Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Masterchef Júnior - A saída do Pedro Jorge

 

Depois da eliminação de ontem do programa Masterchef Júnior, é certo que muitos portugueses perderam todo o interesse em continuar a ver este concurso. Saíu aquele que dava vida e alegria ao programa - o Pedro Jorge.

As redes sociais inundaram-se de comentários a manifestar a sua tristeza, desapontamento, discordância com a forma de atribuição de pontos utilizada, e com a forma como esta eliminação terá sido manipulada.

A verdade é que este é um programa de culinária, e são os dotes culinários que estão a ser avaliados. Nesse sentido, não só a eliminação do Pedro Jorge, mas a de muitos outros colegas, terá sido injusta.

Permanecem no programa concorrentes que têm tido prestações menos bem conseguidas, e são eliminados concorrentes que até têm potencial, mas acabam por ser "traídos" por uma única prestação que corre mal.

Ontem, foi a vez do Pedro Jorge ser eliminado. Este miúdo era, de facto, muito divertido e as cenas dele faziam-nos rir a todos. Nesse aspecto, o programa perde. Mas, sejamos realistas, ao longo de todo o programa, houve concorrentes que se mostraram mais fortes e com mais capacidades. E, apesar de sempre ter tentado superar os desafios, percebemos que não é muito versátil. Dá um jeito, os pratos saem-lhe, mas estão longe de ser os melhores.

Também é verdade que ficaram concorrentes que ainda mostraram menos qualidades, e que seriam uma eliminação menos injusta. Mas neste tipo de programas nem sempre a justiça está presente.

E já agora, o Pedro Jorge não foi o único a ser eliminado. A Carolina também foi, e também não terá sido merecida esta eliminação.

Além disso, como pudemos ver, na próxima semana eles estarão de volta, para uma última oportunidade. É esperar para ver o que acontece.

 

 

 

Do programa de ontem destaco o "casalinho" - Kiko/ Leonor! Ficam tão queridos juntos :)

Considerei uma estupidez manterem a Leonor ali naquela sala, cheia de medo, e não terem ido todos para a cozinha. Não fez sentido nenhum a miúda estar ali o tempo todo de cabeça baixa ou olhos tapados, só porque o cenário era mais bonito para o que eles queriam.

 

 

 

E o momento hilariante em que o Manuel Luís Goucha leva um banho de natas, e se transforma num fantasma de branco!

 

Neste momento, como potenciais vencedores do programa, assinalaria: 

o João Mata

o Tomás

o António

 

Já agora, para além de fazer bater mais forte os corações das meninas, e deixá-las a suspirar, pergunto-me o que foi lá mesmo fazer o Lourenço Ortigão?

 

 

Imagens http://www.tvi.iol.pt/masterchef/

 

 

A Mariza disse tudo

Contraponto

A gala de ontem do Got Talent Portugal não prometia grandes actuações, e estava na expectactiva para ver como ia correr e quem seria escolhido para a final.

A primeira actuação - dos Contraponto - desiludiu-me. Não sei se foi a escolha das músicas ou as próprias vozes que não favoreceram em nada a actuação. Estiveram, sem dúvida, melhores na audição.

 

 

André Kosasih

O meu primeiro voto da noite (em pensamento) foi para o André Kosasih. Gostei muito de o ver contracenar consigo próprio! Tem talento e revelou originalidade (embora haja actuações semelhantes a estas noutros países).

Mais uma vez, e relativamente à Mafalda, a actuação de ontem deixou muito a desejar. Gostei mais da simplicidade e emotividade que mostrou na audição. 

 

Francisco Mousinho

O truque do Francisco conseguiu cativar-me e roubar um segundo voto. Pode ser um truque bastante básico e ter sido mal executado. Ao que parece, os mais atentos perceberam que ele tinha o papel com a identificação da carta na mão, e não utilizou o que estava dentro do envelope. Eu, confesso, não estava assim tão atenta e fiquei espantada com o truque. Hoje vou rever e tentar perceber se realmente foi assim tão óbvio.

 

 

Carolina Vasconcelos

E o meu terceiro voto da noite, ou seja, a minha terceira concorrente mais votada foi a Carolina! Foi uma actuação muito bonita, mais arriscada que a da audição, que teve ali muito trabalho investido e correu lindamente. E a escolha da música foi perfeita!

Sobre o duo Cantando os Azuis nem me vou pronunciar. Sem comentários!

Quanto ao Gao, voltamos ao mesmo: melhor na audição do que ontem. Não gostei muito.

