o ir substituir, é abuso.

Que fosse para qualquer outro lugar, menos para ali.

 

A vontade que dá, é de virar para essa pessoa e dizer "olhe, já que veio cá, pode ficar a trabalhar".

Não é nada comigo, mas que me revoltam estas atitudes, revoltam.

Pág. 5/5