Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Uma Mulher em Fuga, de Lesley Pearse

Resultado de imagem para uma mulher em fuga

 

Há algumas coisas que são comuns em quase todos os livros da Lesley Pearse:

 

- a personagem principal feminina é sempre uma mulher de garra, forte, que apesar de todas as provações pelas quais passa, consegue sempre seguir em frente

- a temática da guerra

- o tempo que passa entre o início da história, e o seu final, que nos leva a viver vários anos seguidos, em poucas horas

 

"Uma Mulher em Fuga" conta a história de Rosie, uma menina de 8 anos que vive com o pai e os irmãos mais velhos, totalmente negligenciada, tendo a seu cargo cuidar dos homens da casa, e da própria casa.

Quando o pai leva Heather para cuidar de Rosie e de May Cottage, tudo parece melhorar para todos, até ao dia em que Heather desaparece sem deixar rasto.

Todos pensam que ela fugiu de Cole e dos filhos, por não aguentar mais lidar com eles. Mas, o que a fez deixar o filho, Alan, para trás, nas mãos daqueles odiosos rapazes e de um homem violento?

 

Só quando Thomas, irmão de Heather, a vai procurar anos mais tarde, percebe que algo de estranho se passou, e que Rosie e Alan não estão seguros naquela casa, denunciando o pai deles por maus tratos.

Rosie ganha, então, coragem, e ajuda Alan, contando depois ao pai tudo o que viu e sabe, o que lhe vale uma valente tareia, que quase a leva à morte.

Com o pai e irmãos presos, sobretudo depois de se descobrir dois cadáveres no terreno da casa, Rosie é levada para uma família de acolhimento temporário, dando início a uma jornada que a levará a viver situações desconcertantes e esmagadoras, das quais só com muita força e determinação conseguirá sair.

 

E, mais uma vez, surge a questão: será que tudo na nossa vida acontece por uma razão, e temos que passar pelo pior, para depois podermos saborear o melhor?

Estaria o destino de Rosie já traçado, ou foi ela, com as suas decisões, que traçou o seu próprio destino?

Onde estará Rosie, 11 anos depois de a termos visto pela primeira vez?

 

Nunca Me Esqueças

transferir (1).jpg

 

Baseado na história verídica de Mary Broad, condenada à forca por se ter atrevido a roubar um simples chapéu.

Mary acaba por ver a sua pena passar da forca para a deportação, mas depressa perde o ânimo.

Um relato impressionante sobre as míseras e desumanas condições em que viviam e a que eram submetidos os prisioneiros, tanto na prisão como nos navios que os transportavam para a Nova Gales do Sul. A fome, a falta de higiene, as doenças, os maus tratos e a luta pela sobrevivência.

Mary foi uma mulher de grande coragem, grande coração e preciosa inteligência. Mas até uma lutadora se vai abaixo quando perde todos aqueles que a faziam querer avançar.

A luta de Mary, e dos seus companheiros, desde que é presa até ser libertada e voltar para junto da família, durou mais de 7 anos, e não teve um final tão feliz como gostaríamos, mas a vida real é assim mesmo... 

 

 

 

O que têm em comum Procuro-te e Perdoa-me?

transferir.jpgtransferir.jpg

 

 

Perdoa-me e Procuro-te – o que têm em comum estes dois livros da Lesley Pearse?

Muitas coisas, e praticamente nada! Confusos? Eu explico.

Em primeiro lugar, apenas uma palavra - um verbo, que até começa em ambos os títulos pela letra P! No primeiro, em modo imperativo, no segundo, informativo. Mas isto é apenas um aparte!

Li primeiro o Perdoa-me que, como já referi num outro post, foi o livro surpresa deste ano e, uns meses mais tarde, o Procuro-te.

Ambas as histórias envolvem uma família constituída por pai e mãe adoptivos, e um irmão e uma irmã mais novos. Em ambas, a personagem principal – a filha mais velha que foi adoptada, tem problemas típicos de adolescente e passa por uma fase conturbada antes de assentar. Nas duas histórias a irmã mais nova não se dá bem com a personagem principal.

Ambas as histórias começam com a morte da mãe adoptiva. E em ambas, quando o pai recebe a notícia da morte da esposa, trata a filha mais velha com indiferença, com modos mais rudes e parece tomar o partido dos outros filhos, contra ela.