 

Posto isto, e na hora das votações, fiquei com a mesma cara que os jurados fizeram quando a luz do André se apagou, indicando que ele era um dos menos votados.

Ainda mais indignada fiquei quando aconteceu o mesmo à Carolina.

Não se percebe como é que duas das melhores actuações da noite ficam entre as menos votadas e vão para casa, enquanto outros continuam em competição.

A Mariza, quando lhe foi dada a palavra na recta final do programa, disse tudo!

 

 

Em relação aos convidados da noite tenho a dizer que fiquei muito desiludida com o Dengaz! Porquê? Então andava eu a gostar tanto da música "Dizer que Não" convencida que era o Dengaz que cantava, e não é que fico a saber que a parte mais bonita da música é cantada pelo Matay! Não fazia mesmo ideia. Assim é caso para dizer que não gosto de ouvir o Dengaz, gosto é de ouvir o Matay!

 

 

E que dizer do Agir? Já tinha ouvido um pouquinho da música no noticiário e gostei. Ontem, ouvi na íntegra, a adorei! 

Não percebo as críticas que estão a ser feitas a este movimento nem à letra da música. Como o próprio disse, não se trata de ser contra a maquilhagem, ou de dizer que ela não é útil ou necessária, mas sim de mostrar a todos que devemos gostar de nós da forma que somos e que, mesmo sem maquilhagem, já somos bonitas. Não quer dizer que não possamos ficar mais, mas a verdadeira beleza é a natural.

 

Imagens 

Got Talent Portugal

Got Talent Portugal | RTP

 

Vitória justa e mais que merecida!

 

Nem queria acreditar quando a Catarina abriu o envelope e mostrou o nome da Deolinda!

Depois de tanta polémica relacionada com as más escolhas dos mentores e votações do público, e quando já todos acreditávamos que o programa tinha sido planeado, desde o início, para a vitória do Pedro, por todos os motivos que já referi anteriormente, foi com uma enorme euforia e sentimento de que foi feita justiça, que celebrei a vitória da Deolinda.

Desde o  dia em que a ouvi na prova cega, que disse que ela era o grande trunfo do Mickael, e uma séria candidata à vitória. O seu percurso foi sempre recheado de grande actuações, que lhe valeram a presença na grande final.

Tenho pena que ela, de facto, assente as suas escolhas musicais sempre dentro do mesmo estilo mas, ao contrário do que aconteceu na passada semana quando cantou com o Mickael, desta vez gostei muito de a ouvir cantar em português, com o David Carreira e o Pedro.

Se tivesse que escolher a melhor actuação da Deolinda em todo o programa seria, sem dúvida, a primeira actuação dela de ontem, com "I Will Always Love You" da Whitney Houston. Até me atrevo a dizer que, se a Whitney ainda estivesse entre nós, teria que ter cuidado com a Deolinda! 

 

Quanto aos restantes concorrentes, e começando pela Sérgio que, para mim, deveria ter disputado a final com a Deolinda, esteve igualmente bem no seu registo lírico. Na sua primeira actuação, fiquei com aquela sensação que estava a assistir ao vivo a uma ópera.

Mas o que realmente gostei de ver foi o Sérgio sair do seu registo habitual e cantar num estilo totalmente diferente, da forma como o fez com o Rui Drumond, mostrando a sua versatilidade, e provando que tem uma vez espectacular.

O Pedro esteve, ontem, melhor que na gala passada. Gostei de o ouvir nas duas primeiras actuações. Não tem uma voz poderosa, mas consegue transmitir emoção enquanto canta. No entanto, quando passa das baladas para músicas mais ritmadas, em que também quer interagir com o público e dançar, as coisas não resultam tão bem. Não gostei muito de o ouvir cantar Goo Goo Dolls.

Pessoalmente, não tenho nada contra o Pedro, e ele não tem culpa de o público gostar e votar nele, e com isso o ter levado até à final. Assim como não tem culpa que o Anselmo, ao ver que o Pedro movia uma enorme legião de fãs, o tenha escolhido para ver se conseguia uma segunda vitória no The Voice Portugal. Mas gostei que tenha sido a Deolinda a levar a melhor, porque o merecia.

Quanto à Patrícia, esteve bem, mas talvez não consiga passar as emoções como os restantes, ou criar uma maior empatia com o público e, por isso, ficou em quarto lugar. Ao contrário do que disseram os mentores, fiquei com a sensação que a música Aleluya não a favorece muito. Gosto de a ouvir num tom mais grave e rouco.

