Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

A preparação para a vida também se vende?

Resultado de imagem para preparar para a vida

 

Quando, na passada sexta-feira, recebi um telefonema de uma senhora, a perguntar se eu era a encarregada de educação da minha filha, estava longe de imaginar no que me iria meter.

Primeiro, pensei que era da escola, e que tinha acontecido alguma coisa à minha filha.

Afinal, era por causa de um estudo que tinha sido feito na escola, para o qual eu tinha dado autorização (e, ao que parece, o meu contacto), e queriam agendar reunião no fim-de-semana, para entrega dos resultados, sendo fundamental que a minha filha estivesse presente.

O estudo foi feito pelo Núcleo para a Criatividade e Desenvolvimento de Competências (NCDC.org.pt), no passado ano lectivo, e consistiu na aplicação de inquéritos aos alunos de vários anos de escolaridade, sobre “Personalidades e Estilos de Aprendizagem”.

 

 

Chegada à escola, apresentaram-nos os resultados que, de uma forma geral, correspondem à realidade, mas que a técnica tentou maximizar, pintando um quadro mais negro, para que os pais fiquem preocupados com a situação e tentem ajudar os filhos como puderem.

Segundo ela, a minha filha não tem qualquer motivação para a escola. Talvez seja verdade. Temos um ensino que em nada motiva os jovens. Não será, por certo, a única.

Não terá dificuldades de aprendizagem, mas faltam-lhe métodos de estudo e autonomia. Correcto. Mas isso é algo que ela poderá aprender e aplicar no futuro.

Tem uma autoestima muito baixa, e gosta muito de se manter no seu cantinho (eu também era, e ainda sou assim), e fica ansiosa em momentos cruciais de avaliação (quem não fica). 

 

 

 

Resultado de imagem para preparar para a vida

 

Ora, apresentados os resultados, o NCDC, uma associação sem fins lucrativos, propôs-se ajudar a minha filha, e muitos mais alunos que assim o queiram, através de um programa em que eles iriam começar a definir o seu futuro, que áreas se adequam mais àquilo que querem seguir, aprender métodos de estudo, ter apoio psicológico e motivacional e ainda…uma vez que a minha filha referiu gostar da área de comunicação social, um curso de inglês, com a marca Cambridge (nome sonante e pomposo que fez questão de promover), que lhe será fundamental para a área que ela quer, e que lhe dá competências para o futuro.

Uma preparação para a vida, nas suas palavras, que não se consegue na escola.

A técnica fez questão de frisar que já tinha ultrapassado o número de vagas que lhe era permitido mas, mesmo assim, a pensar no bem de todos os alunos, ainda tinha a hipótese de inserir mais uns no programa.

 

 

Parece espetacular, não é? Preocuparem-se assim com o futuro dos nossos meninos?! Só que tudo tem um preço, e esta preparação para a vida não é excepção!

Chegámos lá, então. À parte em que revelam o verdadeiro intuito destas reuniões, mascaradas de mera entrega de resultados e aconselhamento aos pais. A inscrição neste programa é de 50 euros, a que acresce uma mensalidade “simbólica” de 90 euros, ao invés dos habituais 245 euros.

Sabem o que é que me veio, de imediato, à mente? Isto parece-se com a senhora da agência de modelos que, depois de feito o casting, fartou-se de elogiar a minha filha para, depois, propor a compra do book ou da formação.

 

 

E, claro, conquistadas as crianças, como podem os pais depois dizer que não, sem as decepcionar ainda mais, e agravar o seu estado psicológico!?

 

 

Não teve sorte comigo. Disse-lhe na cara que não tinha dinheiro para isso e, de qualquer forma, o mais importante neste momento é que ela tenha boas notas e passe de ano, sendo prioritário explicações para a matéria actual.

E não é que não concorde que o resto lhe faz falta e a iria ajudar.

Mas teria mais lógica a técnica aconselhar-nos e explicar-nos aquilo que devemos fazer no dia-a-dia, para ajudar os nossos filhos, a nível escolar e psicológico.

