Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O Hábito do Amor, de Teresa Caetano

140-capa-1.jpg

 

A autora Teresa Caetano tem vindo a tornar-se uma presença assídua entre as minhas leituras e, desta vez, tive o privilégio de receber, de presente, uma das suas obras - "O Hábito do Amor", que desde já agradeço.

E, como não poderia deixar de ser, partilho agora a minha opinião sobre o mesmo que, como o próprio nome sugere, é um romance.

 

Aliás, com o título do livro, surge-me logo uma questão no que respeita ao amor - será este um "hábito"?

Algo que, a partir do momento em que é sentido a primeira vez, passa a habitar em nós de forma natural, tranformando-o num hábito como tantos outros que vamos adquirindo ao longo da vida?

Devemo-nos nós "habituar" a amar? Ou, pelo contrário, deixar que o amor surja de forma inesperada, e se manifeste sem contarmos com ele? 

A verdade é que para Beatriz, amar, seja o que, ou quem for, está tão arreigado na sua essência, que quase se torna um hábito. E, confesso, irrita-me um pouco! 

Porque ela parece espalhar apenas amor e bons sentimentos, e agradecer por tudo o que tem e lhe foi permitido viver, mesmo que tenha todos os motivos do mundo para estar contra a vida.

E ninguém (ou quase ninguém) é assim. Até mesmo a pessoa mais positiva e grata, tem os seus momentos de revolta.

 

Mas, voltando ao título, se o amor é, verdadeiramente, um hábito, será um bom hábito ou um mau hábito?

Será algo que nos faz bem, e que não devemos perder? Ou um vício, que nos leva a percorrer caminhos que não devemos, e que poderá trazer-nos dissabores?

Hábito ou não, bom ou mau, a verdade é que Beatriz e Rodrigo se apaixonam, e fazem promessas de amor eterno.

Mais uma vez, a minha veia céptica tende a não compreender um amor que nasce assim, "à primeira vista", em meros segundos. Aquela ligação que ambos sentem, de que já se conhecem de outras vidas, e que estavam destinados um ao outro. Que ainda mal falaram e já estão apaixonados. Que ainda mal se conhecem, e já se amam.

Penso que nos é dado a conhecer um amor tão ingénuo, tão puro, tão inocente, tal como a personalidade de Beatriz, que parece mais um amor de contos de fadas, do que real. Tal como as personagens que lhe dão vida.

Faz lembrar aquelas histórias em que acreditávamos quando éramos adolescentes, de que tudo era um mar de rosas, e tudo iria dar certo, apenas porque se amavam e que, hoje, já não reconhecemos porque a vida nos ensinou que as coisas não funcionam assim. Ou é muito raro isso acontecer.

 

Por outro lado, o amor manifesta-se de várias formas, e entre várias pessoas, nomeadamente, entre irmãos.

É o que acontece entre Rodrigo e Daniel, uma relação na qual acredito mais, e que encaro como mais aproximada à realidade.

Rodrigo é quase como um pai para o seu irmão mais novo, e tudo fará para o ver feliz. Sobretudo depois do acidente que o atira para uma cadeira de rodas.

Da mesma forma que um pai, ou uma mãe, fariam, por amor aos filhos. Ou talvez não...

 

E o que dizer do amor entre avós e netos, aqui tão bem representada por Beatriz e pelo avô Manuel?

Que me fez logo lembrar a relação da minha filha com o seu avô, também ele Manuel.

São pessoas simples, mas honestas, trabalhadoras, com princípios que transmitiram à sua neta, e ensinamentos, para que ela enfrentasse as dificuldades, e se tornasse na mulher que é hoje.

 

No entanto, por vezes, o amor é uma vítima de si próprio.

Por vezes, por amor, fazemos coisas que nos levam a perder o amor.

Por amor a uns, perdemos outros. E perdemo-nos a nós próprios.

Sim, por vezes o amor também é confuso. 

 

Ainda assim, mais do que sobre amor, diria que este livro nos fala de sentimentos antagónicos, mas que se complementam.

Por um lado, a resiliência. Por outro, a vulnerabilidade.

Por um lado, a aceitação. Por outro, o nunca deixar de se lutar.

Por um lado, abdicar. Por outro, guardar.

