Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Como perder totalmente o interesse num programa

Resultado de imagem para the voice portugal

 

 

Fui uma fiel seguidora, nos últimos anos, do programa The Voice Portugal.

Conseguiu manter-me ligada a ele a cada domingo à noite, mesmo quando no dia seguinte acordava cheia de sono para ir trabalhar.

Nenhum outro programa me tinha feito mudar de canal e trocar. Até este ano...

 

 

Sim, este ano, ainda comecei a vê-lo, apenas para constatar que o programa (tal como provavelmente a maioria deles) está viciado, esgotado, sem nada de novo: as mesmas injustiças, os mesmos discursos, as mesmas desculpas esfarradas, os mesmos interesses, e um objectivo que é tudo menos aquele que apregoa.

Aos poucos, comecei a optar por assistir ao Casados à Primeira Vista, e gravar o The Voice para ver mais tarde. Mas nem me dou a esse trabalho. O pouco que vou vendo e lendo, permite-se ficar por dentro do que se passa, e acentuar mais a pouca vontade em perder tempo a segui-lo.

 

 

Mudem os apresentadores, mudem os mentores, mudem a dinâmica, sejam genuínos e espontâneos, e talvez voltem a conquistar audiências.

Aliás, acho que qualquer programa do género (incluindo o Casados à Primeira Vista, que já soa mais a encenação) teriam a receita de sucesso na novidade, aliada à espontaneidade. Porque é isso que mais agrada ao público.

Até lá, será sempre a diminuir, até acabarem de vez com o programa. 

A primeira etapa dos Tira Teimas

Foto de The Voice Portugal.

 

Serviu para tirar as teimas de que nem sempre passam os melhores, e que há muita coisa por detrás daquilo que querem passar cá para fora, incluindo interesses que vão além do propósito do programa, e outros que, satisfazendo as prioridades a nível de audiências, acabam por deixar para segundo plano o objectivo principal que devia ser tido em conta.

 

Equipa da Aurea

Foto de The Voice Portugal.

O Pedro provou que é no fado que se sente melhor e consegue dar o máximo. Seria o concorrente que eu escolheria, a par com a Ana Paula. Confesso que são dois estilos que não me agradam, sobretudo o lírico, tenho dificuldade em suportar. Mas foram os melhores concorrentes desta equipa neste Tira Teimas.

A Catalina cantou bem, mas posso ouvir outras concorrentes a cantar o mesmo, sem distinguir.

A Diana Lucas não esteve, de todo, no seu melhor. Mas já sabíamos que a Aurea não ia deixar a sua amiga para trás na competição. Má escolha da mentora.  

Ana Paula 

Diana Lucas 

 

 

Equipa do Mickael

Foto de The Voice Portugal.

O que é que se passou com estes rapazes?

O Simão que, claramente, eu não teria passado para esta fase, conseguiu ser o melhor dos 4! 

Já o Tiago e o Fábio, marcaram pela negativa. Ou a escolha não foi a mais acertada, ou não souberam dar tudo o que as músicas pediam.

A Jessica, que eu nunca teria trazido para os Tira Teimas, surpreendeu pela positiva e seria ela, a par com o Simão, que eu passaria para as galas.

Simão 

Fábio 

 

 

Equipa do Anselmo

Foto de The Voice Portugal.

O José era "o elo mais fraco", pelo que estava, à partida, condenado. A Vanessa é vista como uma diva, mas não me convence.

A Marta está a mostrar que deve apostar numa carreira a solo, e esquecer o trio, porque foi uma das melhores do grupo, a par com a Beatriz. Mais uma vez, fado não é um estilo que eu aprecie, e talvez ela não se adapte a outros estilos, mas se não é isso que se pede, tal como a Marisa referiu em relação a outro concorrente, então seria justo ela passar.

Marta 

Vanessa 

 

 

Equipa da Marisa

Foto de The Voice Portugal.

Nesta equipa, os dois concorrentes que eu escolheriam seriam a Inês e o Tomás. A Cristiana não me convenceu, Já o Tiago, parece estar a "ser levado ao colo". Parece haver uma "ordem" para mantê-lo no programa, pelo bem das audiências e dos corações apaixonados que se derretem a ouvi-lo cantar. O discurso da Marisa, seria esplêndido noutro contexto. Aqui, pareceu um pouco ridículo. E nem é por eu ter alguma coisa contra o Tiago. Achei a prova dele fantástica, e voltou a encantar neste Tira Teimas. Mas viu-se pelos ensaios que nem neste estilo, ele consegue sempre estar no ponto. Tanto que teve de mudar o tema.

