Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Sobre as birras das crianças

Resultado de imagem para birras

 

Estava no outro dia nos correios, à espera de ser atendida.

Chegou uma senhora com o filho. Vinham ter com outra pessoa que estava a ser atendida, por isso aguardaram ao pé dos livros. O miúdo estava entretido com um livro que tinha visto na prateleira. Achava que a mãe, provavelmente, o iria comprar.

A mãe tira-lhe o livro da mão e arruma-o no sítio, para irem embora. O miúdo volta a tirar e diz que quer o livro. A mãe diz-lhe que não pode, e volta a tirá-lo e colocá-lo na prateleira, afirmando que tinha sido má ideia ir para ali.

Nisto, o miúdo começa a berrar que quer o livro. Esperneia por todo o lado e grita ao mesmo tempo. A mãe, envergonhada e sem saber como lidar com ele, tenta levá-lo para a rua. Ele agarra-se a uma divisória de metal, para que a mãe não o consiga puxar.

Com muito custo, e sem que o miúdo pare de gritar, a mãe consegue sair para a rua com ele.

Nos minutos seguintes, ainda ouvimos, dentro dos correios, o miúdo a berrar e a fazer um autêntico escândalo.

Dizia uma mulher ao meu lado "ah e tal, já não tem idade para fazer estas birras".

Mas, existirá alguma idade para as mesmas? Se até, por vezes, os adultos as fazem!

 

Confesso que tive pena da senhora. Sei bem o que é passar por uma situação dessas. Felizmente, tive quem me orientasse a evitá-las.

Workshop de Escrita para adultos

 

"Qualquer pessoa pode ESCREVER um livro, mas poucas têm noção do quanto pode ser simples EDITAR um livro! Para quem tem esta curiosidade e vontade de colocar pra FORA o que muitas vezes fica desperdiçado lá DENTRO... dia 29 de Julho na Sala Multiuso da Meleca, vou mostrar passo a passo como é possível realizar um projeto sem ser refém de instituições pouco sérias!", por Rosana Antonio

 

Se gostam de escrever mas não sabem, muitas vezes, por onde começar, se gostavam de editar o vosso próprio livro, mas não fazem ideia dos passos que devem dar para que isso se torne real, ou se, simplesmente, gostariam de saber mais sobre o tema, estiverem de férias aqui por perto, e puderem aparecer, aproveitem esta oportunidade.

Coisas que me irritam numa ida à praia

Praia da Baleia ou Praia do Sul

 

1 - Mandarem-me areia para cima, sejam pessoas apenas a passar, ou crianças a correr ali à volta

 

2 - Não ter espaço para me deitar ou ter que ficar num pequeno espaço porque a praia está a abarrotar

 

3 - Crianças a bater com os pés na água, e a molhar toda a gente à volta que se está a tentar molhar com calma

 

4 - Pessoas que chegam depois de mim e decidem colocar o chapéu numa posição que me tapa o sol que estava a apanhar, ou pararem mesmo em frente a uma pessoa, a fazer sombra

 

5 - Pessoas que se aproveitam do facto de ter ido à água e deixado a toalha a tapar a mochila, para ocupar o espaço onde eu antes estava deitada

 

6 - Jogarem à bola, ou outra coisa qualquer, quase em cima de uma pessoa, e estar sujeita a levar com uma bola ou outro objecto em cima

 

7 - O mar estar mansinho quando o tempo está frio, ou a água gelada, e nos dias de calor e em que a temperatura da água até convida ao banho, o mar estar bravo e não poder molhar mais que os pés

 

8 - A água do mar estar poluída, ou cheia de limos, algas e afins

 

9 - A areia estar cheia de lixo, pedras, pedaços de canas e outras coisas do género

 

10 - Levar chapéu de sol e ter que andar a correr atrás dele porque voou com o vento

 

11 - A junção de vento com areia fininha - saio de lá parecida com um croquete, envolvida em pão ralado

 

12 - Estar deitada na toalha, vir uma onda maior que o esperado e molhar tolha, mochila e o que mais estiver naquela área

 

13 -  Ter que levar com fumo do tabaco de pessoas a fumar ao pé de mim

 

14 - Ter que andar calçada na areia, ou descalça a saltitar pela praia porque a areia escalda os pés

 

15 - Deitar-me em areia húmida - quando a maré é grande e molha todo o areal, e ainda não houve tempo para secar

 

Que me lembre, de momento, são estas as coisas que mais me irritam quando vou à praia. Alguém tem queixas parecidas que queira partilhar?

Má aposta no Agora Escolha

 

Estreou ontem, na RTP1, a versão de 2015, para adultos, de um programa da minha infância que eu adorava - o Agora Escolha!

Mas a mim não me convenceu minimamente. Penso que este novo formato foi uma má aposta da estação. 

