Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O que compensou ao longo destes 15 anos

Resultado de imagem para balança desenho

 

Quinze anos a trabalhar no mesmo sítio é uma data para celebrar!

Sim, nem sempre apetece, nem sempre o entusiasmo e a motivação são os mesmos, nem sempre a disposição é igual. Comecei com 20 anos. Nessa altura, estava ainda muito verde. 

Hoje, pergunto-me:

O que compensou destes últimos 15 anos?

O que me faz continuar a gostar deste trabalho? 

Excluindo o dinheiro que é o principal objectivo e motivação, os conhecimentos que fui e ainda vou adquirindo a cada ano. Coisas que não me passavam pela cabeça e que hoje, se alguém me perguntar ou pedir ajuda, sei responder e encaminhar.

Pode parecer que não, mas também me ajudou a escrever melhor, a utilizar determinados termos, e até a relembrar a matemática aprendida na escola, e há muito esquecida. 

As pessoas que fui conhecendo nos vários serviços que frequento em trabalho, e que me acompanharam em várias fases. Hoje, vou às Finanças ou à Conservatória, e já me conhecem bem, já sou da casa, algumas funcionárias até já me tratam por tu e me chamam Martinha, perguntam pela minha filha, que conhecem desde bebé (aliás, lembram-se de mim ainda grávida, e cheguei a levá-la quando era pequenita). 

E, acima de tudo, a forma calorosa como alguns clientes me tratam! Há clientes que ligam e que pedem para falar comigo. Talvez por ter tempo para as ouvir e lhes retribuir a conversa, ou porque estou por dentro dos assuntos. E, penso eu, pela minha simpatia e maneira de ser.

Há clientes que também valorizam o meu trabalho, enquanto administrativa.

Uma senhora, já me convidou várias vezes para tomar o pequeno almoço com ela, e cada vez que liga para lá é uma festa! Já houve clientes que levaram um mimo em ocasiões especiais (Natal/ Páscoa/ nascimento da minha filha). Já houve uma cliente que me levou uns queijinhos, outra bolos, outra uns objetos de decoração, outra deixou um café e um bolo pagos na pastelaria. Hoje, uma cliente foi à pastelaria comprar-me um bolo (até me perguntou que bolo é que eu queria). E isto são só alguns exemplos.

Por tudo isto, apesar de este trabalho nem sempre ser um mar de rosas, já compensou até aqui. E espero que assim continue por muitos mais anos!

 

A sério?

 

Em declarações à Renascença, Nuno Crato refere que pretende que "todos os alunos passem, mas que passem sabendo" e que "estas provas finais são um passo nesse sentido".


A sério? Pois eu lamento discordar do Sr. Ministro.


E não vou falar de todo o aparato que as mesmas envolveram, da aparente falta de organização e de meios, das contestações dos pais, nem do valor atribuído a estas provas. Já disse anteriormente que não concordo com o peso das provas na avaliação global. Aceito que haja uma introdução de provas e exames, para que os alunos se vão ambientando com uma situação que passará a ser mais frequente ao longo das suas vidas enquanto estudantes, que sirva como estudo meramente estatístico para avaliar os conhecimentos dos alunos e a eficácia dos métodos de ensino que estão a ser aplicados, mas não mais do que isso.


Quanto às afirmações do Sr. Ministro, simplesmente, parece-me contraditório afirmar que os alunos devem passar sabendo, quando na prática isso não acontece. Penso que ainda se aplica em muitas escolas a política de dificultar ou mesmo evitar os chumbos.


Segundo afirmações de alguns professores, pretende-se "Dificultar os chumbos para fabricar o sucesso. É este o objectivo das várias condições que têm de ser cumpridas para se poder reprovar um aluno no básico. Planos de recuperação, justificações escritas e uma legislação que determina claramente que a retenção só ocorre após a aplicação de uma avaliação extraordinária, são alguns dos pressupostos que têm de ser cumpridos. E, para chumbar um aluno duas vezes no mesmo ciclo de ensino, a escola tem de contar com o aval dos encarregados de educação."

 

Não é preciso ir muito longe: na turma da minha filha, existem pelo menos duas crianças que, pela lógica, já teriam ficado retidas num dos anos anteriores. No entanto, até agora, têm passado sempre, talvez devido aos planos de recuperação.