Por um lado, esquecer. Por outro, recordar.

Por um lado, seguir em frente. Por outro, estar-se, inevitavelmente, ligado ao passado.

Por um lado, partir. Por outro, ficar.

Por um lado, amar os outros. Por outro, amar-se a si próprio.

 

No fundo, o amor tem um pouco de tudo isto.

Só temos que saber dosear nos momentos certos, e na quantidade certa.

 

 

E como um "conto de fadas" que se preze tem que ter "vilões", eles também existem nesta história de amor, ainda que até os próprios sejam caracterizados de forma não muito vilanesca.

Ah, e como não podia deixar de ser, para dar um toque ainda mais mágico, a maior parte da história é passada na Ilha do Faial, nos Açores, por entre o mar, os verdes prados, as flores e os animais.

 

Será o cenário perfeito, para a história de amor perfeita?

Talvez...

Mas como eu não acredito na perfeição, prefiro um amor que sobreviva no meio de todas as imperfeições que for encontrando no seu caminho. E se não acontecer, é porque não tinha que ser.

E, talvez, não fosse amor. Ou até fosse, mas não chegasse...

 

 

 

 

 

 

 

Sinopse

"Beatriz e Rodrigo vivem uma paixão secreta, que tem como cenário a beleza natural da ilha do Faial, nos Açores. Ela vive com os avós numa pequena quinta daquela ilha e ele mora na cidade de Lisboa. Apesar de terem um oceano a separá-los, o destino faz com que as suas vidas se cruzem.

Uma história de amor apaixonante e intensa, revelando que um sentimento verdadeiro nunca se esquece, vivendo para sempre no coração de quem ama.

A saudade, a esperança, a desilusão e a capacidade de amar à distância serão sentimentos bem presentes ao longo deste livro.

As cartas de amor alimentam o sonho e fazem com que as palavras escritas sejam decisivas no rumo do enredo.

Poderá Beatriz – uma mulher romântica e com uma forte ligação à natureza – derrubar os muros que se vão erguendo ao longo da sua vida?

E Rodrigo – um político de sucesso – conseguirá cumprir a promessa de um amor eterno?"

 

Ir pelos outros, ou ir por nós?

moca-frioI.jpg

 

Num dia, ela viu que o tema do momento eram as cores.

Então, no dia seguinte, ela falou de cores.

Mas, nesse dia, ninguem a ouviu, porque o tema já não eram as cores. Eram os números.

Assim, no dia seguinte, ela falou de números.

Oh, mas já ninguém queria saber deles, porque o que estava a dar eram os animais.

De novo, ela tentou falar sobre os animais.

Mas é que, no dia seguinte, o tema era a moda...

 

Então, ela deixou de ver sobre o que se andava a falar.

Um dia, falou sobre o que lhe apeteceu.

E, nesse dia, ela conseguiu aquilo que tinha vindo a tentar de todas as outras vezes, sem sucesso:

falar, e ser ouvida... 

 

 

Porque, mais do que seguir os outros, devemo-nos seguir a nós.

Mais do que ir atrás de tendências, devemos criá-las.

E o resto, acontece naturalmente...

 

 

Páscoa: troquei o coelho pela vaca!

163448726_3737818966333381_5658944274139354854_o.j

 

A tradição já vem de longe.

Toda a genta sabe que Páscoa é sinónimo de ovos e coelhinhos.

E, nesta altura, em que as superfícies comerciais enchem as suas prateleiras com estes produtos, há quem não resista ao velho conhecido Coelho da Páscoa.

Não tenho nada contra os coelhos, mas eu não sigo a tendência.

E, quando me deparei com os vários animais por lá existentes, houve um que me captou logo a atenção, e foi "amor à primeira vista".

Não resisti à Vaca!

 

Até disse ao meu marido que, provavelmente, eu tinha gostado mais da vaca do que iria gostar a minha filha, e que ela iria preferir os chocolates que vinham junto.

Afinal, a minha filha também adorou a vaca, e já a baptizou de Vaca Mumu!

 

Curiosamente, já há uns anos tinha comprado umas mini vacas por altura da Páscoa 

Histórias Soltas #15: Dias bons, dias maus

Autocolantes de ciência sol e nuvens - TenStickers

 

O despertador tocou.