Mais, ao ver o site do NCDC, deparei-me com workshops de 45 minutos que poderiam, de alguma forma, ajudar os alunos, que era menos absurdo propor, e cativaria mais os pais, do que este programa que nos custaria mais de 3000 euros!

Não sei se houve muita gente a aderir. Eu não o fiz.

 

 

Hoje, nem de propósito, o Agrupamento de Escolas a que a minha filha pertence publicou um comunicado onde afirma que apenas autorizou o núcleo à aplicação dos questionários, e que é totalmente alheio a esta iniciativa, levada a cabo à revelia da escola, e da qual somente agora teve conhecimento.

A escola, para a qual foi, supostamente, guardado um determinado número de vagas para os seus alunos frequentarem o programa, desmarca-se assim de qualquer acção que o NCDC esteja neste momento a realizar, ou venha a levar a cabo, com base nos referidos inquéritos.  

 

Pena que só agora venha a público este comunicado, que mais uma vez prova que tudo isto não passou de uma acção de marketing quando, segundo a técnica, já estão a ter estas reuniões há alguns fins-de-semana, e sabe-se lá quantos pais já foram na conversa. 

Talvez no futuro a escola deva ter mais cuidado com os inquéritos que autoriza, e as entidades a quem autoriza.

 

 

Mais alguém por aí passou por uma situação idêntica na escola dos vossos filhos?

 

 

 

 

E se fosse consigo a violência doméstica?

 

"E Se Fosse Consigo?" trouxe ontem a debate uma problemática bem actual - a violência doméstica.

 

No entanto, entre os testemunhos de casos reais, e a encenação por parte dos actores, ficaram algumas coisas por mostrar e dizer no programa de ontem:

 

- a maior parte das cenas de violência doméstica não ocorre em público, mas sim dentro de quatro paredes;

- a maior parte dos agressores mostra uma faceta totalmente diferente perante os vizinhos, amigos e até familiares (seus e da vítima), de homem educado, atencioso, pacífico, que em nada corresponde ao seu verdadeiro carácter, quando está com a vítima a sós, o que leva a que, muitas vezes, terceiros não acreditem na vítima;

- na encenação efectuada ontem, e estando aquele homem a mostrar-se violento em público, era mais provável que se mostrasse também para com quem estava a intervir, principalmente, as mulheres;

- por muita coragem que as vítimas de violência doméstica demonstrem, em muitos dos casos essa coragem tem como consequência a morte das mesmas, e de formas cada vez mais macabras. Ainda assim, o que será preferível? A morte quase certa vir aos poucos, ou haver uma possibilidade de se livrar desta problemática com vida?

- mais uma vez, tal como na violência no namoro, apenas mostraram agressores do sexo masculino, ignorando o facto de haver cada vez mais violência doméstica sobre os homens;

 

E o que é importante reter:

- quando ocorre uma agressão, não será única, mas apenas a primeira de muitas, e cada vez mais graves;

- a partir do momento em que há conhecimento de casos de violência doméstica, está mais que provado que não basta sinalizar as vítimas. Na maioria dos casos sinalizados, a polícia nada faz, ou só decide actuar quando não há mais nada a fazer;

- as vítimas, mesmo que consigam escapar com vida aos agressores, continuam a ser as maiores prejudicadas, porque vivem permanentemente com medo, porque vivem "refugiadas", presas, ou em constante fuga, porque perdem algo ou alguém que amam nessa luta (filhos);

- a justiça tarda, e falha demasiadas vezes;

- as ameaças, não só à própria vítima, mas também à sua família, são bastante inibidoras de qualquer acto de coragem que as vítimas possam querer intentar;

- uma vítima de violência doméstica não precisa de ouvir críticas relativamente à sua inércia, à sua passividade, ao seu receio, não precisa que duvidem da sua palavra, que digam que é normal, que desculpem o agressor, mas sim que a compreendam, que a apoiem, que lhe dêem uma ajuda efectiva;

 

E desse lado, o que acrescentariam a esta lista?