Destaque ainda para as actuações de Ana Moura, David Carreira (eu nada semelhante ao irmão) e Rui Drumond, e para a belíssima música da Aurea, bem como o momento protagonizado por alguns concorrentes da equipa da Marisa no palco com os Amor Electro.

Pela negativa, destaco as várias gafes que os apresentadores cometeram.

Não sei se esta final foi melhor ou pior que a da edição anterior. A única que vi foi aquela em que ganhou o Denis Filipe, com o mentor Rui Reininho, e estava a torcer por ele. 

Desta vez, queria que fosse a Deolinda e, para grande surpresa minha, foi ela a vencedora! Parabéns Deolinda!

 

Imagens The Voice Portugal e The Voice Portugal | RTP

Entre jurados e público, venha o diabo e escolha!

Resultado de imagem para decisão

Sim, volto a falar do programa Achas que Sabes Dançar.

Os tempos são outros e os interesses também. Tivemos uma primeira edição há alguns anos atrás, muito mais credível, e justa.

Nesta segunda edição, semana após semana, as injustiças continuam!

Semana após semana, vamo-nos apercebendo da incoerência presente no discurso dos jurados, e nas decisões por eles tomadas. Do que realmente está em jogo neste tipo de programas. Do que pesa mais na balança na hora de salvar uns, e mandar para casa outros.

Marco da Silva perguntava na última gala, perante dois concorrentes, o que fazia mais falta ao programa - carisma sem técnica, ou técnica sem carisma? Nessa gala, venceu o carisma!

Estamos a assistir a um concurso em que muitos amadores foram deixados para trás, por falta de técnica, uma vez que era requisito básico para saber dançar. Uma das concorrentes saiu, na segunda gala, porque lhe faltava essa técnica, tendo mesmo sido aconselhada a ter aulas para melhorar esse aspecto.

Mas, ao mesmo tempo, vão eliminando alguns dos melhores bailarinos, e com mais técnica, que o programa tinha. Mudam de opinião, conforme lhes interessa!

E, assim, vão saindo concorrentes com técnica e que sabem dançar, e deixam-se os engraçados e carismáticos, pouco versáteis e que não trazem nada de novo. Dá-se tempo de antena ao músculo, a uma carinha laroca e as umas pernas bonitas, ao suposto "carisma" e ao estilo, em detrimento do que deveriam realmente avaliar.

Saem concorrentes a quem só lhes foi dada uma única oportunidade, e salvam concorrentes que já tiveram mais que uma e não a souberam aproveitar, nem com ela mostrar evolução.

Percebe-se, claramente, que há preferências, preferidos e protegidos.

Criticam os portugueses por não saberem votar, mas deixam o lado pessoal e as audiências ditarem a sua decisão final. Em que diferem, então, daqueles que todas as semanas tanto criticam?

Valeu a pena!

 

Não se pode dizer que o júri não esteja a fazer a sua função. Mas não posso deixar de referir que, na minha opinião, têm havido algumas injustiças, e escolhas que me fazem lembrar sucessivas tentativas de atirar boias de salvação, a quem não consegue nadar mais do que nadou até agora. Talvez consigam ver lá bem no fundo que a pessoa consegue fazer melhor, mas a verdade é que outros não tiveram as mesmas oportunidades. Uns, são imediatamente rejeitados. Outros, pelos mesmos erros ou piores até, continuam lá.

E se há quem salte de alegria por seguir em frente, também há quem se sinta desolado por ficar pelo caminho.

Como em todos os programas deste género, haverá candidatos que terão sucesso, outros de quem nunca mais ouviremos falar e alguns que nos marcam por determinados motivos.

Um deles foi, sem dúvida, o João - candidato humilde que, embora tenha feito uma boa prestação, não se adequava, segundo Manuel Moura dos Santos e restantes jurados, a este tipo de programa. As críticas até nem foram muito negativas, e o João soube ouvi-las como quem recebe conselhos para evoluir no futuro, e aceitá-las.

Tal como para tantos outros, o seu sonho talvez terminasse ali. Mas João tinha um sonho muito maior que ser o próximo ídolo de Portugal: uma prótese ocular, que nunca teve a oportunidade de ter por não ter dinheiro. E esse sonho, vai mesmo ser realizado!

O concurso não lhe deu fama, não o deixou seguir além da primeira fase. Mas, para o João, já valeu a pena ter participado!  

 

  • Blogs Portugal

  • BP