Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O atendimento público (e ao público) está cada vez pior

 

Com as devidas excepções, porque existem poucas (mas boas) pessoas que ainda se preocupam em tentar ajudar da melhor forma que puderem e conseguem ser, ao mesmo tempo, simpáticas e atenciosas, o atendimento ao público está cada vez pior.

Há funcionários que não têm tempo nem paciência para ouvir a "história" toda que as pessoas querem explicar.

Há os que cortam a explicação a meio e tiram as suas próprias conclusões sobre o que as pessoas pretendem, quando na verdade não é nada disso que desejam.

Há funcionários arrogantes, mal humorados e com a mania que sabem tudo.

Há funcionários que, à medida que envelhecem, se vão tornando cada vez mais picuinhas, mesquinhos, exigentes e implicantes. E os que se tornam cada vez mais lentos, a pedir licença a um pé para mexer o outro.

Há funcionários que, conforme os anos vão passando, ser tornam cada vez menos tolerantes, prestativos, atenciosos. E os que querem ter cada vez menos trabalho porque não é essa a sua obrigação, e porque nós é que temos que levar a "papinha toda feita".

Há funcionários que não fazem a mínima ideia do que estão a falar, que dão informações erradas, que informam às prestações, que nos fazem perder tempo.

E há aqueles que gostam de brincar ao "jogo do empurra", e de atirar as culpas pelo mau atendimento aos colegas de outros serviços.

A nós, resta munirmo-nos de paciência, e safarmo-nos como pudermos, porque precisamos deles para tratar dos nossos assuntos. Quanto a eles, talvez se devam munir de vários livros de reclamações porque se começarmos todos a reclamar, dificil será parar! 

 

Senhores(as) responsáveis e/ ou gerentes do Intermarché

 

Vejam lá se se resolvem, se se entendem, e passam a ter uma só regra para este assunto.

É que assim, ninguém percebe nada, e começamos a achar que "cada cabeça, sua sentença". 

Vou num sábado ao supermercado, entrego 3 ou 4 senhas do autocarro, e descontam todas. Noutro sábado, volto a fazer o mesmo, mas dizem-me que só posso descontar duas.

Num sábado, levo uma senha para descontar, a funcionária da caixa diz que não posso, eu digo que já da outra vez o fizeram, ela liga para a caixa central e dizem-lhe que pode descontar.

Mais um sábado, mais uma senha. A funcionária liga para a caixa central, a perguntar se pode descontar o vale do combustível com a senha do autocarro. Pode.

No sábado seguinte, entrego a senha. A funcionária diz que não pode descontar ao fim de semana, porque não há autocarro ao fim de semana. Tem que ficar para segunda-feira. E é a mesma informação que lhe dão da caixa central, depois de eu dizer que já me descontaram várias vezes ao fim de semana, mesmo depois de ligaram para os responsáveis.

Na caixa central dizem que, se o fizeram, foi uma excepção! Eu diria antes, várias excepções! Mas não se pode descontar senhas ao fim de semana e é essa informação que vão dar às funcionárias. Eu agradeço!

No domingo, por curiosidade, pergunto a uma outra funcionária se posso descontar uma senha de autocarro. Ela diz que tinha que ter descontado no sábado, sendo a senha de sexta. Eu digo-lhe, então, que tentei fazer isso mas não podia ser. Ela diz que não sabe de nada. Pergunta à colega (por azar, a que nos tinha atendido na véspera), e ela diz-lhe aquilo que já sabemos. E esta funcionária diz que, ao que parece, as regras mudaram, e ninguém a tinha informado de nada!

Caramba, será que é assim tão difícil comunicar a todos os funcionários quando é que se podem descontar, ou não, as senhas do autocarro?

 

Para além das normas

Quando estamos perante uma situação nova na nossa vida, temos a tendência a procurar informação sobre o assunto, a pedir conselhos, a dar ouvidos a quem já passou por uma experiência semelhante, e a nos guiarmos por aquilo que é considerado a norma, a regra, o padrão.

E não digo que seja, de todo, errado. Afinal, se tivermos uma referência, algo que nos possa ajudar ou elucidar, sentimo-nos mais preparados para atravessar essa nova etapa, e menos preocupados com as inúmeras dúvidas que nos pudessem atormentar.

No entanto, há que ter em conta que cada caso é um caso, e que as ditas normas, regras, padrões e referências, não são verdades absolutas. São apenas um mero registo ou indicador daquilo que é usual. Mas como em tudo na vida, existem excepções. Excepções essas que se traduzem em, perante situações idênticas, acontecerem factos diferentes, haver várias alternativas e acções distintas que se podem pôr em prática.

E que não podem, de forma alguma, ser consideradas anormais, menos apropriadas, indesejadas ou até evitáveis, apenas porque não correspondem à norma.

Por isso mesmo, embora possa informar-me e esclarecer-me sobre determinado assunto, e ouvir conselhos de alguém, nenhuma outra pessoa que não eu poderá decidir as minhas acções. Ninguém tem o direito de condenar determinado acontecimento ou facto, só porque não se encaixa nos padrões.

 

  • Blogs Portugal

  • BP