 

Ao assistir ao programa de ontem não fiquei indignada por mais pessoas terem passado por aquela cena sem intervir, mas incrédula com um senhor que, a um metro da cena, assiste impavida e serenamente e, quando questionado pela Conceição Lino sobre a conversa que tinha acabado de ocorrer ao seu lado, sai-se com esta "conversa? qual conversa? eu não ouvi conversa nenhuma"!

A não ser que o senhor tivesse problemas auditivos, ou quissesse frizar que o que tinha acabado de acontecer não era uma conversa mas sim um acto de violência (quer física, quer psicológica), mostra o quanto as pessoas fingem ser cegas, surdas e mudas a estas situações, quando não é nada com eles. Teria ganhado mais se tivesse dito que tinha percebido, mas estava com medo.

E com um outro senhor que, para ajudar a actriz, não se chegou à frente, mas soube vir dizer de sua justiça quando outras pessoas se juntaram aos actores, e criticaram o comportamento do marido agressor "ele não está a agredi-la, está a chamá-la à razão!"

 

É triste...mas é real! 

A associação Apoio à Vida

Imagem 1 - lifestyle-ação social.jpg

 

Antigamente, ser mãe aos 15 ou 16 anos era algo que acontecia com regularidade. Hoje, a gravidez na adolescência nem sempre é bem aceite, tanto pelas futuras mães, como pelos próprios familiares, que pensam que as suas filhas ainda são crianças e não têm condições financeiras nem psicológicas para cuidar do bebé que vem a caminho. Por outro lado, consideram a gravidez como um acontecimento que irá prejudicar, de forma irremediável, o futuro dessas adolescentes.

 

Talvez por isso, e pela falta de apoio de quem as rodeia, muitas mães adolescentes tomem, frequentemente, a decisão de abortar. Com a legalização do aborto, essa opção passou a ser a melhor forma de se livrarem de um problema no qual, consciente ou inconscientemente, se colocaram, e que parece incomodar a todos à sua volta.

 

 

Imagem 3 - lifestyle-ação social.jpeg

 

No entanto, existem adolescentes que até querem levar adiante a sua gravidez, e viver a experiência da maternidade, apesar da sua tenra idade. E é, nestes casos, que o apoio dos companheiros, dos pais, da família em geral, e até da própria sociedade, se torna fundamental.

 

Também existem associações que ajudam e acolhem adolescentes e mulheres grávidas, cuja situação socioeconómica, familiar ou psicológica as impede de assegurarem, sozinhas, o nascimento e educação dos seus filhos.

 

 

Imagem 2 - lifestyle-ação social.jpeg

 

 

Uma dessas associações é a Apoio à Vida, cuja atividade foi iniciada em 1998, e que tenta mostrar que, por mais difícil que seja a situação em que essas adolescentes ou mulheres se encontram, ainda há quem as apoie para que possam tornar a vinda da nova criança desejada e possível.

 

Quem é que a Apoio à Vida ajuda?

* Adolescentes e mulheres grávidas, com dúvidas relativamente à sua gravidez, ou com falta de condições para preparar devidamente a chegada do seu bebé;

* Adolescentes e mulheres grávidas que colocam a hipótese de abortar por alguma pressão externa;

* Mães com bebés recém-nascidos;

* Familiares e amigos de grávidas, e das mães que apoiam, nomeadamente os pais dessas mães ajudadas.

 

 

De que forma é que a associação Apoio à Vida pode apoiar?

O principal objetivo é prestar apoio social e psicológico a todas as adolescentes e mulheres grávidas que a ela recorrem, através de um conjunto de técnicos especializados, como psicólogas, assistentes sociais, técnicas de inserção profissional, e de um importante núcleo de voluntários (médicos, enfermeiras, consultores jurídicos, e outros), que se encontram distribuídos por quatro grandes áreas de intervenção:

 

> Gabinete de Atendimento Externo

Acompanha e ajuda as mães a levar a sua gravidez até ao fim, promovendo e desenvolvendo as suas competências maternas, pessoais e sociais.

