Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Sobre os trailers e as sinopses, e o seu efeito contrário

transferir.jpgtransferir (1).jpg

O "trailer" de um filme costuma apresentar as cenas escolhidas, com frases de efeito sobrepostas às cenas, ou com um narrador que motiva o espectador a assistir ao mesmo. Tem por objectivo gerar interesse no seu lançamento, mas destina-se, acima de tudo, a atrair a atenção do público alvo, e levá-lo a comparecer à exibição do filme completo, tentando obter um recorde de audiência no dia da sua estreia e, assim, fazer história.

Quando pretendemos escolher um filme para ver guiamo-nos, normalmente, pelo seu trailer ou pela sua sinopse, embora no trailer tenhamos uma ideia melhor daquilo que vamos ver.  

O mesmo acontece com os livros. O objetivo da sinopse é fazer com que o leitor entenda os pontos principais do texto original, e é essencial para fazer com que os leitores se interessem, ou não, pelo resto da obra. Funciona como uma espécie de chamariz.

Mas, de há uns tempos para cá, tenho assistido (pelo menos no meu caso isso aconteceu) ao efeito contrário ao pretendido.

Vejo o trailer, por exemplo, do "Em Parte Incerta". Já li o livro, sei que a história é boa e que, à partida, vou gostar do filme, mas o trailer não me inspira minimamente a vê-lo.

E quando quis contagiar o meu marido para que visse o "Cavalo de Guerra", sabendo eu que o filme era espectacular, mostrei-lhe o trailer e só pensei: "realmente, o trailer não mostra nada que entusiasme"!

É certo que o contrário também acontece. Muitas vezes entusiasmamo-nos com um determinado trailer, vamos com as expectativas em alta e saímos defraudados. Ou compramos um determinado livro com base na sua sinopse e depois arrependemo-nos.

Afinal, publicidade enganosa é o que não falta neste mundo. E não gostamos, de forma alguma, de ser enganados.

Mas seria bom que também não desfavorecessem tanto algumas obras surpreendentes (porque merecem bem mais que isso) sob pena de o efeito ser o inverso, de as pessoas seguirem adiante sem curiosidade ou vontade de ver ou ler, e com isso perderem algo de que, certamente, iriam gostar. 

 

 

O que é que nos faz gostar (ou não) de um determinado autor?

transferir.jpg

 

Acho que, em primeiro lugar, é preciso ter interesse nos temos abordados pelos autores dos livros, e gostar da forma como esses autores escrevem e nos transmitem a mensagem.

Mas nem sempre isto é suficiente. Muitas vezes estamos a ler um livro e pensamos que é apenas "mais do mesmo", o que nos leva a não ter vontade de ler mais nenhum livro desse autor, porque já sabemos do que vai falar. Isso já me aconteceu.

Com Augusto Cury, por exemplo, em que fixei os conceitos e ensinamentos focados em 2 ou 3 livros, e bastou. Ou, por exemplo, com Casey Watson, sobre as famílias de acolhimento de jovens em risco. Li "O Menino que Ninguém Amava" e gostei muito. Mais tarde, vi outros livros da mesma autora à venda, mas não tive vontade de os comprar.

No entanto, noutros casos, esse é um factor determinante para eu querer "devorar" os livros de outros autores como, por exemplo, Julia Quinn, Lesley Pearse, Jeff Abbott, Nicholas Sparks, Sandra Brown ou, mais recentemente, Nora Roberts.

Já sei, à partida, com o que conto quando compro um livro de um destes autores. Já sei que, embora as personagens e a história central mudem, a base é a mesma. É por isso que os quero ler! É isso que me faz gostar deles.

E se, por algum acaso, um autor sai do seu registo habitual e se aventura em terreno desconhecido, podemos não gostar muito da mudança. Também pode acontecer o contrário, mas é sempre um risco.

Há ainda aqueles autores que se destacam por um determinado livro, e ficamos por aí. 

É difícil encontrar um motivo específico para justificar as nossas escolhas, mas penso que um dos segredos para mantermo-nos fiéis a determinados autores é o facto que, a cada novo livro, mesmo que seja mais do mesmo, acrescentar algo de novo, e não decepcionar os leitores. 

 

 

 

 

Como Treinares o teu Dragão 2

 

Quando soube, ainda em 2013, que em 2014, por esta altura, iria estrear o filme Como Treinares o Teu Dragão 2, disse logo "quero ir ver"!

Já tinha visto o primeiro, em DVD, comprado por acaso e tinha gostado. Por isso queria ver a sequela. E, de todos os filmes de animação previstos, parecia-me o que mais valia a pena ir ao cinema ver. Aguardei todos estes meses para isso!

E posso dizer que as minhas expectativas não foram defraudadas. Pelo contrário! O filme superou-as, e muito!

Arrisco-me a dizer que, por incrível que pareça, apesar de ser muito raro acontecer, este segundo filme consegue ser tão bom ou até melhor que o primeiro!

Adoro o Hiccup e sinto um carinho enorme pelo Desdentado. Eles dão-se tão bem e a sua amizade é tão verdadeira e tão pura, que parece ser para toda a vida! 