Uma vez. Outra vez.

Mecanicamente, Sara desligou o alarme de cada vez que ele soou.

Agora, já não tocaria mais.

Sabia que tinha que se levantar, mas não queria arriscar sair da cama, e enfrentar outro dia como o anterior.

Sara tinha dias bons, e dias maus.

O dia anterior tinha sido um desses dias maus, em que a dor de cabeça a tinha atirado para a cama, para um quarto escuro, e para o silêncio.

Silêncio relativo, já que se ouvia os filhos dos vizinhos na rua a gritar enquanto brincavam e, só mais ao final do dia, o som lá de fora se limitou ao canto dos pássaros.

Ainda tinha tentado levantar-se, e fazer alguma coisa em casa mas, poucos minutos depois de estar de pé, as dores voltavam com o dobro da intensidade, e a indisposição não lhe permitia continuar a insistir.

Nestes dias, em que Sara resistia, heroica ou estupidamente, a tomar um comprimido que fosse para aliviar as malditas enxaquecas, a solução era mesmo deitar-se, e esperar que no dia seguinte as dores tivessem passado, e ela pudesse voltar aos dias bons.

No entanto, as crises tinham começado a tornar-se mais prolongadas, mais fortes, e ultimamente, o dia seguinte era apenas sinónimo de uma melhoria, não de restabelecimento total.

A culpa era sua, bem sabia.

Sara já conhecia bem os gatilhos que despoletavam as crises e, por isso, sabia bem que deveria evitá-los o mais possível.

Sabia que deveria evitar locais demasiado movimentados, abafados e barulhentos, como os centros comerciais, por exemplo.

Que não deveria deitar-se muito tarde, ou dormir até tarde.

Que não deveria ver televisão durante várias horas.

Que o sol intenso, a luminosidade excessiva ou odores fortes poderiam ser o suficiente para a deixar mal.

Ela sabia tudo isso. Mas há coisas que nem sempre dá para evitar.

E que nem sempre ela queria evitar.

Depois, restava-lhe aceitar o “castigo”, que se vinha a tornar mais penoso.

Ela, que nunca tinha sido mulher de beber cafés, até esse truque tentava, sem efeito.

Desta vez, ponderou mesmo tomar um comprimido para atenuar as dores.

Mas a noite chegou, conseguiu dormir e, agora, era um novo dia.

Com pouca vontade, levantou-se.

Aparentemente, estava bem. As dores tinham passado. A indisposição também.

Parece que, afinal, seria um bom dia.

Ou assim o esperava Sara…

Sobre a vacinação, falta de escolha e "chantagens"

leitor_5fed80ea1b867_Vacina-coronavirus-2.jpg

 

De uma forma geral, muito antes da Covid-19, a vacinação fazia-se com relativa normalidade.

As pessoas seguem o plano de vacinação com confiança, e acreditando que isso lhes vai salvar as vidas, e as dos seus filhos, caso seja necessário sendo que, se não for, também não prejudicam ninguém.

À excepção de uma ligeira febre ou reacção no local da picada, raros são os casos graves de resultantes da vacinação. E uma minoria aquela que insiste em não vacinar.

 

A vacina da gripe, por exemplo, só a tomava quem queria. Ninguém obrigava ninguém a tomá-la.

Os que tomavam ficavam, muitas vezes, com sintomas da gripe. E diziam "fui levar a vacina, mas acabei por ter gripe". Uns, desistiam. Outros, achavam que era um "mal necessário" em prol de uma protecção, a longo prazo (não muito longo, visto que a vacina é anual), maior e melhor.

 

As vacinas que são obrigatórias em determinadas viagens, também nunca ninguém as contestou.

Era muito simples: se queriam viajar, tinham que se vacinar. E levavam as vacinas. E viajavam. 

 

Lembro-me, por exemplo, da vacina da meningite, que ainda não fazia parte do plano de vacinação no tempo da minha filha. Tinha que ser paga pelos pais, e havia duas à escolha. Uma mais cara que a outra. Éramos nós, pais, que escolhíamos a que queríamos, comprávamos e levávamos ao centro de saúde, para ser administrada.

 

Mais recentemente, veio a vacina contra o Vírus do Papiloma Humano (HPV).