 

> Casa de Acolhimento Temporário

Na Casa de Santa Isabel, são acolhidas as mães grávidas em situação de maior dificuldade, que adquirem competências maternas e pessoais, recebem formação em diversas áreas, e são auxiliadas na construção de um projeto de vida que lhes permita conquistar a sua autonomia.

 

> Formação e Inserção Profissional

Através da Escola de Talentos, procuram dar resposta às necessidades de inserção profissional das mães, acompanhando-as na procura de trabalho.

 

> Acompanhamento Domiciliário

O Vida Nova tem por finalidade o acompanhamento das mães nos seus tempos iniciais de autonomização, através de voluntários que as vão apoiando, nomeadamente na organização da casa, na gestão do orçamento familiar, na limpeza e higiene pessoal, e nos cuidados com os filhos.

 

 

Imagem 4 - lifestyle-ação social.jpeg

 

Por isso, se alguma vez estiverem numa situação idêntica e não souberem o que fazer, se se sentirem assustadas, e precisarem de apoio ou, simplesmente, conhecerem alguém que se encontre nessa situação, a braços com uma gravidez inesperada e sem saber que decisão tomar, já sabem que podem contar com a associação Apoio à Vida!

 

Mais informações em www.apoioavida.pt

 

Este artigo foi elaborado para a revista Blogazine n.º 11

Um outro olhar sobre os sem-abrigo

 

 

“Por circunstâncias da vida James Bowen viveu, durante vários anos, nas ruas de Londres ou em abrigos, onde encontrou uma fuga a um mundo ao qual ele pensava não pertencer.

Quase dez anos depois, matriculado num programa de desintoxicação para deixar as drogas, e a viver num apartamento subsidiado pelo governo, James fez da sua música o seu meio de sobrevivência começando, mais tarde, a vender nas ruas a revista The Big Issue. Nesta fase da sua vida, só podia contar com a boa vontade de algumas pessoas, e com o desprezo de outras.

O maior responsável pela mudança na sua vida foi um gato vadio que ele encontrou, doente, à porta do seu prédio, e que o fez querer mudar, sentir que tinha que adotar outra atitude. Que lhe deu razões para ter esperança na humanidade e num futuro mais sorridente. Que o ajudou, de certa forma, a reconciliar-se consigo próprio e com os que mais lhe queriam.”

 

 

 

Existem, infelizmente, muitas pessoas que estão a passar por situações difíceis, e que se veem, inesperadamente, na condição de sem-abrigo.

A maior parte delas não são loucas, nem antissociais. Nem todas são toxicodependentes, alcoólicas ou criminosas, nem tão pouco “parasitas da sociedade”, como muitas vezes são apelidadas. Cada vez mais, encontramos todo o tipo de pessoas na situação de sem abrigo, até mesmo pessoas com o ensino secundário ou técnico, licenciadas, ou que um dia já tiveram uma boa situação económica ou um bom emprego.

Os motivos que levam determinadas pessoas a esta situação são vários: alcoolismo ou toxicodependência, o desemprego súbito, doenças graves, desastres naturais, uma mudança de comunidade, entre outros. Com a crise que, atualmente, vivemos, houve um aumento, tanto da população sem-abrigo, como das famílias carenciadas, atirando muitos cidadãos para situações nas quais nunca esperaram um dia ver-se, passando a depender de pequenos trabalhos (mas que para essas pessoas já significam muito), como vender revistas na rua, ou arrumar carros, e da ajuda da sociedade, nomeadamente de centros de apoio e associações solidárias.

 

 

 

Uma dessas associações, é o Centro de Apoio ao Sem-Abrigo – CASA.