Em qualquer das histórias a personagem principal vai partir em busca das suas origens, e da sua mãe biológica.

Em ambas há mistério, crime e romance.

É aqui que se acabam as semelhanças que, por momentos, me levaram a pensar “ou não, outra história igual?”!

No Perdoa-me, Eva foi roubada à mãe biológica. No Procuro-te, Daisy foi adoptada.

A mãe biológica da Eva era negligente, como se veio a provar pelo que aconteceu com a sua outra filha. Já a mãe de Daisy, foi forçada pelas circunstâncias a dar a sua filha para adopção, para que tivesse um futuro melhor, que ela nunca lhe poderia proporcionar.

Um retrato sobre uma vida simples numa quinta, sobre ambição, sobre os meandros do álcool e drogas no mundo da moda, sobre como se podem desfazer todos os sonhos da adolescência de um momento para o outro, sobre maus tratos, sobre altruísmo, e uma amizade inabalável (ou talvez não) entre duas irmãs.

E, no final, irá Daisy encontrar a sua mãe biológica? Criar laços com ela? Recuperar o tempo perdido?

Para saberem que descobertas Daisy fez sobre a sua família, sobre o passado dos avós, da mãe e de todos os que fizeram parte dessa outra vida, vão ter que ler o livro.

Nunca digas adeus

 

Duas crianças solitárias, com vidas totalmente diferentes e, ainda assim, tão semelhantes, tornam-se "amigas de verão".

Durante vários anos, é essa a única altura em que se juntam, se divertem, partilham segredos, sonhos e experiências. No resto do tempo, trocam correspondência e contam os dias para voltarem a estar juntas.

Até ao dia em que cada uma segue o seu caminho, e se distanciam, perdendo por completo o contacto uma com a outra.

Susan e Beth reencontram-se, muitos anos mais tarde, já adultas, nas qualidades, respectivamente, de arguida e advogada oficiosa, após um assassinato numa clínica.

Ao longo da história vamos percebendo que nenhuma delas conhecia verdadeiramente a outra, e que aquilo que cada uma invejava na outra não passava de uma ilusão.

Percebemos que, como diz o ditado "só quem está no convento é que sabe o que vai lá dentro", e que as aparências enganam.

E, mais que tudo, percebemos as consequências que diversos acontecimentos podem trazer à vida e à mente do ser humano.

O passado influenciou o presente, e condicionará o futuro. Haverá ainda uma réstia de esperança para qualquer uma delas? Ou será tarde demais?... 

Perdoa-me: o livro surpresa de 2014!

 

Este livro foi, para mim, até ao momento, a grande surpresa de 2014!

Fui positivamente surpreendida porque, apesar de a sinopse me ter interessado e levado a comprar, nunca esperei encontrar uma história como esta.

É um livro completo, com tudo aquilo que gosto e me cativa na leitura: crime, suspense, mistério, romance, relações, investigação, viagens a locais fantásticos, muita luta, coragem, medo...

Com quase 500 páginas, poderia tornar-se um livro cansativo. Mas não o é.

Há sempre alguma coisa que acontece quando menos esperamos. E mesmo quando achamos que já não há mais nada para descobrir ou acontecer, lá surge mais uma surpresa. É assim até ao final!

Recomendo a todos os que gostam deste género de livro que o leiam, porque não se vão arrepender!

Perdoem-me todos os outros livros que já li este ano, mas este corre sérios riscos de se tornar o meu favorito!

 

Sinopse
"O instante em que encontrou a mãe sem vida nunca se extinguirá da memória de Eva Patterson. Num bilhete, as suas últimas e enigmáticas palavras: Perdoa-me.
O mundo seguro de Eva ruiu naquele momento devastador. Mas o inesperado suicídio de Flora vai marcar apenas o início de uma sucessão de acontecimentos surpreendentes. No seu testamento, Flora deixa a Eva um estúdio em Londres. Este sítio é a primeira pista para o passado secreto de uma mulher que, Eva percebe agora, lhe é totalmente desconhecida.
No sótão do estúdio, a jovem encontra os diários e os quadros da mãe, provas de uma fulgurante carreira artística mantida em segredo. O que levou Flora a esconder tão fundo o seu passado? Ao aproximar-se da verdade, Eva descobre um crime tão chocante que a leva a questionar-se se alguma vez conseguirá, de facto, perdoar."

 

  • Blogs Portugal

  • BP