Na minha opinião, pecaram pelo horário tardio, pelos programas escolhidos para votação, e pela forma como decidiram ocupar o tempo de espera, durante a votação que é agora, feita pela internet.

 

 

Para quem não conhece, não sabe ou já não se lembra, o primeiro programa foi para o ar a 13 de Outubro de 1986 na RTP 2, onde se manteve por quase 10 anos. Depois, passou para a RTP1, mas sem sucesso, tendo durado apenas mais um ano.

Foi aqui neste programa que comecei a ver séries como "O Justiceiro", "Espaço 1999" e tantas outras, incluindo portuguesas.

Durante a votação, em que escolhíamos o programa A ou o programa B, passavam, muitas vezes, desenhos animados como o Tom Sawyer, a Ana dos Cabelos Ruivos ou os Três Mosqueteiros, que marcaram totalmente a minha infância.

Era um programa transmitido à tarde, tendo como público alvo crianças e adolescentes. Tanto que até podíamos fazer desenhos e enviar para lá, que a nossa querida apresentadora Vera Roquete, mostrava-os durante o programa!

 

 

Agora, temos um programa transmitido às 23 horas, com opções de programas que nem sempre são actuais (como foi o caso do escolhido de ontem "O Tal Canal"), que podem ter sido espectaculares no seu tempomas agora não entusiasmam, e uma moderadora - Marta Leite de Castro, que vai discutir com um "Focus Group", as vantagens e desvantagens de cada uma das possíveis escolhas.

O dito "Focus Group" é constituído por Eduardo Madeira, Manuel Marques, Maria Vieira, Raimundo Cosme, Joana Pais Brito, Rui Unas e Victor Espadinha. A ideia seria passar ali uns momentos de humor, mas a mim pareceu-me mais uma salada sem tempero.

Não gostei, e não tenho intenções de voltar a ver.

Colocassem este mesmo programa noutro horário, destinado ao mesmo público de antes, mas com séries da Disney ou, por exemplo, a série portuguesa Uma Aventura ou outras do género, com outro tipo de actividades e interactividade durante o tempo de votação, e tenho a certeza que teriam muito mais audiência.



A saúde em Portugal no seu melhor!

 

A situação já não é uma novidade, mas nem por isso choca menos. Nem tão pouco me deixa menos inconformada com o estado a que as coisas chegaram e com a forma como é encarada a saúde em Portugal.

Vem isto a propósito das filas que se formaram à porta do Hospital da Ordem Terceira, no Chiado, em Lisboa, para a tentativa de marcação de um exame essencial de diagnóstico com anestesia - a colonoscopia!

E isto porquê? Porque apesar de o exame ser agora comparticipado, não existem muitos locais que o façam nesses termos e, os que fazem, exigem marcação presencial!

Por isso, as pessoas que realmente precisam de realizar o exame, e não podem pagá-lo numa clínica privada, "montam acampamento" à porta do hospital onde esperam ter a sorte de conseguir uma das tão desejadas 150 senhas diárias!

Umas com banquinhos para esperarem, literalmente, sentadas! Outras com espreguiçadeiras e mantas para passar a noite. Vê-se de tudo um pouco por ali. 

Que meia dúzia de adolescentes e adultos saudáveis o façam, de livre vontade, para assistir a um concerto, é lá com eles. Mas "obrigar" pessoas mais idosas, como é o caso da maior parte destas que vêm para a fila, a estar ali horas ou noites, sujeitas às condições meteorológicas, ao cansaço, ao desespero, a uma espera pela senha da sorte, quando a saúde deveria ser um direito garantido a todos, é revoltante.

Pior ainda, quando muitas dessas pessoas, depois de se terem levantado cedo, e gastado dinheiro em transportes, têm que voltar a fazê-lo novamente no dia seguinte, porque naquele dia não conseguiram senha.

Tudo isto poderia ser evitado com um simples telefonema. Mas parece que gostam de dificultar ao máximo o acesso à saúde gratuita.

E não é só com a marcação de colonoscopias que isto acontece. Cheguei a ter que ir para a porta do meu centro de saúde, às quatro da madrugada, para conseguir uma das 10 vagas do dia para consulta com a minha médica de família!

Quem tivesse carro, ainda pode esperar dentro dele. Mas também se viam por lá muitos idosos e outras pessoas sem qualquer protecção, nem local onde se abrigar, naquelas horas de espera, até o centro de saúde abrir. Apesar de a situação se ter alastrado durante anos, ninguém foi capaz de, ao menos, colocar ali um telheiro, um banco para sentar, nada! Felizmente, hoje em dia, já não acontece isso. 

Mas, de uma forma geral, a saúde em Portugal deixa muito a desejar, no que ao seu acesso, direitos e gratuitidade diz respeito.

Enquanto estamos vivos ela é bastante inacessível. Depois de mortos, já não precisamos dela!

 

  • Blogs Portugal

  • BP