Por outro lado, uma das primas da minha filha chumbou no 2º ano e, no 4º, a professora perguntou aos pais se queriam que ela a passasse ou chumbasse, uma vez que não estava preparada para seguir em frente para o 2º ciclo. Os pais optaram por retê-la mais um ano.


Agora expliquem-me como é que uma criança que passa sempre, sem que esteja em condições para isso, sem que saiba o necessário para isso, chega depois ao 4º ano preparada para uma prova deste género. E porque é que, só na transicção do 1º para o 2º ciclo, há esta preocupação toda para que os alunos passem, sabendo, quando até aí passaram sem saber?


 


 

 

 


Apetece-me...

...tirar um curso numa área que me desperte interesse. 

Apetece-me cultivar-me mais um pouco, adquirir novos conhecimentos, instruir-me.

E ando à procura de cursos em regime de e-learning, tendo em conta a pouca disponibilidade e total falta de paciência para frequentar aulas! 

 

Flexibilidade de Actuação do Profissional de Psicologia na Educação Infantil

 

Flexibilidade de Actuação do Profissional de Psicologia na Educação Infantil

 

Desenvolvimento da Criança Até Aos 12 Anos

 

Desenvolvimento da Criança Até Aos 12 Anos

 

Vi também uma pós graduação interessante que, ao contrário dos cursos acima, não é gratuita, mas que me entusiasmou bastante - Educação Social e Intervenção Comunitária.

PLANO CURRICULAR
Módulo I - CIDADANIA E RISCO SOCIAL
Módulo II - EXCLUSÃO E INCLUSÃO SOCIAL
Módulo III - POLÍTICAS DE ACÇÃO SOCIAL E INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA
Módulo IV - PSICOLOGIA DA FAMILIA/RELAÇÕES FAMILIARES
Módulo V - INTERVENÇÃO SÓCIO-EDUCATIVA COMUNITÁRIA EM ADULTOS
Módulo VI - INTERVENÇÃO SÓCIO-EDUCATIVA COMUNITÁRIA EM CRIANÇAS E JOVENS
Módulo VII - EDUCAÇÃO SOCIAL, REINSERÇÃO E DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO
Módulo VIII - PSICOLOGIA COMUNITÁRIA
Módulo IX - PROJECTO

 

Vamos lá ver se não é uma coisa passageira para a qual acordei virada esta semana!

É o que dá ter o marido e a filha a estudar :)

 

A Experiência

“A experiência é como uma lanterna dependurada nas costas – apenas ilumina o caminho já percorrido”

CONFÚCIO

 

                       

 

Lembro-me de uma história que li uma vez, sobre duas moscas que caíram num copo de água. Uma delas, lutou desesperada para conseguir sair de lá mas, ao fim de pouco tempo, estava de tal forma cansada que acabou por não ter mais forças e afogou-se. A outra, mais ponderada, conseguiu com calma chegar até ao rebordo do copo e voou, salvando-se da morte certa. Uns tempos mais tarde, essa mesma mosca volta a cair num copo, desta feita mais alto. Uma outra, que observava a cena, tentou ajudá-la, sugerindo-lhe que se servisse da palhinha para subir. Mas a mosca, baseando-se na sua experiência adquirida da aventura anterior, resolveu agir como dessa vez, ignorando o conselho da sua amiga. E assim, acabou por ter um triste destino.

É certo que todos nós aprendemos alguma coisa com a experiência que, ao longo da nossa vida, vamos adquirindo. Mas isso não significa que estejamos totalmente preparados para o futuro, imunes ao que ele nos reserva, ou que tenhamos aprendido a lição completa.

À medida que vamos vivendo percebemos que, no caminho já percorrido, tivemos acções que se revelaram acertadas, cometemos erros que agora poderemos saber evitar, e adquirimos conhecimentos que até então não possuíamos.

Mas a vida é uma experiência contínua, uma aprendizagem permanente, e nem sempre aquilo que já sabemos pode ser aplicado no caminho que temos pela frente, e nas situações que se apresentem daí em diante.  

Por vezes, a vida troca-nos as voltas e, quando assim é, de nada vale a experiência adquirida perante uma visão completamente nova aos nossos olhos.

Aquilo que passámos ontem, e sabemos hoje, pode não ser suficiente nem apropriado para enfrentar o nosso amanhã!  

Por isso, é importante guardar essa experiência já adquirida como uma mais-valia, mas não permitir que ela nos limite ou impeça de agir de uma forma diferente num futuro ainda por desbravar!