Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O risco


"É a criança que não lhe dão boas condições de uma vida digna: moradia, alimentação, convívio familiar saudável, escola. Ou seja, boas condições que a família e o próprio Estado devem lhe assegurar..."

 

Esta será uma definição de criança em risco. Risco que pode ser detectado e investigado com vista a intervenção para resolução atempada da situação.

No entanto, o risco pode ir muito além desta falta de condições para uma vida digna.

Infelizmente, há riscos que, pela sua súbita e rápida duração, podem não ser possíveis de detectar a tempo de agir.

Um pai ou uma mãe que se esquecem de um filho no carro durante uma manhã, uma tarde, uma hora ou até uns segundos, está a colocar a criança em risco.

Por outro lado, um juiz que entrega uma criança a uma mãe que se sabe, à partida, não reunir as melhores condições de uma vida digna para o seu filho, retirando-o de uma família onde essas condições existiam, pode estar a colocar uma criança em risco.

Se é verdade que, no momento de pensar em ter filhos, nem sempre os pais reflectem sobre esse passo, sobre as condições que têm ou não, nem tão pouco medem as consequências que esse acto terá, no futuro, na vida dos filhos, também é verdade que nem sempre o Estado, com toda a legislação e intervenção, assegura essas condições.

O outro lado

 

“Todos, à minha volta, andam preocupados, cansados, stressados…todos, em meu redor, estão sem paciência, irritados, chateados…todos eles, alternam entre a tristeza e a alegria momentânea…todos me pedem o melhor de mim, todos querem o melhor para mim…compreendo isso…

Mas alguém sabe como eu me sinto? Já alguém se colocou no meu lugar? Já algum de vocês tentou imaginar o que vai dentro de mim?

Não sou a aluna nem a filha perfeita, mas de uma maneira geral, gosto da escola, da minha professora e dos meus colegas. Até daqueles que me chateiam, por vezes, a cabeça!

A grande maioria das vezes, custa-me levantar cedo para ir à escola. Algumas, não me apetece mesmo ir. É tão bom ter uns dias de férias para brincar e me divertir, para ver televisão ou simplesmente ficar em casa com a mãe!

Mas gosto de aprender, gosto das minhas actividades de inglês, gosto de brincar com as minhas amigas e dançar no recreio, ao som das mais variadas músicas!

Agora, assim de repente, tudo isso me foi tirado…Há mais de um mês que me vejo privada das brincadeiras, do convívio, da dança, da aprendizagem, de todas aquelas pessoas que faziam, igualmente, parte do meu dia-a-dia.

Todos os meus colegas estão lá, seguindo as suas vidas, e eu…eu, estou aqui fechada em casa, sozinha…não no verdadeiro sentido da palavra, mas é como me sinto…sinto que fiquei cá atrás, quando todos avançaram…sinto-me vazia…

Passar uns dias no hospital, embora não tenha sido mau, também não se pode considerar uma estadia de férias de verão num hotel. Andar de casa para o hospital, e do hospital para casa, não é propriamente o meu passeio favorito.

A minha mãe…eu sei que ela está a fazer um grande esforço para conciliar o trabalho dela, e ainda me ensinar, em casa, aquilo que os meus colegas estão a aprender na escola durante todo este tempo. Sei que ela não quer que eu saia prejudicada desta situação e que, por isso mesmo, é exigente comigo.

Mas eu também sou humana! Também tenho sentimentos! Também tenho o direito de me sentir triste, frustrada, desanimada, fragilizada…Também tenho o direito de gritar para todos que me deixem em paz e parem de fazer exigências…E também tenho o direito de chorar….Talvez assim me compreendam…talvez assim parem, e consigam olhar para o outro lado…o meu lado!”

Criança por perto? Não fume!