Para melhor compreender o trabalho desenvolvido por esta associação, e ficar a conhecer um pouco mais a realidade da população sem-abrigo, convidei o Coordenador da Delegação de Lisboa do CASA (Centro de Apoio ao Sem Abrigo), André Mendes, a responder a algumas questões.

Um outro olhar sobre os sem-abrigo, a não perder na BLOGAZINE, com uma entrevista a esta associação que apoia os sem-abrigo do nosso país.

À Conversa com Mário Silva - APCOI

 

Já aqui falei algumas vezes sobre a obesidade infantil e os perigos para a saúde que daí advêm, mas nunca é demais relembrar que, no mundo, cerca de 155 milhões de crianças têm excesso de peso ou são obesas, dos quais 43 milhões em idade pré-escolar. São números alarmantes, para os quais contribui também o nosso país, que está entre os países europeus com maior número de crianças com excesso de peso ou obesas.

Para combater a obesidade infantil, nem sempre a intervenção dos pais, em casa, é suficiente. Os pais têm um papel fundamental, no sentido de educar para uma alimentação mais saudável e incutir aos filhos, desde cedo, a prática de bons hábitos alimentares dando, eles próprios, o exemplo.

 

Mas esta intervenção deve ser complementada pelas diversas entidades que lidam com as crianças, e que fazem parte do meio em que a mesma se desenvolve como, por exemplo, a escola que frequentam.

Para ajudar nesta missão nasceu, em Dezembro de 2010, a APCOI – Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil, uma organização sem fins lucrativos cujo objectivo passa por promover a saúde das crianças e combater o sedentarismo, a má nutrição, a obesidade infantil, e as doenças associadas, através da organização de diversas campanhas e eventos, alertando para a problemática da obesidade infantil em Portugal.

 

Tomei conhecimento desta associação através da nossa participação na última Corrida da Criança, no Estoril, que todos os anos reúne a família (miúdos e graúdos), para uma corrida solidária que, para além de ajudar as crianças abrangidas pela associação, visa também o combate ao sedentarismo e promoção da prática de exercício físico, num ambiente de festa e convívio.

Para nos falar um pouco mais sobre a APCOI, tenho hoje como convidado o seu Presidente e Fundador, Mário Silva, que gentilmente aceitou o convite para esta entrevista, e a quem desde já agradeço a disponibilidade.

 

 

 

Começo por perguntar, como nasceu a APCOI?

Um dia, depois do trabalho, algures durante o ano de 2009, estava na fila do supermercado. À minha frente estava um menino, que devia ter menos de 10 anos. Era claramente obeso e tentava convencer a mãe a comprar-lhe uma embalagem de um snack que prometia oferecer um cromo no seu interior, recorrendo a todos os argumentos possíveis. A mãe dizia-lhe que não ia fazer-lhe bem, que não podia comer aquelas guloseimas. Mas não resistiu à pressão do filho e comprou-lhe o snack. O produto tinha elevado teor de açúcar, gordura e sal, pelo que iria sem dúvida contribuir para agravar o estado de saúde já debilitado daquela criança. E quem seria um dos principais culpados? Eu. Na altura, trabalhava na agência de marketing infantil que tinha desenvolvido aquela promoção, tal como tantas outras que tinham como única finalidade aumentar as vendas destes produtos nocivos. Foi uma chamada de atenção que despertou para a dura realidade da obesidade infantil que é considerada atualmente a maior epidemia não contagiosa do mundo e em Portugal não é diferente, uma em cada três crianças tem excesso de peso! Depois de me deparar com esta realidade, foi impossível continuar a trabalhar para vender produtos que danificam a saúde das crianças... daí até fundar a APCOI foi apenas um pequeno passo.

 

Que projectos tem a APCOI, neste momento, a decorrer?