Tomás 

Tiago 

 

Ou seja, de acordo com as minhas preferências apenas passou, de forma justa, um concorrente de cada equipa!

Esperemos pelo próximo Tira Teimas!

 

 

Imagens The Voice Portugal 

 

 

Quando os próprios professores desincentivam os alunos

Resultado de imagem para ensino

 

Ao longo dos anos tenho vindo a desanimar-me com o ensino que temos nas escolas, visto pela óptica de uma mãe com uma filha a estudar.

O que aconteceu na passada sexta-feira, só me revolta ainda mais, e deixa-me triste. Em cada reunião de pais é-nos dito que devemos incentivar os nossos filhos, acompanhá-los neste percurso, fazê-los manter o interesse pelas disciplinas.

E os professores, não é suposto fazerem o mesmo? Não deveriam ser os primeiros a incentivar os seus alunos?

 

Pois não é isso que me parece que esta professora tenha feito. Na sexta-feira, a minha filha trazia anotado na caderneta 3 faltas, por não ter feito os TPC's. As primeiras duas faltas, confirmo. Já a terceira, considero totalmente injusta, porque a minha filha, embora tenha deixado alguns exercícios por fazer, porque não sabia, teve falta como se não tivesse feito a ficha. E, como ela, todos os que não fizeram a ficha completa, levaram falta.

 

Ora, isto é meio caminho andado (e confesso que me deu muita vontade de lhe dizer para o fazer) para os alunos não quererem saber dos TPC's porque, tanto fazendo aquilo que sabem, esforçando-se, ou não fazendo nada, o resultado é o mesmo!

Ou, então, também se pode dar o caso de preencherem tudo o que não sabem, com a primeira coisa que lhes vier à cabeça, só para terem tudo feito e não levarem falta.

 

É esse o objectivo?

É assim o ensino que temos hoje?

São estes os professores que temos nas escolas? 

 

Por 13 Razões

Resultado de imagem para por 13 razões

 

Já muito se escreveu sobre esta série da Netflix, que tanto deu que falar pelo seu tema controverso - o suicídio na adolescência.

Ouvi opiniões favoráveis e críticas negativas, houve quem adorasse a série, e quem a detestasse.

 

Chegou a minha vez de ver a série, e tirar as minhas próprias conclusões.

Em primeiro lugar, como diz o ditado "quem está no convento é que sabe o que vai lá dentro", e só quem passa por determinadas situações saberá se teria motivos para cometer suicídio ou não. Não devemos julgar ou condenar ninguém por ter tomado essa decisão. Mas isso não significa que estejamos de acordo.

De qualquer forma, essa é uma decisão da própria pessoa, pela qual não se deve tentar culpar terceiros. Algumas pessoas podem contribuir para debilitar o nosso estado emocional, podem até ter cometido crimes contra nós, mas o suicídio é sempre uma decisão pessoal, pela qual somos os únicos responsáveis.

 

Confesso que comecei a ver a série, e desisti no fim do terceiro episódio!

Até compreendo que a ideia seja mostrar ao público tudo o que levou uma adolescente a tomar a decisão de se suicidar, vendo aí a única solução para os seus problemas.

E até percebo que ela quisesse enviar as cassetes para alguém da sua confiança.

O que não compreendo, é o joguinho das cassetes a circularem por entre todos os colegas. Qual era o objectivo? Que se sentissem culpados? Que se responsabilizassem pela decisão dela? Que confessassem o que tinha feito, quando seria a palavra deles, contra a de alguém que já morreu?

Tal como não compreendo porque não entregou o Tony, guardião das cassetes, de imediato, as mesmas à mãe da Hanna, que queria descobrir a verdade, e esperou quase até ao final para perceber que não deveria guardar os segredos da amiga.

Até porque, se a Hanna queria guardar os seus segredos, não faria sentido enviar as cassetes para os colegas, esperando tudo o que viria a seguir.

 

Recomecei a ver a partir do episódio 8, tendo-me o meu marido contado o que entretanto se passou. Não vi ali nada que justificasse uma decisão tão drástica, até esse ponto. Mais motivos teria a Jessica, se se lembrasse (será que não se lembrava mesmo?), para o fazer, e mesmo assim não penso que fosse essa a solução.

Quem não sofreu, em algum momento, bullying na escola? Quem não passou anos do seu percurso escolar sem grandes amigos? A perder namorados para amigas, a perder amizades por causa de rapazes?