Esta mais debatida, por a ela estarem associados alguns efeitos indesejáveis e problemas que teriam resultado da sua administração.

Com esta, muitos pais ficaram receosos, e optaram por não sujeitar os filhos à administração da mesma.

Eu não vi problemas, e a minha filha levou-a logo aos 13 anos.

Mais uma vez, houve hipótese de escolha.

 

Agora, em pleno século XXI, chegam as vacinas contra a Covid-19.

Vacinas criadas em tempo recorde, ou não fosse grave e urgente a situação que levou a criá-las.

Por vezes, a pressa é inimiga da perfeição. A urgência faz saltar etapas, e ocultar determinadas informações. Ou não conseguir detectar tudo o que pudesse não correr como previsto.

Mas, outras, até se consegue um bom trabalho, e eficaz.

 

Apesar da pressão exercida sobre a população, para que seja vacinada (e que acredito que seja ainda maior no que respeita a contratações laborais, ou acessos a determinados locais, um pouco como o fazem as escolas com as vacinas que já constam do plano de vacinação), e eventual discriminação para com aqueles que não a querem levar, a vacina não é obrigatória. Pelo menos, na teoria, só a leva quem quer. Na prática, terão que levar aqueles que quiserem aceder a algo, que obrigue a tê-la.

 

Sendo uma escolha, e havendo várias à escolha, apesar de se afirmar que, se estão no mercado, é porque são todas fiáveis, penso que cada um deveria tomar aquela que preferisse, desde que estivesse disponível.

Outra hipótese seria adoptar uma, gratuita, para o plano nacional de vacinação e, quem não quisesse essa, teria que pagar pela que preferisse, se ou quando estivesse disponível.

 

Como não é esse o caso, e as vacinas não abundam por aí, cabe a cada um decidir se quer levar já, a que existe, ou se prefere esperar que surjam outras, sujeitando-se às que sobrarem no final, ou a não haver nenhuma.

 

Não acho que uma vacina deva ser imposta. Muito menos nestas circunstâncias. E com base na falta de escolha, agravada com uma espécie de "chantagem", quando as pessoas já se sentem inseguras.

Mas, da mesma forma, não se pode afirmar que uma vacina não é eficaz, apenas porque algumas pessoas tiveram reacções adversas, com maior ou menor gravidade.

Uma vacina, um medicamento ou um tratamento que foi benéfico para muitos, não deixa de ser bom por algumas pessoas não se darem com ele.

 

A penicilina, por exemplo, presente em antibióticos ou através de injecções, é uma das maiores "armas" da medicina e, no entanto, há pessoas que são alérgicas, e que podem ter consequências graves em contacto com ela. Mas não é por isso que a penicilina deixa de ser eficaz e útil, e se perde a confiança nela.

Um médico que salva dezenas de vidas, perde uma ou duas. Deixa de ser bom médico por isso? 

 

O que se passa é que ainda não houve tempo para as pessoas ganharem confiança.

Ainda não houve tempo para as pessoas encararem as vacinas anti Covid-19 como uma outra qualquer.

A urgência, não deixa a poeira baixar. 

A falta de dados concretos quanto à eficácia ou tempo de imunização, bem como de quanto em quanto tempo terá que ser levada, impede-nos de confiar.

O facto de vir apenas com a promessa de uma eventual menor gravidade na contracção da doença, mantendo-se todas as medidas preventivas como até aqui, faz duvidar da utilidade da mesma.

A verdade é que podemos contagiar, e ser contagiados, ainda que tenhamos levado a vacina.

 

Uma coisa é certa: tal como em qualquer decisão que se tome na vida, teremos que assumir a responsabilidade pela mesma, e lidar com as suas consequências.

Se levarmos a vacina, e tivermos o azar de ter problemas, vamos sempre pensar "mais valia não ter levado".  Se não a levarmos, e formos parar a uma cama de hospital por conta disso, pensamos "porque é que não levei a vacina".

Nada é garantido, nada é 100% seguro e eficaz, e uma acção gera sempre uma reacção, da mesma forma que uma decisão acarreta sempre uma responsabilização.

Resta decidir com confiança, positivismo e com o máximo de informação que seja necessária a essa decisão, seja ela tomada agora, ou adiada.

 

Imagem: jornaleconomico

 

Pág. 1/7