Este ano de 2016 vai ser muito marcante, porque é um ano de muitas surpresas. Continuamos a crescer com o projeto «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável» que já conseguiu melhorar os hábitos alimentares de mais de 200 mil alunos em todas as regiões do país e é atualmente considerada a maior iniciativa escolar gratuita de educação para a saúde a nível nacional. Para celebrar este sucesso, queremos levar a marca «Heróis da Fruta» para outros públicos, através de eventos especiais e até de edições limitadas de produtos em parceria com diversas entidades selecionadas. Vamos ter muitas novidades em breve, uma delas acabou de ser lançada e chama-se «Missão 1 Quilo de Ajuda». É a vertente mais solidária do nosso projeto escolar e consiste na oferta semanal de cabazes de fruta nas escolas para apoiar o reforço alimentar e a inclusão social dos alunos mais carenciados do país.

 

Em 2012 a associação inaugurou o 1º Centro de Prevenção da Obesidade Infantil em Portugal. A quem é que se destina este centro, e que actividades costuma desenvolver?

É o nosso centro de operações, onde trabalham os nossos especialistas em saúde infantil, cientistas e investigadores e a restante equipa que apoia cada um dos projetos da APCOI. Quando foi inaugurado em 2012, nasceu também com ele um projeto-piloto de acompanhamento de famílias com crianças com excesso de peso que ultrapassou todas as expectativas, tendo uma lista de espera de muitos meses, e por isso mesmo, já este ano, o modelo vai ser estendido a todo o país, através de uma parceria que nos permitirá dar esta resposta às famílias em 18 locais em todo o território nacional.

 

Considera que ainda há um longo caminho a percorrer na prevenção e combate à obesidade infantil?

Sim, é um trabalho contínuo. Utilizando a linguagem dos «Heróis da Fruta», a nossa missão nunca acaba, temos de continuar a espalhar a magia da saúde, todos os dias para que esta chegue ao maior número de crianças! Na verdade, a única forma de garantir que este problema de saúde pública está controlado é manter um elevado nível de prevenção, através da realização sistemática e consistente de programas de educação para a saúde, como no caso do projeto «Heróis da Fruta».

 

Esse caminho passa, essencialmente, por uma mudança de mentalidades?

Sem dúvida! Para lhe responder a esta pergunta, vou contar-lhe uma pequena história: Os primeiros «Heróis da Fruta» do mundo, a Sushi e o Yago, são dois irmãos que decidiram iniciar uma empolgante missão: devolver ao mundo o conhecimento sobre a alimentação saudável que a Madame Ganância fez desaparecer. Nos últimos anos, têm percorrido o país à procura de outras crianças que queiram aprender como se podem transformar em verdadeiros super heróis a defender a sua saúde e a saúde de todos à sua volta. Ao longo da sua aventura, os "Heróis da Fruta" vão saborear todos os dias alimentos saudáveis nas suas refeições, vencer desafios e jogos incríveis, receber prémios fantásticos e aprender a usar a magia da música para fazer chegar mais longe a sua missão: ensinar tudo isto aos adultos, mesmo àqueles que dizem já não ter idade para mudar os seus velhos hábitos.

 

Devido ao estilo de vida que a sociedade actual leva, existe hoje um maior número de crianças com excesso de peso ou obesas, em relação há uns anos ou até décadas atrás? Ou esse número já existia, mas só agora, devido a uma maior preocupação e um estudo mais aprofundado, é possível chegarmos a ele?

É um facto houve um aumento de excesso de peso na população, não só infantil, devido ao estilo de vida atual que se instalou na nossa sociedade nos últimos 30 anos. Aliás, sabemos hoje que nos últimos 33 anos, a taxa de obesidade infantil aumentou 47% em todo o mundo. Esta é a conclusão muito recente de uma das maiores revisões de todos os estudos sobre este problema em todo o mundo. No entanto, acho que também se tem vindo a falar mais de excesso de peso nos últimos anos, porque há uma maior preocupação da população em geral em relação a este assunto. Na minha opinião, o facto de a ainda primeira-dama dos EUA ter abraçado e defendido esta causa com todas as suas forças, colocou o mundo a olhar para este problema com maior frequência. Em Portugal, desde a criação da APCOI em 2010, todas as semanas se fala de obesidade e excesso de peso nos meios de comunicação social. Só para lhe dar um exemplo, desde o ínicio de janeiro já foram publicadas mais de 200 notícias em Portugal sobre a APCOI ou sobre os nossos projetos. Penso que é muito positivo falar-se do problema para acabar com mitos e preconceitos que contribuiem para o sofrimento de tantas crianças. É importante informar. Só com informação e conhecimento proveniente de fontes fidedignas é que conseguimos melhorar a vida e a saúde das crianças.