 

Eu estou de acordo com a teoria desta proibição, mas não vejo na prática um resultado positivo.
Nunca fumei, sempre detestei o fumo de tabaco. Lembro-me que, quando ia a uma discoteca, só me deitava depois de pôr a roupa toda na máquina e tomar um banho, para tirar aquele cheiro horrível. O meu primeiro namorado fumava, não muito. O meu ex-marido fumava muito mais, mas em casa desde o primeiro dia foi proibido! E mais não podia fazer. Sempre tentei proteger ao máximo a minha filha, mas quando as pessoas não têm essa consciência, é escusado. E, quando nos separámos, foi impossível controlar os sítios para onde ele a levava. Só me restava recebê-la, dar-lhe um banho e agradecer por ser só de vez em quando.
Agora que ela é crescidinha, ela própria diz ao pai que ele não devia fumar, porque faz mal. Ele não quer saber. Esquece-se é que, se a ele faz 100% mal, a quem leva com o fumo faz bem pior. Já para não falar que ele fuma porque quer, os outros são obrigados a levar com o fumo.
Acho bem que não se fume na presença de crianças mas, acima de tudo, que seja uma decisão dos fumadores. Porque, por muito que proibam aqui ou ali, em locais públicos é uma coisa. Privacidade é outra. Então um fumador, no seu próprio carro, não pode fumar? E já agora, daqui a pouco também não pode na sua própria casa! Afinal, se é para proibir o acto na presença de crianças, os filhos também lá estão em casa.
Mas não estarão, de certa forma, a invadir um território que não lhes pertence? Não estarão a interferir com a liberdade de cada um?

Decisões de mãe

 

Quando soube que estava grávida, pensei: “e agora, será que estou preparada?”

Se estava preparada ou não, não sei, mas tenho vindo ao longo destes oito anos a fazer aquilo que sei, que posso, e que o meu coração de mãe me diz para fazer.

Aquilo que penso ser o mais correcto, aquilo que considero mais natural.

Tenho uma única filha e, apesar de não ser de todo uma mãe perfeita, e de a minha opinião valer o que vale, de uma coisa já me convenci - não quero saber qual é a altura certa, o momento adequado, a hora recomendada. Não quero saber se há outras crianças que já fazem isto ou aquilo, ou são capazes de uma coisa ou outra. Cada criança é uma criança e a minha há-de fazer o mesmo que outras, tão bem ou melhor ainda, ou simplesmente à sua maneira, quando tiver que ser.

Os dentes costumam nascer numa determinada idade. As crianças costumam gatinhar, e começar a andar em tal mês. Deixam de mamar aos tantos meses. Dizem as primeiras palavras quando têm aqueles anos. Largam a fralda, começam a dormir sozinhos, e tantas outras coisas que nos fazem questão de informar e advertir como se, qualquer uma delas, ocorrida fora desses tempos predefinidos, fosse indicador de que alguma coisa não está bem, que não estamos a educar bem os nossos filhos ou a fazer o melhor por eles, pelo contrário, estamos a prejudicá-los.

Mas será mesmo assim?

Sempre considerei que a minha filha largaria a fralda quando estivesse preparada, e não à força. Se foi demasiado tarde? Talvez! Mas que importa isso? Deixou de a usar por iniciativa própria e não a prejudicou em nada.

Sempre considerei que era preferível ela dormir sozinha mas, depois de uma primeira fase em que se adaptou perfeitamente, veio aquela em que me venceu pelo cansaço. Habituámo-nos então a dormir juntas, até que, há cerca de um ano, combinámos fazer a experiência e dormir cada uma no seu quarto. Resultou. E não é que, depois de eu considerar que estas tinham sido duas pequenas vitórias no meu percurso de mãe, alguém me fez sentir como se não tivesse feito mais que a minha obrigação. Como se tivesse cometido erros gravíssimos e de tal forma prejudiciais, que já deveria ter corrigido há muito tempo atrás.

Qual não é o meu espanto quando me deparo com uma reportagem sobre o co-sleeping, e percebo que afinal até é uma prática mais comum do que se pensa!

Então, chega de me dizerem o que é normal e o que não é, o que devo fazer e o que não devo, o que é o melhor e o que não é, porque cada vez mais me convenço que o melhor que fazemos é seguir o nosso instinto maternal!

 

  • Blogs Portugal

  • BP