 

Posto isto, o que mais me chamou a atenção nesta série foi o facto de, por mais que queiramos  e tentemos, conhecer bem os nossos filhos, ou controlar o que lhes acontece, isso é impossível. Podemos dar o nosso melhor, coisa que não me parece que os pais da Hanna tenham feito, mas ainda assim pode não ser o suficiente.

De nada adiantará os pais andarem agora, paranóicos, em cima dos filhos, porque isso pode ter o efeito contrário, e levá-los para o caminho de onde os querem desviar.

E as escolas, sabendo ou não o que se passa nas suas barbas tentam, na maioria das vezes, ignorar, esconder, camuflar, e nem sequer estão habilitados para ajudar quando um aluno pede ajuda.

 

Tudo o resto, não é novidade, porque já andámos na escola e sabemos bem como funciona. Até mesmo na idade adulta, nos locais de trabalho, acontecem situações dessas. Os grafitis na casa de banho, as listas, as amigas da onça, as drogas, os gabarolas, os cabrões e meninos dos papás que acham que o dinheiro paga e apaga tudo, e que são impunes, enfim...

 

Qual foi, afinal, o objectivo das cassetes?

Os pais da Hanna ficaram a par da verdade, tal como a escola, e os colegas da Hanna, incluindo o Clay. De que é que serviu essa verdade?

A única pessoa que cometeu os maiores crimes, continuou impune. Um dos colegas da Hanna, tentou também o suicídio. Valeu a pena?

 

Claro que isso será, provavelmente, respondido numa segunda temporada. Que eu não sei se vou ter paciência para ver, porque esta já me pareceu demasiado longa, para a história que conta, quanto mais voltar ao mesmo tema, com mais uma dúzia de episódios.

 

Relativamente ao Justin, sim, é um parvalhão, cometeu erros (não crimes) mas tem toda uma história por detrás, que não o ajuda e, embora essa história não justifique os seus actos, não consigo considerá-lo culpado.

 

Se há um culpado, é o Bryce. Muitos podem ter contribuído para a bola de neve de acontecimentos que foram decisivos para o suicídio, incluindo a indiferença dos pais, mas este é o único que consigo ver como culpado.

Ainda assim, tal como a Hanna, também a Jessica foi violada, e seguiu em frente.

Confesso que já vi documentários em que a situação justificaria mais um suicídio, que a vida da Hanna. Mas, lá está, só ela saberia como se sentia, e se esta era a melhor solução.

 

De qualquer forma, esperava mais desta série, e fiquei dececionada com a forma como foi conduzida ao longo de 13 episódios. 

Uma chamada telefónica muito produtiva!

Resultado de imagem para chamada telefónica desenhos

 

Há vários dias que andavam a ligar para o meu telemóvel. Ontem atendi, e era da Wizink, a tentar convencer-me a aderir ao seu cartão super hiper mega vantajoso. A conversa que se seguiu foi muito produtiva, como podem ver:

 

Operador: Este cartão dá-lhe desconto nas ópticas "x" e "y", incluindo lentes de contacto

Eu: Pois, resta saber se têm a marca específica que uso, e com as características especiais que eu preciso

Operador: Pois, se calhar neste campo não lhe será muito útil

 

Operador: Também poderá ter desconto em produtos de beleza, cremes, etc.

Eu: Não uso cremes!

Operador: 99% das mulheres que conheço usa cremes, para prolongar a juventude

Eu: pois, mas eu não, até porque a maior parte deles é um engano

Operador: Sendo assim, vamos ver as outras vantagens

 

Operador: Temos seguro para viagens de avião

Eu: Não faço viagens de avião

Operador: Pois, então talvez neste aspecto não lhe interesse muito 

 

Operador: Temos seguro para as compras efectuadas na internet, devolvendo até cerca de 300 euros

Eu: As compras que faço normalmente é livros, nunca tive problemas, porque ou pago por multibanco, ou à cobrança

Operador: Bom,então nesse caso não lhe compensa...

 

E assim continuou, até que me pergunta:

 

Operador: Vê-se como uma possível utilizadora do nosso cartão?

Eu: Não! A hipótese de o vir a utilizar é de uma em mil!

Operador: mas pode sempre ficar com ele, não tem qualquer custo nem anuidades

Eu: Obrigada, mas não estou interessada.

 

E pronto, agradeceu pelo tempo que o estive a ouvir, mesmo não tendo conseguido alcançar o objectivo.

 

Por curiosidade, fui pesquisar mais sobre a Wizink. Só vi dezenas de reclamações!

  • Blogs Portugal

  • BP