 

É um facto que, hoje em dia, existe uma maior preocupação por parte da sociedade em geral, das diversas entidades às quais estamos directa ou indirectamente ligados, e dos pais em particular, no que respeita à promoção de uma alimentação mais saudável e prática de exercício físico. No entanto, continuamos a ter números alarmantes de crianças com obesidade infantil. Como é que se explica essa contradição?

A taxa de obesidade infantil aumentou 47% em todo o mundo nos últimos 33 anos, mas apenas nos últimos 5 ou 6 anos se tem vindo a assistir a essa maior preocupação da população em geral em relação aos seus hábitos diários. No entanto, a realidade mostra-nos que será necessário algum tempo e uma boa dose de persistência para passarmos da consciência à prática para conseguirmos controlar este problema. Em 2009, por exemplo, antes de fundar a APCOI, procurei por uma instituição na qual pudesse fazer voluntariado com crianças na área da promoção de alimentação saudável e exercício físico e não existia nada assim em Portugal. As organizações ligadas à obesidade estavam sobretudo vocacionadas para o estudo científico do problema ou para o tratamento cirurgico e direccionados principalmente para a obesidade na fase adulta. A APCOI foi de facto a primeira associação sem fins lucrativos a dedicar-se totalmente à prevenção da obesidade infantil em portugal. Hoje chegam-nos muitos pais que nos dizem que já fazem uma alimentação saudável lá em casa e que os filhos praticam desporto e que realmente não percebem porque é que as crianças continuam a aumentar de peso. Quando em conjunto com os nossos especialistas analisam a alimentação diária da família, na maioria das vezes percebem quais os erros que estão a cometer e que estão a contribuir para o aumento de peso.

 

Considera que a correria em que as famílias vivem e a falta de tempo são argumentos válidos, ou são apenas uma desculpa para justificar os erros alimentares que se cometem regularmente, bem como o sedentarismo?

Num dia de semana habitual, trabalho cerca de 10 horas, tenho que cozinhar pelo menos duas refeições em casa e ainda ter tempo para as deslocações. Há três meses obrigo-me a praticar uma atividade física duas horas por semana. Agora chego a casa todos os dias exausto e não tenho crianças pequenas. Por isso, compreendo perfeitamente que não são apenas desculpas, é de facto o ritmo atual das famílias que lhes deixa muito pouco tempo livre e que as leva a procurar com frequência soluções rápidas e práticas para as tarefas diárias, nomeadamente para a alimentação. Realmente, não é possível ter tempo para tudo, mas por isso mesmo temos de dar prioridade ao mais importante. Em vez de ficarmos no sofá durante uma ou duas horas antes de ir para a cama, podemos perfeitamente ir dar uma caminhada a pé em família ou preparar as refeições do dia seguinte para que possamos ganhar tempo que nos permita praticar uma atividade física depois do trabalho ou para levar as crianças ao parque infantil depois da escola. A nossa força de vontade é capaz de superar todas as dificuldades, sobretudo se for a saúde das crianças que está em risco. Mas é claro que até os melhores pais do mundo por vezes precisam de ajuda para tornar a sua família mais saudável e a APCOI está cá para apoiá-los no que for preciso.

 

Em Outubro de 2015 arrancou a 5ª edição do projecto “Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável” desenhado especialmente para jardins-de-infância e escolas básicas do 1º ciclo. Como é que as escolas encaram este programa? Têm tido uma boa aderência por parte das mesmas?

