Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Não podemos evitar o inevitável

Imagem relacionada

 

Muitas vezes, são tão bons os momentos que passamos em determinadas situações ou fases da nossa vida, ou com determinadas pessoas, que nos habituamos e acomodamos.

Pensamos que são permanentes, que estão garantidas, que nada mudará e, talvez por isso, acabemos por não viver e aproveitar ao máximo, por não perceber o valor desses momentos e pessoas, e o quanto devemos guardar na memória, para quando tudo mudar e deixar de existir.

E, um dia, de repente, o mundo dá uma volta, tira-nos tudo o que tínhamos, coloca-nos noutro cenário, e ficamos sem rumo.

Lutamos entre as saudades e a vontade de que tudo volte ao que era antes, e a adaptação a esta nova realidade que não tem que trazer, necessariamente, momentos ou pessoas piores, mas apenas diferentes, às quais nos acabaremos por habituar e acomodar, até que o mundo decida dar outra volta, arrancar-nos daquele cenário, e testar a forma como encaramos a vida, o diferente, o desconhecido, o presente, o futuro e o passado.

 

O nosso maior erro é pensar que tudo na vida permanecerá eternamente igual. Mas o mundo gira, e a nossa vida também. E não haverá nada que possamos fazer para evitar o inevitável!

Quando a ajuda tem o efeito inverso

Resultado de imagem para ajudar

 

Por vezes, as pessoas têm tendência a querer ajudar ou outros, sem saber exactamente a realidade da situação em questão, sem estar envolvida na mesma.

Essa ajuda traduz-se, quase sempre, por fazer o contrário daquilo que os outros fazem e que, supostamente, está a ser prejudicial a quem queremos ajudar.

Como se quisessem libertar essa pessoa, dar-lhe a liberdade, autonomia e confiança que os outros não depositam nela, limitando-a.

E se as coisas até começam a correr bem, acham-se os maiores, porque souberam lidar com tudo, sem stress, levando-as a acreditar que tudo o resto era desnecessário.

Mas esse é, muitas vezes, o grande erro porque, quando menos esperarem, a situação que provocaram pode fugir do controlo, e as consequências ser catastróficas. E, aí, onde fica a valentia, a arrogância do "afinal eu é que sei"?

Nessa altura, o pensamento muda para "afinal, não sei assim tão bem lidar com isto" ou "afinal, talvez os outros não estivessem tão errados".

Se é verdade que, por vezes, pode ser benéfico ouvir conselhos ou opiniões de pessoas que não estão por dentro das situações, e as coisas até resultam positivamente, também é verdade que, noutras circunstâncias, podem trazer uma melhoria de pouca duração,que acabará por descambar e piorar a situação.

É muito fácil formar juízos de valor e emitir opiniões. Mas quem opta por ficar do lado de fora nunca conhecerá, a 100%, aquilo que se passa no interior.

Muito ou pouco, não importa. É meu!

Resultado de imagem para moeda 2 euros

 

Relativamente à encomenda que tinha feito na Worten em Dezembro, acabei por cancelá-la e pedir o reembolso do valor pago - € 32,89.

Uns dias depois, vi que já tinham feito a transferência. Fiquei satisfeita e nem liguei mais até que, uns dias mais tarde,ao ver melhor, percebo que apenas tinha, transferido € 30,89.

Ligo para lá, e a mulher que me atende sugere que talvez seja dos portes. Mas quais portes, se eu não recebi nada? E, mesmo que fosse o caso, o valor seria maior. Conclusão a que chegou logo em seguida!

Tomou nota e encaminhou a situação para o departamento responsável. Uns dias mais tarde, ligaram-me a dizer que, de facto, tinha havido um lapso, e iriam proceder ao reembolso dos 2 euros em falta, que entretanto já recebi.

 

Por acaso, eram dois euros. Mas poderia ser mais.

E, muito ou pouco, não importa. O que interessa, é que esse dinheiro era meu e, se houve engano, que toda a gente pode errar (por acaso é sempre para o lado deles), só tem que ser corrigido.

Agora imaginem 2 euros por cada caso parecido, sem que as pessoas dêem conta, quanto não daria no final!

 

A culpa

Resultado de imagem para culpa

 

Muitas vezes, consciente ou inconscientemente, transferimos para os outros a "culpa" que, no fundo, sabemos que é nossa.

Ou que, simplesmente, não é de ninguém.

Mas temos que encontrar algo ou alguém a quem responsabilizar, como se isso nos tirasse um fardo de cima, nos desse alívio, e o problema se resolvesse o problema por si só...

Nada poderia estar mais errado.

 

 

Duas balanças, informações diferentes

Resultado de imagem para confusa

 

No outro dia, o meu marido resolveu pesar-se numa daquelas máquinas sofisticadas da Wells, aqui em Mafra.

Por curiosidade, também o fiz.

 

Dava-me uns centímetros a menos, uma pressão arterial de 9-5, e um peso normal 53,3kg, bem como o índice de gordura e de massa corporal. Relativamente aos batimentos, dizia que os meus estavam a 111. Não liguei.

Nesse mesmo dia, ao final da tarde, foi a vez da minha filha, numa máquina da Wells, mas na Ericeira. Dava-lhe também uns centímetros a menos, peso normal e pressão de 8-4! Perguntámos à funcionária, que não achou normal e pediu para repetir. Dava-lhe o mesmo, mas tinha mirrado mais uns centímetros!

Experimentei eu. Mais peso que em Mafra, menos altura, batimentos a 60 e a pressão de 9-5 também.

 

Conclusão: nunca fiar em resultados das balanças da Wells porque, cada máquina, sua sentença!