Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O que o sono me faz

Resultado de imagem para desenhos com sono

 

Pensamento à noite, quando já estou cansada e cheia de sono, e só quero chegar à cama:

"Amanhã de manhã levanto-me mais cedo, e arrumo isto, faço aquilo, e por aí fora. "

 

Pensamento da manhã seguinte, quando me deveria estar a levantar:

Ao primeiro do despertador - "Só mais um bocadinho e já vou."

Ao segundo toque - "Estou aqui tão bem. Só mais um bocadinho."

Ao terceiro e último toque - "Bolas, era para me levantar mais cedo, e acabo por me levantar à hora do costume!"

 

Resultado: tenho que andar a acelerar para fazer tudo e sair de casa a horas decentes!

Sobre a mudança da hora

 

Tenho por hábito acertar todos os relógios durante a tarde, no sábado em que muda a hora (tecnicamente só muda na madrugada de domingo), e até já tinha posto um daqueles meus famosos lembretes para não me esquecer.

Chegou o fim-de-semana e, mesmo sem lembrete, avisei a minha filha e acertei tudo. À noite, deitámo-nos tarde e o meu marido até comentou que, ainda por cima, íamos dormir menos uma hora.

No dia seguinte, o meu marido acorda assustado porque já passava das 06.30h e o despertador não tinha tocado, nem o colega ligado. Provavelmente, tinha-se esquecido da mudança da hora. Mandou mensagem ao amigo e levantou-se, mas aquilo estava a fazer-lhe muita confusão.

Perguntou-me várias vezes "Mas tens a certeza que é este fim-de-semana que a hora muda?", ao que eu lhe respondia "Tenho. Mas vê aí na box da Meo, que actualiza automaticamente."

Ele assim fez e, de facto, ainda tinha 5.30h. Pergunta-me mais uma vez se tenho a certeza e, só então, me lembro que a hora muda de sábado para domingo, e ainda era sábado de manhã!

Ou seja, por conta do feriado, fiquei toda baralhada e quis à força mudar a hora antes do tempo, de sexta para sábado!

E quem pagou foi o meu marido, que podia ter dormido mais uma hora e não o fez! 

A falta que me faz o polegar!

 

É o que dá ir lavar loiça antes da 7 da manhã, ainda meio a dormir!

Estava eu a lavar a loiça, pego na faca e, logo por azar, pelo lado da lâmina que corta. Quando dei por isso, já o corte estava feito, e o dedo a sangrar. Depois, foi desinfectar, pôr um penso, e fazer o resto do serviço a evitar tocar no dedo e molhá-lo.

Pode parecer incrível, porque é apenas um dedo, mas nem imaginam a falta que faz a utilização deste dedo nas tarefas mais básicas.

 

Qual é a idade certa para deixar os nossos filhos dormir em casa dos amigos?

 

Será que existe uma idade certa para os nossos filhos dormirem em casa dos amigos?

Talvez exista, mas essa idade difere de criança para criança, não é uma regra geral.

Em primeiro lugar, é preciso que os nossos filhos queiram fazê-lo e se sintam animados para tal. Nunca devemos impôr uma experiência dessas, convém que a iniciativa parta deles, ou então que se mostrem, pelo menos, receptivos à sugestão.

Mas isso só não basta. Imaginem que o vosso filho ainda usa fraldas numa determinada idade, ou faz chichi na cama de vez em quando, ou qualquer outro facto que o possa deixar envergonhado ou embaraçado perante os amigos. Será bom deixá-lo passar a noite na casa do amigo e arriscar? Talvez seja melhor esperar até essas situações serem ultrapassadas.

Depois, convém que a primeira vez a dormir fora de casa aconteça na casa de um amigo com quem eles costumem estar frequentemente, e cuja família nós conheçamos minimamente, porque isso irá deixar-nos, certamente, mais descansados. No entanto, estejam atentos porque pode acontecer o entusiasmo e excitação inicial dar lugar à saudade e apreensão, e os seus filhos ligarem a meio da noite a pedir para os ir buscar. Assim, é preferível que esse amigo não more muito longe.

A minha filha, por exemplo, foi convidada pouco tempo depois de ter conhecido uma menina na praia, com quem brincava, para dormir em casa dela, numa festa de pijama, com outras amigas dessa menina. E eu, na altura, pensei: ela nunca dormiu fora de casa (a não ser em casa dos avós ou do pai), nunca a deixei dormir em casa das colegas da escola, que conheço melhor e cujos pais conheço minimamente, porque haveria de deixá-la dormir em casa de alguém que só conheço de conversar uns dias na praia?

Confesso que fiquei com receio, e optei por não dar esse passo naquele momento. Hoje, e porque já lá estive algumas vezes em casa e conheço melhor os pais da amiga da minha filha, já seria diferente.

E, depois, convém que os nossos filhos já tenham alguma autonomia, embora em casa de outras pessoas eles tentem desembaraçar-se sozinhos de uma forma que não fazem em casa com os pais. Vestir e despir, higiene pessoa, calçar, entre outras, são tarefas que eles já devem dominar. 

Se já estão confiantes em deixarem os vossos filhos passar por esta experiência, levem-na até ao fim da melhor forma. Isso inclui não estarem constantemente a ligar para eles para saber como estão a correr as coisas e como se estão a portar. Combinem apenas um horário para um simples telefonema, e nada mais.

Mandem junto com o básico, algo que lhe possa dar confiança ou apoio, como um brinquedo, um boneco, a sua almofada, ou algo do género.

Acima de tudo, penso que é preciso haver vontade, confiança e serenidade, e tudo há-de correr pelo melhor!

 

Só me apetece dormir...

É assim que tenho andado nos últimos tempos - sonolenta! 

E estar, ao longo do dia, muito horas sentada também não ajuda. Os olhos querem fechar, e é difícil contrariá-los. O silêncio está do lado deles. É com muito esforço que me mantenho, durante o horário laboral, acordada.

Se ando a dormir pouco? Sim!

À custa das pinturas, limpezas e (des)arrumações lá em casa, há dias em que me tenho deitado às 2h ou 3h da manhã, para dali a 3 ou 4 horas estar de pé. 

Mas mesmo quando me deito mais cedo, e durmo mais, acontece-me o mesmo. No domingo, por exemplo, acordei sem energia, cheia de dores de cabeça e tonturas. Ao longo do dia fui melhorando e ao final da tarde já andava eu a carregar as peças do roupeiro velho da minha filha para o lixo e cheia de pica para trabalhar.

Já ontem, não consegui encher-me de coragem e tive mesmo que ir dormir. Hoje, parece que tenho as pernas presas e pesadas. E só me apetece encostar, fechar os olhos, e dormir!