Depois do sucesso das edições anteriores que envolveram no total 183.395 alunos, no ano letivo 2015/2016 participam no projeto «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável», 52.832 alunos de 2.607 turmas, de 875 jardins de infância e escolas básicas do 1º ciclo de todos os distritos do país, incluindo as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável» é atualmente o maior programa gratuito de educação para a saúde de âmbito nacional, com uma das maiores taxas de sucesso de sempre em reeducação alimentar infantil em Portugal: está estatísticamente comprovado que a aplicação do modelo pedagógico dos «Heróis da Fruta» aumenta em pelo menos 42% o consumo de fruta diário das crianças que nele participam. Além do incentivo ao consumo de fruta nas quantidades recomendadas pela OMS (Organização Mundial de Saúde), o projeto «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável» leva também às crianças lições importantes sobre alimentação saudável, higiene oral, atividade física, economia e poupança, respeito pelo ambiente e bem-estar emocional, que as ajudam a crescer saudáveis, ativas e felizes. As escolas adoram este projeto e pedem-nos todos os anos para visitarmos cada vez mais escolas, algo que só podemos concretizar graças aos nossos parceiros. Aliás, o apoio de empresas preocupadas com a saúde das crianças em Portugal como o Clube Pelicas da Associação Mutualista Montepio, Fábrica de Óculos do Cacém, Aquafresh, Fruut, Vitacress, Holmes Place, Jumbo, Maçãs de Alcobaça, Águas do Vimeiro, Konica Minolta e a Portugal Telecom, é fundamental para conseguirmos oferecer gratuitamente esta experiência mágica e tão necessária a cada vez mais crianças.

 

Podemos contar com uma nova edição da Corrida da Criança em 2016?

A Corrida da Criança é um projeto muito querido por todos os públicos: as crianças, as famílias, a nossa equipa, todos os voluntários e as empresas que com ele colaboram. Mas é uma ação de sensibilização que acontece apenas uma vez por ano. Sentimos que precisamos de dar prioridade às ações que cheguem ao maior número de pessoas e que tenham âmbito nacional. Por essas razões não teremos uma nova edição da Corrida da Criança em 2016, mas este projeto vai ter continuidade noutros formatos, já este ano vamos ter novidadades em várias cidades do país. Fiquem atentos!

 

Que tipo de ajuda mais precisa a APCOI neste momento, e de que forma pode, quem nos está a ler, contribuir?

O nosso maior desafio diariamente é a escassez de recursos financeiros. Por sermos uma organização não governamental, independente e totalmente financiada por empresas e particulares necessitamos de toda a ajuda possível. Quem nos está a ler poderá ajudar-nos de várias maneiras: tornando-se voluntário, contribuindo assim com o seu tempo livre para esta causa; tornando-se associado, apoiando o trabalho da APCOI com uma quota anual; ou ainda oferecendo um donativo pontual de qualquer valor que será canalizado diretamente para um dos nossos projetos. Neste momento, queremos expandir a entrega semanal dos cabazes de fruta da «Missão 1 Quilo de Ajuda» a mais crianças carenciadas, temos mais de 100 candidaturas e só conseguimos dar resposta a 10 escolas neste momento, pelo que precisamos de muitos apoios. Uma forma simples de contribuir para este projeto é fazer uma chamada para o número de telefone 760 450 060 (custo 0,60€ + IVA) que reverte na totalidade para a entrega de cabazes nas escolas, o nosso lema é: 1 telefonema solidário = 1 lanche saudável.

 

Mário, mais uma vez, muito obrigada por nos ter proporcionado esta “conversa”. Que a APCOI continue a lutar pela saúde das nossas crianças e a desenvolver o extraordinário trabalho como têm vindo a fazer até aqui!

 

Podem saber mais sobre a APCOI e os seus projectos em:

www.apcoi.pt

www.heroisdafruta.com

www.corridadacrianca.com

 

  • Blogs Portugal

  • BP