Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Da campanha de incentivo (imposição) à vacinação contra a Covid

SP vai receber 15 milhões de doses da vacina chinesa contra Covid-19 já no  fim de 2020, diz diretor do Butantan

 

Estas foram algumas das mensagens ditas a quem foi convocado para levar a vacina.

 

Ao meu tio:

"Ah e tal, se não levar a vacina, e vier a ser hospitalizado com Covid, terá que pagar tudo à sua conta."

 

À minha mãe:

"Ah e tal, se recusar a vacina, fica excluída da lista." 

 

Ao meu irmão:

"Eu não lhe disse nada mas é provável que, em caso de internamento, os médicos deem prioridade a quem foi vacinado."

 

Sem comentários...

A Rapariga Que Sobreviveu, de Leslie Wolfe

Bertrand.pt - A Rapariga que Sobreviveu

 

Como é possível que, a uma pessoa que se diz tão inteligente, que se gaba da sua inteligência e se considera, nesse campo (e em muitos outros) acima dos comuns mortais, tenha escapado um simples pormenor?

Algo que estava à vista de todos?

Algo ele tinha obrigação de saber?

 

Pois... 

Parece que afinal, até os mais inteligentes erram. E podem pagar um preço alto por esses erros.

Porque é um grande risco deixar para trás uma sobrevivente. Alguém que pode ter visto o crime. Alguém que pode desmarcar o assassino, e contar toda a verdade.

 

Ao longo dos últimos anos, porém, este serial killer tem continuado a cometer os seus crimes, impunemente, sem qualquer indício de que alguém saiba quem ele é, ou o possa denunciar. Isso fá-lo acreditar que o seu erro jamais lhe causará grandes danos.

 

O que ele não contava, era que o jogo pudesse virar.

Ao que parece, há uma médica que quer experimentar um novo programa para pessoas que perderam a memória. E Laura quer, mais do que nunca, lembrar-se do que aconteceu no dia em que a sua família foi impiedosamente assassinada, tendo ela sido a única que escapou, escondida num cesto da roupa suja, na casa de banho, às escuras, onde o assassino não se lembrou de procurar.

 

Apesar de a família, que a adoptou e criou como filha, achar que ela não deve remexer no passado, depois de ter levado tanto tempo a conseguir recuperar do trauma e viver em relativa normalidade, opinião partilhada pelo namorado, Laura quer avançar. Ela precisa disso.

 

Agora, ele corre perigo e só há uma solução: eliminar Laura, antes que ele o denuncie, caso o programa resulte, e ela se recorde de tudo.

Agora, não pode voltar a errar.

 

Mas Tess não poupará esforços para proteger Laura, tentar evitar o pior, e provar que o Homem de Família, um assassino no corredor da morte, a dias de ser executado, não foi o autor da morte da família de Laura, nem de outros dois crimes, que lhe foram imputados.

O que significa que, quem o fez, ainda anda à solta, poderá atacar a qualquer momento, e eliminar a única pessoa que o pode identificar.

 

Nesta corrida contra o tempo, em que Tess não tem, de todo (para variar) a vida facilitada, quem levará a melhor?