Mas será que vai continuar assim neste novo filme? Ou será que as coisas vão mudar?

O que posso dizer, sem revelar a história, é que tem algumas reviravoltas e surpresas, muitas cenas para rir, e mais ainda para chorar (para quem é de lágrima fácil)!

Há alguém que se ganha, alguém que se perde, alguém que se redime, alguém que mostra porque é o que é, e alguém que descobre o que nasceu para ser!

Vale a pena ver! Até agora, foi o melhor filme de animação que vi este ano! 

 

 

Podes ficar feliz por mim, mãe?

 

"Recebi hoje as notas das últimas fichas de avaliação que fiz - Bom, Bom, Bom.

Não são más, mas esperava mais. As fichas tinham-me corrido tão bem. Fiquei um bocadinho desapontada. 

O que correu mal? Não sei. Só quando as vir posso ter a certeza se errei mais coisas do que pensava, ou se foi, como a professora disse, um problema de letra que, quem corrigiu, não percebeu.

Agora, está na hora de ligar para ti, mãe, e dar-te as novidades. Não tenho medo que fiques zangada comigo porque, seja qual for a minha nota, tu preferes que eu te diga, sem receio.

Mas sei que, tal como eu (ou mais ainda) vais ficar triste e desapontada. Sei que esperavas pelo menos, Muito Bom a algumas. Não tive.

Sei que te vais sentir frustrada e achar que podias ter feito mais, que vais pensar que, por mais que te esforces por me ajudar, não é suficiente para eu ter melhores resultados.

Mas não é verdade. Tu fazes o melhor que podes e, de certeza, sem a tua preciosa ajuda, sem a tua persistência e paciência, sem o teu apoio e incentivo, as coisas poderiam correr bem pior. 

Se tive as notas que tive, a culpa não é tua. Sou eu que estou na escola, sou eu que estudo e sou eu que tenho a responsabilidade de ter boas notas.

Ainda assim, fiquei satisfeita por não ter tido notas ainda mais baixas, como alguns colegas meus. Posso não ser um génio, a mais inteligente e a melhor aluna da turma, mas também não sou má aluna. E tu sabes que me tenho esforçado neste último ano.

Por isso, podes ficar feliz por mim, mãe? Porque se tu ficares feliz, eu também fico!

E tiro, do meu coração, uma boa parte desta angústia que sinto por ter tido notas mais baixas do que as que ambas esperávamos.

Ah, e preciso também que continues a acreditar, e não desistas, porque eu não quero desistir. E preciso que continues ao meu lado nesta batalha que temos vindo a travar há quatro anos, e que está longe de terminar.

Porque, contigo ao meu lado, sinto-me mais forte e confiante, para alcançar aquilo que mais desejamos!" 

Começámos o ano em grande!

 

O marido esteve a trabalhar na passagem de ano! (pelo 5º ano consecutivo)

A filha, com amigdalite, adormeceu pouco depois das 22h.

E eu, entrei no novo ano sentada no sofá com a Tica ao colo e a Inês a dormir encostada a mim!

Lá fora, para igualar a véspera de Natal, chuva.

Não houve espumante, nem passas, nem panelas a bater...Foi uma noite como tantas outras, igual a muitas outras.

E assim foi, também, o primeiro dia do ano. Salvo pelo computador que está em fase terminal e a precisar de ser substituído (logo agora que tinha resolvido poupar), e por uma boneca que, há muitos anos em estado vegetativo, resolveu suicidar-se! Tenho 3 bonecas de porcelana, há vários anos, em cima do roupeiro. Ninguém lhes mexeu. O meu marido estava a ver televisão na sala, a Tica a dormir ao pé dele e eu na cozinha. Ouvimos um barulho. Fui ver onde era e descobri uma das bonecas no chão do quarto, de cabeça partida. Caiu, assim, do nada. Mistério... 

 

É verdade que mais um ano terminou e um novo recomeçou. Enterra-se o passado e renova-se a esperança. Fecha-se um ciclo e abre-se outro. Temos uma oportunidade (ou assim queremos acreditar), de fazer nos próximos doze meses o que não fizemos nos anteriores. 

Mas, na verdade, continua a ser e a estar tudo como antes.

Continua a haver fome, guerra, violência, pobreza, mortes...Continua a haver corrupção, intrigas, conspirações...Continua a haver ricos, milionários e bilionários...Continuam a escassear valores a muitas pessoas...

Até mesmo algumas das nossas resoluções e decisões caiem, por vezes, em saco roto. Claro que, outras há que, com persistência, se concretizam. Mas, de uma forma geral, as mudanças que planeamos, ou esperamos, com a entrada no novo ano são mais uma ilusão do que uma realidade. Excepto, como é óbvio, aquelas que sabemos que nos aguardam todos os anos por esta altura - os aumentos!

 

Até agora, não me sinto mais diferente em 2014 do que me sentia em 2013. Simplesmente, a vida continua!

 

  • Blogs Portugal

  • BP